Avaliação do consumo de probióticos e prebióticos em acadêmicos da área da saúde de uma instituição privada

  • Geralda Antônia Gonçalves Rocha Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI, Brasil.
  • Lis Jeanne Borges Nunes Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI, Brasil.
  • Natália Fonseca Ribeiro Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI, Brasil.
  • Anne Caroline Cunha Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI, Brasil.
  • Lucineia Pinho Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI, Brasil.
Palavras-chave: Alimentos Funcionais, Consumo de alimentos, Prebióticos, Probióticos

Resumo

Introdução: há um aumento no consumo de alimentos funcionais como forma de prevenção e no controle de doenças. Os prebióticos e os probióticos são alimentos funcionais que podem assegurar o equilíbrio da microbiota intestinal. Objetivo: avaliar o consumo de alimentos fontes de prebióticos e probióticos em acadêmicos de uma instituição privada. Materiais e Métodos: trata-se de um estudo transversal realizado com 293 acadêmicos de instituição privada de Montes Claros-MG. Avaliou-se a frequência do consumo de alimentos prebióticos e probióticos nos últimos sete dias à entrevista. As análises descritivas foram realizadas. Resultados: cereais matinais foram consumidos uma vez por semana (43%); sopa (22,9%) e uva (27,6%), duas vezes, evidenciando pouca ingestão de prebióticos. Bolo sem recheio (22,9%), farinhas (24,6%), abacaxi (26,3%) e sucos diversos (21,8%) destacaram-se três vezes por semana. Maçã e pêra (22,9%), laranja e mexerica (22,2%), mamão (21,2%) e suco de laranja natural (20,8%) foram consumidos quatro vezes. O alimento destaque foi o feijão, consumido sete vezes por semana, mostrando importância na dieta brasileira. Leite integral e desnatado foram ingeridos uma vez por semana; iogurte e requeijão, duas vezes; queijo branco, leite integral e desnatado, três vezes, sendo baixa a ingestão de probióticos fontes de cálcio. Conclusão: a alimentação dos universitários segue o padrão contemporâneo, com baixo consumo de prebióticos e probióticos.

Referências

-ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Guia para Comprovação da Segurança de Alimentos e Ingredientes e substâncias bioativas e probióticos. 2019. p. 7. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/395734/Guia+para+Comprova%C3%A 7%C3%A3o+da+Seguran%C3%A7a+de+Alimentos+e+Ingredientes/f3429948- 03db-4c02-ae9c-ee60a593ad9c 42>. Acesso em 30/10/ 2019.

-Ashwini, A.; Ramya, H.N.; Ramkumar, C.; Reddy, K.R.; Kulkarni, R.V.; Abinaya, V.; Nav, S.; Raghu, A.V. Reactive mechanism and the applications of bioactive prebiotics for human health: Review. Journal of Microbiology Methods. Vol. 159. Num. 1. 2019. p. 128-137.

-Ballesteros-Pomar, M.D.; Arnaiz, E.G. Papel de los prebióticos y los probióticos en la funcionalidad de la microbiota del paciente con nutrición parenteral. Nutrición Hospitalaria. Vol. 35. Num. 2. 2018. p. 18-26.

-Barros, C.P.; Rosenthal, A.; Walter, E.H.M.; Deliza, R. Consumers’ attitude and opinion towards different types of fresh cheese: an exploratory study. Food Science and Technology. Vol. 36. Num. 3. 2016. p. 448-455.

-Basu, S.; Banerjee, D.; Chowdhury, R.; Bhattacharya, P. Controlled release of microencapsulated probiotics in food matrix. Journal of Food Engineering. Vol. 238. Num. 1. 2018. p. 61-69.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil (2018): vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Brasília. Ministério da Saúde. 2019. Acesso em: 17/02/2020.

-Campos, C.M.F.; Araújo, M.A.M.; Moreira-Araújo, R.S.R. Consumo de alimentos funcionais por usuários de self services. Higiene Alimentar. Vol. 30. Num. 260/261. 2016. p. 34-37.

-Castro, C.A.B.; Díaz-Moreno, C.; Gutiérrez-Cortés, C. Probióticos y prebióticos en matrices de origen vegetal: Avances en el desarrollo de bebidas de frutas. Revista Chilena de Nutrición. Vol. 44. Num. 4. 2017. p. 383-392.

-Colombo, M.; Todorov, S.D.; Eller, M.; Nero, L.A. The potential use of probiotic and beneficial bacteria in the Brazilian dairy industry. Journal of Dairy Research. Vol. 85. Num. 1. 2018. p. 487-496.

-Correa, M.L.; Ojeda, M.S.; Lo Presti, M.S. Consumo de prebióticos y probióticos en relación con marcadores de síndrome metabólico en estudiantes universitários. Nutrición Clínica y Dietética Hospitalaria. Vol. 9. Num. 2. 2019. p. 171-182.

-Díaz, C.G.; Illanes, L.M.; Álvarez-Dardet, C. Alimentos como medicamentos: la delgada línea divisoria entre la industria farmacéutica y la industria alimentaria. Revista Española de Salud Pública. Vol. 86. Num. 4. 2012. p. 313-317.

-Gadelha, C.J.M.U.; Bezerra, N.A. Efeitos dos probióticos no perfil lipídico: revisão sistemática. Jornal Vascular Brasileiro. Vol. 18. Num.1. 2019. p.1-10.

-Guillot, C.D.C. Microbiota intestinal, probióticos y prebióticos. Enfermería Investiga, Investigación, Vinculación, Docencia y Gestión. Vol. 2. Num. 4. 2107. p. 156-160.

-Markowiak, P.; Śliżewska, K. Effects of probiotics, prebiotics, and synbiotics on human health. Nutrients. Vol. 9. Num. 1021. 2017. p. 1-30.

-Moreno de El Castillo, M.C.; Valladares-Garcia, J.; Halabe-Cherem, J. Microbioma humano. Revista da Faculdade de Medicina do México. Vol. 61. Num. 6. 2018. p. 7-19.

-Santos, F.L.; Ferreira, M.A.; Pires, E.A.; Oliveira, F.S.; Silva, C.F.G.; Vieira, R.B. Análise das patentes de tecnologias relacionadas aos probióticos, prebióticos e simbióticos no Brasil. Brazilian Journal of Food Technology. Vol. 17. Num. 3. 2014. p. 252-258.

-Vera, V.; Crovetto, M.; Valladares, M.; Oñate, G.; Fernández, M.; Espinosa, V.; Mena, F.; Aguero, S.D. Consumo de frutas, verduras y legumbres em universitários chilenos. Revista Chilena de Nutrición. Vol. 46. Num. 4. 2019. p. 436-442.

-Younis, K.; Ahmad, S.; Jahan, K. Health benefits and application of prebiotics in foods. International Journal Food Processing Technology. Vol. 6. Num. 4. 2015. p. 1-7.

Publicado
2021-07-15
Como Citar
Rocha, G. A. G., Nunes, L. J. B., Ribeiro , N. F., Cunha, A. C., & Pinho, L. (2021). Avaliação do consumo de probióticos e prebióticos em acadêmicos da área da saúde de uma instituição privada. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(88), 785-791. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1377
Seção
Artigos Científicos - Original