Alterações comportamentais e alimentares em obesos após grupo de intervenção

  • Amoysa Araújo Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Escola Multicampi de Ciências Médica (EMCM), Caicó, Rio Grande do Norte, Brasil.
  • Vanessa Teixeira de Lima Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Faculdade de Ciências em Saúde do Trairí (FACISA), Santa Cruz, Rio Grande do Norte, Brasil.
  • Ricardo Andrade Bezerra Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Escola Multicampi de Ciências Médica (EMCM), Caicó, Rio Grande do Norte, Brasil.
Palavras-chave: Obesidade, Saúde Pública, Terapia Comportamental, Terapia Nutricional.

Resumo

Introdução: A obesidade é doença, considerada um dos principais problemas de saúde pública. E está relacionada com o surgimento de outras Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DTAS). Porém é uma condição que pode ser enfrentada e revertida. Para isso existem diversas formas de tratamento, entre eles destaca-se a metodologia em grupo, que tem sido fortemente indicada. Objetivo: avaliar as alterações comportamentais e alimentares de pacientes com obesidade após intervenção de grupo terapêutico, em Unidades Básicas de Saúde no Município de Caicó-RN. Métodos: Trata-se de um estudo de intervenção quase experimental. A amostra foi composta por 50 indivíduos, de ambos os sexos, na qual foram aplicados os questionários de Avaliação de Estágios de Mudança na Perda de Peso (Modelo Transteórico); Escala de Compulsão Alimentar Periódica (ECAP); Escala de Silhuetas de Stunkard (Imagem corporal) e Questionário de Frequência Alimentar (QFA). Avaliou-se o estado nutricional, por meio de medidas antropométricas. Resultados: Foram observadas, para o grupo de alta adesão a intervenção, melhorias nas atitudes comportamentais, com avaliação do Modelo Transteórico, ECAP e percepção da imagem corporal.  Alterações no consumo alimentar com aumento da ingestão de salada crua, legumes e frutas (p=0.049, 0.030 e 0.001, respectivamente. E redução das medidas antropométricas IMC, CC, CA e %GC (p=0,003; 0,008; 0,015 e 0,024, respectivamente) entre os dois momentos de avaliação. Conclusão: Destaca-se que essa estratégia se mostrou positiva para o enfrentamento da obesidade. Contudo, há necessidade de mais estudos para base referencial que estimule a aplicação dela nas ações das equipes de saúde.

Referências

-ABESO. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade. São Paulo. ABESO. Num. 4. 2016. p.1-186.

-American Psychological Association-APA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre. Artmed. 5ª edição. 2014.

-Beck, J.S. Pense Magro: a dieta definitiva de Back. Porto Alegre. Artmed. 2009. p. 230.

-Beck, J.S. Terapia cognitivo-comportamental: teoria e prática. Porto Alegre. Artmed. 2014. p. 399.

-Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Brasília. 2008. p. 61. Disponível em: < http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/04/protocolo_sisvan.pdf>.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Num. 38. Brasília. 2014.

-Deluchi, M.; Souza, F.P.; Pergher, G.K. Terapia cognitivo- comportamental e obesidade. In: Araújo, R.B.; Piccoloto, N.M.; Wainer, R. Desafios clínicos em terapia cognitivo-comportamental. São Paulo. Casa do Psicólogo. 2013. p. 282.

-França, C.L.; Biaginni, M.; Levindo, A.P.M.; Alves, E.D. Contribuições da psicologia e da nutrição para a mudança do comportamento alimentar. Estudos de Psicologia. Vol. 17. Num. 2. 2012. p. 337-45.

-Gormally, J.; Black, S.; Daston, S.; Rardin, D. The assessment of binge eating severity among obese persons. Addictive behaviors. Vol. 7. Num. 1.1982. p. 47-55.

-Hawkins, D.S.; Hornsby, P.P.; Schorling, J.B. Stages of Change and Weight Loss Among Rural African American Women. Obesity Research. Vol. 9. Num. 1. 2001. p. 59-67.

-Janssen, I. The public health burden of obesity in Canada. Canadian Journal of Diabetes. Vol. 37. 2013. p. 90-96.

-Klobukoski, C.; Höfelmann, D.A. Compulsão alimentar em indivíduos com excesso de peso na Atenção Primária à Saúde: prevalência e fatores associados. Cadernos de Saúde Coletiva. Vol. 25. Num. 4. 2017. p. 443-452.

-Leão, J.M.; Lisboa, L.C.V.; Pereira, M.A.; Lima, L.F.; Lacerda, K.C.; Elias, M.A.R. Estágios motivacionais para mudança de comportamento em indivíduos que iniciam tratamento para perda de peso. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. Vol. 64. Num. 2. 2015. p. 107-14.

-Lechner, L.; Brug, J.; Vries, H.; Assema, P.V; Mudde, A. Stages of change for fruit, vegetables and fat intake: consequences of misconception. Oxford University Press. Vol. 13. Num.1. 1998. p. 1-11.

