Fitoterápicos sobre a função hepática presentes no memento fitoterápico: farmacopeia Brasileira

Anne Karynne da Silva Barbosa, Antonio Coppi Navarro

Resumo


Introdução: o uso de fitoterápicos no Brasil vem crescendo como alternativa terapêutica, a propagação do uso de fitoterápicos se dá pelo baixo custo, quando comparado com medicamentos sintéticos, O Memento Fitoterápico – Farmacopeia Brasileira, apresenta dois fitoterápicos que auxiliam o funcionamento hepático, sendo eles Cynara scolymus L. e Ginkgo Biloba L. Dessa forma, o presente estudo se faz indispensável para verificar se as recomendações da ANVISA contidas no Memento Fitoterápico - Farmacopeia Brasileira são conhecidas pelos profissionais da Nutrição.  Objetivo: verificar o conhecimento de nutricionistas recém-formados sobre os fitoterápicos que tem relação com o funcionamento hepático. Materiais e Métodos: o estudo foi realizado através de um formulário contendo 09 questionários sobre fitoterápicos que estão relacionados com a função do fígado com 30 nutricionistas que fazem pós-graduação Lato Sensu em Fitoterapia, com idade mínima em anos de 22 e máxima de 47, com média de 27,80 ± 5,53 com peso corporal total em Kg com mínimo de 42 e máximo de 84,9, com média de 59,45 ± 9,28, com estatura em metros com mínima de 1,52 e máxima de 1,72, com média de 1,62 ± 0,06. Resultados: de acordo com as respostas assinaladas em cada questionário, percebemos que a maioria dos nutricionistas que cursam pós-graduação lato sensu em fitoterapia, possuem poucos conhecimentos sobre os fitoterápicos e suas funcionalidades, sobre o nome popular e o nome científico, bem como a dose a ser prescrita. Discussão: os dados, podem representar, a necessidade de busca de conhecimento sobre fitoterápicos para atuação profissional específica e/ou a deficiência no ensino de graduação sobre fitoterápicos. Conclusão: conclui-se que os nutricionistas que fazem especialização lato sensu em fitoterapia, ainda desconhecem bastante os fitoterápicos sobre a função hepática presentes no Memento Fitoterápico.


Palavras-chave


Fitoterápicos. Extratos Vegetais. Fígado.

Texto completo:

PDF

Referências


-Ahmed, H. H.; Shousha, W. G.; El-Mezayen, H. A.; El-Toumy, S. A.; Sayed, A. H.; Ramadan, A. R. Biochemical and molecular evidences for the antitumor potential of Gingko Biloba leaves extract in rodents. Acta Biochimica Polonica. Vol. 64. Núm. 1. p.25-33. 2017.

-Azevedo, E.; Pelicioni, M. C. F. Práticas integrativas e complementares de desafios para a educação. Trab. Educ. Saúde. Vol. 9. Núm. 3. p.361-378. 2011.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília. Anvisa. 2011. 126p.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Memento Fitoterápico - Farmacopeia Brasileira. 1ª edição. Brasília. 2016.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consolidado de normas da COFID (Versão V) - RDC, nº 26. Brasília. 13/05/2014. 2015.

-Cai, Z.; Wang, C.; Liu, P.; Shen, P.; Han, Y.; Liu, N. Ginkgo Biloba extract in combination with sorafenib is clinically safe and tolerable in advanced hepatocellular carcinoma patients. Phytomedicine. Vol. 23. p.1295-1300. 2016.

-Conselho Federal De Nutrição (CFN). Resolução CFN nº 556. 11/04/2015.

-El-Boshy, M.; Ashshi, A.; Gaith, M.; Quaty, N.; Bokhary, T.; Aitaweel, N.; Abdlhady, M. Studies on the protective effect of the artichoke (Cynara scolymus) leaf extract against cadmium toxicity-induced oxidative stress, hepatorenal damage, and immunosuppressive and hematotological disorders in rats. Environ Sci Pollut Res. Vol. 24. p.12372-12383. 2017.

-França, I.S.X.; Souza, J. A.; Baptista, R. S.; Brito, V. R. S. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Revista Brasileira de Enfermagem. Vol.61. Núm.2. p. 201-8. 2008.

-Gambardella, A. M. D.; Ferreira, C. F.; Frutuoso, M. F. P. Situação Profissional de egressos de um curso de nutrição. Rev. Nutr. Vol. 13. Núm. 1. p.37-40. 2000.

-Marliére, L.D.P.; e colaboradores. Utilização de fitoterápicos por idosos: resultados de um inquérito domiciliar em Belo Horizonte-MG, Brasil. Rev Bras Farmacogn. Vol. 18. Num. Supl. 2008.

-Nicoletti, M. A.; Oliviera Junior, M. A.; Bertasso, C. C.; Caparossi, P. Y.; Tavares, A. P. L. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma. Vol. 19. Núm. 1. p.32-50. 2007.

-Organização Mundial da Saúde. Práticas integrativas e complementares: Plantas medicinais e fitoterapia na atenção básica. Série A, Normas e Manuais técnicos, cadernos de atenção básica. Num. 31. Brasília-DF. 2012.

-Rosa, R. L.; Barcelos, A. L. V.; Bampi, G. Investigação do uso de plantas medicinais no tratamento de indivíduos com diabetes melito na cidade de Herval D’ Oeste-SC. Rev. Bras. Plantas Med. Vol. 14. Núm. 2. p.306-310. 2012.

-Salem, M. B.; Kolsi, R.B. A.; Dhouibi, R.; Ksouda, K.; Charfi, S.; Yaich, M.; Hammami, S.; Sahnoun, Z.; Zeghal, K, M.; Jamoussi, K.; Affes, H. Protective effects of cynara scolymus leaves extract on metabolic disorders and oxidative stress in alloxan-diabetic rats. BMC complementary and alternative medicine. Vol. 17. Núm. 328. p.2-19. 2017.

-Vasconcelos, F. A. G.; Calado, C. L. A. Profissão nutricionista: 70 anos de história no Brasil. Rev. Nutr. Vol. 24. Núm. 4. p.605-617. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui