Frequência de atividade física, consumo alimentar e estado nutricional de servidores públicos

  • Lúcio Marques Vieira Souza Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC, Aracaju, Sergipe, Brasil; Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia, Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil.
  • Patrícia Morgana Ferreira Santos Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC, Aracaju, Sergipe, Brasil.
  • Rita de Cássia de Santana Dantas Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC, Aracaju, Sergipe, Brasil.
  • Matias Batista dos Santos Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC, Aracaju, Sergipe, Brasil.
  • Matheus Amarante do Nascimento Departamento de Educação Física, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR, Campus Paranavaí
  • Higor Santos Fonseca Departamento de Educação Física, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR, Campus Paranavaí, Paranavaí, Paraná, Brasil.
  • Roas de Araújo Costa Centro Universitário Uniages, Paripiranga, Bahia, Brasil.
  • Jymmys Lopes dos Santos Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia, Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil.
  • Ricardo Aurélio Carvalho Sampaio Centro Universitário Uniages, Paripiranga, Bahia, Brasil.
Palavras-chave: Acompanhamento Nutricional, Obesidade, Sobrepeso, Atividade Física.

Resumo

O presente estudo teve como o objetivo analisar a frequência de atividade física, consumo alimentar e nível nutricional de servidores públicos. A amostra foi composta por 15 servidores públicos, com idades entre 18 e 60 anos, de ambos os sexos. Realizou-se a aferição do peso corporal (kg), estatura (m) e posterior cálculo do IMC (kg/m2). Foram medidas as seguintes circunferências: abdominal e quadril. Foi obtido o índice de relação entre os perímetros da cintura e quadril (circunferência de cintura /circunferência do quadril). Foi observado consumo de frituras semanalmente, doces e açúcares diariamente. Álcool semanalmente. Ingestão média diária de oito copos de água, sucos e refrigerantes. Em relação à atividade física: LEVE: cinco pessoas treinam 4 vezes/semana, 3 pessoas treinam 5 vezes/ semana, 2 pessoas treinam 2 vezes/semana. E apenas 2 treinam sete vezes/ semana. Nesses, média de 1 hora/dia. Apenas 2 pessoas treinam mais que duas horas/dia. Nenhuma amostra relatou atividade MODERADA. A composição corporal no início da análise foi verificada que apenas 01 amostra (7,14%) estava com IMC normal. 40% (n=6) apresentaram sobrepeso e aumento da relação cintura quadril. 42,85% (n=6) com IMC Obesidade Grau I.  7,14% (n=1) apresentou Obesidade Grau II. A amostragem é de risco pelo fato de ainda apresentarem IMC compatível com Sobrepeso/Obesidade. Recomenda-se um programa de intervenção nutricional, nesses indivíduos, atividades físicas regulares e moderadas para melhoria do perfil antropométrico.

Biografia do Autor

Lúcio Marques Vieira Souza, Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC, Aracaju, Sergipe, Brasil; Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia, Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil.

Referências

-Araujo, S.E.B.; Cavagnari, M.A.V.; Vieira, D.G.; Bennemann, G.D. Perfil nutricional e consumo alimentar de pacientes praticantes de atividade física atendidos por uma clínica escola de Nutrição. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 13. Num 78. 2019. p. 317-328.

-Ashwell, M.; Gunn, P.; Gibson, S. Waist-to-height ratio is a better screening tool than waist circumference and BMI for adult cardiometabolic risk factors: systematic review and meta-analysis. Obesity. Vol. 13. 2012. p. 275-286.

-Barroso, T. A.; Marins, L. B.; Alves, R.; Gonçalves, A. C. S.; Barroso, S. G.; Rocha, G. S. Associação entre a obesidade central e a incidência de doenças e fatores de risco cardiovascular. International Journal of Cardiovascular Sciences. Vol. 30. Num. 5. 2017. p. 416-424.

-Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / ministério da saúde, secretaria de atenção à saúde, departamento de atenção Básica. 2ª edição, 1ª reimpr. Brasília. Ministério da Saúde. 2014

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017. Brasília. Ministério da Saúde, 2018.

