Prevalência de sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em acadêmicos de uma instituição de ensino superior

  • Bárbara Karoline Rêgo Beserra Alves Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Senador Helvídio Nunes de Barros (CSHNB), Picos, Piauí, Brasil.
  • Leandra Caline dos Santos Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Senador Helvídio Nunes de Barros (CSHNB), Picos, Piauí, Brasil.
  • Paulo Víctor de Lima Sousa Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Senador Helvídio Nunes de Barros (CSHNB), Picos, Piauí, Brasil.
  • Gleyson Moura dos Santos Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Ministro Petrônio Portela, Teresina, Piauí, Brasil.
  • Nara Vanessa dos Anjos Barros Professora Assistente do curso de Bacharelado em Nutrição da Universidade Federal do Piauí, Campus Senador Helvídio Nunes de Barros.
Palavras-chave: Microbioma gastrointestinal, Disbiose, Sinais e sintomas digestivos

Resumo

A disbiose intestinal é um estado prejudicial à saúde, causado por meio de mudanças qualitativas e quantitativas na microbiota intestinal. O presente estudo teve como objetivo determinar a prevalência de sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em acadêmicos do curso de Nutrição de uma Instituição Pública de Ensino Superior. Trata-se de uma pesquisa de natureza quantitativa, descritiva e de tipo transversal. A coleta de dados foi realizada no período de setembro a novembro de 2018, através da aplicação de dois questionários: o questionário elaborado abordando informações socioeconômicas e o Questionário de Rastreamento Metabólico, do Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional. Compuseram a amostra do estudo 186 acadêmicos, sendo 151 (81,19%) do sexo feminino e 35 (18,81%) do sexo masculino, cuja faixa de idade variou entre 18 e 60 anos. Os resultados sugeriram que é alta a prevalência de sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal entre os acadêmicos de Nutrição (97,31%). O indicativo de existência de hipersensibilidade que pode ser sugestivo para disbiose foi observado em 43,01% (n=80) dos sujeitos avaliados. O sintoma mais prevalente relatado pelos participantes foi inchaço abdominal /abdômen distendido, com um percentual de 57,53% (n=107). Desta forma, é importante que se dê atenção ao conhecimento aprofundado da composição e atividade da microbiota intestinal, visto que esse processo deverá conduzir a novas intervenções terapêuticas com base na possível modulação desse microbioma, resultando numa melhoria da qualidade de vida dos pacientes.

Referências

-Almeida, L.B.; Marinho, C.B.; Souza, C.S.; Cheib, V.B.P. Disbiose intestinal. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. Vol. 24. Num. 1. 2009. p. 58-65.

-Biagi, E.; Nylund, L.; Candela, M.; Ostan, R.; Bucci, L.; Pini, E.; Nikkila, J.; Monti, D.; Satokari, R.; Franceschi, C.; Brigidi, P.; De Vos, W. Through ageing, and beyond: gut microbiota and inflammatory status in seniors and centenarians. PloS one. Vol. 5. Num. 5. 2010. p. 10667.

-Bezerra, I.N.; SichieriI, R. Características e gastos com alimentação fora do domicílio no Brasil. Revista de Saúde Pública. Vol. 44. Num. 2. 2010. p. 221-229.

-Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução RDC nº 466, de 12 de dezembro de 2012: aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humano. Diário Oficial da União. Brasília-DF. 12 de dezembro de 2012.

-Cansian, A.C.C.; Gollino, L.; Alves, J.B.O.; Pereira, E.M.S. Avaliação da ingestão de frutas e hortaliças entre estudantes universitários. Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Vol. 37. Num. 1. 2012. p. 54-63.

-Fagundes, G.E. Prevalência de sinais e sintomas de disbiose intestinal em estudantes do curso de Nutrição da Universidade do Extremo Sul Catarinense. TCC de Bacharel em Nutrição. Universidade do Extremo Sul Catarinense. UNESC. 2010.

-Feitosa, E.P.S.; Dantas, C.A.O.; Andrade-Wartha, E.R.S; Marcellini, P.S.; Mendes- Netto, R.S. Hábitos alimentares de estudantes de uma Universidade pública no Nordeste. Alimentos e Nutrição. Vol. 21. Num. 2. 2010. p. 225-230.

-Ford, A.C.; Talley, N.J.; Spiegel, B.M.R.; Foxx, A.E.; Schiller, L.; Quigley, E.M.M.; Moayyedi, P. Effect of fibre, antispasmodics, and peppermint oil in the treatment of irritable bowel syndrome: systematic review and meta-analysis. British Medical Journal. Vol. 337. Num. 7683. 2008. p. 1388-1392.

-Frazier, T. H.; Dibaise, J. K.; Mcclain, C. J. Gut Microbiota, Intestinal Permeability, Obesity-Induced Inflammation, and liver injury. JPEN - Journal of Parenteral and Enteral Nutrition. Vol. 35. Num. 5. 2011. p. 14-20.

-Galdino, J.J.; Oselame, G. B.; Oselame, C. D. S.; Neves, E. B. Questionário de rastreamento metabólico voltado a disbiose intestinal em profissionais de Enfermagem. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 10. Núm. 57. 2016. p. 117-122.

-Gibson, G.R. Prebiotics as Gut Microflora Management Tools. Journal of Clinical Gastroenterology. Vol. 42. Num. 2. 2008. p. 75-79.

-Mendes, F.; Lopes, M.J. Vulnerabilidades em saúde: o diagnóstico dos calouros de uma universidade portuguesa. Texto Contexto Enfermagem. Vol. 23. Num. 1. 2014. p. 74-82.

-Sanches, M.; Salay, E. Alimentação fora do domicílio de consumidores do município de Campinas. São Paulo. Revista de Nutrição. Vol. 24. Num. 2. 2011. p. 295-304.

-Sartilho, A.R.P.; Silva, B.C.; Picoli, F.C.; Martini, P.C.; Michelin, D.C. Avaliação da prevalência e dos fatores de risco associados à constipação intestinal em mulheres na XI ação itinerante realizada no município de Araras-SP. Anais do 2º Encontro de Alunos do Curso de Especialização em Farmacologia Clínica. p. 25. 2009.

-Schippa, S.; Conte, M.P. Dysbiotic events in gut microbiota: Impact on human health. Nutrients. Vol. 6. Num. 12. 2014. p. 5786-5805.

-Teixeira, T.F.; Collado, M.C.; Ferreira, C.L.; Bressan, J.; Peluzio Mdo, C. Potential mechanisms for the emerging link between obesity and increased intestinal permeability. Nutrition Research. Vol. 32. Num. 9. 2012. p. 637-647.

-Toloni, M.H.A.; Silva, G.L.; Goulart, R.M.M.; Taddei, J.A.A.C. Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches públicas no município de São Paulo. Revista de Nutrição. Vol. 24. Num. 1. 2011. p. 61-70.

-Tomasello, G.; Mazzola, M.; Leone, A.; Sinagra, E.; Zummo, G.; Farina, F.; Damiani, P.; Cappello, F.; Gerges Geagea, A.; Jurjus, A.; Bou Assi, T.; Messina, M.; Carini, F. Nutrition, oxidative stress and intestinal dysbiosis: Influence of diet on gut microbiota in inflammatory bowel diseases. Biomedical Papers of the Medical Faculty of the University Palacky Olomouc Czechoslovakia Republic. Vol. 160. Num. 4. 2016. p. 461-466.

-Vandenplas, Y.; Wauters, G.V.; De Greef, E.; Peeters, E.; Casteels, A.; Mahler, T.; Devreker, T.; Hauser, B. Probióticos e prebióticos na prevenção e no tratamento de doenças em lactentes e crianças. Jornal de Pediatria. Vol. 87. Num. 4. 2011. p. 292- 300.

-Varavallo, M.A.; Thomé, J.N.; Teshima, E. Aplicação de bactérias probióticas para profilaxia e tratamento de doenças gastrointestinais. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. Vol. 29. Num. 1. 2008. p. 83-104.

-Yue, A. Atlas de Anatomia e Fisiologia Humana. Barueri. Editora Yendis. 2009.

-WHO. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva. WHO. 2000.

Publicado
2020-11-03
Como Citar
Alves, B. K. R. B., Santos, L. C. dos, Sousa, P. V. de L., Santos, G. M. dos, & Barros, N. V. dos A. (2020). Prevalência de sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em acadêmicos de uma instituição de ensino superior. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(87), 588-597. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1324
Seção
Artigos Científicos - Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##