Estratégias de promoção da alimentação saudável para escolares da rede municipal da cidade de picos

  • Vanessa Holanda Lima Nutricionista pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Senador Helvídio Nunes de Barros (CSHNB), Picos, Piauí, Brasil.
  • Vitalina Alves Cavalcante Nutricionista pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Senador Helvídio Nunes de Barros (CSHNB), Picos, Piauí, Brasil.
  • Bruna Barbosa de Abreu Graduanda em Nutrição na Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Ministro Petrônio Portela, Teresina, Piauí, Brasil.
  • Regina Márcia Soares Cavalcante Professora Assistente do curso de Bacharelado em Nutrição da Universidade Federal do Piauí, Campus Senador Helvídio Nunes de Barros, Brasil.
  • Natália Quaresma Costa Melo Nutricionista pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Ministro Petrônio Portela, Teresina, Piauí, Brasil
  • Nara Vanessa dos Anjos Barros Professora Assistente do curso de Bacharelado em Nutrição da Universidade Federal do Piauí, Campus Senador Helvídio Nunes de Barros.
Palavras-chave: Alimentação saudável, Criança, Educação Alimentar e Nutricional, Promoção da Saúde.

Resumo

A alimentação está diretamente ligada ao crescimento e desenvolvimento infantil, portanto, a infância é um período que necessita de bastante atenção quando se fala de alimentação, pois é nessa fase que estão sendo formados os hábitos alimentares. Assim, objetivou-se desenvolver estratégias de promoção da alimentação saudável com escolares da rede municipal da cidade de Picos-Piauí, com a finalidade de despertar o interesse e sensibilizar a comunidade escolar da importância de uma alimentação saudável. Tratou-se de um estudo descritivo, analítico, transversal e interventivo realizado com 186 escolares. Inicialmente, foi aplicado um questionário estruturado (QE) para a realização do diagnóstico situacional. A intervenção educativa foi realizada com duração de três semanas em dois momentos: o primeiro, a explicação da pirâmide através de uma apresentação teatral e dinâmica; e o segundo momento foi reaplicado o QE para a avaliação da efetividade da intervenção. A média de idade foi de 8,5 anos, com maior percentagem do sexo feminino (53,2%). Como diagnóstico situacional, observou-se que os escolares já tinham um conhecimento prévio sobre o tema que seria abordado e com a realização da intervenção, pode-se observar que houve uma melhora desse conhecimento, e quanto ao material utilizado na ação educativa, houve aceitação pela grande maioria. Com a realização da ação educativa pode-se verificar que os escolares avaliados já possuíam um conhecimento prévio sobre a temática de alimentação saudável, bem como a intervenção educativa realizada promoveu um aumento deste conhecimento. Além disso, elucidaram-se dúvidas sobre as recomendações nutricionais diárias voltadas para a faixa etária trabalhada.

Referências

-Abranches, M. V.; Paula, H. A. A; Mata, G. M. S. C.; Salvador, B. C.; Marinho, M. S.; Priore, S. E. Avaliação da adequação alimentar de creches pública e privada no contexto do programa nacional de alimentação escolar. Revista Nutrire. São Paulo. Vol. 34. Num. 2, p. 43-57. 2009.

-Alves, A. L. H. Nutrição nos ciclos da vida. Brasília. Ed. AVM Instituto. 2010.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília. O Ministério. 2006.

-Brasil. Ministério da Educação. Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e na educação de jovens e adultos. 2ª edição. Brasília. Distrito Federal. 2012.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual operacional para profissionais de saúde e educação: promoção da alimentação saudável nas escolas. Brasília. Distrito Federal. 2008.

-Conill, E. M.; Scherer, M. D. A. Novas estratégias em educação: avaliação da técnica Tribunal do Júri na capacitação de conselheiros na área de saúde da mulher em Santa Catarina, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro. Vol.19. Num. 2. p. 525-534. 2003.

-Cruz, O. C.; Santos, M. J.; Cardozo, T. S. F. Aplicação do programa de educação nutricional: sexta é dia de fruta? É sim senhor!. Rede de Cuidados em Saúde. Rio de Janeiro. Vol. 9. Num. 3. p.1-12. 2015.

-Davanço, G. M.; Taddei, J. A. A. C.; Gaglianone C. P. Conhecimentos, atitudes e práticas de professores de ciclo básico, expostos e não expostos a Curso de Educação Nutricional. Revista de Nutrição. Campinas. Vol. 17. Num. 2. p. 177-184. 2004.

-Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. FNDE. Alimentação e nutrição. Disponível em: <http://www.fnde.gov.br/programas/alimentacao-escolar/alimentacao-escolar-alimentacao-e-nutricao> Acesso em: 06/07/2016.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2002-2003: primeiros resultados Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro. IBGE. 2004.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro. IBGE. 2011.

-Lanes, D. V. C. Estratégias Lúdicas para a construção de hábitos alimentares saudáveis na educação infantil. Revista Ciências & Ideias. Santa Maria. Vol. 4. Num. 1. p.1-12. 2012.

-Pacheco, T. L. Educação nutricional em pré-escolares de uma escola municipal de educação infantil (EMEI) de São Paulo. Nutrição em pauta. São Paulo. Ano 16. Num. 93. 2008.

-Pereira, P. R.; Scagliusi, F. B.; Batista, S. H. S. S. Educação nutricional nas escolas: um estudo de revisão sistemática. Revista Nutrire. São Paulo. Vol. 36. Num. 3. p.109-129. 2011.

-Pessa, R. P. Seleção de uma alimentação adequada. IN Dutra-De-Oliveira, J. E.; Marchini, J. S. Ciências nutricionais. São Paulo. Sarvier. 2008. p.19-40.

-Santana, R. F.; Oliveira, A. P.; Araujo, D. E.; Miranda, A. S.; Santos, R. N. Intervenções de Educação Alimentar e Nutricional para Crianças de uma Fundação Pública em Vitória da Conquista-BA: Construindo novos Hábitos Alimentares. Revista Extendere. Vol. 3. Num. 1. p. 8-19. 2015.

-Silva, A. C. B.; Silva, M. C. C. B.; Oliveira, V. É. R. Educação alimentar e nutricional, cultura e subjetividades: a escola contribuindo para a formação de sujeitos críticos e criativos em torno da cultura alimentar. Revista Demetra. Vol. 10. Num. 2. p. 247-257. 2015.

-World Health Organization (WHO). Food and Agriculture Organization of the United Nations. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases: report of a joint WHO/FAO expert consultation. Geneva. WHO Technical Report Series 916. 2003. 160 p.

Publicado
2020-10-17
Como Citar
Lima, V. H., Cavalcante, V. A., Abreu, B. B. de, Cavalcante, R. M. S., Melo, N. Q. C., & Barros, N. V. dos A. (2020). Estratégias de promoção da alimentação saudável para escolares da rede municipal da cidade de picos. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(85), 263-272. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1256
Seção
Artigos Científicos - Original