Presença de comorbidades, uso de medicamentos e suplementos nutricionais por mulheres com reganho de peso após 24 meses de bypass gástrico

Álina Célia Silva de Souza, Daniela Lopes Gomes, Naiza Nayla Bandeira de Sá, Kenia Mara Baiocchi de Carvalho

Resumo


Introdução: Indivíduos com obesidade grave, sem sucesso no tratamento clínico convencional, tem indicação à intervenção cirúrgica, sendo a técnica de Bypass Gástrico em Y de Roux (BGYR) a mais utilizada. Objetivo: descrever a presença de comorbidades, uso de medicamentos e suplementos nutricionais por mulheres com reganho de peso após 24 meses de bypass gástrico. Materias e métodos: estudo transversal do tipo descritivo com 34 pacientes do sexo feminino submetidas ao BGYR, apresentando reganho de no mínimo 5% do menor peso alcançado após a cirurgia. Foi aplicado um questionário para coleta de dados sociodemográficos e sobre o uso de suplementos nutricionais e medicamentos. Foram aferidos peso e estatura e verificado menor peso pós-cirúrgico no prontuário. Resultados: As participantes possuíam média de idade de 46,9 ± 11,2 anos, Índice de Massa Corporal (IMC) de 35,7 ± 5,2kg/m2 e média de reganho de 12 ± 7,7 kg. A comorbidade mais frequente no pré-operatório foi a hipertensão arterial sistêmica (HAS), seguida de diabetes mellitus tipo 2; no pós-operatório, continuou a ser a HAS. Os anti-hipertensivos e os hipoglicemiantes foram os medicamentos mais comuns no pós-operatório e metade das pacientes avaliadas usavam todos os suplementos. Discussão: o sucesso cirúrgico pode ser avaliado pelo IMC, sendo >35 kg/m2 classificado como insucesso cirúrgico, podendo predispor estas pacientes à recorrência de comorbidades. Conclusão: As pacientes obtiveram melhora na frequência de comorbidades e consequentemente reduziram a quantidade de medicamentos utilizados, contudo, a média de comorbidades encontrada, assim como a média de IMC ainda apresentaram frequência importante.

 

ABSTRACT

Presence of comorbidities and use of medications and nutritional supplements by women with weight regain after 24 months of gastric bypass

Introduction: Individuals with severe obesity, without success in conventional clinical treatment, are indicated for surgical intervention, and the BYPASS gastric technique in Y by Roux (BGYR) is the most used. Objective: to describe the presence of comorbidities, use of medications and nutritional supplements by women with weight regan after 24 months of gastric BYPASS. Materials and methods: a descriptive cross-sectional study with 34 female patients submitted to BGYR, presenting recovering at least 5% of the lowest weight achieved after surgery. A questionnaire was used to collect sociodemographic data and the use of nutritional supplements and medications. Results: Participants had a mean age of 46.9 ± 11.2 years, Body Mass Index (BMI) of 35.7 ± 5.2 k/M2 and a re-acquisition avarege of 12 ± 7.7 kg. The most frequent preoperative comorbidity was systemic arterial hypertension (SAH), followed by type 2 diabetes mellitus; In the postoperative period, it remained the SAH. Antihypertensives and hypoglycemic agents were the most common postoperative medications and half of the patients evaluated used all supplements. Discussion: Surgical success can be evaluated by BMI,> 35 kg / m2 classified as surgical failure, and may predispose these patients to recurrence of comorbidities. Conclusion: The patients had an improvement in the frequency of comorbidities and consequently reduced the amount of medication used, however, the average comorbidities found, as well as the mean BMI still showed important frequency.


Palavras-chave


Obesidade; Cirurgia bariátrica; Doenças associadas

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referências


-Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO). Reganho de peso após cirurgia bariátrica, o que fazer?. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13/10/2016.

-Bastos, E. C. L.; Barbosa, E. M. W. G.; Soriano, G. M. S.; Santos, E. M. dos; Vanconcelos, S. M. L. Fatores determinantes do reganho ponderal no pós-operatório de cirurgia bariátrica. ABCD Arq Bras Cir Dig. Vol. 26. Suplemento 1. 2013. p. 26-32.

-Bordalo, L. A.; Teixeira, T. F. S.; Bressan, J.; Mourão, M D. M. Cirurgia bariátrica: como e porque suplementar. Rev. Assoc. Med. Bras. Vol. 57. Num. 1.2011. p. 113-120.

-Costa, A. C. C.; Ivo, M. L.; Cantero, W. B.; Tognini, J. R. F. Obesidade em candidatos a cirurgia bariátrica. Acta Paul. Enfem. Vol. 22. Num. 1. 2009. p. 55-59.

-Diniz, M.F.H.S.; e colaboradores. Perfil de pacientes obesos classe III do sistema público de saúde submetidos à gastroplastia em “y de Roux”, no Hospital das Clínicas da UFMG: altas prevalências de superobesidade, comorbidades e mortalidade hospitalar. Rev Médica de Minas Gerais. Vol. 18. Num. 3. 2008. p.183-190.

-Kovaleski, E. S.; Schroeder, H.; Krause, M.; Dani, C.; Bock, P. M. Perfil farmacoterapêutico de pacientes obesos no pós-operatório de cirurgia bariátrica. Jornal Vascular Brasileiro. Vol. 15. Num. 3. 2016. p.182-188.

-Mazzeo, S.E.; Saunders, R.; Mitchell, K.S. Binge eating among African American and Caucasian bariatric surgery candidates. Journal Eating Behaviors. Vol. 6. Num. 3. 2005. p.189-196.

-Ministério da Saúde. Diretrizes para a atenção à saúde, com vistas à prevenção da obesidade e assistência ao portador de obesidade. Portaria Num. 492. de 31 de agosto de 2007. Brasília. 2007.

-Ministério da Saúde. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Vigitel Brasil 2016: Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília. p. 50. 2017.

-Oliveira, A. P. S. V.; Ribeiro, M. A. Fatores conjugais e familiares que dificultam a perda de peso em mulheres obesas. Saúde & Transformação Social. Vol. 4. Num. 3. 2013. p. 65-74.

-Oliveira, C. C. A.; Pinto, S. P. Perfil nutricional e perda de peso de pacientes submetidos à cirurgia de bypass gástrico em Y de Roux. Rev Bras Nutr Clin. Vol. 31. Num. 1. 2016. p.18-22.

-Pedrosa, I. V.; Burgos, M. G. P. A.; Souza, N. C.; Morais, C. N. Aspectos nutricionais em obesos antes e após a cirurgia bariátrica. Rev. Col. Bras. Cir. Vol. 36. Num. 4. 2009. p.316-322.

-Porto, M. C. V.; Brito, I. C.; Calfa, A. D. F.; Amoras, M.; Vilela, N.; Araujo, l. M. B. Perfil do obeso classe III do ambulatório de Salvador, Bahia. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 46. Num.6. 2002. p. 668-673.

-Queiroz, I. L.; Fortes, R. C.; Milhomem, P. D.; Arruda, S. L. M. Perfil antropométrico de pacientes antes e após gastroplastia redutora com bypass gástrico em Y de Roux. J. Health Sci Inst. Vol. 32. Num. 4. 2014. p. 419-423.

-Quilici, M. T. V. E após a cirurgia bariátrica? Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba. Vol. 8. Num.3. 2006. p. 30-32.

-Santos, C. F.; Amado, T.; Sandri, Y. O.; Frizzo, M. N. Alterações dos parâmetros laboratoriais em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Rev. Saúde Integ. Vol. 7. Num. 13-14. 2014. p.9-30.

-Scabim, V. M.; Eluf-Neto, J.; Tess, B. H. Adesão ao seguimento nutricional ambulatorial pós-cirurgia bariátrica e fatores associados. Rev. Nutr. Vol. 25. Num. 4. 2012. p.497-506.

-Trindade, E. M.; Gebara, T. S. S.; Cambi, M. P. C.; Baretta, G. A. P. Aspectos nutricionais e o uso de suplementos alimentares em mulheres submetidas ao bypass gástrico. ABCD Arq Bras Cir Dig. Vol. 30. Num. 1. 2017. p. 11-13.

-Valezi, A. C.; Machado, V. H. S. Emagrecimento e desempenho cardíaco. ABCD Arq Bras Cir Dig. Vol. 24. Num. 2. 2011. p. 131-135.

-Wanzeller, C. J. F. Repercussão metabólica do reganho de peso no pós-operatório tardio de cirurgia bariátrica. Monografia. UNB. Brasília-DF. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui