Caracterização dos hábitos alimentares e perfil antropométrico de adolescentes: conhecer para prevenir

  • Débora Vasconcelos Bastos Marques Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.
  • Thaiany Goulart de Souza e Silva Programa de Pós-graduação em Biologia Celular, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.
  • Eric Batista Ferreira Departamento de Estatística, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.
  • Daniela Braga Lima Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.
  • Eliane Garcia Rezende Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.
Palavras-chave: Saúde do Adolescente, Antropometria, Hábitos Alimentares, Estado Nutricional

Resumo

Introdução: A adolescência é caracterizada por inúmeras transformações que podem ser influenciadas por condições socioeconômicas e culturais. Estudos epidemiológicos mostram que a prevalência do excesso de peso vem superando a de desnutrição em todas as faixas de idade, estratos sociais e demográficos. Objetivo: Caracterizar o perfil antropométrico e o consumo alimentar de adolescentes de um Instituto Federal do sul de Minas Gerais. Materiais e Métodos: Aplicou-se um questionário contendo questões sobre consumo alimentar e prática de atividade física em 362 adolescentes, de ambos os sexos, matriculados no Instituto Federal. Foram aferidos peso e estatura dos adolescentes e o diagnóstico do estado nutricional foi expresso em escore Z, de acordo com os pontos de cortes utilizados pelo SISVAN. Para otimizar a leitura dos dados, uma adaptação foi realizada, considerando: sem e com excesso de peso. O teste do qui-quadrado de Pearson e exato de Fisher foram usados seguidos do ajuste de regressão logística múltipla. Resultados: A média de idade dos adolescentes foi de 16,3 ±0,9 anos, com 47,23% do sexo masculino. Não houve diferença entre os sexos quanto ao estado nutricional da amostra. A prevalência de excesso de peso foi de 27,9%. O regime de internato não diferiu estatisticamente do externato escolar com relação aos adolescentes com ou sem excesso de peso. 74,16% dos praticantes de atividade física não apresentaram excesso de peso e apresentaram um maior consumo diário de arroz, feijão e carne. Entretanto, observou-se que os adolescentes sem excesso de peso também apresentaram maior consumo semanal de guloseimas e alimentos multiprocessados.

Biografia do Autor

Débora Vasconcelos Bastos Marques, Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.

Nutricionista, possui Doutorado em Biociências aplicadas à Saúde pela Universidade Federal de Alfenas; Mestrado em Biotecnologia aplicada à Saúde pela Universidade de Ribeirão Preto; Atualmente é Professora substituta na Universidade Federal de Alfenas e responsável pelas disciplinas Educação Nutricional, Ética profissional e Práticas pedagógicas em Saúde; Experiência em Projetos de extensão e pesquisa; Atuando principalmente nos seguintes temas: comportamento alimentar, educação nutricional, hábitos alimentares e diabetes.

Thaiany Goulart de Souza e Silva, Programa de Pós-graduação em Biologia Celular, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Nutrição pela Faculdade de Nutrição (FANUT) da Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL/MG (2017); Mestre em Ciências Biológicas pela UNIFAL/MG na área de concentração Interação Patógeno-Hospedeiro (2020); Atualmente é doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com bolsa CNPq; Tem experiência na área de Imunologia, Parasitologia, Histologia e Nutrição Experimental.

Eric Batista Ferreira, Departamento de Estatística, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.

Professor Associado II do Departamento de Estatística da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG); Possui formação em Laticínios (Instituto Cândido Tostes, 1998); Engenharia Agronômica (UFLA, 2002); Matemática Licenciatura (UNIFAL-MG, 2012); Mestrado em Estatística e Experimentação Agropecuária (UFLA, 2004); Doutorado em Estatística e Experimentação Agropecuária (UFLA/Open University - Inglaterra, 2007); Pós-Doutorado em Estatística Multivariada (UFLA, 2009); Pós-Doutorado em Sensometria (NOFIMA - Noruega, 2013); Tem experiência em Sensometria, Estatística Multivariada, Estatística Experimental, Probabilidade e Estatística aplicadas, Controle Estatístico de Processo e Cientometria.

Daniela Braga Lima, Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Federal de Ouro Preto- UFOP/MG (1997); Especialização em nutrição clínica pelo Centro Universitário São Camilo (2000); Mestrado em Ciência da Nutrição pela Universidade Federal de Viçosa- UFV/MG (2006); Doutorado em Ciências pela Escola de Enfermagem da USP/SP (2014); Desde 2006 é Professor Adjunto da Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Alfenas- UNIFAL/MG; Tem experiência na área de Nutrição, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação nutricional, materno-infantil, deficiências nutricionais e saúde coletiva.

Eliane Garcia Rezende, Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG), Alfenas, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Nutrição e graduação em Farmácia Bioquímica pela Universidade Federal de Ouro Preto (1995); Doutora pelo Programa de Ciências Sociais na PUC/SP, área de antropologia (2012); Mestre na área de Epidemiologia, pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002); Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Alfenas (MG); Tem experiência na área de Nutrição, atuando nos temas: Alimentação e cultura, Educação Nutricional; Ética; Saúde e Espiritualidade; Interações entre medicamentos e nutrientes; Interpretação de provas laboratoriais; Nutrição clínica; Pró-reitora de extensão da Unifal-MG (2014-2021).

Referências

-Barufaldi, L. A.; Abreu, G. A.; Oliveira, J. S.; Santos, D. F.; Fujimori, E.; Vasconcelos, S. M. L.; Vasconcelos, F. A. G.; Tavares, B. M. ERICA: Prevalence of healthy eating habits among Brazilian adolescents. Revista de Saúde Pública. São Paulo. Vol. 50. Num. 1. 2016. p. 1-6.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN. Brasília. 2011.

-IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015. Rio de Janeiro. 2016.

-Braz, M.; Assumpção, D.; Barros, M. B. A.; Barros Filho, A. A. Consumo de açúcares de adição por adolescentes em estudo de base populacional. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 24. Num. 9. 2016. p. 3237-3246.

-Ciaccia, M. C. C.; Vieira, A. M.; Oliveira, H. N.; Bonfim, A. M. S.; Rosenberger, J.; Salata, N. A.; Duim, E. L.; Rullo, V. E. V. A alta prevalêncoa de obesidade em adolescentes de escolas da rede municipal de Santos e fatores associados. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 12. Num. 72. 2018. p. 486-494.

-Dalla Costa, M. C.; Barreto, A. D. C.; Bleil, R. A. T.; Osaku, N.; Ruiz, F. S. Estado nutricional de adolescentes atendidos em uma unidade de referência para adolescentes no Município de Cascavel, Estado do Paraná, Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. Vol. 20. Num. 3. 2011. p. 355-361.

-Dinicolantonio, J. J.; Berger, A. Added sugars drive nutrient and energy deficit in obesity: A new paradigm. Open Heart. Vol. 3. e000469. 2016.

-Maia, E. G.; Silva, L. E. S.; Santos, M. A. S. S.; Barufaldi, L. A. B.; Silva, S. U. S.; Claro, R. M. Padrões alimentares, características sociodemográficas e comportamentais entre adolescentes brasileiros. Rev Bras Epidemiol. Vol. 21. Num. 1. e180009. 2018.

-Enes, C. C.; Slater, B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 13. Num. 1. 2010. p. 163-171.

-Felipe, M. L. F. M. Análise da importância do regime de internato para os alunos do curso técnico em agropecuária do Instituto Federal do Ceará Campus Iguatu. Revista Científica do IFAL. Vol. 1. Num. 2. 2011. p. 7-22.

-Fradkin, C.; Valentini, N. C.; Nobre, G. C.; Santos, J. O. L. Obesity and Overweight Among Brazilian Early Adolescents: Variability Across Region, Socioeconomic Status, and Gender. Frontiers in Pediatrics. Vol. 6. 2018. p. 81.

-Grillo, L. P.; Schiffer, L. R.; Klann, L.; Mezadri, T.; Lacerda, L. L. V. Relação entre estado nutricional e tempo de tela em adolescentes. Adolescência & Saúde. Vol. 15. Num. 2. 2018. p. 65-71.

-Jaime, P. C.; Santos, L. M. P. Transição nutricional e a organização do cuidado em alimentação e nutrição na Atenção Básica em saúde. Divulg. saúde debate. Vol. 51. 2014. p. 72-85.

-Lima, N. M. S.; Leal, V. S.; Oliveira, J. S.; Andrade, M. I. S.; Tavares, F. C. L. P.; Menezes, R. C. E.; Silva, C. S.; Lira, P. I. C. Excesso de peso em adolescentes e estado nutricional dos pais: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 22. Num. 2. 2017. p. 627-636.

-Niehues, J. R.; Gonzales, A. I.; Lemos, R. R.; Bezerra, P. P.; Haas, P. Prevalence of overweight and obesity in children and adolescents from the age range of 2 to 19 years old in Brazil. International Journal of Pediatrics. Vol. 2014. 2014.

-OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Ministério da Saúde. Saúde e sexualidade de adolescentes. Construindo equidade no SUS. Brasília. 2017.

-Pinho, L.; Botelho, A. C. C.; Caldeira, A. P. Fatores associados ao excesso de peso em adolescentes de escolas públicas no norte de Minas Gerais. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 32. Num. 2. 2014. p. 237-243.

-R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2020. Disponível em: <https://www.R-project.org/>.

-Ramires, E. K. N. M.; Menezes, R. C. E.; Oliveira, J. C.; Oliveira, M. A. A.; Temote, T. L.; Longo-Silva, G.; Leal, V. S.; Costa, E. C.; Asakura, L. Estado nutricional de crianças e adolescentes de um município do semiárido do Nordeste brasileiro. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 32. Num. 3. 2014. p. 200-207.

-Silva, Y. M. P.; Costa, R. G.; Ribeiro, R. L. Obesidade infantil: uma revisão bibliográfica. Saúde e Ambiente em Revista. Vol. 3. Num. 1. 2008. p. 01-15.

-Simões, C. F.; Lopes, W. A.; Remor, J. M.; Locateli, J. C.; Lima, F. B.; Santos, T. L. C.; Nardo Junior, N. Prevalence of weight excess in Brazilian children and adolescents: A systematic review. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 20. Num. 4. 2018. p. 517-531.

-Soares, D. A.; Barreto, S. M. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 20. Num. 3. 2015. p. 821-832.

-Sousa, J. G.; Lima, L. R.; Fernandes, C. R. S.; Santos, G. M. Atividade física e hábitos alimentares de adolescentes escolares: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE), 2015. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 13. Num. 77. 2019. p. 87-93.

-Steele, E. M.; Baraldi, L. G.; Louzada, M. L. C.; Mourabac, J.C.; Mozaffarian, D.; Monteiro, C. A. Ultra-processed foods and added sugars in the US diet: evidence from a nationally representative cross-sectional study. BMJ Open. Vol. 6. Num. 3. e009892. 2016.

-WHO. World Health Organization. Child growth Standards. 2006. Disponível em: <http://www.who.int/childgrowth/standards/en/>. Acesso em: 15/04/2020.

Publicado
2021-07-15
Como Citar
Marques, D. V. B., Souza e Silva, T. G. de, Ferreira, E. B., Lima, D. B., & Rezende, E. G. (2021). Caracterização dos hábitos alimentares e perfil antropométrico de adolescentes: conhecer para prevenir . RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(88), 821-830. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1403
Seção
Artigos Científicos - Original