RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento http://www.rbone.com.br/index.php/rbone <p>ISSN 1981-9919&nbsp;versão online</p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento (RBONE)</strong> é uma publicação do&nbsp;<strong>Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício (IBPEFEX)</strong>, é de periodicidade bimestral, com publicação de artigos científicos, fruto de pesquisas e estudos de cientistas, professores, estudantes e profissionais que lidam com a Epidemiologia da Obesidade, da Nutrição Humana com fundamentação na fisiologia humana no âmbito da saúde, do esporte, da educação e da estética.</p> <p>&nbsp;</p> <p>The&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Obesity, Nutrition and Weightloss (RBONE)</strong>&nbsp;is published by the&nbsp;<strong>Brazilian Institute for Research and Education in Exercise Physiology (IBPEFEX)</strong>&nbsp;is a bimonthly publication with scientific articles, result of research and studies of scientists, professors, students and professionals who deal with the Epidemiology of Obesity, Human Nutrition with background in human physiology in health, sport, education and aesthetics.</p> <p>&nbsp;</p> <p>La&nbsp;<strong>Revista Brasileña de Obesidad, Nutrición y Pérdida de peso (RBONE)</strong>&nbsp;es publicada por el&nbsp;<strong>Instituto Brasileño para la Investigación y Educación en Fisiología del Ejercicio (IBPEFEX)</strong>, es una publicación bimensual con artículos científicos, el resultado de la investigación y los estudios de los científicos, los profesores estudiantes y profesionales que se ocupan de la epidemiología de la obesidad, la nutrición humana con base en la fisiología humana en la salud, el deporte, la educación y la estética.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/index.php/rbone/about/submissions#onlineSubmissions"><strong>Clique aqui para submeter seu artigo</strong></a></p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>RBONE</strong>&nbsp;é indexada nas seguintes&nbsp;<a href="/index.php/rbone/announcement/view/1">bases de dados</a>:</p> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC ONEFILE</a>,&nbsp;<a href="http://www.ebscohost.com/academic/academic-search-premier" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC SEARCH PREMIER</a>, <a href="http://journal-index.org/index.php/asi" target="_blank" rel="noopener">ASI</a>,&nbsp;<a href="http://www.base-search.net/" target="_blank" rel="noopener">BASE</a>, <a href="http://dialnet.unirioja.es" target="_blank" rel="noopener">DIALNET</a>, <a href="http://doaj.org/" target="_blank" rel="noopener">DOAJ</a>, <a href="http://www.drji.org/" target="_blank" rel="noopener">DRJI</a>,&nbsp;<a href="http://ebscohost.com/" target="_blank" rel="noopener">EBSCO</a>,&nbsp;<a href="http://www.who.int/hinari/" target="_blank" rel="noopener">HINARI</a>,&nbsp;<a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">INFORME ACADÉMICO</a>,&nbsp;<a href="http://oaji.net/" target="_blank" rel="noopener">OAIJ</a>, <a href="https://www.redib.org/pt-pt" target="_blank" rel="noopener">REDIB</a>,&nbsp;<a href="http://www.sherpa.ac.uk/romeo/" target="_blank" rel="noopener">SHERPA RoMEO</a>, <a href="http://www.sumarios.org" target="_blank" rel="noopener">SUMÁRIOS.ORG</a>,&nbsp;<a href="http://apps.webofknowledge.com" target="_blank" rel="noopener">WEB OF SCIENCE</a>,&nbsp;<a href="https://www.worldcat.org/" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <div>&nbsp;</div> </div> <div>nas <a href="/index.php/rbone/announcement/view/5">bases indexadoras</a>:</div> <div>&nbsp;</div> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://www.citefactor.org/" target="_blank" rel="noopener">CITEFACTOR</a>,&nbsp;<a href="http://ezb.uni-regensburg.de/" target="_blank" rel="noopener">CZ3</a>,&nbsp;<a href="http://diadorim.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">DIADORIM</a>,&nbsp;<a href="https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/index" target="_blank" rel="noopener">ERIH PLUS</a>,&nbsp;<a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">FMJ</a>, <a href="http://globalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF&nbsp;(Global Impact Factor)</a>, <a href="http://generalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF (General Impact Factor)</a>,&nbsp;<a href="http://scholar.google.com.br" target="_blank" rel="noopener">GOOGLE SCHOLAR</a>,&nbsp;<a href="http://impactfactorservice.com/" target="_blank" rel="noopener">IIFS</a>,&nbsp;<a href="http://www.journalindex.net/" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://www.jourinfo.com/index.html" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INFORMATICS</a>, <a href="http://www.journals4free.com/" target="_blank" rel="noopener">J4F</a>, <a href="http://www.journaltocs.ac.uk" target="_blank" rel="noopener">JOURNALTOCS</a>, <a href="http://www.latindex.unam.mx" target="_blank" rel="noopener">LATINDEX</a>, <a href="https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp" target="_blank" rel="noopener">LIVRE!</a>, <a href="http://miar.ub.edu/" target="_blank" rel="noopener">MIAR</a>, <a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/" target="_blank" rel="noopener">PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES</a>,&nbsp;<a href="http://seer.ibict.br/" target="_blank" rel="noopener">SEER</a>, <a href="http://sindexs.org/Default.aspx" target="_blank" rel="noopener">SIS</a>,&nbsp;<a href="http://www.sjifactor.inno-space.org/" target="_blank" rel="noopener">SJIF</a>,&nbsp;<a href="http://sjournals.net/" target="_blank" rel="noopener">SJOURNALS INDEX</a>, <a href="http://oasisbr.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">OASISBR</a>, UIF, <a href="http://qualis.capes.gov.br/webqualis/" target="_blank" rel="noopener">QUALIS PERIÓDICOS</a></li> </ul> </div> <div> <p>e nas <a href="/index.php/rbone/announcement/view/7">universidades/bibliotecas</a>:&nbsp;</p> <ul> <li class="show"><a href="https://neos.library.ualberta.ca/uhtbin/cgisirsi/x/0/0/57/5?user_id=WUAARCHIVE&amp;searchdata1=ocn876515913" target="_blank" rel="noopener">ALBERTA</a>&nbsp;(Canada),&nbsp;<a href="http://aleph-www.ub.fu-berlin.de/F/BJNPRR5F7A6N8XBPRLPE4M9UIN7LDKVAA4CN54TM5SB5QBD2SB-07562?func=find-e&amp;request=Revista+brasileira+de+obesidade%2C+nutri%C3%A7%C3%A3o+e+emagrecimento&amp;find_scan_code=FIND_WRD&amp;adjacent=N" target="_blank" rel="noopener">BERLIN</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="http://ul-newton.lib.cam.ac.uk/vwebv/search?searchCode1=ISSN&amp;searchType=2&amp;argType1=any&amp;searchArg1=1981-9919" target="_blank" rel="noopener">CAMBRIDGE</a>&nbsp;(Inglaterra),&nbsp;<a href="https://opac.ub.tum.de/search?bvnr=BV042713271" target="_blank" rel="noopener">MUNIQUE</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="https://searchworks.stanford.edu/?q=876515913" target="_blank" rel="noopener">STANFORD</a>&nbsp;(Estados Unidos), <a href="http://copac.jisc.ac.uk/" target="_blank" rel="noopener">COPAC</a>,&nbsp;<a href="https://ie.on.worldcat.org/oclc/876515913" target="_blank" rel="noopener">IE LIBRARY</a>, <a href="http://www.rebiun.org/" target="_blank" rel="noopener">REBIUN</a>,&nbsp;<a href="http://www.sudoc.abes.fr/" target="_blank" rel="noopener">SUDOC (L'ABES)</a>,&nbsp;<a href="http://www.worldcat.org/oclc/876515913" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <p>&nbsp;</p> </div> <div> <p><a href="/index.php/rbone/announcement/view/6"><strong>FATOR DE IMPACTO DA RBONE</strong></a></p> <p><strong><strong><a href="/index.php/rbone/announcement/view/10"><strong>CIRC DA RBONE</strong></a></strong></strong></p> </div> IBPEFEX pt-BR RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento 1981-9919 <p>Autores que publicam neste periódico concordam com os seguintes termos:</p> <ul> <li class="show">Autores mantém os direitos autorais e concedem ao periódico o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons Attribution License BY-NC</a>&nbsp;que permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada neste periódico (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado&nbsp;(Veja&nbsp;<a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li> </ul> Aspectos bioéticos como norteadores na prática do profissional de saúde com pacientes obesos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1326 <p>A obesidade atinge todos os aspectos da vida de uma pessoa, seja socialmente, psiquicamente e fisicamente, podendo causar sofrimento. Essa pesquisa objetiva compreender se há a utilização de princípios bioéticos no cuidado com pacientes obesos. Esta é uma pesquisa descritiva que utilizou a metodologia de revisão narrativa, empregando os descritores “obesidade” e “bioética” em português e inglês, selecionados no DECs na Biblioteca Virtual em Saúde nos últimos 15 anos. Os resultados apresentaram uma preocupação com a cirurgia bariátrica em crianças e adolescentes, além dos cuidados éticos e legais pertinentes a este processo cirúrgico. São poucas pesquisas desenvolvidas no Brasil vinculando bioética e obesidade, apontando a necessidade da inserção das ciências sociais e humanas na formação de médicos, além de debates interdisciplinares na área da Bioética.</p> Matheus Colombari Caldeira Liliana Scatena Copyright (c) 2020 Matheus Colombari Caldeira, Liliana Scatena https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 707 712 Consumo de alimentos ultraprocessados e estado nutricional de acadêmicos do curso de nutrição http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1357 <p>Introdução: O ingresso na universidade causa alterações no estilo de vida da sociedade e induzem alterações nos hábitos alimentares com repercussão na qualidade de vida e saúde dos estudantes. Objetivo: Avaliar o consumo de alimentos ultraprocessados e estado nutricional de acadêmicos do curso de nutrição. Materiais e Métodos: Estudo de caráter descritivo, transversal, quantitativo, realizado mediante aplicação de Questionário de Frequência Alimentar. Resultados: A amostra foi composta por 145 acadêmicos de nutrição, com média de idade 23,30 ± 4,70. O do sexo feminino apresentou maior prevalência (85%). As informações do estado nutricional, revelaram que 27,6% dos participantes apresentavam sobrepeso e obesidade. Quanto ao consumo de alimentos ultraprocessados, identificou- se a prevalência no consumo de salsicha, linguiça, bacon/toucinho e mortadela. O consumo de maionese, batata frita, pizza, balas, pirulitos e chicletes também se mostraram habituais. Conclusão: Apesar de se tratar de futuros profissionais detentores de conhecimento da ciência nutricional, o presente estudo conclui- que os acadêmicos do curso de graduação em Nutrição apresentam hábitos alimentares inadequados, contrariando as perspectivas de adesão ao estilo de vida saudável. Deste modo, torna- se necessário a instituição de discussões acerca desta temática e a importância de se introduzir o conhecimento adquirido no cotidiano e o autocuidado alimentar.</p> Naisa Stefany Rodrigues Macedo Isabela Caroline Magalhães Soares Samara Cardoso de Jesus Eryka Jovânia Pereira Ronilson Ferreira Freitas Copyright (c) 2020 Naisa Stefany Rodrigues Macedo, Isabela Caroline Magalhães Soares, Samara Cardoso de Jesus, Eryka Jovânia Pereira, Ronilson Ferreira Freitas https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 699 706 Atendimento nutricional em grupo de pacientes candidatos a cirurgia bariátrica: repercussões no consumo alimentar http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1355 <p>O tratamento cirúrgico da obesidade é indicado para pacientes com obesidade grave (IMC≥50 Kg/m<sup>2</sup>), ou IMC≥40 Kg/m<sup>2</sup> com ou sem comorbidades, ou IMC&gt;35 kg/m<sup>2</sup> com comorbidades, que não obtiveram bons resultados com os demais tratamentos clínicos. O objetivo do presente estudo foi avaliar o impacto do programa de intervenção nutricional em grupo sob o consumo alimentar e os parâmetros antropométricos de indivíduos em preparação para a cirurgia bariátrica do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia. O estudo foi prospectivo com análise quantitativa dos dados. A coleta de dados foi realizada por observação das reuniões semanais do grupo de pacientes em atendimento ambulatorial e dados secundários. Os dados foram analisados por estatística descritiva e teste t, com análise da correlação. Foram incluídos no estudo 24 pacientes assistidos no ambulatório do HC-UFU no ano de 2019. Este estudo demonstrou que os indivíduos melhoraram a diversidade alimentar e reduziram consumo de carboidrato (p=0,023) ao final do atendimento nutricional. Houve aumento da ingestão de cálcio (p=0,019) e vitamina B12 (p=0,005), redução do peso (p=0,000), IMC (p=0,001), circunferência do tórax (p=0,017), pescoço (p=0,049) e panturrilha (p=0,037). O acompanhamento e intervenção nutricional em grupo no pré-operatório da cirurgia bariátrica foi positivo em relação à perda de medidas e peso corporal. As ações de educação nutricional no atendimento em grupo demonstraram uma estratégia relevante na melhoria do padrão alimentar dos pacientes.</p> Thainá Maria Ferreira Rosa Brenda Ramos Silva Daniela Nogueira Prado de Souza Anisio Pereira dos Santos Júnior Marina Rodrigues Barbosa Copyright (c) 2020 RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 690 698 Perfil nutricional de pacientes atendidos no ambulatório de uma instituição privada voltada para trabalhadores do comércio em São Luís-MA http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1354 <p>Introdução e objetivo: Devido ao aumento da prevalência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis causadas pela transição nutricional, a busca por serviços nutricionais ambulatoriais tem crescido auxiliando na promoção de saúde e na mudança dos parâmetros antropométricos. O estudo teve como objetivo identificar o perfil nutricional dos pacientes atendidos no ambulatório de uma Instituição privada voltada para Trabalhadores do Comércio em São Luís-MA. Materiais e métodos: Estudo de caráter descritivo, transversal com coleta de dados secundária, através do levantamento de 90 prontuários de pacientes atendidos no ambulatório em 2018. As informações foram transcritas para um protocolo com informações de sexo, idade, estado civil, peso, altura, Índice de Massa Corporal (IMC), motivo de procura ao atendimento ambulatorial, tabagismo, consumo de álcool, prática de atividade física e patologias associadas. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva. Resultados: Observou-se prevalência de uma população feminina (84,4%), adulta (96,7%), solteira (46,7%), com ausência de fumo (91,1%) e do consumo de bebida alcoólica (71,1%), e presença de atividade física (64,4%), principalmente a prática de musculação (67,2%). Dentre a minoria que referiu ter patologia, as doenças relacionadas ao trato gastrointestinal foram as mais relatadas. Discussão: A prevalência de pacientes com excesso de peso (64,5%) foi notória, ratificando a grande porcentagem obtida em relação a busca pelo atendimento nutricional para perda de peso (61,1%) e evidenciando a transição nutricional vivenciada pelo Brasil. Conclusão: O presente estudo colaborou com a temática abordada contribuindo para o conhecimento do perfil do público atendido e, assim, um melhor atendimento ambulatorial.</p> Rakel de Sousa Oliveira Mendes Karlos André Paixão Lopes Lívia Muritiba de Lima Coimbra Copyright (c) 2020 Rakel de Sousa Oliveira Mendes, Karlos André Paixão Lopes, Lívia Muritiba de Lima Coimbra https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 680 689 Perfil glicêmico e lipídico de pacientes submetidos a cirurgia bariátrica http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1350 <p>Objetivo: Analisar o impacto da cirurgia bariátrica nos perfis glicêmico e lipídico. Materiais e Métodos: Estudo transversal analítico, que faz parte do projeto matriz multiprofissional intitulado “Avaliação multiprofissional do paciente obeso em pré e pós operatório de cirurgias bariátrica e/ou metabólica” desenvolvido no Hospital Geral Alberto Rassi em Goiânia-GO. Os dados foram coletados durante a consulta de nutrição do PCCO (Programa de Controle e Cirurgia da Obesidade). A pesquisa incluiu participantes de ambos os sexos e que estavam em acompanhamento de pré e pós operatório de cirurgia bariátrica. Foram analisadas as variáveis: sexo; idade; nível de escolaridade; antropometria; presença de comorbidades no pré e pós operatório, níveis bioquímicos (no pré operatório e no período de 6 a 24 meses de pós operatório) de colesterol total, LDL-colesterol, HDL-colesterol, triglicerídeos, glicemia de jejum e hemoglobina glicada. A análise estatística foi realizada no programa IBM SPSS Statistics for Windows 16.0. Resultados: A amostra foi composta por 26 pacientes, a comorbidade prevalente foi hipertensão (88,5%), seguida de diabetes (46,2%) e dislipidemia (38,5%). Os níveis séricos de hemoglobina glicada, glicemia de jejum, colesterol total, LDL-colesterol, triglicerídeos, peso, Índice de Massa Corporal, demonstraram diferenças estatísticas antes e após a cirurgia. Conclusão: A cirurgia bariátrica demostrou-se eficaz na perda de peso, no controle glicêmico e lipídico, resultando em melhora das comorbidades associadas a obesidade.</p> Ana Paula Dorta de Freitas Amélia Cristina Stival Duarte Ana Maria Joana Carolina Couto Gonçalves da Silva Tereza Raquel Mendonça Souza Silva Copyright (c) 2020 Ana Paula Dorta de Freitas, Amélia Cristina Stival Duarte, Ana Maria Joana Carolina Couto Gonçalves da Silva, Tereza Raquel Mendonça Souza Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 671 679 Relação entre comer intuitivo e insatisfação corporal em pessoas com excesso de peso http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1346 <p>Introdução: a utilização de dietas restritivas no tratamento para obesidade vem se mostrando ineficiente à longo prazo. Alinhado a isso, a insatisfação corporal pode levar ao início dessas dietas. Nesse sentido, o comer intuitivo surge como alternativa que busca a reconexão do indivíduo com seu corpo e com os sinais que ele envia. Objetivo: avaliar a confiança nos sinais fisiológicos de fome e sinais internos de fome e saciedade e sua relação com insatisfação corporal em indivíduos com excesso de peso. Materiais e métodos: Tratou-se de uma pesquisa transversal e quantitativa com usuários de um serviço especializado no tratamento da obesidade na cidade de Fortaleza. Foram coletados dados sociodemográficos e aplicadas a Intuitive Eating Scale - 2 (IES-2) e a Escala de Silhuetas de Stunkard, além da coleta do peso e altura. Resultados: Observou-se uma correlação negativa entre a “Confiança nos sinais de fome e saciedade”, o peso (ρ=-0,298; p=0,030) e a silhueta atual (ρ=-0,341; p=0,012) e também entre a “Escolha congruente entre corpo e comida” e a silhueta atual (ρ=-0,297; p=0,031). Discussão: a análise da literatura e os dados apresentados evidenciaram que há interações entre a resposta aos sinais físicos de fome e saciedade, a congruência entre a escolha dos alimentos e o corpo, e variáveis antropométricas e percepção corporal. Conclusão: a confiança nos sinais de fome e saciedade teve ligação com a imagem corporal e o peso, e a escolha congruente entre corpo e comida, com a imagem corporal.</p> Rayanne Silva Vieira Lima Nayara Aguiar Silva Joseline Maria Alves Gomes Recamonde Priscila da Silva Mendonça Copyright (c) 2020 Rayanne Silva Vieira Lima, Nayara Aguiar Silva, Joseline Maria Alves Gomes Recamonde, Priscila da Silva Mendonça https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 661 670 Capacidade funcional e qualidade de vida de mulheres obesas de um interior do estado do Rio Grande do Norte http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1340 <p>Introdução: A obesidade é uma comorbidade que está associada ao acúmulo excessivo e anormal de gordura corporal, estando associada a efeitos adversos para a saúde como: probabilidade de distúrbios de ordem psicológica e social, distúrbio do sono, depressão, transtornos de ansiedade e distorção da imagem corporal, além de ser fator de risco para aumento de mortes prematuras e doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Objetivo: Analisar a capacidade funcional e a qualidade de vida de mulheres obesas de um interior do estado do Rio Grande do Norte, Santa Cruz-RN. Materiais e métodos: Foram recrutadas 30 voluntárias do sexo feminino, mediante a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). A capacidade física foi avaliada através do Incremental Shuttle Walking Test (ISTW) e do Teste de Caminhada de seis minutos (TC6’). A qualidade de vida foi avaliada através do Short Form Health Survey (SF-36). Os dados foram analisados estatisticamente através do teste de Anova para amostras repetidas com Pós Hoc Bonferroni, de acordo com a distribuição da variável, *p&lt;0,05. Para análise dos dados utilizou-se o programa Graph Pad Prism version 5.0. Resultados: Foi observado alteração na diminuição do previsto da caminhada no teste de capacidade física e no SF-36, diminuição no domínio que diz respeito ao estado geral de saúde, dor e aspectos emocionais. Conclusão: Mulheres obesas apresentaram redução da capacidade física ao teste de esforço submáximo, ISTW e TC6’, como também diminuição do estado geral da saúde, fatores esses que interferem e comprometem a qualidade de vida.</p> Ivanaldo Luna da Silva Santos Taynah Neri Correia Campos Danilo Erivelton Medeiros Dias Julyenne Dayse Gomes de Oliveira Jessica Rhayhanne dos Santos Lucien Peroni Guald Maria do Socorro Luna Cruz Copyright (c) 2020 Ivanaldo Luna da Silva Santos, Taynah Neri Correia Campos, Danilo Erivelton Medeiros Dias, Julyenne Dayse Gomes de Oliveira, Jessica Rhayhanne dos Santos, Lucien Peroni Guald, Maria do Socorro Luna Cruz https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 652 660 Alterações comportamentais e alimentares em obesos após grupo de intervenção http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1338 <p>Introdução: A obesidade é doença, considerada um dos principais problemas de saúde pública. E está relacionada com o surgimento de outras Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DTAS). Porém é uma condição que pode ser enfrentada e revertida. Para isso existem diversas formas de tratamento, entre eles destaca-se a metodologia em grupo, que tem sido fortemente indicada. Objetivo: avaliar as alterações comportamentais e alimentares de pacientes com obesidade após intervenção de grupo terapêutico, em Unidades Básicas de Saúde no Município de Caicó-RN. Métodos: Trata-se de um estudo de intervenção quase experimental. A amostra foi composta por 50 indivíduos, de ambos os sexos, na qual foram aplicados os questionários de Avaliação de Estágios de Mudança na Perda de Peso (Modelo Transteórico); Escala de Compulsão Alimentar Periódica (ECAP); Escala de Silhuetas de Stunkard (Imagem corporal) e Questionário de Frequência Alimentar (QFA). Avaliou-se o estado nutricional, por meio de medidas antropométricas. Resultados: Foram observadas, para o grupo de alta adesão a intervenção, melhorias nas atitudes comportamentais, com avaliação do Modelo Transteórico, ECAP e percepção da imagem corporal.&nbsp; Alterações no consumo alimentar com aumento da ingestão de salada crua, legumes e frutas (p=0.049, 0.030 e 0.001, respectivamente. E redução das medidas antropométricas IMC, CC, CA e %GC (p=0,003; 0,008; 0,015 e 0,024, respectivamente) entre os dois momentos de avaliação. Conclusão: Destaca-se que essa estratégia se mostrou positiva para o enfrentamento da obesidade. Contudo, há necessidade de mais estudos para base referencial que estimule a aplicação dela nas ações das equipes de saúde.</p> Amoysa Araújo Ribeiro Vanessa Teixeira de Lima Oliveira Ricardo Andrade Bezerra Copyright (c) 2020 Amoysa Araújo Ribeiro, Vanessa Teixeira de Lima Oliveira, Ricardo Andrade Bezerra https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 641 651 Cúrcuma: principios ativos e seus benefícios para a saúde http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1336 <p>Introdução: existem inúmeras ervas naturais que possuem substâncias com ação antioxidante e anti-inflamatória, compostos fenólicos, flavonoides, alcaloides, tais substâncias atuam no sistema imune, na microbiota intestinal, e em vários processos metabólicos, controlando quadros inflamatórios. A cúrcuma (cúrcuma longa), da família zinberacea também conhecida como açafrão da terra possui vários princípios ativos, o principal deles é a curcumima sendo um potente antioxidante e anti-inflamatório. Objetivo: investigar os princípios ativos da cúrcuma longa sua composição química, atuação em diferentes patologias, formas de administração e biodisponibilidade. Materiais e métodos: foi realizada buscas nas bases de dados PubMed, Scielo e Portal de Periódico Capes utilizando os seguintes descritores: Cúrcuma longa, antioxidantes, alimento funcional. Os critérios de seleção foram trabalhos originais, estudos com humanos, com no mínimo de 15 pessoas por estudo, trabalhos escritos a partir de 2010. Resultados e discussões: foi encontrado um total de 13.720 trabalhos sobre cúrcuma longa e selecionados 18 artigos para realizar a análise final. Os resultados mostram que a cúrcuma apresenta atividade antioxidante e anti-inflamatória, atuando em diferentes patologias com resultados satisfatórios. Conclusão: é possível afirmar que a cúrcuma longa possui vários benefícios contra diferentes patologias, por possuir compostos fenólicos como antioxidantes e anti-inflamatórios ela atua na prevenção e tratamento em várias alterações do metabolismo.</p> <p>&nbsp;</p> Josiane Aparecida Carneiro Darla Silvério Macedo Copyright (c) 2020 Josiane Aparecida Carneiro, Darla Silvério Macedo https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 632 640 Influência da composição química de bebidas energéticas na redução da absorção de macro e micronutrientes http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1334 <p>Nesta pesquisa objetiva-se analisar aspectos químicos in vitro do potencial erosivo para estrutura dentária de bebidas energéticas e sua influência na absorção de nutrientes. As bases metodológicas utilizadas seguiram os padrões aceitos internacionalmente para as análises de potencial hidrogeniônico, acidez total titulável, sólidos solúveis totais e de açúcares redutores. Os resultados obtidos evidenciaram uma linha de produtos com elevada acidez, com medias entre 2,89 a 3,55 em potencial hidrogeniônico. Os teores para acidez total titulável oscilaram entre 0,26 a 0,80 g de ácido cítrico, com algumas diferenças significativas entre as amostras. Os conteúdos de sólidos solúveis totais apresentaram diferenças significativas entre todas as amostras. Os teores de açúcares redutores apresentaram médias que oscilaram de 26,42 a 131,65 g/L, com diferenças significativas de acordo com o teste de Tukey para p≤0,05. Os dados apresentados são preocupantes, pois as consequentes alterações na estrutura dentária afetam a ingestão de alimentos importantes à manutenção da saúde o que acarreta inadequações das taxas de absorção de micronutrientes. A partir desses dados concluímos há necessidade de ação conjunta interprofissional, com nutricionistas, odontologistas e de órgãos de fiscalização atuantes na observância continua da composição de alimento, com destaque para as bebidas industrializadas em virtude de sua ação sobre o surgimento da desmineralização e erosão do esmalte dentário, e a consequente redução do aporte no consumo de nutrientes regulatorios essenciais a boa nutricão.&nbsp;</p> Orquidea Vasconcelos dos Santos Douglas Marley Lopes Pinto Stephanie Dias Soares Laís Ribeiro Corrêa Lisbôa Adriano de Figueiredo Marçal Bárbara Elizabeth Teixeira Costa Copyright (c) 2020 Orquidea Vasconcelos dos Santos, Douglas Marley Lopes Pinto, Stephanie Dias Soares, Laís Ribeiro Corrêa Lisbôa, Adriano de Figueiredo Marçal, Bárbara Elizabeth Teixeira Costa https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 624 631 Perfil e conhecimento de nutricionistas prescritores de alimentos funcionais http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1332 <p>A ingestão de alimentos funcionais tem sido associada à redução do risco de doenças crônicas e frequentemente incluída no planejamento dietetico. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento e a prescrição de alimentos funcionais por nutricionistas. Foi realizada uma pesquisa transversal utilizando como instrument questionário eletrônico composto por quatro seções. A primeira seção coletava informações gerais, a segunda questionava se o professional tinha costumava prescrever alimentos funcionais. Em caso de resposta positiva, ele continuava para as seções seguintes para indicar quais alimentos funcionais eram indicados em condições clínicas específicas e quais eram suas principais fontes de referência. O cálculo da mediana e prevalência foram utilizadas para as categorias. As citações de alimentos funcionais foram relatadas como o número de vezes que foi mencionado pelo profissional. Setenta e sete nutricionistas com idades entre 20 e 59 anos responderam o questionário. Entre os participantes, 81,8% declararam prescrever alimentos funcionais. A maioria dos “não prescritores” se formou há menos de cinco anos. Os alimentos mais citados pelos profissionais foram: sementes de aveia, linhaça e chia (ambas fontes de fibras solúveis), nozes, óleo de peixe / ômega-3. Pudemos verificar que a prescrição de alimentos funcionais é frequente por nutricionistas e que estes demonstraram bom conhecimento sobre quais utilizar, em suas prescrições, para as condições de saúde investigadas.</p> Adriana Rosa Pereira Ferreira Ana Luísa Kremer Faller Copyright (c) 2020 Adriana Rosa Pereira Ferreira, Ana Luísa Kremer Faller https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 617 623 Percepção da imagem corporal em universitários de educação física http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1329 <p>Introdução: Muitos estudos podem ser encontrados na literatura relacionados a imagem corporal em universitários. E, maior parte apontam que os indivíduos com excesso de peso e do sexo feminino são mais suscetíveis a apresentar insatisfação com a imagem corporal. Objetivo: Dessa forma, esta pesquisa tem o objetivo investigar a satisfação com a imagem corporal em acadêmicos dos cursos de Educação Física (Bacharelado e Licenciatura) da Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP. Materiais e métodos: Foi um estudo quantitativo descritivo com delineamento metodológico transversal. A amostra foi composta por 176 universitários de ambos os sexos, sendo 108 homens e 68 mulheres, de todos os anos dos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física da Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP. Coletou-se os dados antropométricos (peso e estatura) dos participantes, em seguida, responderam a Escala de Silhuetas, criada por Kakeshita (2008). Após, os dados foram submetidos a análise estatística. Resultados: De acordo com os resultados desse estudo, verifica-se alto índice de sobrepeso/obesidade e insatisfação corporal entre os universitários de ambos os sexos, porém, nota-se maior prevalência nas mulheres e acadêmicos do curso de Licenciatura. Conclusão: Diante do exposto, conclui-se que as mulheres são insatisfeitas pelo excesso de peso, quando analisado o IMC associado ao desejo de diminuir a silhueta. Em contrapartida, os homens apresentaram homogeneidade.</p> Flávia Évelin Bandeira Lima Mariane Aparecida Coco Ana Caroline Ramos Aparecida de Fátima Grande Walcir Ferreira Lima Silvia Bandeira da Silva Lima Copyright (c) 2020 Flávia Évelin Bandeira Lima, Mariane Aparecida Coco, Ana Caroline Ramos, Aparecida de Fátima Grande, Walcir Ferreira Lima, Silvia Bandeira da Silva Lima https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 608 616 Efeitos de dietas low carb sobre parâmetros nutricionais em indivíduos com excesso de peso: revisando as evidências científicas http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1327 <p>A obesidade é considerada um dos maiores problemas de saúde pública do mundo, e responsável pelo aumento do desenvolvimento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) e pelo aumento da morbidade/mortalidade. Estudos têm demonstrado efeitos positivos nos parâmetros nutricionais de pacientes com excesso de peso após uso de dietas de baixo carboidrato (low carb diet - LCD) e de muito baixo carboidrato (very low carb diet - VLCD) Objetivo avaliar na literatura científica os efeitos de dietas low carb sobre parâmetros nutricionais em indivíduos com excesso de peso. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura científica com busca nas bases de dados Scielo, Portal Periódicos Capes, PubMed e Science Direct. Foram consideradas as publicações dos últimos 10 anos e os estudos do tipo ensaio clínico randomizado ou não, com adultos e idosos, de ambos os sexos sob intervenção de LCD ou VLCD e/ou associações. Para tanto, 11 artigos foram avaliados, com 937 pacientes no total em LCD ou VLCD, com idade de 18 a 70 anos e IMC de ≥ 25 a 40 Kg/m<sup>2</sup>, com tempo de intervenção de 12 semanas a 2 anos, evidenciando efeitos positivos sobre a antropometria, composição corporal, pressão arterial, perfil glicêmico, inflamatório e lipídico. Sendo assim, as dietas low carb se mostraram eficazes na melhora das condições de saúde de indivíduos com excesso de peso.</p> Andréia Cristina Vieira Camila Kellen de Sousa Cardoso Copyright (c) 2020 Andréia Cristina Vieira, Camila Kellen de Sousa Cardoso https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 598 607 Prevalência de sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em acadêmicos de uma instituição de ensino superior http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1324 <p>A disbiose intestinal é um estado prejudicial à saúde, causado por meio de mudanças qualitativas e quantitativas na microbiota intestinal. O presente estudo teve como objetivo determinar a prevalência de sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal em acadêmicos do curso de Nutrição de uma Instituição Pública de Ensino Superior. Trata-se de uma pesquisa de natureza quantitativa, descritiva e de tipo transversal. A coleta de dados foi realizada no período de setembro a novembro de 2018, através da aplicação de dois questionários: o questionário elaborado abordando informações socioeconômicas e o Questionário de Rastreamento Metabólico, do Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional. Compuseram a amostra do estudo 186 acadêmicos, sendo 151 (81,19%) do sexo feminino e 35 (18,81%) do sexo masculino, cuja faixa de idade variou entre 18 e 60 anos. Os resultados sugeriram que é alta a prevalência de sinais e sintomas sugestivos de disbiose intestinal entre os acadêmicos de Nutrição (97,31%). O indicativo de existência de hipersensibilidade que pode ser sugestivo para disbiose foi observado em 43,01% (n=80) dos sujeitos avaliados. O sintoma mais prevalente relatado pelos participantes foi inchaço abdominal /abdômen distendido, com um percentual de 57,53% (n=107). Desta forma, é importante que se dê atenção ao conhecimento aprofundado da composição e atividade da microbiota intestinal, visto que esse processo deverá conduzir a novas intervenções terapêuticas com base na possível modulação desse microbioma, resultando numa melhoria da qualidade de vida dos pacientes.</p> Bárbara Karoline Rêgo Beserra Alves Leandra Caline dos Santos Paulo Víctor de Lima Sousa Gleyson Moura dos Santos Nara Vanessa dos Anjos Barros Copyright (c) 2020 Bárbara Karoline Rêgo Beserra Alves, Leandra Caline dos Santos, Paulo Víctor de Lima Sousa, Gleyson Moura dos Santos, Nara Vanessa dos Anjos Barros https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 588 597 Ingestão hídrica e de bebidas entre idosos diabéticos e não diabéticos atendidos em uma clínica de saúde em São Paulo http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1322 <p>Introdução: Entre as alterações fisiológicas que ocorrem com o processo de envelhecimento, perdas de fluidos e diminuição do consumo de líquidos e da sensação de sede, são fatores que tornam o idoso mais suscetível a desidratação. Objetivo: Este estudo tem como objetivo avaliar a ingestão hídrica e de outras bebidas entre idosos, diabéticos e não diabéticos, atendidos