Caracterização do consumo alimentar em escolas públicas e privadas do município de Diamantina-MG

  • Renata Fonseca Coelho Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.
  • Mariana Batista Soares Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.
  • Gustavo Fonte boa Nascimento Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.
  • Ivy Scorzi Cazelli Pires Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.
  • Vanessa Alves Ferreira Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.
  • Lucilene Soares Miranda Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.
Palavras-chave: Escolares, Alimentação escolar, Cantina escolar

Resumo

Objetivou-se caracterizar o consumo alimentar de escolares de uma cidade do interior de Minas Gerais. Utilizou-se questionário qualitativo aplicados com três repetições para cada aluno em diferentes períodos. A composição nutricional foi avaliada através das pesagens dos ingredientes relatados pelas cantineiras, corrigidos pelos fatores de correção e cocção com posterior comparação aos seus valores com o preconizado pelo PNAE. Para a análise de frequência dos dados coletados nos questionários e análise descritiva foi utilizado o programa The SAS System Versão 9.00 (2002). Observou-se que 33,74% da amostra pertenciam ao 2º ano do ensino fundamental, 20,37% ao 3º ano, 24,07% ao 4º ano e 21,81% cursavam o 5º ano. Observou-se que 5,56% dos alunos não lanchavam durante este período, 39,9% dos alunos consumiam a alimentação escolar oferecida pelas escolas, 25,31% compravam na cantina e 30,04% traziam lanche de casa. Observou-se que os valores de energia e lipídios da alimentação escolar encontram-se acima da recomendação do PNAE. O teor de ferro encontrado em ambas as escolas está dentro da faixa recomendada e quando avaliou-se o teor de vitamina A encontrou-se na escola 1 inadequação e na escola 2 teores acima do recomendado, porém abaixo da UL. Em relação ao cálcio, ambas as escolas se encontravam abaixo da recomendação preconizada. Nas escolas a maior porcentagem foi de alunos que consomem a alimentação escolar gratuita e apesar desta ter algumas inadequações em relação às recomendações nutricionais exigidas pelo PNAE, observou-se que ainda continua sendo a melhor opção dentro dos colégios.

Biografia do Autor

Gustavo Fonte boa Nascimento, Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.
Mestrado Profissional Ensino em Saúde
Ivy Scorzi Cazelli Pires, Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.

Nutrição e Dietética da Criança e do Adolescente

Alimentação Escolar

Departamento de Nutrição - UFVJM

Vanessa Alves Ferreira, Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.

Departamento de Nutrição

UFMG

Saúde Coletiva

Lucilene Soares Miranda, Programa de pós-graduação em Ensino em Saúde (ENSA), Departamento de Nutrição, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus JK, Diamantina-MG, Brasil.

Departamento de Nutrição

Composição Quimica de Alimentos

Referências

-Almeida, L.S.T.; Fontes, M.F.S.; Anjos, A.V.; Santos, L.C.; Pereira, S.C.L. Alimentação em unidades de educação infantil: planejamento, processo produtivo, distribuição e adequação da refeição principal. O mundo da Saúde. São Paulo. Vol. 39. Num. 3. p. 333-344. 2015.

-Bleil, R.A.T.; Salay, E.; Silva, M.V.; Costa, N.B.; Adesão ao Programa de Alimentação Escolar por Alunos de Instituições Públicas de Ensino no município de Toledo-PR. Segurança Alimentar e Nutricional. Vol.16. Num. 1. 2009. p. 65-82.

-Brasil. Lei nº. 11.947, de 16 de junho de 2009. A lei 11.947/2009 e as novas diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Diário oficial da união 25 jun. 2009.

-Brasil/ FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução nº. 38, de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. Diário Oficial da União 16 jul 2009. Seção 1.

-Bugay, L.; Bleil, R.T.; Consumo alimentar de adolescentes em cantina escolar de município do Oeste do Paraná. Revista de Nutrição. Vol. 20. Núm. 5. 2007.

-Costa, R.R.S.; Gugelmin, S.A.; Castro, L.M.C. A promoção da alimentação saudável sob a ótica de atores sociais que coordenam o Programa Nacional de Alimentação Escolar em municípios do Rio de Janeiro. RASBRAN - Revista da Associação Brasileira de Nutrição. São Paulo. Ano 9. Num. 2. 2018. p. 75-87.

