Adesão às dietas da moda por alunos de uma academia de musculação no município de Bauru

  • Thais Ferraz de Almeida Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru- SP, Brasil.
  • Carolina Tarcinalli Souza Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru- SP, Brasil.
  • Débora Tarcinalli Souza Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru- SP, Brasil.
  • Artur Junio Togneri Ferron Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru- SP, Brasil.
  • Fabiane Valentini Francisqueti-Ferron Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru- SP, Brasil.
Palavras-chave: Dietas da moda, Modismos alimentares, Tendências alimentares

Resumo

Introdução: A adoção das chamadas “dietas da moda” tem se tornado cada vez mais comum, com grande aceitabilidade pelo público. Objetivo: O objetivo do estudo foi verificar a adesão de dietas da moda por usuários de uma academia de Bauru. Materiais e métodos: Estudo transversal, com 130 frequentadores de uma academia, localizada no município de Bauru – SP. Os dados foram coletados por meio de aplicação de questionário com 21 questões. Resultados: A maior parte da amostra foi composta por mulheres (51,5%), e a média de idade foi 33,9 anos ± 12,6 anos. Com relação ao tipo de exercício praticado pela população do estudo, 57,7% praticava somente musculação, 2,34% aulas coletivas e ambos os exercícios 39,23%. 58,46% já realizaram algum tipo de dieta da moda, sendo que as mais frequentes foram: dieta low carb (21,54%), jejum intermitente (16,92%) e shakes de emagrecimento (10,77%). 50,77% relatou que já teve orientação nutricional, dos quais 41,54% foi com o nutricionista, 13,85% foi através de professor de educação física e os mesmos 13,85% com endócrino. Conclusão: Assim, conclui-se que muitas pessoas já praticaram algum tipo de dieta da moda e na maioria das vezes sem orientação adequada, colocando em risco à própria saúde.

Biografia do Autor

Fabiane Valentini Francisqueti-Ferron, Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru- SP, Brasil.

Nutricionista- UNESP

doutora em Patologia- UNESP (adaptações metabólicas ao estresse oxidativo e inflamatório)

pós graduada em Nutrição Clínica Funcional

 docente das Faculdades Integradas de Bauru- FIB

Referências

-Artifon, M.; Boscaini, C. Avaliação nutricional e autopercepção corporal associada ao uso de suplementos de praticantes de musculação em munícipios da Serra Gaúcha. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 57. 2016. p. 275-284.

-Bernardes, A. L.; Lucia, C. M. D.; Faria, E. R. Consumo alimentar, composição corporal e uso de suplementos nutricionais por praticantes de musculação. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 57. 2016. p. 306-318.

-Betoni, F.; Zanardo, V. P. S.; Ceni, G. C. Avaliação de utilização de dietas da moda por pacientes de um ambulatório de especialidade em nutrição e suas implicações no metabolismo. Revista ConScientiae Saúde. Vol. 9. Num. 3. 2010. p. 430-440.

-CDC-Center for Disease Control and Prevention. About Adult BMI. Disponível em: http://crn5.org.br/nota-publica-prescricao-de-dietas-e-atividade-privativa-do-nutricionista/. Acesso em:14/08/2018.

-CRN-5. Conselho Regional de Nutricionistas da 5ª região. Nota Pública: Prescrição de dietas é atividade privativa do nutricionista. Disponível em: http://crn5.org.br/nota-publica-prescricao-de-dietas-e-atividade-privativa-do-nutricionista/. Acesso em: 14/08/2018.

-Freire, A. C. S. A.; Araújo, L. B. Composição nutricional de dietas detoxificação divulgadas em revistas e em mídia digital não científicas. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Núm. 65. p. 536-543. 2017.

-Geraldes, A. R. A. Princípios e variáveis metodológicas do treinamento de força. Sprint Magazine. Num. 127. 2003. p. 14-28.

-Hirschbruch, M. D.; Fisberg, G. M.; Mochizuki, L. Consumo de suplementos por jovens frequentadores de academias de ginástica em São Paulo. Revista Brasileira de Medicina de Esporte. Vol. 14. Num. 6. 2008. p. 539-543.

-Lopes, F. G.; Mendes, L. L.; Binoti, L.; Oliveira, N. P.; Percegoni, N. Conhecimento sobre nutrição e consumo de suplementos em academias de ginástica de Juiz de Fora, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Esporte. Vol. 21. Num. 6. 2015. p. 451-456.

-Lottenberg, A. M. P. Análise das dietas da moda. Jornal SBC. Vol. 95. 2009. p. 30-31.

-Marangoni, J. S.; Maniglia, F. P. Análise da composição nutricional de dietas da moda publicadas em revistas femininas. Revista da Associação Brasileira de Nutrição. Num. 1. 2017. p. 31-36.

-Nacif, M. A. L.; Vieibig, R. F. Avaliação antropométrica nos ciclos da vida: uma visão prática. 2ª edição. São Paulo-SP. Metha. 2011.

-Nogueira, L. R.; Mello, A. V.; Spinelli, M. G. N.; Morimoto, J. M. Dietas da moda consumidas por desportistas de um clube e academias em São Paulo. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 59. 2016. p. 554-56.

-Pellerano, J. A.; Garcia, M. H. S.; Minasse, G. Low carb, hight fat: comensalidade e sociabilidade em tempos de dietas restritivas. Revista Demetra. Vol. 10. Num. 3. 2015. p. 493-506.

-Petla, A. F. P.; Doerner, C.; Helm, G. C. V. Atitudes de homens e mulheres em relação à nutrição, estilo de vida e atividade física de indivíduos comprometidos com a perda de peso corporal. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 1. Num. 1. 2007. p. 98-103.

-Rodrigues, A. L. P. Caracterização do perfil e dos hábitos de suplementação alimentar de praticantes de musculação em uma academia do município de Fortaleza-CE. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11 Num. 66. 2017. p. 662 - 668.

-Santos, K. M.; Silva, E. S.; Viana, S. D. L.; Perfil socioeconômico, dietas adotadas e motivações de frequentadores de uma academia em Itapecerica da Serra-SP. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 68. 2017. p. 986-994.

-Secretaria do Estado de Saúde. As consequências das dietas da moda para sua saúde. Goiânia. 2014. p.10.

-Silva, G. R.; Terra, G. D. S. V.; Tavares, M. R.; Neiva, C. M.; Bueno, J. M.; Marinho, C. F.; Forsan, C. N.; Paiva, M. A. Imagem corporal e estado nutricional de acadêmicos do curso de nutrição de universidade particular de Alfenas. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 56. 2016. p. 165-174.

-Silva, L. F. O.; Silva, F. V. M.; Oyama, S. M. R. Prevalência do uso de medicamentos para emagrecer entre universitárias. Revista Científica de Enfermagem. Vol. 3. Num. 7. 2013. p. 19-26.

-Tretto, M. B.; Lain, N.; Pereira, F. B. Dietas da moda versus distúrbios alimentares. V Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG III Salão de Extensão, Centro Universitário da Serra Gaúcha: Caxias do Sul-RS. p. 110-112. 2017.

-Viana, D. S. O. Análise nutricional das dietas da moda. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências da Educação e Saúde. Centro Universitário de Brasília. Brasília. 2014.

-Witt, J. S. G. Z.; Scheneider, A. P. Nutrição Estética: valorização do corpo e da beleza através do cuidado nutricional. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 9. Num. 16. 2011. p. 3909-3916.

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO. 1998.

-Zago, A. S. Exercício físico e o processo saúde-doença no envelhecimento. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Vol.1. Num. 13. 2010. p. 153-158.

Publicado
2020-05-16
Como Citar
de Almeida, T. F., Souza, C. T., Souza, D. T., Ferron, A. J. T., & Francisqueti-Ferron, F. V. (2020). Adesão às dietas da moda por alunos de uma academia de musculação no município de Bauru. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(81), 790-798. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1064
Seção
Artigos Científicos - Original