Guia alimentar para a população brasileira: complementação por meio de representações gráficas

  • Jussara de Castro Almeida Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), unidade de Passos (MG)
  • Carlos Aluí­zio Leal Rochedo Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP)
  • Maria Inês Santos do Sacramento Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), unidade de Passos (MG)
  • Mariane Teixeira de Oliveira Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), unidade de Passos (MG)
Palavras-chave: Alimentação, Educação nutricional, População adulta

Resumo

O objetivo deste trabalho foi apresentar, avaliar e elaborar representações gráficas para complementar a segunda edição do Guia Alimentar para a População Brasileira e facilitar a educação nutricional. Trata-se de um estudo qualitativo, participativo e quantitativo. O delineamento amostral utilizado foi o não probabilí­stico. Mediante as diretrizes dietéticas do guia alimentar elaborou-se as representações gráficas. O í­cone/sí­mbolo escolhido para elaborá-las foi a Bandeira do Brasil. Para a avaliação das mesmas foi utilizada a técnica de grupo focal. Realizou-se análise qualitativa e estatí­stica descritiva. Os grupos focais foram compostos de 2% (n=2) nutricionistas docentes da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), unidade de Passos-MG, 81% (n=83) acadêmicos do Curso de Nutrição da UEMG e 17% (n=18) clientes/pacientes do Centro de Atendimento Nutricional (CAN) da UEMG. A média de idade foi de 27 ± 12 anos, com mí­nimo de 18 e máximo de 62 anos, sendo 83% (n=85) do sexo feminino. Da avaliação qualitativa, destaca-se que os participantes compreenderam as associações apresentadas (cores, proporções e categorias de alimentos) e conseguiram identificar o que é uma alimentação saudável e de risco por meio das representações gráficas. Quando da avaliação quantitativa, a maioria dos participantes apontou que o material apresentado melhorou os conceitos sobre o que é uma alimentação e hábitos saudáveis de vida (96%; n=98). Além disso, 98% (n=101) relataram que seria importante as pessoas conhecerem e terem acesso (97%; n=99) ao material. Conclui-se que as representações gráficas poderão complementar a nova edição do guia alimentar e facilitar a educação nutricional.

Biografia do Autor

Jussara de Castro Almeida, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), unidade de Passos (MG)

Professora Doutora dos Cursos da área de Saúde
Coordenadora do Centro de Atendimento Nutricional

Carlos Aluí­zio Leal Rochedo, Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP)

Escritor, colaborador, e administrador de empresas

Maria Inês Santos do Sacramento, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), unidade de Passos (MG)

Acadêmica do Curso de Nutrição

Mariane Teixeira de Oliveira, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), unidade de Passos (MG)

Acadêmica do Curso de Nutrição

Referências

-ABEP. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil 2015. Disponível em <http://www.abep.org/criterioBrasil.aspx>.

-Azevedo, E. Reflexões sobre riscos e o papel da ciência na construção do conceito de alimentação saudável. Rev. Nutr. Campinas. Vol. 21. Num. 6. p. 717- 723. 2008.

-Barbosa, R. M. S.; Colares, L. G. T.; Soares, E. D. A. Desenvolvimento de guias alimentares em diversos países. Revista de Nutrição. Vol. 21. p. 455-467. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141552732008000400010&nrm=iso>.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: MS, 2006.

-Claro, R. M.; e colaboradores. Preço dos alimentos no Brasil: prefira preparações culinárias a alimentos ultraprocessados. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 32. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000805006&nrm=iso>.

-CLARO, R. M.; e colaboradores. Consumo de alimentos não saudáveis relacionados a doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Vol. 24. p. 257-265. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000200257&nrm=iso>.

-FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Food – based dietary guidelines 2015. Disponível em <http://www.fao.org/nutrition/educacion-nutricional/food-dietary-guidelines/home/en/>.

-FAO/WHO. Food and Nutrition Board / World Health Organization. Preparation and use of food-based dietary guidelines. Report of a Joint FAO/WHO Consultation. Technical Report Series No.880. Geneva: WHO, 1996.

-Louzada, M. L. D. C.; e colaboradores. Impact of ultra-processed foods on micronutrient content in the Brazilian diet. Revista de Saúde Pública. Vol. 49. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102015000100238&nrm=iso>.

-Malta, D. C.; e colaboradores. Tendência temporal dos indicadores de excesso de peso em adultos nas capitais brasileiras, 2006-2013. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 21. p. 1061-1069. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232016000401061&nrm=iso>.

-Martins, S, Saeki, SL. Guias alimentares e a pirâmide. Curitiba: Nutroclínica, 2005.

-Minayo, M. C. D. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 17. p. 621-626. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232012000300007&nrm=iso>.

-Molina, V. Guías Alimentarias en America Latina. Informe de la consulta técnica regional de las Guías Alimentarias. Ann Venez de Nutr. p. 31-41. 2008.

-Prates, R. E; Silva, A. C.P. Avaliação do conhecimento nutricional e de hábitos alimentares de pacientes com doenças crônicas não transmissíveis em hospital particular no Sul do Brasil. Revista da Associação Brasileira de Nutrição. Vol. 5. Num. 1. 2013.

-Slow Food Brasil. Manual Slow Food. 2013. Disponível em: <http://www.slowfoodbrasil.com/slowfood/manual-do-slow-food>

-Spexoto, M. C. B.; Ferin, G. G.; Campos, J. A. D. B. Pharmacology and biochemistry undergraduate students’ concern for a healthy diet and nutrition knowledge. Nutr. Hosp. Vol. 31. p. 1813-1823. 2015.

-Viana, M. R.; e colaboradores. A racionalidade nutricional e sua influência na medicalização da comida no Brasil. Ciênc. saúde coletiva. Vol. 22. Num. 2. p. 447-456. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017000200447&lng=en&nrm=iso>.

-WHO. World Health Organization. Physical status: The use of and interpretation of anthropometry, Report of a WHO Expert Committee. 1995.

Publicado
2018-06-25
Como Citar
Almeida, J. de C., Rochedo, C. A. L., Sacramento, M. I. S. do, & Oliveira, M. T. de. (2018). Guia alimentar para a população brasileira: complementação por meio de representações gráficas. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 12(71), 316-328. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/704
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##