-Lima, A.C.R.; Oliveira, A.B. Fatores psicológicos da obesidade e alguns apontamentos sobre a terapia cognitivo-comportamental. Mudanças - Psicologia da Saúde. Vol. 24. Num. 1. 2016. p. 1-14.

-Melo, W.V.; Bergmann, C.; Neufeld, C.B.; Machado, P.P.P.; Conceição, E. A terapia cognitivo-comportamental e a cirurgia bariátrica como tratamentos para a obesidade. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva. Vol. 10. Num. 2. 2014. p. 84-92.

-Moraes, C.F.; Oliveira, M.S. A entrevista motivacional em grupos de obesas no tratamento da compulsão alimentar periódica. Aletheia. Vol. 35. Num. 36. 2011. p. 154-167.

-Neufeld, C.B.; Moreira, C.A.M.; Xavier, G.S. Terapia Cognitivo-Comportamental em Grupos de Emagrecimento: O Relato de Uma Experiência. Psicologia. Vol. 43. Num. 1. 2012. p. 93-100.

-Nunes, M.A.; Appolinario, J.C.; Galvão, A.L.; Coutinho, W. Transtornos alimentares e obesidade. Porto Alegre. Artmed. 2ª edição. 2006.

-Paiva, L.F. Estratégia de intervenção para pessoas portadoras de sobrepeso e obesidade: grupo operativo de reeducação alimentar e prática de atividades físicas. Universidade Federal de Minas Gerais. TCC de Graduação. UFMG-MG. Minas Gerais. 2014.

-Pereira, M.A.; Pereira, A.A.; Leão, J.M.; Lisboa, L.C.V.; Elias, M.A.R.; Ghetti, F.F. Desafios e reflexões na implantação de um programa de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) em indivíduos com excesso de peso. Revista Brasileira de Promoção da Saúde. Vol. 28. Num. 2. 2015. p. 290-296.

-Pollock, M.L.; Wilmore, J.H. Exercícios na Saúde e na Doença: Avaliação e Prescrição para Prevenção e Reabilitação. Rio de Janeiro. MEDSI. 2ª edição.1993.

-Raman, J.; Smith, E.; Hay, P. The clinical obesity maintenance model: an integration of psychological constructs including disordered overeating, mood, emotional regulation, habitual cluster behaviours, health literacy and cognitive function. Jornal Obesity. 2013. p. 1-9. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3654353/>.

-Rocha, E.A.; Silva, M.M.S.; Gomes, M.P.C.; Marinho, T.M.R.T.; Silva, J.V.L. Relato de experiências do grupo de apoio aos pacientes obesos atendidos na clínica escola de nutrição. Entre Aberta Revista de Extensão. Vol. 1. Num. 1. 2015. p. 1-12.

-Sader, J.T.; Macedo, I.C. Utilização do modelo transteórico no processo de mudança de hábitos alimentares. Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística. Vol. 5. Num. 6. 2012. p. 61-9.

-Santos, P.L.S. Efeitos de intervenção interdisciplinar em grupo para pessoas com diagnóstico de sobrepeso ou obesidade. Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Dissertação de Mestrado. Brasília. 2010. Disponível em: < https://repositorio.unb.br/handle/10482/7793>.

-Schmidt, M.I.; Duncan, B.B.; Azevedo, S.G.; Menezes, A.M.; Monteiro, C.A.; Barreto, S.M. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. Vol. 377. Num. 9781. 2011. p. 1949-61.

-Stunkard, A.J.; Sorensen, T.; Schulsinger, F. Use of the Danish Adoption Register for the study of obesity and thinness. In: Kety SS, Rowland LP, Sidman RL, Matthysse SW. The genetics of neurological and psychiatric disorders. New York. Raven Press. 1983. p. 115-20.

-Toral, N.; Slater, B. Abordagem do modelo transteórico no comportamento alimentar. Ciência Saúde Coletiva. Vol. 12. Num. 6. 2007. p. 1641-50.

-Vannuchi, R.O.; Carreira, C.M.; Pegoraro, L.G.O.; Gvozd, R. Impacto da intervenção multiprofissional em grupo no perfil nutricional e hábitos de vida de mulheres com sobrepeso e obesidade. Espaço para a saúde. Revista de Saúde Pública do Paraná. Vol. 17. Num. 2. 2016. p. 189-98.

-Wang, Y.C.; McPherson, K.; Marsh, T.; Gortmaker, S.L.; Brown, M. Health and economic burden of the projected obesity trends in the USA and the UK. The Lancet. Vol. 378. Num. 9793. 2011. p. 815-25.

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. World Health Organization. Geneve. 1998. Disponível em: < https://www.who.int/nutrition/publications/obesity/WHO_TRS_894/en/>

-World Health Organization. Physical Status: The use and interpretation of anthropometry. World Health Organization. Geneve. 1995. Disponível em: < https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/37003/WHO_TRS_854.pdf?sequence=1&isAllowed=y>.

Publicado
2020-11-03
Como Citar
Ribeiro, A. A., Oliveira, V. T. de L., & Bezerra, R. A. (2020). Alterações comportamentais e alimentares em obesos após grupo de intervenção. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(87), 641-651. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1338
Seção
Artigos Científicos - Original