O ensino da fitoterapia nos cursos de Nutrição em um estado do Nordeste brasileiro

Gleyson Moura dos Santos, Joyce Maria de Sousa Oliveira, Marilene Magalhães de Brito, Paulo Víctor de Lima Sousa, Nara Vanessa dos Anjos Barros

Resumo


O Conselho Federal de Nutrição (CFN) regulamenta que a prescrição de plantas medicinais e chás medicinais é permitida a todos os nutricionistas. Nesse contexto, torna-se de suma importância observar a implementação do conteúdo sobre Plantas Medicinais e Fitoterapia no ementário do Projeto Político Pedagógico do Curso (PPC) de graduação em Nutrição, tendo em vista que, o nutricionista, mesmo sem especialidade, pode prescrevê-las. Portanto, este estudo teve como objetivo verificar o ensino da Fitoterapia nas grades curriculares atualmente preconizadas no estado do Piauí por Instituições de Ensino Superior (IES). Trata-se de um estudo do tipo exploratório descritivo, com abordagem quantitativa. Foram incluídas na pesquisa IES que ofertam regularmente o curso de Bacharelado em Nutrição com conceito reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), além de conter em acesso aberto a matriz curricular, as disciplinas ofertadas em todos os períodos do curso, inclusive as disciplinas consideradas optativas. O estado do Piauí conta com onze IES com oferta regular do curso de Bacharelado em Nutrição. Destas, duas são instituições públicas e federais, enquanto que as outras nove compreendem Faculdades ou Centro Universitários particulares. Ao se tratar da matriz curricular dessas instituições, observa-se que aproximadamente 73% (n=08) não traziam disciplinas obrigatórias sobre o ensino de Plantas medicinais e Fitoterapia, assim como nas disciplinas optativas. Conclui-se que poucos currículos de graduação dos cursos de Bacharelado em Nutrição no estado do Piauí oferecem disciplinas obrigatórias sobre plantas medicinais e fitoterapia.

 

ABSTRACT 

The teaching of phytotherapy in nutrition courses in a northeast brazilian state

The Federal Nutrition Council (FNC) regulates that the prescription of medicinal plants and medicinal teas is allowed to all nutritionists. In this context, it becomes extremely important to observe the implementation of the content on Medicinal Plants and Phytotherapy in the curricular matrix of the Political Pedagogical Project of the Course (PPPC) of graduation in Nutrition, considering that, the nutritionist, even without specialty, can prescribe them. Therefore, this study aimed to verify the teaching of Phytotherapy in the curriculum of the courses currently recommended in the state of Piauí by Higher Education Institutions (HEI). This is a descriptive exploratory study with a quantitative approach. In the research were included HEI that regularly offer the graduation in Nutrition course with a concept recognized by the Ministry of Education (MEC), besides containing the open access of the curricular matrix, the disciplines offered in all the periods of the course, including the disciplines considered optional. The state of Piauí counts on eleven HEI with a regular offer of the graduation course in Nutrition. Of these, two are public and federal institutions, while the other nine comprise private colleges or university centers. Regarding the curricular matrix of these institutions, it was observed that approximately 73% (n= 08) didn’t have compulsory subjects about the teaching of medicinal plants and phytotherapy, as well as in elective subjects. It’s concluded that few curricular matrices of the graduation courses in Nutrition in the state of Piauí offer compulsory subjects about medicinal plants and herbal medicine.


Palavras-chave


Fitoterapia; Ensino; Nutrição

Texto completo:

PDF

Referências


-Andrade, J.T.; Costa, L.F.A. Medicina complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde e Sociedade. Vol. 19. Num. 3. 2010. p. 497-508.

-Barreto, B.B. Fitoterapia no conteúdo dos cursos de graduação da área de saúde: importância para a formação de profissional qualificado. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília. Brasília. 2015.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: MS. 2006.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: MS. 2009a.

-Brasil. Institui sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação em saúde. Resolução CNE/CES Num. 4 de 2009. 7 de abril de 2009. Brasília. 2009b.

-Brasil. Institui disposições à regulamentação da prática da Fitoterapia para o nutricionista como complemento da prescrição dietética. Resolução do CFN Num 556, de 11 de abril 2015. Brasília. 2015.

-Camargo, S.; pereira, V.B.L. A prática da Fitoterapia pelo Nutricionista - algumas reflexões. Revista da Associação Brasileira de Nutrição. Vol. 5. Num. 1. 2013. p. 69-72.

-Feitosa, M.H.A.; Soares, L.L.; Borges, G.A.; Andrade, M.M.; Costa, S.M. Inserção do Conteúdo Fitoterapia em Cursos da Área de Saúde. Revista Brasileira De Educação Médica. Vol. 40. Num. 2. 2016. p. 197-203.

-Freitas, T.P.; Ferrucio, M.A.P.; Andrade, M.P.; Souza, P.A.; Randau, K.P. Cenário atual do ensino das práticas integrativas e complementares nos cursos de graduação em farmácia de Pernambuco. Congresso de Práticas Integrativas Complementares. 2018. Disponível: Acesso em: 11/07/2018.

-Fukumasu, H.; Latorre, A.O.; Bracci, N.; Górniak, S.L.; Dagli, M.L.Z. Fitoterápicos e potenciais interações medicamentosas na terapia do câncer. Revista Brasileira de Toxicologia. Vol. 21. Num. 2. 2008. p. 49-59.

-Organização Mundial de Saúde (OMS). Traditional medicine: definitions. 2008.

-Salles, L.F.; Homo, R.F.B.; Silva, M.J.P. Situação do ensino das práticas integrativas e complementares nos cursos de graduação em enfermagem, fisioterapia e medicina. Cogitare Enfermagem. Vol. 19. Num. 4. 2014. p. 741-746.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui