Circunferência do Pescoço como indicador de risco cardiometabólico

  • Anna Caroline Gambaro Programa de pós-graduação Lato Sensu em Farmácia Hospitalar, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel-PR, Brasil.
  • Ligiane Lourdes da Silva Programa de pós-graduação Lato Sensu em Farmácia Hospitalar, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel-PR, Brasil.
  • Mustafa Hassan Issa Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Foz do Iguaçu-PR, Brasil.
  • Suelem Tavares Penteado Programa de pós-graduação Lato Sensu em Farmácia Hospitalar, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel-PR, Brasil.
Palavras-chave: Resistência à insulina, Síndrome metabólica, Adiposidade, Antropometria, Doenças cardiovasculares

Resumo

Doenças Cardiovasculares (DCV) são uma das principais causas de óbitos em todo o mundo. Um dos parâmetros verificados ao avaliar o risco de um paciente em desenvolver DCV, são os indicadores antropométricos. A Circunferência do Pescoço (CP) aparece como uma alternativa por sofrer menos interferências externas. Objetivo: verificar a correlação da CP com os fatores de risco cardiometabólico em indivíduos obesos. Materiais e métodos: A população foi composta por 68 pacientes de um serviço de obesidade e cirurgia bariátrica de um hospital de ensino. Coletaram-se exames laboratoriais, doenças prévias, bioimpedância e indicadores antropométricos, como circunferência abdominal e pescoço. Realizou-se a correlação linear bivariada de Pearson e análise de variância One-way ANOVA, através do software Statistica 13.0 ®. Resultados: dentre os 68 participantes, 85,29% eram do sexo feminino, com média de idade de 47,35 (±9,74) anos e IMC médio de 41,6 (±5,82). Dos 59 que apresentaram CP alterada, 72,06% possuíam Hipertensão Arterial Sistêmica, 32,36% Diabetes mellitus, 20,59% dislipidemia e 32,36% apneia do sono. A CP correlacionou-se positivamente com os marcadores de síndrome metabólica, principalmente quando avaliado resistência periférica a insulina. Conclusão: por ser um indicador fácil, barato e sofrer com menos interferentes externos, a CP pode ser utilizado como adjuvante na avaliação do risco cardiovascular do paciente obeso, considerando a correlação positiva com os marcadores de síndrome metabólica e resistência periférica a insulina.

Referências

-Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO). Diretrizes Brasileiras de Obesidade. São Paulo. 2016.

-Ashwell, M.; Gunn P.; Gibson, S. "Waist‐to‐height ratio is a better screening tool than waist circumference and BMI for adult cardiometabolic risk factors: systematic review and meta‐analysis." Obesity reviews. Vol. 13. Num. 3. 2012. p. 275-286.

-Ataie-Jafari, A.; e colaboradores. Neck circumference and its association with cardiometabolic risk factors: a systematic review and meta-analysis. Diabetology & metabolic syndrome. 2018. p 72.

-Barros, L.M.; e colaboradores. Qualidade de vida entre obesos mórbidos e pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Revista Eletrônica Enfermagem. Vol. 17. p 312-21, 2015.

-Battisti, L.; e colaboradores. Percepção da qualidade de vida e funcionalidade em obesos candidatos a cirurgia bariátrica: um estudo transversal. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 9. 2017.

-Ben‐Noun, L.; Sohar, E.; Laor, A. Neck circumference as a simple screening measure for identifying overweight and obese patients. Obesity research. Vol.9. Num 8. 2001. p. 470-477.

-Brasil. Ministério da Saúde. Doenças cardiovasculares causam quase 30% das mortes no País. 2018. Disponível em http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2011/09/doencas-cardiovasculares-causam-quase-30-das-mortes-no-pais. Acesso em 28/01/2018.

-Chehab, F. F.; e colaboradores. Early onset of reproductive function in normal female mice treated with leptin. Science. v. 275. n. 5296. 1997. p. 88-90.

-Cômodo, A. R.; e colaboradores. Utilização da bioimpedância para avaliação da massa corpórea. 2009.

-Cordovil, Y. F.; Almeida, S. D. S. Variáveis antropométricas e fatores de risco cardiovascular associados em Quilombolas Marajoaras. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 12. Num. 71. 2018. p. 406-415.

-Da Silva Dantas, E. M.; e colaboradores. Concordância na avaliação de risco cardiovascular a partir de parâmetros antropométricos. Einstein. Vol. 13. Num. 3. 2015.

-Da Silva, M. W.; Pretto, A. D. B.; Borges, L. R. Associação entre circunferência do pescoço e risco cardiovascular de pacientes atendidos em um ambulatório de nutrição. Revista Brasileira Nutrição Clínica. Vol. 30. Num. 4. 2015. p. 285-90.

-De Lorenzo, A.; e colaboradores. New obesity classification criteria as a tool for bariatric surgery indication. World journal of gastroenterology. Vol. 22. Num. 2. 2016. p. 681.

-Ferriani, L. O.; e colaboradores. Concordância entre parâmetros antropométricos de obesidade na avaliação do risco cardiovascular em uma amostra de funcionários do setor de alimentação coletiva. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde. Vol. 19. Num. 3. 2017. p. 128-134.

-Flegal, K. M.; e colaboradores. Prevalence and trends in obesity among US adults, 1999-2008. Jama. Vol. 303. Num. 3. 2010. p. 235-241.

-Koppad, A. K.; Kaulgud, R. S.; Arun, B. S. A Study of Correlation of Neck Circumference with Framingham Risk Score as a Predictor of Coronary Artery Disease. Journal of clinical and diagnostic research: JCDR. Vol. 11. Num. 9. 2017.

-Kovaleski, E.S.; e colaboradores. Perfil farmacoterapêutico de pacientes obesos no pós-operatório de cirurgia bariátrica. Jornal Vascular Brasileiro. Vol. 15. Num 3. 2016. p. 182-188.

-Kurtoglu, S.; e colaboradores. Neck circumference as a novel parameter to determine metabolic risk factors in obese children. European journal of clinical investigation. Vol. 42. Num. 6. 2012. p. 623-630.

-Li, H. X.; e colaboradores. Neck circumference as a measure of neck fat and abdominal visceral fat in Chinese adults. BMC Public Health. Vol. 14. Num. 1. 2014. p. 311.

-Malachias, M. V. B.; e colaboradores. T. 7ª Diretriz brasileira de hipertensão arterial. Arquivo Brasileiro Cardiologia. Vol. 107. Num. 3. 2016.

-Mathew, M.; Tay, E.; Cusi, K. Elevated plasma free fatty acids increase cardiovascular risk by inducing plasma biomarkers of endothelial activation, myeloperoxidase and PAI-1 in healthy subjects. Cardiovascular diabetology. Vol. 9. Num. 1. 2010. p. 9.

-Nielsen, S.; e colaboradores. Splanchnic lipolysis in human obesity. The Journal of clinical investigation. Vol. 113. Num. 11. 2004. p. 1582-1588.

-Organização Mundial da Saúde (OMS). Expert commitee on physical status: the use and interpretation of antropometry. WHO Expert Committee: Geneva, Switzerland. 1995.

-Organização Pan-Americana da Saúde (OPA). Determinantes Sociais e Riscos para a Saúde, Doenças Crônicas não transmissíveis e Saúde Mental: doenças cardiovasculares. 2017.

-Pereira, D. C. R.; e colaboradores. Circunferência do pescoço como possível marcador para síndrome metabólica em universitários. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Vol. 22. Num. 6. 2014. p. 973-979.

-Preis, S. R.; e colaboradores. Neck circumference as a novel measure of cardiometabolic risk: the Framingham Heart study. The journal of clinical endocrinology & metabolismo. Vol. 95. Num. 8. 2010. p. 3701-3710.

-Santos, A.X. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus em obesos candidatos à cirurgia bariátrica. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 6. Num. 34. 2012. p.184-190.

-Silva, C. D. C. D.; e colaboradores. Neck circumference as a new anthropometric indicator for prediction of insulin resistance and components of metabolic syndrome in adolescents: Brazilian Metabolic Syndrome Study. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 32. Num. 2. 2014. p.221-229.

-Silva, L. R. D. Efeito do treinamento combinado sobre espessura médio intimal, gordura abdominal, marcadores inflamatórios e metabólicos em adolescentes com excesso de peso. Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná. Dissertação de Mestrado. UFPR. Curitiba-PR. 2017.

-Stabe, C.; e colaboradores. Neck circumference as a simple tool for identifying the metabolic syndrome and insulin resistance: results from the Brazilian Metabolic Syndrome Study. Clinical endocrinology. Vol. 78. Num. 6. 2013. p.874-881.

-Zanuncio, V. V. Perímetro do pescoço, adiposidade e Risco Cardiometabólico em adultos de Viçosa (MG): Estudo de base bopulacional. Dissertação de Mestrado em Nutrição. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa. Minas Gerais. 2015.

Publicado
2020-05-16
Como Citar
Gambaro, A. C., da Silva, L. L., Issa, M. H., & Penteado, S. T. (2020). Circunferência do Pescoço como indicador de risco cardiometabólico. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(81), 695-702. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1043
Seção
Artigos Científicos - Original