Motivos de abandono do tratamento nutricional para perda de peso de indivíduos com sobrepeso e obesidade: uma análise qualitativa

  • Luciana Alves Cangerana Santiago Doutora pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Nutrição Humana Aplicada - PRONUT, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Faculdade de Saúde Pública, Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Denise Cavallini Cyrillo Professora Associada da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil,
  • Ana Maria Cervato Mancuso Professora Associada da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Tratamento da obesidade, Satisfação do paciente, Terapia nutricional, Pacientes desistentes do tratamento

Resumo

Introdução: No Brasil o excesso de peso vem alcançando proporções epidêmicas, e com ele emergem outras doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs). Neste cenário surge a importância e necessidade de tratamentos para perda de peso (TPPs) eficazes, todavia, a incidência de abandono destes tratamentos é bastante expressiva. Neste contexto, emerge a importância do entendimento destes motivos. Objetivos: Identificar os motivos que levam ao abandono de tratamento nutricional para perda de peso, segundo a percepção de indivíduos com excesso de peso. Materiais e Métodos: O presente estudo foi uma pesquisa de caráter qualitativo, onde foram realizadas entrevistas para investigar os motivos que podem levar ao abandono do TPP. A amostra foi composta por 12 indivíduos com excesso de peso, os quais já passaram por TPP com nutricionista e o abandonaram. Resultados: Pode-se inferir que as dificuldades para dar seguimento ao tratamento e fatores ligados à atitude do profissional foram indicados pelos participantes como sendo os desencadeadores do abandono. Discussão: A falta de resultados, explica-se pela ansiedade dos indivíduos em perceber a perda de peso. A rotina diária e o acesso aos alimentos preconizados, se tornam empecilhos para a continuidade dos tratamentos. O plano alimentar prescrito que muitas vezes se mostra como algo restritivo e neste âmbito a empatia do nutricionista se faz necessária para o auxílio no enfrentamento do excesso de peso. Conclusão: De fato a satisfação com o tratamento, onde inclui-se a evolução satisfatória dele, a consecução das mudanças necessárias e a empatia do profissional, são situações que interferem positivamente na sua persistência.

Referências

-Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos. Gerência-Geral de Regulação Assistencial. Gerência de Monitoramento Assistencial. Coordenadoria de Informações Assistenciais. Manual de diretrizes para o enfretamento da obesidade na saúde suplementar brasileira. Rio de Janeiro. ANS. 2017.

-Alvarenga, M.S. Fundamentos teóricos sobre análise e mudança de comportamento. In: Alvarenga, M.S.; Figueiredo, M.; Timermam, F.; Antonaccio, C. Nutrição Comportamental. 1ª edição. São Paulo. Manole. 2015.

-Alvarenga, M.S.; Vicente Júnior, C. Habilidades de comunicação. IN: Alvarenga, M.S.; Figueiredo, M.; Timermam, F.; Antonaccio, C. Nutrição Comportamental. 1ª edição. São Paulo. Manole. 2015.

-Amorim, D.C.A.; Coutinho, C.M.; Palmeira, C.S. Adesão ao tratamento de pessoas com excesso de peso. Rev enferm UFPE on line. Vol. 10. Supl. 6. 2016. p. 4788-4796.

-Assis, M.A.A.; Nahas, M.V. Aspectos motivacionais em programas de mudança de comportamento alimentar. Revista de Nutrição. Vol. 12. Num. 1. 1999. p. 33-41.

-Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa. Edições 70. 1ª edição. 2011. p. 65-141.

-Boog, M.C.F. Educação Alimentar e Nutricional. Para além de uma disciplina. In Diez-Garcia, R.W.; Cervato-Mancuso, A.M. Mudanças Alimentares e Educação Alimentar e Nutricional. 2ª edição. Guanabara Koogan. 2017.

-Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 137.: il. (Acessado em 05 de Julho de 2020). Disponível em: http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2019_vigilancia_fatores_risco.pdf.

-Cori, G.C.; Petty, M.L.B.; Alvarenga, M.S. Atitudes de nutricionistas em relação a indivíduos obesos - um estudo exploratório. Ciência e Saúde Coletiva. Vol. 20. Num. 2. 2015. p. 565-576.

-Duncan, B.B.; Chir, D.; Aquino, E.M.; Bensenor, I.M.; Mill, J.G.; Schmidt, M.I.; Lotufo, P.A.; Vigo, A.; Barreto, S.M. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Revista de Saúde Pública. Vol. 46. Supl. 2012. p. 126-134.

-Gonçalves, I.S.A.; Ferreira, N.T.M.Y.; Reis, P.V.S.; Pena, G.G. Fatores intervenientes no seguimento do tratamento nutricional para redução de peso em mulheres atendidas em uma unidade básica de saúde do Brasil. Revista Cuidarte. Vol. 6. Num. 1. 2015. p. 914-922.

-Halali, F.; Lapveteläinen, A.; Karhunen, L.; Saarela, A.M.; Lappalainen, R.; Kantanen, T. Motivators, barriers and strategies of weight management: A cross-sectional study among Finnish adults. Eating Behaviors. Vol. 31. 2018. p. 80-87.

-James, B.L.; Loken, E.; Roe, L.S.; Myrissa, K.; Lawton, C.L.; Dye, L.; Rolls, B.J. Validation of the Diet Satisfaction Questionnaire: a new measure of satisfaction with diets for weight management. Obesity Science & Practice. Vol. 4. Num. 6. 2018. p. 506-514.

-Lamas, I.; Cadete, M.M.M. Do desejo à ação: fatores que interferem na abordagem nutricional para mudança de hábito alimentar. Rev enferm UFPE online. Vol. 11. Num.6. 2017. p. 2432-2444.

-Lindemann, I.L.; Oliveira, R.R.; Mendoza-Sassi, R.A. Dificuldades para alimentação saudável entre usuários da atenção básica em saúde e fatores associados. Ciência e Saúde Coletiva. Vol. 2. Num.2. 2016. p. 599-610.

-Lopes, A.C.S.; Menezes, M.C.; Araújo, M.L. O ambiente alimentar e o acesso a frutas e hortaliças: “Uma metrópole em perspectiva”. Saúde Soc. Vol. 26. Num. 3. 2017. p.764-773.

-Monteiro, C.A.; Mondini, L.; Costa, R.B.L. Mudanças na composição e adequação da dieta familiar nas áreas metropolitanas do Brasil (1998-1996). Revista de Saúde Pública. Vol. 34. Num. 3. 2000. p. 251-258.

-Montesi, L.; Ghoch, M.E.; Brodosi, L.; Calugi, S.; Marchesini, G.; Dalle Grave, R. Long-term weight loss maintenance for obesity: a multidisciplinary approach. Diabetes Metab Syndr Obes. Vol. 9. Num. 37. 2016. p. 37-46.

-Niquini, C.; Navarro, F.; Bessa, F. Fatores associados à adesão e não adesão do tratamento não farmacológico em usuários com obesidade assistidos pelo Programa Saúde da Família, Complexo do Alemão-RJ. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 6. Num.31. 2012. p.46-57.

-Nogueira, T.F.D.; Zambon, M.P. Razões do abandono do tratamento de obesidade por crianças e adolescentes. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 31. Num. 3. 2013. p. 338-343.

-Oliveira, A.P.S.V.; Silva, M.M. Fatores que dificultam a perda de peso em mulheres obesas de graus I e II. Revista Psicologia e Saúde. Vol. 6. Num. 1. 2014. p. 74-82.

-Palmeira, C.S.; Garrido, L.M.M.; Resumo, P.S. Fatores intervenientes na adesão ao tratamento da obesidade. Ciencia y Enfermería. Vol. 22. Num.1. 2016. p. 11-22.

-Palmeira, C.S; Novais, I.; Santos, V.R.S.; Lima, M.L. Aspectos motivacionais do abandono do tratamento de obesidade. Rev. Enferm. Contemp. Vol. 8. Num. 2. 2019. p. 154-163.

-Ribas, C.R.P.; Santos, M.A.; Zanetti, A.C.G.; Zanetti, M.L. Representações sociais de pacientes com Diabetes Melittus sobre o atendimento por profissionais de saúde. Psico. Vol. 44. Num.1. 2013. p. 139-149.

-Saldiva, P. Vida Urbana e Saúde, os desafios dos habitantes das metrópoles. São Paulo. 1ª edição. Editora Contexto. 2018. p. 30-42.

-Shields, A.T. Examination of the obesity epidemic from a behavioral perspective. International Journal of Behavioral and Consultation Therapy. Vol.5. Num.1. 2009. p.142-158.

-Silva, N.G.; Batista, J.R.M.; Galdino, M.K.C.; Barros, S.M.M. Suporte familiar e sintomatologia depressiva e ansiosa em mulheres com obesidade. Interação em psicologia. Vol. 22. Num. 1. 2018. p. 21-30.

-Taglietti, R.L.; Riepe, S.B.; Maronezi, T.B.; Teo, C.R.P.A. Tratamento nutricional para redução de peso: aspectos subjetivos do processo. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol.12. Num.69. 2018. p.101-109.

-Tardido, A.P.; Falcão, M.C. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. São Paulo, Vol. 21. Num.2. 2006. p. 117-124.

-Ting Lo, Y.; Hung Chang, Y.; Shyuan Lee, M.; Wahlqvist, M.L. Health and nutrition economics: diet costs are associated with diet quality. Asia Pac J Clin Nutr. Vol. 18. Num. 4. 2009. p. 598-604.

-Ulian, M.; Sato, P.; Alvarenga, M.S.; Scagliusi, F. Aconselhamento nutricional versus prescrição. IN: Alvarenga, M.S; Figueiredo, M.; Timermam, F.; Antonaccio, C. Nutrição Comportamental. 1ª edição. São Paulo. Manole. 2015.

-Varkevisser, R.D.M.; Van Stralen, M.M.; Kroeze, W.; Ket, J.C.F.; Steenhuis, I.H.M. Determinants of weight loss maintenance: a systematic review Obesity reviews. Vol. 20. 2019. p. 171-211.

Publicado
2022-07-08
Como Citar
Santiago , L. A. C., Cyrillo, D. C., & Mancuso, A. M. C. (2022). Motivos de abandono do tratamento nutricional para perda de peso de indivíduos com sobrepeso e obesidade: uma análise qualitativa. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 15(97), 1070-1078. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1397
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original