Avaliação da ingestão de chá-verde e matcha no perfil antropométrico e parâmetros bioquímicos

  • Ligia Prestes Fernandes Centro Universitário Padre Anchieta, Jundiaí-SP, Brasil.
  • Humberto Moreira Spíndola Centro Universitário Padre Anchieta, Jundiaí-SP, Brasil.
  • Flavia Noeli de Souza Infante Centro Universitário Padre Anchieta, Jundiaí-SP, Brasil.
  • Juliana Burger Rodrigues Centro Universitário Padre Anchieta, Jundiaí-SP, Brasil.
Palavras-chave: Obesidade, Chá verde, Matcha, Catequina

Resumo

O estado obeso, caracterizado pelo excesso de acúmulo de gordura corporal, possui uma elevada incidência na população tornando-se problema de saúde pública. Diante disso, surge a necessidade de adotar estratégias para auxiliar no seu combate e das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) a ele associadas. Uma alternativa são os alimentos que possuem compostos bioativos como, por exemplo, o chá verde que pode auxiliar na oxidação de gordura, devido a concentração de catequinas. Além do chá verde - consumido apenas a infusão das folhas - outro tipo de chá também originário da Camellia sinensis ganha atenção na oxidação de lipídeos: o matcha, feito da maceração completa das folhas. Pesquisas mostraram que ele pode ter 137 vezes mais polifenóis, do tipo epigalocatequina-3-galato (EGCG), em relação ao chá verde tradicional. O objetivo desse trabalho é comparar a eficácia do matcha e chá verde como agentes lipolíticos, administrados diariamente em não praticantes de atividade física, sem dieta restrita, por 40 dias. Foram analisados dois grupos – chá verde (GCV) e matcha (GM), com dez pessoas cada. Foram realizadas análises bioquímicas e antropométricas dos participantes. Dentre os resultados, destaca-se a redução dos níveis séricos de glicose nos dois grupos, ambos com nível de significância **p < 0,01 para o teste t de student. Acredita-se que a EGCG iniba a atividade do transportador de glicose intestinal, levando a redução da captação de glicose no intestino. Logo, o chá verde e o matcha podem ser utilizados para diminuição de glicemia e outras complicações da obesidade. Em ambos os grupos, houve também diminuição de peso corporal, além de gordura livre, mas sem relevância estatística.

Referências

-Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Guia para Comprovação da Segurança de Alimentos e Ingredientes (2013). Brasília. Acessado em 02/02/2019 em http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/ 395734/Guia+para+Comprovação+da+Segurança+de+Alimentos+e+Ingredientes/f3429948-03db-4c02-ae9c-ee60a593ad9c

-Hasler, C.M. Functional foods: benefits, concerns and challenges - a position paper from the american council on science and health. The journal of nutrition. Vol. 132. Núm. 12. p. 3772-3781. 2002.

-Hursel, R.; Viechtbauer, W.; Westerterp-Plantenga, M.S. The effects of green tea on weight loss and weight maintenance: a meta-analysis. Int J Obes (Londres). Vol. 33. p.956-61. 2009.

-Janssen, P.L.H.R.; Hursel, R.; Plantenga, M.S.W. Long term green tea extract supplementation does not affect fat absorption, resting energy expenditure, and body composition in adults. The journal of nutrition. Vol. 145. Núm. 5. p. 864-870. 2015.

-Kao, C.C.; Wu, B. T.; Tsuei, Y. W.; Shih, L. J.; Kuo, Y. L.; Kao, Y, H. Green tea catechins: inhibitors of glycerol-3-phosphate dehydrogenase. Planta Medica: natural products and medical plant research. Stuttgart. Vol. 76. 694-696. 2010.

-Lamarão, R. C.; Fialho, E. Aspectos funcionais das catequinas do chá verde no metabolismo celular e sua relação com a redução da gordura corporal. Revista de Nutrição. Vol. 22. Núm. 2. 2009.

-Maruyama, K.; Iso, H.; Sasaki, S.; Fukino, Y. The association between concentrations of green tea and blood glucose levels. Journal Clin. Biiochem. Nutri. Vol. 44. p.41-45. 2009.

-Nagao, T.; Hase, T.; Tokimitsu, I. A green tea extract high in catechins reduces body fat and cardiovascular risks in humans. Obesity. Vol. 15. Núm. 6. p. 1473-1483. 2007.

-Pereira, R. A relação entre dislipidemia e diabetes mellitus tipo 2. Cadernos UniFOA. Volta Redonda. Ano VI. Núm. 17. 2011.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde: Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2015.

-Santos, C.B.; Bernardino, G.Z.; Soares, F.J.; Espindola, J.D.; Arruda, P.M.R.; Paula, J.R.; Conceição, E.C.; Bara, M.T.F. Preparo e caracterização de tinturas das folhas de chá verde. Revista brasileira de plantas medicinais. Vol. 16. Núm. 4. p. 826-831. 2014.

-Schiavo, M.; Lunardelli, A.; Oliveira, J.R. Influência da dieta na concentração sérica de triglicerídeos. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Vol. 39. Núm. 4. p. 283-288. 2003.

-Shan, D.; Fang, Y.; Liu, J. EGCG reducing the susceptibility to cholesterol gallstone formation the regulation of inflammation. Biomedicine & Pharmacotherapy. Vol. 62. Núm. 10. p.677-683. 2008.

-Shixian, Q.; Vancrey, B.; Shi, J.; Kakuda, Y.; Jiang, Y. Green tea extract thermogenesis-induced weight loss by epigallocatechin gallate inhibition of Catechol-O-Methyltransferase. Journal of Medicinal Food. New York. Vol. 9. Núm. 4. p.451-458. 2006.

-Suzuki, T.; Pervin, M.; Goto, S.; Isemura, M.; Nakamura, Y. Beneficial effects of tea and the green tea catechin epigallocatechin-3-gallate on obesity. Molecules. Vol. 21. Núm. 10. 1305. 2016.

-Weiss, D.J.; Anderton, C.R. Determination of catechins in matcha green tea by micellar electrokinetic chromatography. J Chromatogr A. Vol. 5. Núm. 1-2. p 173-8. 2013.

-Xu, P.; Ying, L.; Hongb, G.; Wang, Y. The effects of the aqueous extract and residue of Matcha on the antioxidante status and lipid and glucose levels in mice fed a high-fat diet. Food Funct. Vol. 7. p. 294. 2016.

-Wright, E.M.; Martín, M.G.; Turk, E. Intestinal absorption in health and disease-sugar. Best Pract Res Clin Gastroenterol. Vol. 17 p.943-56. 2003.

Publicado
2020-05-16
Como Citar
Fernandes, L. P., Spíndola, H. M., Infante, F. N. de S., & Rodrigues, J. B. (2020). Avaliação da ingestão de chá-verde e matcha no perfil antropométrico e parâmetros bioquímicos. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(81), 782-789. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1062
Seção
Artigos Científicos - Original