Ingestão de alimentos industrializados por crianças e adolescentes e sua relação com patologias crônicas: uma análise critica de inquéritos epidemiológicos e alimentares

Midiã Costa Silva, Mikaele Silva Nascimento, Luiza Marly Freitas Carvalho

Resumo


Introdução: O principal problema quanto à alimentação de crianças e adolescentes é a qualidade dos alimentos ingeridos, devido ao acesso a alimentos industrializados. Objetivo: Realizar a análise da ingestão de alimentos industrializados por crianças e adolescentes e sua relação com patologias crônicas; analise crítica da rotulagem dos alimentos e dos inquéritos epidemiológicos. Metodologia: A coleta de dados foi realizada em um supermercado de Teresina-PI, por meio da análise dos rótulos dos alimentos mais consumidos por crianças e adolescentes, verificando as possíveis patologias crônicas que esses alimentos podem leva essa população em estudo. Observando os inquéritos epidemiológicos com base nas pesquisas do IBGE (I) e PENSE (P) e do VIGITEL. Resultados: Os dados do (IBGE);(PENSE), dos anos de 2008 á 2015 demonstraram maior no consumo de alimentos como: Refrigerantes e guloseimas. No (PENSE) de 2009 verificou-se 50,9%; de refrigerantes e 70,6% no (PENSE) 2015; e no (IBGE) verificou-se 47,9% de refrigerantes. Segundo o inquérito epidemiológico Vigilância de fatores risco e proteção para doenças crônicas por inquérito Telefônico a um aumento no percentual de Doenças crônicas não transmissíveis no período de 2011 a 2015. A composição dos rótulos analisados verificou-se que os biscoitos recheados apresentaram um aumento com relação à composição dos outros produtos analisados. Conclusão: Conclui-se que a ingestão de alimentos industrializados mais consumidos por crianças e adolescentes e o risco nutricional vigente descrito nas analise dos rótulos e nos inquéritos epidemiológicos demonstra elevação no surgimento de patologias crônicas como hipertensão, obesidade, e doenças cardiovasculares relacionadas à ingestão desses alimentos industrializados.

 

ABSTRACT

Ingestion of industrialized foods by children and adolescents and its relationship with scientists: a critical analysis of epidemiological and food inquiries

Introduction: The main problem with food for children and adolescents is the quality of food eaten due to access to industrialized foods. Objective: To perform the analysis of the ingestion of industrialized foods by children and adolescents and its relation with chronic pathologies; Critical analysis of food labeling and epidemiological surveys. Methodology: Data collection was carried out in a supermarket in Teresina-Piauí, through the analysis of the labels of foods most consumed by children and adolescents, verifying the possible chronic pathologies that these foods can take this population under study. Observing the researches of the (IBGE), and (PENSE) and the (VIGITEL). RESULTS: Data from the (IBGE), (PENSE) from 2008 to 2015, showed a higher consumption of food such as: Soft drinks and sweets, 50.9% in the (PENSE) Of 2009; And soft drinks and 70.6% in the (PENSE) of 2015; (IBGE) 47.9% of soft drinks. According to the epidemiological survey Surveillance of risk factors and protection for chronic diseases by telephone survey to an increase in the percentage of non-communicable chronic diseases in the period from 2011 to 2015. Regarding the composition of the labels analyzed it was found that the filled biscuits presented an increase with respect to the composition of the other products analyzed. Conclusion: It is concluded that the ingestion of industrialized foods most consumed by children and adolescents and the current nutritional risk described in the analysis of the labels and in the epidemiological surveys shows an increase in the appearance of chronic diseases such as hypertension, obesity, and cardiovascular diseases related to ingestion of these processed foods.


Palavras-chave


Comportamento alimentar; Pesquisas nacionais; Composição dos alimentos; Patologias crônicas

Texto completo:

PDF

Referências


-Bessa, M.; e colaboradores. Ingestão de alimentos fluidos e risco de excesso de peso em crianças. Acta Medica Portuguesa, Portugal. Vol. 21. p. 161-170. 2008. Disponível em: Acesso em 29 de junh de 2015.

-Estima, C.P.; Philippi, S.T.; Arak, E.L.; e colaboradores. Consumo de bebidas e refrigerantes por adolescentes de uma escola pública. Beverage and soft drink consumption by adolescents from a public school.Revista Paulista de Pediatria, São Paulo. Vol. 29. Num. 1. 2011.

-IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Análise do consumo alimentar no Brasil pessoal. Rio Janeiro. 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2016.

-IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE). Rio de Janeiro. 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2016.

-IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional da Saúde do Escolar (PENSE). Rio de Janeiro. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2016.

-IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE). Rio de Janeiro. 2016. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2016.

-Lopes, P. C. S.; Prado, S. R. L. A.; Colombo, P. Fatores de risco associados à obesidade e sobrepeso em crianças em idade escolar. Revista brasileira de enfermagem. Vol. 63. Num. 1. 2010. Disponível em: Acesso em 2 julh 2015

-Mourão, D. M.; Bressan, J. Influência de alimentos líquidos e sólidos no controle do apetite. Revista de Nutrição. Vol. 22. Num. 4. p.537-547. 2009. Disponível em: . Acesso em: 5 julh 2015

-Ministério da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 132 p. Disponível em: acesso em 4 out 2016.

-Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção de Saúde, Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 136p. Disponível em: . Acesso em: 06 out 2016.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Brasil. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 120 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2013.pdf. Acesso em 06 out .2016

-Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde, Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 152p. Disponível em: . Acesso em 08 out. 2016

-Ministério da Saúde. Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico / Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar, Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 170 p. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016

-World Health Organization (WHO). Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva: World Health Organization, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui