Caracterização do padrão alimentar e do estado nutricional dos motoristas de transporte coletivo da cidade de Bauru-SP

  • Renato Alves de Morais Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru-SP, Brasil.
  • Débora Tarcinalli Souza Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru-SP, Brasil.
  • Artur Junio Togneri Ferron Faculdade de Medicina de Botucatu da UNESP, Botucatu-SP, Brasil.
  • Carolina Tarcinalli Souza Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru-SP, Brasil.
  • Fabiane Valentini Francisqueti Faculdades Integradas de Bauru (FIB), Bauru-SP, Brasil.
Palavras-chave: Motoristas, Estado nutricional, Hábitos alimentares

Resumo

É crescente o í­ndice de doenças crônicas não transmissí­veis em todo o mundo, o que acarreta alto gasto financeiro para o paí­s e prejuí­zo na qualidade de vida da população. Motoristas de ônibus coletivos urbanos são uma classe de risco em virtude do trabalho sedentário, condições estressantes e muitas vezes má alimentação, o que favorece a obesidade e suas comorbidades. Sendo assim, o presente estudo teve como objetivo caracterizar o estado nutricional e o padrão alimentar dos motoristas de transporte de passageiros da cidade de Bauru. Tratou-se de um estudo transversal, por meio de avaliação nutricional individualizada, coleta de informações sócio- econômicas e hábitos alimentares- por meio de recordatório de 24 horas e questionário de frequência alimentar. Os dados mostraram que a maioria dos motoristas se encontra em estado de sobrepeso ou obesidade, excesso de gordura corporal e circunferência abdominal aumentada, o que representa elevado risco cardiovascular. Os hábitos alimentares mostraram maior consumo de açúcares, gorduras saturadas, colesterol e sódio e menor ingestão de frutas, verduras e legumes. Dessa forma, conclui-se que a população do estudo se encontra em risco para comorbidades associadas à obesidade, necessitando de correta intervenção nutricional.

Referências

-Acuña, K.; Cruz, T. Avaliação do estado nutricional de adultos e idosos e situação nutricional da população brasileira. Arq Bras endocrinol metab. Vol. 48. Núm. 3. p. 345-61. 2004.

-Assunção, W. A. C.; Prado, W.L.; Oliveira, L.M.F.T. Comportamento da gordura abdominal em mulheres com avanço da idade. Revista de Educação Física/UEM. Vol. 24. Núm. 2. p. 287-294. 2013.

-Bahia, L.; Coutinho, E.S.F.; Barufaldi, L.A. The costs of overweight and obesity-related diseases in the Brazilian public health system: cross-sectional study. BMC Public Health. Vol. 12. Núm. 1. p. 440. 2012.

-Balbinot, R.A.A. Diabetes, doenças cardiovasculares e obesidade: análise da legislação na Argentina, no Brasil e na Colômbia. Revista de Direito Sanitário. Vol. 15. Núm. 2. p. 91-107. 2014.

-Costa, L.B.; Koyama, M.A.H.; Minuci, E.G. Morbidade declarada e condições de trabalho: o caso dos motoristas de São Paulo e Belo Horizonte. São Paulo em Perspectiva. Vol. 17. Núm. 2. p. 54-67. 2003.

-Durnin, J. V. G. A.; Wormerley, J. V. G. A. Body fat assessed from total body density and its estimation from skinfold thickness: measurands on 481 men and womwn aged from 16 to 72 years. British Journal of Nutrition. Vol. 32. Núm. 1. p.77-97. 1974.

-Faria, B.K.; Amorin, G.; Vancea, M.D. Perfil alimentar e antropométrico dos motoristas de ônibus da empresa de transportes coletivo Jotur Palhoça (SC). Revista Brasileira de Obesidade Nutrição Emagrecimento. Vol. 1. Núm. 1. p.11-20. 2007. Disponível em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2/2>

-Ferreira, V.A.; Magalhães, R. Obesidade no Brasil: tendências atuais. Revista Portuguesa de Saúde Pública. Vol. 24. Núm. 2. p. 71-81. 2006.

-Machado, Y.L. Sedentarismo e suas Consequências em Crianças e Adolescentes. Trabalho de Conclusão de Graduação em Educação Física. Instituto Federal De Educação Ciências e Tecnologia Sul de Minas – Campus Muzambinho, Muzambinho. 2011.

-Melo, I.T.; São Pedro, M. Dor musculo esquelética em membros inferiores de pacientes obesos antes e depois da cirurgia bariátrica. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Bariátrica. Vol. 25. Núm. 1. p. 29-32. 2012.

-Ministério da Saúde. Excesso de sal pode causar doença cardiovascular. 2012. Disponível em <http://www.brasil.gov.br/saude/2012/11/excesso-de-sal-pode-causar-doencas-cardiovasculares>. Acesso em 11/08/ 2016.

-Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. 2014. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/abril/15/PPT-Vigitel-2014-.pdf>. Acesso em 14/12/2015.

-Montera, V.S.P.; Mesquita, E.T. O Papel da Vitamina D na Insuficiência Cardíaca. Rev Bras Cardiol. Vol. 23. Núm. 2. p. 124-130. 2010.

-Moraes, G.N.; Fayh, A.P.T. Avaliação nutricional e fatores de risco cardiovascular em motoristas de transporte coletivo urbano. Cad saúde colet. Vol. 19. Núm. 3. 2011.

-Nacif, M. A. L.; Vieibig, R. F. Avaliação antropométrica nos ciclos da vida: uma visão prática. 2ª edição. São Paulo. Metha. 2011.

-Oliveira, M. L. Estimativa dos custos da obesidade para o sistema único de saúde do Brasil. Tese de Doutorado. Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília. Brasília. 2013.

-PhilippI, S. T.; e colaboradores. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Revista de Nutrição. Vol. 12. Núm. 1. p. 65-80.1999.

-Pilz, S.; März, W.; Seelhorst, U. Association of vitamin D deficiency with heart failure and sudden cardiac death in a large cross-sectional study of patients referred for coronary angiography. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism. Vol. 93. Núm. 10. p. 3927-3935. 2008.

-Pollock, M.; Wilmore, J. H. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. São Paulo. Médica e cientifica. 1993.

-Santos, R.D.; Gagliardi, A.C.M.; Xavier, H.T. I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia Vol. 100. Núm. 1. p. 1-40. 2013.

-Sichieri, R.; Coitinho, D.C.; Monteiro, J.B. Recomendações de alimentação e nutrição saudável para a população brasileira. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 44. Núm. 3. p. 227-232. 2000.

-Sociedade Brasileira de Cardiologia. V Diretriz brasileira de dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Arquivos brasileiros de cardiologia. Vol. 101. Núm. 4. p. 1-20. 2013.

-Souza, R.G.M.; Gomes, A.C.; Prado, C.M.M. Métodos de análise da composição corporal em adultos obesos. Revista de Nutrição. Vol. 27. Núm. 5. p. 569-583. 2014.

-Tavares, T. B.; Nunes, S. M.; Santos, M. O. Obesidade e qualidade de vida: revisão da literatura. Revista Médica de Minas Gerais. Vol. 20. Núm. 3. p. 359-366. 2010.

-Wanderley, E. N.; Ferreira, V. A. Obesidade: uma perspectiva plural. Ciência &Saúde Coletiva. Vol. 15. Núm. 1. 2010.

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO, 1998. (WHO Technical Report Series - 894).

Publicado
2018-06-25
Como Citar
de Morais, R. A., Souza, D. T., Ferron, A. J. T., Souza, C. T., & Francisqueti, F. V. (2018). Caracterização do padrão alimentar e do estado nutricional dos motoristas de transporte coletivo da cidade de Bauru-SP. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 12(71), 293-300. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/699
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##