Experiência de um serviço ambulatorial multiprofissional e interdisciplinar de obesidade e cirurgia bariátrica

  • Claudia Regina Felicetti Lordani Departamento de Nutrição Clínica, Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica (SOCB), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), Cascavel-PR, Brasil.
  • Marcia Cristina Dalla Costa Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel-PR, Brasil.
  • Ligiane de Lourdes Silva Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel-PR, Brasil.
  • Jaquilene Barreto Costa Departamento de Psicologia Clínica, Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica (SOCB), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), Cascavel-PR, Brasil.
  • Allan Cezar Faria Araújo Centro de Ciências Médicas e Farmacêuticas, Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica (SOCB), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), Cascavel-PR, Brasil.
Palavras-chave: Obesidade, Cirurgia bariátrica, Educação em Saúde, Humanização da assistência, Equipe de assistência ao paciente

Resumo

Objetivo: Descrever a experiência da implantação e evolução de um serviço ambulatorial multiprofissional e interdisciplinar de obesidade e cirurgia bariátrica em um hospital escola do oeste do Paraná, no período entre 2012 e 2018. Métodos: Analisou-se de forma descritiva este processo de implantação, com reflexões sobre a abordagem individual e sua evolução para o atendimento em grupo com suporte psicoeducativo no tocante à assistência ao indivíduo obeso grave. Resultados: Após esta mudança metodológica com foco  no incentivo ao autocuidado tornando o paciente o sujeito das mudanças, foi observado uma redução no número de desistências do tratamento e, mesmo, de faltas devido, sobretudo, às relações horizontais proporcionadas por esta modalidade, em que se percebeu, efetivamente, o vínculo de afeto e amizade oriundos do contato próximo entre paciente e equipe nesta esfera social resultando em maiores perdas de peso. Conclusão: o trabalho em grupo em obesidade é uma ferramenta importante para melhorar a adesão ao tratamento, dar sustentação a fragilidade do paciente e continência no enfrentamento das suas dificuldades, respeitando, sobretudo, sua individualidade e subjetividade. A partir deste relato, outros serviços podem se beneficiar com esta metodologia de trabalho, que vem ao encontro de programas do Sistema Único de Saúde, a exemplo da Política Nacional de Humanização - HumanizaSUS, possibilitando auxiliar os profissionais de saúde que trabalham nesta área.

Biografia do Autor

Claudia Regina Felicetti Lordani, Departamento de Nutrição Clínica, Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica (SOCB), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), Cascavel-PR, Brasil.

Departamento de Nutrição Clínica

Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do HUOP (SOCB/HUOP)

 

Marcia Cristina Dalla Costa, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel-PR, Brasil.

Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE),

Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do HUOP (SOCB/HUOP),

Centro de Ciências Médicas e Farmacêuticas, Cascavel, Paraná, Brasil.

Ligiane de Lourdes Silva, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel-PR, Brasil.

Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do HUOP (SOCB/HUOP)

Centro de Ciências Médicas e Farmacêuticas, Cascavel, Paraná, Brasil

Jaquilene Barreto Costa, Departamento de Psicologia Clínica, Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica (SOCB), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), Cascavel-PR, Brasil.
Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do HUOP (SOCB/HUOP), Departamento de Psicologia Clínica, Cascavel, Paraná, Brasil.
Allan Cezar Faria Araújo, Centro de Ciências Médicas e Farmacêuticas, Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica (SOCB), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), Cascavel-PR, Brasil.

Centro de Ciências Médicas e Farmacêuticas, Cascavel, Paraná, Brasil

Serviço de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do HUOP (SOCB/HUOP)

Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) 

Referências

-Alcântara, M.C. Melhora de indicadores antropométricos em atendimentos em grupo de pacientes obesos – análise de 64 pacientes acompanhados por um período de até 4 anos com tratamento não cirúrgico. TCC de Residência Médica. UNIOESTE. HUOP. Cascavel. 2017.

-Backes, C.F.; Lopes, E.; Tetelbom, A.; Heineck, I. Medication and nutritional supplement use before and after bariatric surgery. São Paulo Med J. Vol. 134. Num. 6. 2016. p. 491-500.

-Bouchard, C. Etiology of obesity: genetic factors. Archivos Latinoamericanos de Nutrición. Vol. 42. Num. 3. 1992. p. 127-130.

-Brown, P.J.; Konner, M. An anthropological perspective on obesity. Ann N Y Acad Sci. Vol. 499. 1987. p. 29-46.

-Cori, G.C; Blanques, M.L.; Petty, M.S.A. Atitudes de nutricionistas em relação a indivíduos obesos - um estudo exploratório. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 20. Num. 2. 2015. p. 565-576.

-Costa, J.F. O vestígio e a aura: corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro. Garamond. 2004.

-Cypress, M. Looking upstream. Diabetes Spectrum. Vol. 17. Num. 4. 2004. p. 249-253.

-Dobrow, I.J.; Kamenetz, C.; Devlin, M.J. Aspectos psiquiátricos da obesidade. Rev. Bras. Psiquiatr. Vol. 24. Supl. 3. 2002. p. 63-67.

-Felicetti Lordani, C.R.; Ruscheinsky, A.; Veronese, M.V. O sujeito em situação de obesidade: (re)construção das possibilidades de satisfação em uma sociedade insatisfeita. in Alves, F.L.; Barros, E.P.; Gadea, C.A. Ciências sociais e sociedade: políticas e práticas sociais na contemporaneidade. São Leopoldo. Trajetos Editorial. 2017.

-Fischler, C. Obeso Benigno Obeso Maligno. In: Sant'Anna, D.B. Políticas do Corpo: elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo. Estação Liberdade. 1989. p. 69-80.

-Francischi, R.P.P.; Pereira, L.O.; Freitas, C.S.; Klopfer, M.; Santos, R.C.; Vieira, P.; Lancha Júnior, A.H. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev Nutr. Vol. 13. Num. 1. 2000. p. 17-28.

-Freyre, K. Era uma vez: laboratório de sonhos. Recife. Editora Universidade de Pernambuco. 2004.

-Merleau-Ponty, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo. Martins Fortes. 1994. p. 662.

-Lepargneur, H. Princípios de autonomia. Bioética clínica. Rio de Janeiro. Revinter. 2003.

-Mancini, M.C. Obstáculos diagnósticos e desafios terapêuticos no paciente obeso. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 45. Num. 6. 2001. p. 584-608.

-Mendes, R.; Fernandez, J.C.A.; Sacardo, D.P. Promoção da saúde e participação: abordagens e indagações. Saúde Debate. Vol. 40. Num. 108. 2016. p. 190-203.

-Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília. 2004. p. 20.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização: formação e intervenção. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília. 2010. p. 242.

-Ministério da Saúde. Redefine as diretrizes para a organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas. Portaria interministerial, Num. 424 de 19 de março de 2013. Brasília. 2013a.

-Ministério da Saúde. Estabelece regulamento técnico, normas e critérios para a Assistência de Alta Complexidade ao Indivíduo com Obesidade. Portaria interministerial, Num. 425 de 19 de março de 2013. Brasília. 2013b.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde; Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. VIGITEL Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017. Brasília. 2017. p. 130.

-Niola, M. Humiliated and obese. Arc. Antrop. Medit. Vol. 1. Num. 20. 2018. p. 1-11.

-Organización Mundial de La Salud; Organización Panamericana De La Salud. Obesidad, alimentación y actividad física. In: OMS/OPAS. 37° Sesión Del Subcomité de Planificación y Programación del Comité Executivo. Washington, D.C.: OMS/OPAS. 2003.

-Pan American Health Organization. Ultra-processed food and drink products in Latin America: Trends, impact on obesity, policy implications. Washington, DC. PAHO. 2015.

-Pessini, L. Humanização da dor e sofrimento humano no contexto hospitalar. Rev Bioética. Vol. 10. Num. 2. 2002. p. 51-72.

-Sant´Anna, D.B. Cultos e enigmas do corpo na história. in Strey, M.N.; Cabeda, S.T.L. Corpos e subjetividades em exercício interdisciplinar. Porto Alegre. Edipucrs. 2004.

-Stenzel, L.M. Servir (vir a ser): o imperativo do corpo magro na contemporaneidade. In Strey, M.N.; Cabeda, S.T.L. Corpos e subjetividades em exercício interdisciplinar. Porto Alegre. Edipucrs. 2004.

-Tapsell, L.C.; Lonergan, M.; Batterham, M.J.; Neale, E.P.; Martin, A.; Thorne, R.; Deane, F. Peoples, G. Effect of interdisciplinary care on weight loss: a randomized controlled trial. BMJ Open. Vol. 7. Num. 7. 2017.

-Velloso, L.A. O controle hipotalâmico da fome e da termogênese: implicações no desenvolvimento da obesidade. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 50. Num. 2. 2006. p. 165-176.

-Wanderley, E.N., Ferreira, V.A. Obesidade: uma perspectiva plural. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 15. Num. 1. 2010. p. 185-194.

-World Health Organization. Obesity and overweight. Fact sheet N°311. Updated October. 2017.

-Younes, S.; Rizzotto, M.L.F.; Araújo, A.C.F. Itinerário terapêutico de pacientes com obesidade atendidos em serviço de alta complexidade de um hospital universitário. Saúde Debate. Vol. 41. Num. 115. 2017. p. 1046-1060.

Publicado
2020-05-17
Como Citar
Lordani, C. R. F., Costa, M. C. D., Silva, L. de L., Costa, J. B., & Araújo, A. C. F. (2020). Experiência de um serviço ambulatorial multiprofissional e interdisciplinar de obesidade e cirurgia bariátrica. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(82), 934-942. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1095
Seção
Artigos Científicos - Original