Obesidade e sobrepeso em escolares: a importância do diagnóstico para subsidiar as iniciativas de promoção da saúde no espaço escolar

Patrícia Souza, Josiane Barroso Meira, Bárbara Guimarães Fernandes, Lázaro Lopes Moreira, Vanessa Alves Ferreira, Patrícia Silva Santos Guimarães, Guillermo Coca Velarde

Resumo


Atualmente a saúde da criança tem sido afetada pelas transformações decorrentes do estilo de vida urbano, principalmente com relação à dieta e à atividade física. Reflexos dessas mudanças são observados no incremento substancial do sobrepeso e obesidade no grupo infanto-juvenil. Em pesquisa realizada pela POF entre os anos 2008-2009, constatou-se que o sobrepeso e obesidade em crianças de cinco a nove anos de idade foi de 33,5% e 14,3%, respectivamente. Nesta direção, este estudo objetivou investigar o estilo de vida de escolares com excesso de peso de uma instituição pública da cidade de Diamantina/MG. Para tal, foram selecionadas 40 crianças com idade entre 7 e 11 anos matriculadas no período integral. As crianças com sobrepeso/obesidade foram selecionadas a partir do parâmetro do IMC/I>p85 proposto pelo Ministério da Saúde no Brasil. Foram aplicados ainda, questionários socioeconômicos com os responsáveis dos escolares. Os dados revelaram que estes escolares eram em sua maioria pardos, provenientes de famílias de renda baixa ou intermediária, com estilo de vida sedentário e com moderado consumo de produtos processados e ultraprocessados. Conclui-se que o estilo de vida destes apresenta-se como um fator de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis. Deste modo, o estudo evidência que o monitoramento do estado nutricional, consumo alimentar e gasto energético, são fundamentais para subsidiar as ações de promoção da saúde no ambiente escolar, e devem ser incentivadas no nível local a partir do estabelecimento de parcerias intersetoriais com o intuito de prevenir e/ou controlar o excesso de peso neste grupo.

 

ABSTRACT

Obesity and overweight in schools: the importance of diagnosis to subsidiate health promotion initiatives in school space 

Currently the health of the child has been affected by the transformations resulting from the urban lifestyle, mainly in relation to diet and physical activity. Reflexes of these changes are observed in the substantial increase of overweight and obesity in the infanto-juvenil group. In a survey conducted by POF between 2008-2009, it was found that overweight and obesity in children aged five to nine years was 33.5% and 14.3%, respectively. In this direction, this study aimed to investigate the lifestyle of overweight schoolchildren of a public institution in the city of Diamantina / MG. For that, 40 children aged between 7 and 11 years enrolled in the full time period were selected. Overweight / obese children were selected using the BMI / p> 85 parameter proposed by the Brazilian Ministry of Health. Socioeconomic questionnaires were also applied with those responsible for the students. The data revealed that these schoolchildren were mostly brown, from low or middle income families, with sedentary lifestyle and with moderate consumption of processed and ultraprocessed products. It is concluded that their lifestyle presents itself as a risk factor for the development of chronic non-communicable diseases. Thus, the study shows that the monitoring of nutritional status, food consumption and energy expenditure are fundamental to subsidize actions to promote health in the school environment, and should be encouraged at the local level through the establishment of intersectoral partnerships with the aim to prevent and / or control overweight in this group.


Palavras-chave


Excesso de peso; Saúde da criança; Doença crônica não transmissível; Promoção da saúde e educação alimentar e nutricional

Texto completo:

PDF

Referências


-Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa-ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil. São Paulo. 2016.

-Amorim, B.; Corseuil, C. H. L. Análise da Dinâmica do Emprego Setorial de 2014 A 2015. Instituto de Pesquisa Aplicada (IPEA). Brasília. Num. 23. 2011.

-Azambuja, A. P. O.; e colaboradores. Prevalência de sobrepeso/obesidade e nível econômico de escolares. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 31. Num. 2. p.166-71. 2013.

-Barros, M. D. P. Prevalência de fatores de risco da doença cardiovascular em estudantes de uma cidade do Vale do Jequitinhonha. Dissertação de Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina. 2014.

-Brasil. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Revista da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Vol. 109. Num. 1. 2017.

-Domingues, A. G.; Miranda, A. S.; Santana, R. F. Consumo de Alimentos Industrializados em Crianças de Unidade Escolar Pública da Cidade de Jacaraci-BA. C&D-Revista Eletrônica da Fainor. Vitória da Conquista. Vol. 7. Num. 2. p.206-218. 2014.

-Gabriel, C. G.; Santos, M. V.; Vasconcelos, F. A. G. Avaliação de um programa para a promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Vol. 8. Num. 3. p.299-308. 2008.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios-PNAD. Brasília. 2017.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: Antropometria, estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Brasília. 2010.

-Leite, D. S. A ação do estado por meio das políticas de conservação da biodiversidade e de desenvolvimento rural e seus impactos na relação entre sociedade e natureza na região do parque nacional das sempre-Vivas/MG. XXIX Simpósio de História Nacional. Contra os preconceitos: história e democracia. 2017.

-Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional-SISVAN. Brasília. p.76. 2011.

-Muniz, L. C. Prevalência e fatores associados ao consumo de frutas, legumes e verduras entre adolescentes de escolas públicas de Caruaru-PE. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 2. p. 393-404. 2013.

-Oliveira, E. R. N. Sobrepeso e obesidade em crianças de diferentes níveis econômicos. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol.12. Num. 2. p.83-89. 2010.

-OPAS, Organização Pan Americana da Saúde. Os alimentos ultraprocessados estão impulsionando a epidemia de obesidade na América Latina, de acordo com um novo relatório da OPAS/OMS. Washington, D.C: 2015 Disponível em: ˂http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=4905:os- alimentos-ultraprocessados-estao-impulsionando-a-epidemia-de-obesidade-na-america-latinade-acordo-com-um-novo-relatorio-da-opas-oms&Itemid=820>Aceso em: 10/09/2017.

-Philippi, S. T.; e colaboradores. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Revista de Nutrição. Vol. 12. Núm. 1. p. 65-80. 1999.

-Ramos, A. T.; e colaboradores. Perfil Lipídico em Crianças e Adolescentes com Excesso de Peso. Revista Brasileira de Crescimento Desenvolvimento Humano. Vol. 21. Num. 3. p. 780-788. 2011.

-Rivera, F. S. R.; Souza, E. M. T. Consumo alimentar de escolares de uma comunidade rural. Comunidade Ciência Saúde. Vol. 17. Num. 2. p. 111-119. 2006.

-Rodrigues, A. S.; Carmo, I.; Brenda, J.; Rito, A. I. Associação entre o marketing de produtos alimentares de elevada densidade energética e a obesidade infantil. Revista Portuguesa de Saúde Pública. Vol. 29. Num. 2. p. 180-187. 2010.

-SBAN-Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Água, Hidratação e Saúde. São Paulo. 2016.

-Silva, C. A. B. Doença Cardiovascular e Seu Início Durante a Infância. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. Vol. 22. Num. 2. p. 67-68. 2009.

-Superintendência Regional de Ensino, Sistema Mineiro de Administração Escola., 2017.

-Vasconcellos, M. B.; Anjos, L. A.; Vasconcellos, M. T. L. Estado nutricional e tempo de tela de escolares da Rede Pública de Ensino Fundamental de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública. Vol. 29. Num. 4. p.713-722. 2013.

-World Health Organization.Global recommendationsonphysicalactivity for health 5-17 yearsold. Genebra. OMS. 2011. Disponível em: acesso em: 10/09/2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui