Sinais e sintomas de hipersensibilidades alimentares entre indivíduos vegetarianos vs. Onívoros

  • Beatriz Dagostin Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma-SC, Brasil.
  • Maria Luiza dos Santos Guellere Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma-SC, Brasil.
  • David Bastista Gesuino Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma-SC, Brasil.
  • Kristian Madeira Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma-SC, Brasil.
  • Marco Antônio da Silva Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma-SC, Brasil.
  • Heitor Oliveira Santos Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Brasil.
  • Thais Fernandes Luciano Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma-SC, Brasil.
Palavras-chave: Vegetarianismo, Dieta Vegana, Escala de Bristol, Vitamina B12, Cálcio

Resumo

Objetivo: Comparar sinais e sintomas clínicos relacionados à alimentação entre adultos onívoros e vegetarianos. Métodos: O presente trabalho foi desenvolvido com base em uma pesquisa descritiva, quantitativa e transversal. A população da pesquisa foi composta por dois grupos: onívoros e vegetarianos. A seleção da amostra foi não probabilística intencional, com um total de 100 indivíduos. Foi utilizado o questionário de rastreamento metabólico (QRM), Escala de Bristol e questionário de constipação para comparar e relacionar o tipo de dieta com os sinais e sintomas de hipersensibilidades alimentares. Resultados:  Quando comparado o QRM entre os grupos, pôde-se observar que o percentual de indivíduos considerados saudáveis foi de 20,9% no grupo vegetarianos e 9,1% no grupo onívoros. Além disso, 16,4% dos vegetarianos apresentaram baixa hipersensibilidade, enquanto nenhum indivíduo onívoro se enquadrou nessa classificação. Outro resultado positivo encontrado a favor do vegetarianismo foi que 66,7% dos onívoros apresentaram moderada hipersensibilidade e somente 34% dos vegetarianos foram classificados como moderados. Para todas estas comparações, houve significância de p = 0,003 entre os grupos. Por outro lado, não houve diferença significativa entre os indivíduos veganos e onívoros inerente à Escala de Bristol. Conclusão: Pacientes vegetarianos, em comparação com pacientes onívoros, apresentaram respostas clínicas mais favoráveis em relação a sinais e sintomas de hipersensibilidades alimentares. Contudo, é interessante maior aprofundamento científico do vegetarianismo no cenário da saúde intestinal, cujos novos ensaios clínicos controlados são importantes especialmente na investigação de biomarcadores para complementar os achados.

Referências

-Alves, J.G. Constipação intestinal. Jornal brasileiro de Medicina. Vol. 268. Num. 2. 2013.

-Appleby, P.N.; Key, T.J. The long-term health of vegetarians and vegans. Proceedings of Nutrition Society. Vol. 75. Num 3. p. 287-293. 2016.

-Baker, J. L.; Olsen, L. W.; Sorensen, T. I. Childhood Body-Mass Index and the Risk of Coronary Heart Disease in Adulthood. The New England Journal of Medicine. Vol. 357. Num. 23. p. 2329-2337. 2007.

-Berrougui, H.; Ikhlef, S.; Khalil, A. Extra Virgin Olive Oil Polyphenols Promote Cholesterol Efflux and Improve HDL Functionality. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. Vol. 2015. p.208062. 2015.

-Beto, J.A. The Role of Calcium in Human Aging. Clinical Nutrition Research. Vol. 4. Num. 1. p 1-8. 2015.

-Bridi, A.M. Consumo de carne bovina e saúde humana: convergências e divergências. 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/grupo-pesquisa/gpac/pages/arquivos/consumo%20de%20carne%20revisado%20II%20livro%20ronaldo.pdf >.

-Centro Brasileiro de Nutrição Funcional. Questionário de rastreamento metabólico. 2014. Disponível em: <https://pt.scribd.com/doc/135572702/Questionario-de-Rastreamento-metabolico>.

-Galdino, J.J. Questionário de rastreamento metabólico voltado a disbiose intestinal em profissionais de Enfermagem. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 10. Num. 57. p. 117-122. 2016.

-Green, R.; Allen, L.H.; Bjørke-Monsen, A.L.; Brito, A. Vitamin B12 deficiency. Nature Reviews Disease Primers. Num. 3. Vol. 17040. 2017.

-IBOPE. Crescimento histórico no número de vegetarianos no Brasil. Sociedade Vegetariana Brasileira. 2018. Disponível em: <https://www.svb.org.br/2469-pesquisa-do-ibope-aponta-crescimento-historico-no-numero-de-vegetarianos-no-brasil.

-Iguacel, I.; Miguel-Berges, M.L; Gómez-Bruton, A.; Moreno, L.A.; et al. Veganism, vegetarianism, bone mineral density, and fracture risk: a systematic review and meta-analysis. Nutrition Reviews. Vol. 77. Num. 1. p. 1-18. 2019.

-Losasso, C.; Eckert, E.M.; Mastrorilli, E.; Villiger J.; et al. Assessing the Influence of Vegan, Vegetarian and Omnivore Oriented Westernized Dietary Styles on Human Gut Microbiota: A Cross Sectional Study. Frontiers in Microbiology. Vol. 9. 2018.

-Martinez, A. P.; Azevedo, G. R. Tradução, adaptação cultural e validação da Bristol Stool Form Scale para a população brasileira. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto. Vol. 20. Num. 3. p. 583-589. 2012.

-Mathieu, S.; Dorard, G. Vegetarianism and veganism lifestyle: Motivation and psychological dimensions associated with selective diet. La Presse Médicale. Vol. 45. Num. 9. p. 726-733. 2016.

-Obeid, R.; Heil, S.G.; Verhoeven, M.M.A.; van den Heuvel, E.G.H.M. Vitamin B12 Intake From Animal Foods, Biomarkers, and Health Aspects. Frontiers in Nutrition. Vol. 6. Num. 93. 2019.

-Santos, H.O. The Need for Sex Hormone Analysis in Addition to Long-Term Follow-Up of Phytosterol Supplementation. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Num. 111. Vol. 2. 2018. p. 228-229. 2018a.

-Santos, H.O.; Bueno, A.A.; Mota, J.P. The effect of artichoke on lipid profile: A review of possible mechanisms of action. Pharmacological Research. Vol. 137. p. 170-178. 2018b.

-Sharma, S.; Sharma, R.K.; Parashar. Comparison of the nutritional status and outcome in thermal burn patients receiving vegetarian and non-vegetarian diets. Indian J Plast Surg. Vol. 47. Num. 2. 2014.

-The American Dietetic Association. Position of the American Dietetic Association and Dietitians of Canada: Vegetarian diets. J Am Diet Assoc. Vol. 103. Num. 6. 2003.

-Weiss, G. A.; Hennet, T. Mechanisms and consequences of intestinal dysbiosis. Zurich Open Repository and Archive. Vol. 74. Num. 1.6. 2017.

-Zimmermann, L.C.; Cezar, T.M. Prevalência de sinais e sintomas avaliados em um grupo de emagrecimento de um centro universitário do oeste do Paraná. Fag Journal of Health. 2019. Edição Especial. p.20.

Publicado
2020-11-03
Como Citar
Dagostin, B., Guellere, M. L. dos S., Gesuino, D. B., Madeira, K., Silva, M. A. da, Santos, H. O., & Luciano, T. F. (2020). Sinais e sintomas de hipersensibilidades alimentares entre indivíduos vegetarianos vs. Onívoros. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(87), 540-549. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1315
Seção
Artigos Científicos - Original