-Cintra, I.P.; Ferrari, G.L.; Soares, A.C.; Passos, M.A.; Fisberg, M.; Vitalle, M.S. Body fat percentiles of Brazilian adolescents according to age and sexual maturation: a cross-sectional study. BMC Pediatr. Vol. 13. Num. 36. 2013. p. 01-08.

-Coelho, C.F.; Burini, R.C. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Revista de Nutrição. Vol. 22. Num. 6. 2009. p. 937-946.

-Corrêa, M.M.; Tomasi, E.; Thumé, E.; Oliveira, E.R.A.; Facchini, L. A. Razão cintura-estatura como marcador antropométrico de excesso de peso em idosos brasileiros. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 33. Num. 5. 2017. p. 01-14.

-Dias, C.; Verona, A. Excesso de peso, obesidade e educação no Brasil. Revista Saúde. Vol. 45. Num. 2. 2019. p. 1-08.

-Dias, P.C.; Henriques, P.; Anjos, L.A., Burlandy, L. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 33. Num. 7. 2017. p. 01-12.

-Hall, J.E.; Carmo, J.M.; Silva, A.A.; Wang, Z.; Hall, M.E. Obesity-induced hypertension: Interaction of neuro-humoral and renal mechanisms. Circulation Research. Vol. 116. 2015. p. 991-1006.

-Maduro P.A.; Nascimento, M.M.; Araújo, I.S.; Barbosa, L.F.; Pereira, L.G. Análise do estado nutricional e nível de atividade física dos servidores do hospital universitário de Petrolina-PE. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 67. Supl. 1. 2017. p. 856-867.

-Moreira, F.P.; Rodrigues, K.L. Conhecimento nutricional e suplementação alimentar por praticantes de exercícios físicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 20. Num. 5. 2014. p. 370-373.

-Ng, M.; Fleming, T.; Robinson, M.; Thomson, B.; Graetz, N.; Margono, C.; et al. Global, regional, and national prevalence of overweight and obesity in children and adults during 1980– 2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. Vol. 382. Num. 9945. 2014. p. 766-81.

-Oliveira, M.L.; Santos, L.M.P.; Silva, E.N. Direct healthcare cost of obesity in Brazil: an application of the cost-of-illness method from the perspective of the public health system in 2011. PLoS One. Vol. 10. Num. 4. 2015.

-Rendeiro, L.C.; Ferreira, C.R.; Souza, A.A.R.; Oliveira, D.A.; Noce, R.R.D. Consumo alimentar e adequação nutricional de adultos com obesidade. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 12. Num 76. Supl. 2. 2018. p. 996-1008.

-Silva Carvalho, A.F.; Costa Dias, E. Promoção da saúde no local de trabalho: revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. Vol. 25. Num. 1. 2012. p. 116-126.

-Silva, V.S.; Souza, I.; Silva, D.A.S.; Barbosa, A.R.; Fonseca, M.J.M. Evolução e associação do IMC entre variáveis sociodemográficas e de condições de vida em idosos do Brasil: 2002/03-2008/09. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 23. Num. 3. 2018. p. 891-901.

-Wemme, K.M.; Rosvall, M. Work related and non-work related stress in relation to low leisure time physical activity in a Swedish population. J Epidemiol Community Health. Vol. 59. Num 5. 2005.p.377-9.

-Williams, M.H. Nutrição para a saúde, condicionamento físico e desempenho esportivo. São Paulo. Manole. 2002.

Publicado
2020-10-17
Como Citar
Souza, L. M. V., Santos, P. M. F., Dantas, R. de C. de S., Santos, M. B. dos, Amarante do Nascimento, M., Fonseca, H. S., Costa, R. de A., Santos, J. L. dos, & Sampaio, R. A. C. (2020). Frequência de atividade física, consumo alimentar e estado nutricional de servidores públicos. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(85), 191-198. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1227
Seção
Artigos Científicos - Original