-Danelon, M.A.S.; Danelon M.S.; Silva, M.V. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Segurança Alimentar e Nutricional. Vol. 13. Num. 1. 2006. p. 84-94.

-Ferreira, D.M.; Barbosa, R.M.S.; Finizola, N.C.; Soares, D.S.B.; Henriques, P.; Pereira, S.; Carvalhosa, C.S.; Siqueira, A.B.F.S.; Dias, P.C. Perception of the operating agents about the Brazilian National School Feeding Program Revista de Saúde Pública, 2019. Rev. Saúde Pública. Vol.53 Num. 3. São Paulo. 2019.

-Ferreira, H. G. R.; Alves, R.; Mello, S. C.; Reis, P. O programa nacional de alimentação escolar (pnae): alimentação e aprendizagem. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Vol. 2. Num. 44. 2019. p. 90-113.

-Flávio, E.F.; Barcelos, M.F.P.; Lima, A.L. Composição química da merenda escolar e diagnóstico nutricional de alunos de escola pública de Lavras-MG. In: Anais do 19o Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, [CD-ROM]. Recife-PE. 2004. Recife: SBCTA. 2004.

-Leitzke, M.E.; Silva, V.L da Composição alimentar e nutricional de uma amostra de cardápios da alimentação escolar da região sul do Brasil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Nutrição. TCC de Graduação. 2015. http://hdl.handle.net/10183/127127

-Maranhão, H. S.; Aguiara, R. C.; Lira, D. T. J.; Salesa, M. U. F; Nóbrega, N. A. N. Dificuldades alimentares em pré-escolares, práticas alimentares pregressas e estado nutricional. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 36. Num. 1. 2018. p. 45-51.

-Martins, R.C.B.; Medeiros, M.A.T.; Ragonha, G.M.; Olbi, J.H.; Segatti M.E.P.; Osele, M.R. Aceitabilidade da alimentação escolar no ensino público fundamental. Saúde em Revista. Vol. 13. Num. 6. 2004. p. 71-78.

-Mascarenhas, J.M.O.; Santos, J.C. Avaliação da composição nutricional dos cardápios e custos da alimentação escolar da rede municipal de Conceição do Jacuípe, BA. Sitientibus. Vol. 35. Num. 1. 2006. p. 75-90.

-Morris, L.V.P.; Ferratone, V.A.; Investigação sobre Escolhas Alimentares de Escolares do Município de Piracicaba. Saúde em Revista. Vol. 8. Num. 18. 2006. p. 17-21.

-Mota, C. H.; Mastroen, S. S. B. S.; Mastroeni, M. F. Consumo da refeição escolar na rede pública municipal de ensino. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília. Vol. 94. Num. 236. 2013. p. 50-63.

-Philippi, S.T. Tabela de Composição de Alimentos: suporte para decisão nutricional. 2ª edição. São Paulo. Coronário. 2002. 120 p.

-Pinheiro, A.B.V.; Lacerda, E.M.A.; Benzecry, E.H.; Gomes, A.C.S.; Costa, V.M. Tabela para Avaliação de Consumo Alimentar em Medidas Caseiras. 2ª edição. Rio de Janeiro. Produção Independente. 1993. 250 p.

-Rocha, N.P.; Figueiras, M.S.; Albuquerque, F.M.; Milagres, L.C.; Castro, A.P.P.; Silva, M.A.; Costa, G.D.; Priore, S.E.; Novaes, J.F. Análise do programa nacional de alimentação escolar no município de Viçosa, MG. Rev Saúde Pública. Viçosa. Vol. 52. Num. 16. 2018.

-Santos, G.V. Qualidade nutricional e adequação a legislação das cantinas e medidas higiênico-sanitárias das escolas de mirandópolis. Centro Universitário Toledo Araçatuba 2018. p. 25. https//www.toledo.br/repositorio/handle/7574/1825

-Vianna, R.P.; Tereso, M.J.A.; Análise do Programa de Merenda Escolar em Campinas. Revista Cadernos de Debate. 1997. Num. 5. p. 46-76.

Publicado
2020-05-17
Como Citar
Coelho, R. F., Soares, M. B., Nascimento, G. F. boa, Pires, I. S. C., Ferreira, V. A., & Miranda, L. S. (2020). Caracterização do consumo alimentar em escolas públicas e privadas do município de Diamantina-MG. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(82), 1004-1010. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1109
Seção
Artigos Científicos - Original