Impacto das ações de promoção de saúde em indiví­duos com sobrepeso/obesidade

  • Maria Raquel da Silva Lima Universidade de Fortaleza, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Ana Angélica Romeiro Cardoso Centro Universitário Estácio do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Rafaela Dantas Gomes Universidade de Quixeramobim (UNIQ), Quixeramobim-CE, Brasil.
  • Maria Dinara de Araújo Nogueira Centro Universitário Estácio do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Rosângela Gomes dos Santos Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza-CE, Brasil
  • Paula Matias Soares Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza-CE, Brasil
Palavras-chave: Sobrepeso, Obesidade, Promoção, Interdisciplinaridade

Resumo

A obesidade é uma patologia multifatorial, que necessita de cuidado integral. Sendo assim, o objetivo geral foi analisar os resultados de ações de promoção em saúde, com abordagem interdisciplinar à pacientes com sobrepeso/obesidade. Esta pesquisa tratou-se de um estudo exploratório, com metodologia clí­nico-qualitativa em um grupo de promoção de saúde de 33 participantes. Os participantes deveriam possuir o diagnóstico de sobrepeso ou obesidade com idades entre 23 e 84 anos, sendo excluídos adultos eutróficos, adolescentes e gestantes. Os encontros ocorreram no Centro de Atenção Psicossocial Geral. A coleta de dados deu-se por entrevista semiestruturada, e posteriormente sujeita a análise de conteúdo. Observou-se então que a motivação, conscientização de melhores hábitos alimentares, a necessidade de compartilhar o aprendizado, assim como o fortalecimento de ví­nculos, se fizeram presentes. Desta forma, faz-se necessário intensificar ações de promoção à saúde, visando a intersetorialidade e interdisciplinaridade, complementando de forma coletiva o cuidado.

Biografia do Autor

Maria Raquel da Silva Lima, Universidade de Fortaleza, Fortaleza-CE, Brasil.

Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário Estácio do Ceará, especialista em Saúde da Famí­lia e Comunidade na modalidade de Residência Multiprofissional em Saúde e aperfeiçoamento em Terapia Comunitária Integrativa pela Escola de Saúde Pública do Ceará. Além disso, especialista em Nutrição Esportiva aplicada ao Exercí­cio Fí­sico pela Universidade Estadual do Vale do Acaraú e pós-graduada em Prescrição de Fitoterápicos e Suplementação Nutricional na Prática Clíni­ca e Esportiva pela Universidade Estácio de Sá. Atualmente está vinculada como mestranda, no Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na Universidade de Fortaleza

Ana Angélica Romeiro Cardoso, Centro Universitário Estácio do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Estadual do Ceará (2000). Experiência na área de Nutrição, com ênfase na saúde coletiva como nutricionista do NASF em prevenção e promoção à saúde. Como também na área de gestão em unidades de atenção primária à saúde. Atualmente exerce o cargo de preceptora em saúde coletiva no Centro Universitário Estácio do Ceará

Rafaela Dantas Gomes, Universidade de Quixeramobim (UNIQ), Quixeramobim-CE, Brasil.

Possui graduação em Nutrição pela Faculdade Estácio do Ceará (2018), pós graduação em Nutrição pela UNIQ - Universidade de Quixeramobim (2018) e graduanda em Nutrição em Oncologia (conclusão prevista para outubro de 2018). Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Nutrição Clí­nica.

Maria Dinara de Araújo Nogueira, Centro Universitário Estácio do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.

Nutricionista Clí­nica no Hospital Distrital Gonzaga Mota Messejana (HDGMM); Graduada pela UniFanor Wyden; Pós-graduanda em Nutrição Pediátrica, Escolar e na Adolescência pelo Centro Universitário Estácio do Ceará

 

Rosângela Gomes dos Santos, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza-CE, Brasil

Educadora fí­sica. Especialista em Saúde Mental na modalidade de Residência Multiprofissional pela Escola de Saúde Pública do Ceara- ESP/CE. Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual do Ceará

Paula Matias Soares, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza-CE, Brasil

Educadora Fí­sica. Doutora em Biotecnologia. Professora Adjunta da Universidade Estadual do Ceará do Curso de Educação Fí­sica - CEF/CCS/UECE. Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas

Referências

-Andrade, G.R.B.; Vaitsman J. Apoio social e redes: conectando solidariedade e saúde. Ciênc. saúde colet. Vol.7. Num.4. 2009.p.925-934.

