Fatores de risco cardiovascular em universitários

  • Marilene da Cruz Oliveira da Cruz Oliveira Departamento de Enfermagem. Centro Universitário Campos de Andrade.
  • Gleidson Brandão Oselame Departamento de Enfermagem. Centro Universitário Campos de Andrade. Curitiba – Paraná - Brasil. Enfermeiro. Mestre em Engenharia Biomédica. Programa de Pós Graduação em Engenharia Biomédica – Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
  • Denecir de Almeida Dutra Geógrafo pela Universidade Federal de Santa Maria, Doutor em Geografia da Saúde.
  • Cristiane Oselame Nutricionista. Especialista em Nutrição Clínica– Universidade Federal do Paraná. Mestre em Engenharia Biomédica. Programa de Pós Graduação em Engenharia Biomédica – Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
  • Eduardo Borba Neves Fisioterapeuta e Educador Físico, Doutor em Engenharia Biomédica, Docente do Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Palavras-chave: Fatores de Risco, Estudantes, Consumo de Alimentos

Resumo

Introdução: No Brasil alguns estudos destacam a elevada prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em universitários. Objetivo: Determinar a prevalência de sobrepeso, obesidade, nível de atividade física, níveis pressóricos e consumo de alimentos para risco cardiovascular em estudantes universitários em um Centro Universitário privado na cidade de Curitiba-PR. Método: Estudo descritivo transversal com análise quantitativa dos dados, realizado em um Centro Universitário Privado na cidade de Curitiba-PR, com 80 acadêmicos da Graduação de Enfermagem. Aplicou-se o International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) para avaliar nível de atividade física, análise antropométrica (peso e estatura), pressão arterial e aplicação do Questionário simplificado para avaliação do consumo de alimentos marcadores de risco cardiovascular. Resultados: Entre os sujeitos avaliados, com idade de 29,9 ± 6,1 anos, 95% apresentaram consumo elevado de alimentos para risco cardiovascular e 51,3% foram classificados como acima do peso ou obesos. Sobre os níveis de pressão arterial, 2,5 % dos voluntários apresentaram valores limítrofes para PAS e 7,5% dos voluntários apresentaram valores limítrofes para PAD. Apenas um voluntário apresentou valores acima dos limites recomendados (140/90 mmHg). Os universitários com baixos níveis de atividade física semanal apresentam IMC e PAD significativamente maiores do que aqueles que desenvolvem atividade física semanal em níveis moderados (pIMC=0,008 e pPAD=0,010) e altos (pIMC=0,001 e pPAD=0,044). Conclusão: O fator de risco com maior prevalência entre os universitários avaliados é o consumo de alimentos para o risco cardiovascular, o que associado ao baixo nível de atividade física semanal pode levar ao aumento do IMC e da PAD.

 

ABSTRACT 

Factors of cardiovascular risk in university students

Introduction: In Brazil, some studies highlight the high prevalence of risk factors for cardiovascular disease in college. Aim: To determine the prevalence of overweight, obesity, physical activity, blood pressure levels and consumption to cardiovascular risk in college students at a private university center in Curitiba-PR. Method: Cross-sectional descriptive study with quantitative data analysis, conducted in a Private University Center, in Curitiba, Brazil, with 80 students of Nursing College. It was applied the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) to assess level of physical activity. It was measured anthropometric variables (weight and height), blood pressure and was filled a simplified questionnaire to evaluate the consumption of cardiovascular risk foods. Results: Among the studied subjects, aged 29.9 ± 6.1 years, 95% had high food consumption for cardiovascular risk, and 51.3% were classified as overweight or obese. On blood pressure levels, 2.5% of the volunteers showed borderline values for SBP and 7.5% of the volunteers showed borderline values for DBP. Only one volunteer showed values above the recommended limits (140/90 mmHg). College students with low weekly physical activity levels have significantly higher BMI and DBP than those who develop weekly physical activity at moderate (pIMC=0,008 e pPAD=0,010) and high (pIMC=0,001 e pPAD=0,044) levels. Conclusion: The risk factor with higher prevalence among college students is the food consumption for cardiovascular risk, which associated with the low level of weekly physical activity may lead to a raise in BMI and DBP.

Referências

-Almeida-Bittencourt, P. A. D.; Ribeiro, P. S. A.; Naves, M. M. V. Estratégias de atuação do nutricionista em consultoria alimentar e nutricional da família. Rev. Nutr. Vol. 22. Núm. 6. p.919-927. 2009.

-Bielemann, R. M.; e claboradores. Consumo de alimentos ultraprocessados e impacto na dieta de adultos jovens. Revista de Saúde Pública. Vol. 49. Núm. 28. p.1-10. 2015.

-Chiara, V. L.; Sichieri, R. Consumo alimentar em adolescentes. Questionário simplificado para avaliação de risco cardiovascular. Arq Bras Cardiol. Vol. 77. Núm. 4. p.332-336. 2001.

-Ciampo, L. A. D.; e colaboradores. Percepção corporal e atividade física em uma coorte de adultos jovens brasileiros. Revista brasileira de crescimento e desenvolvimento humano. Vol. 20. Núm. 3. p.671-679. 2010.

-De Carvalho, C. A.; e colaboradores. Associação entre fatores de risco cardiovascular e indicadores antropométricos de obesidade em universitários de São Luís, Maranhão, Brasil. Cien Saude Colet. Vol. 20. Núm. 2. p.479-490. 2015.

-De Souza Dias, P.; Brito, J. A. S.; Costa, A. P. Influência da condição socioeconômica no comportamento alimentar de universitários do sexo masculino. Revista Eletrônica de Administração e Turismo - ReAT. Vol. 8. Núm. 4. p.927-944. 2016.

-Duncan, B.; e colaboradores. Mortalidade por doenças crônicas no Brasil: situação em 2009 e tendências de 1991 a 2009. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. p.117-133. 2012.

-Duncan, B. B.; e colaboradores. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Revista de Saúde Pública. Vol. 46. p.126-134. 2012.

-Fontes, A. C. D.; Vianna, R. P. T. Prevalência e fatores associados ao baixo nível de atividade física entre estudantes universitários de uma universidade pública da região Nordeste-Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 12. Núm. 1. p.20-29. 2009.

-Galdino, J. J.; Oselame, G. B.; Oselame, C. S.; Neves, E. B. Questionário de rastreamento metabólico voltado a disbiose intestinal em profissionais de Enfermagem. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 10. Núm. 57. p.117-122. 2016. Disponível em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/422/383>

-Guimarães, R. M.; e colaboradores. Regional differences in cardiovascular mortality transition in Brazil, 1980 to 2012. Revista Panamericana de Salud Pública. Vol. 37. Núm. 2. p.83-89. 2015.

-Lozano, R.; e colaboradores. Global and regional mortality from 235 causes of death for 20 age groups in 1990 and 2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. The Lancet. Vol. 380. p.2095-2128. 2013.

-Maia, V. B. D. S.; Veras, A. B.; DE Souza Filho, M. D. Pressão arterial, excesso de peso e nível de atividade física em estudantes de universidade pública. Arq Bras Cardiol. Vol. 95. Núm. 2. p.192-199. 2010.

-Miranda, M. L. D.; Falcão, V. T. F. L.; Silva, R. M. C. Prevalência de obesidade e sobrepeso entre os universitários do campus de saúde da Universidade de Pernambuco. Rev. RENE. Vol. 8. Núm. 3. p.17-35. 2007.

-Monteiro, C. A.; e colaboradores. A new classification of foods based on the extent and purpose of their processing. Cadernos de saúde public. Vol. 26. Núm. 11. p.2039-2049. 2010.

-Moreira, T. M. M.; Gomes, E. B.; Dos Santos, J. C. Fatores de risco cardiovasculares em adultos jovens com hipertensão arterial e/ou Diabetes Mellitus. Revista Gaúcha de Enfermagem. Vol. 31. Núm. 4. p.662. 2010.

-Neves, E. B. Prevalência de sobrepeso e obesidade em militares do exército brasileiro: associação com a hipertensão arterial. Ciên Saúde Coletiva. Vol. 13. Núm. 5. p.1661-1668. 2008.

-Pellanda, L. C. Determinantes precoces das doenças cardiovasculares no curso da vida: uma mudança de paradigma para a prevenção. Revista da Associação Médica Brasileira. Vol. 57. Núm. 6. p.608-609. 2011.

-Petribú, M. D. M. V.; Cabral, P. C.; Arruda, I. K. G. D. Estado nutricional, consumo alimentar e risco cardiovascular: um estudo em universitários. Rev. Nutr. Vol. 22. Núm. 6. p.837-846. 2009.

-Rodrigues, E. S. R.; Cheik, N. C.; Mayer, A. F. Nível de atividade física e tabagismo em universitários. Revista de Saúde Pública. Vol. 42. Núm. 4. p.672-678. 2008.

-Schmidt, M. I.; e colaboradores. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet. Vol. 377. p.1949-1961. 2011.

-Villela, P. B.; Klein, C. H.; De Oliveira, G. M. M. Evolução da Mortalidade por Doenças Cerebrovasculares e Hipertensivas no Brasil entre 1980 e 2012. Hypertension. Vol. 107. Núm. 1. p.26-32. 2016.

-WHO, J.; Consultation, F. E. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. World Health Organ Tech Rep Ser. Vol. 916. n. i-viii, 2003.

Publicado
2017-02-28
Como Citar
Oliveira, M. da C. O. da C., Oselame, G. B., Dutra, D. de A., Oselame, C., & Neves, E. B. (2017). Fatores de risco cardiovascular em universitários. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 11(63), 179-186. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/515
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original