-Bardin, L. Análise conteúdo. 5ª edição. Lisboa. Edições 70. 2010.

-Bianchini, J.A.A.; Hintze, L J.; Bevilaqua, C.A.; Agnolo, C.M.D.; Junior, N.N. Tratamento da Obesidade: Revisão de artigos sobre intervenções multiprofissionais no contexto brasileiro. Arq Ciênc Saúde. Vol.19. Num.2. 2012. p.9-15.

-Bittar, C.; Lima, l.C.V. O impacto das atividades em grupo como estratégia de promoção da saúde na senescência. Vol.14. Num.4. 2011. p.101-118.

-Cateneo, C.; Carvalho, A.M.P.; Galindo, E.M.C. Obesidade e Aspectos Psicológicos: Maturidade Emocional, Auto-conceito, Locus de Controle e Ansiedade. Psicol Refl Crít. Vol.18.Num.1. 2005.p.39-46.

-Czeresnia, D.; Freitas, C. (Orgs.). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro. Ed. Fiocruz. 2003.

-Freire, P. Educação e mudança. 29ª edição. São Paulo. Editora Paz & Terra. 2002.

-Japiassu, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro. Imago.1976.

-Keher, G.M.; Souza, V.F.M.; Vágula, S.; Fiorese, L.V.; Nardo Júnior, N.; Pereira, V.R. Prevenção e tratamento da obesidade: indicativos do sul do Brasil. Cienc Cuid Saude Vol.6. Num.2. 2007. p. 427-432.

-Lacerda, A. Redes de Apoio Social no Sistema da Dádiva: Um Novo Olhar Sobre a Integralidade do Cuidado no Cotidiano de Trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Tese de Doutorado. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Rio de Janeiro. 2010.

-Minayo, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo. Hucitec.2007.

-Pereira, J.M.; Helene, L.M.F. Reeducação alimentar e um grupo de pessoas com sobrepeso e obesidade: relato de experiência. Espaç. Saúde. Vol.7. Num.2. 2006. p.32-38.

-Rotenberg, S.; Vargas, S. Práticas alimentares e o cuidado da saúde: da alimentação da criança à alimentação da família. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. Vol.4. Num.1.2004. p.85-94.

-Santos, A.L.; Pasquali, R.; Marcon, S.S. Sentimentos e vivências de obesos participantes em grupo de apoio: estudo exploratório. OBJN.Vol.11. Num.1. 2012.

-Santos, L.M.; Ros, M.A.; Crepaldi, M.A.; Ramos L.R. Grupos de promoção à saúde no desenvolvimento da autonomia, condições de vida e saúde. Rev. Saúde Públ. Vol.40. Num.2. 2006. p.346-52.

-Santos, M.A.M; Cutolo, L.R.A. A Interdisciplinaridade e o Trabalho em Equipe no Programa de Saúde da Família. Arq. Catarin. Med. Vol.32. Num.4. 2003. p.65-74.

-Souza, A.C.; Colomé, I.C.S.; Costa, L.E.D.; Oliveira, D.L.L.C. A educação em saúde com grupos na comunidade: uma estratégia facilitadora da promoção da saúde. Rev Bras Enferm. Vol.26. Num.2. 2005.p.147-53.

-Tahan, J.; Carvalho, A.C.D. Reflexões de Idosos Participantes de Grupos de Promoção de Saúde Acerca do Envelhecimento e da Qualidade de Vida. Saúde Soc. Vol.19. Num.4. 2010.p.878-888.

-Turato, E.R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico qualitativa. Petrópolis. Vozes.2003.

-Victor, J.F.; Araújo, A.R.; Ximenes, L.B.; Araújo, T.L. Grupo Feliz Idade: cuidado de enfermagem para a promoção da saúde na terceira idade. Rev Gaucha Enferm. Vol.41. Num.4 2011.p.724-30.

Publicado
2020-05-16
Como Citar
Lima, M. R. da S., Cardoso, A. A. R., Gomes, R. D., Nogueira, M. D. de A., dos Santos, R. G., & Soares, P. M. (2020). Impacto das ações de promoção de saúde em indiví­duos com sobrepeso/obesidade. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(81), 687-694. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1041
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original