em uma Clínica Escola de Saúde em São Paulo. Materiais e Métodos: Estudo transversal constituído por 78 idosos de ambos os sexos, diabéticos e não diabéticos. A verificação do consumo diário de água e outros líquidos ocorreu pela aplicação do Questionário de Frequência Alimentar (QFA). Utilizou-se média, desvio-padrão e mediana do consumo de bebidas e água. A comparação do consumo mediano de água e outras bebidas entre idosos, diabéticos e não diabéticos foi feita pela aplicação do teste Mann-Whitney (p&lt;0,05). Resultados: A população de estudo foi constituída por 73% idosas e 27% idosos, sendo 34,6% diabéticos e 65,4% não diabéticos. A maior parte dos idosos (60,3 %) apresentou consumo ≤ 1000 ml de água/dia. O consumo mediano diário de água pelos idosos diabéticos foi de 1000 ml e não diabéticos 800 ml (p= 0,124). Conclusão: Conclui-se que que a maior parte da população idosa, apresentou um baixo consumo diário de água e maior consumo de café e leite. O consumo mediano de água e bebidas não diferiu estatisticamente entre diabéticos e não diabéticos. É importante o incentivo do consumo de líquidos em idosos, principalmente de água e sucos de fruta in natura.</p> Natacha Lino Mendonça Aline Veroneze de Mello Hellen Daniela de Sousa Coelho Copyright (c) 2020 Natacha Lino Mendonça, Aline Veroneze de Mello, Hellen Daniela de Sousa Coelho https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 578 587 Avaliação da percepção da imagem corporal em adolescentes de uma escola pública estadual no município de Fortaleza-Ceará http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1319 <p>A imagem corporal pode ser considerada como a ilustração própria que o indivíduo faz de seu corpo, sendo constituída em nossos pensamentos e mente. Segundo Paul Shilder, trata-se não apenas de uma construção cognitiva, mas também é a expressão de desejos, emoções e relações com os demais, sendo assim, a estrutura corporal está em constante autoconstrução, diferenciação e inclusão.&nbsp; O objetivo foi avaliar a associação entre a percepção da imagem corporal e o estado nutricional de adolescentes de uma escola pública do município de Fortaleza-CE. A amostra foi constituída por 62 alunos (14-19 anos) do ensino médio. A percepção da imagem corporal foi autoavaliada pelo indivíduo através de figuras de silhuetas (questionário) e comparadas com a classificação do índice de massa corporal (IMC) por idade. Apesar da maioria dos adolescentes apresentar estado nutricional eutrófico, verificou-se uma elevada insatisfação com a imagem corporal, que foi maior nos meninos, onde 64,3% deles apresentaram desejo por aumentar o tamanho da silhueta corporal; enquanto 58,8% das meninas desejavam diminuir. Associando a percepção da imagem corporal com o IMC, observou- se que o estado nutricional foi superestimado essencialmente nas moças, enquanto os rapazes expressaram maior subestimação do peso corporal. Em ambos os sexos foram identificadas alterações da percepção corporal e alta prevalência de insatisfação corporal, sendo mais significativa nos rapazes. Modificações da percepção corporal potencializam o risco para transtornos alimentares. Ressalta- se a necessidade de se implementar no ambiente escolar ações que promovam mudanças nos conceitos de educação nutricional e imagem corporal.</p> Maria Rayane Matos de Sousa Paula Alves Salmito Rodrigues Ianara Pereira Rodrigues Andreson Charles de Freitas Copyright (c) 2020 Maria Rayane Matos de Sousa, Paula Alves Salmito Rodrigues, Ianara Pereira Rodrigues, Andreson Charles de Freitas https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 571 577 Fatores associados ao estado nutricional de escolares: condições demográficas, socioeconômicas, alimentares e de atividade física http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1318 <p>Introdução: Atualmente, constata-se o processo de transição nutricional. As mudanças no estado nutricional vêm ocorrendo em crianças, principalmente, devido a diminuição da prática de atividade física, bem como pelo aumento no consumo de alimentos e bebidas com baixo teor nutricional. Objetivo: Avaliar aspectos demográficos, socioeconômicos, nutricionais e de atividade física e suas relações com o estado nutricional de escolares. Materiais e Métodos: Estudo transversal com 552 escolares (7 a 9 anos de idade), matriculados em 16 escolas públicas da área urbana. Avaliaram-se dados demográficos e socioeconômicos da família e informações relativas ao estado nutricional, alimentação e prática de atividade física das crianças. O diagnóstico nutricional foi definido por meio do Índice de Massa Corporal para idade e sexo. Foram utilizados os testes de qui-quadrado e exato de Fisher, além de regressão logística para avaliar a associação entre as variáveis. Resultados: houve predomínio de&nbsp;peso adequado (58,3%), de pouca prática de atividade física (68,1%), de bons hábitos alimentares (79,7%) e de bons conhecimentos em nutrição (59,8%). O baixo peso esteve associado às crianças com responsáveis com idade &gt; 40 anos (OR=0,09 IC95%: 0,01-0,65). Conclusão: A população investigada apresenta alta prevalência de excesso de peso. Somente a maior faixa etária do responsável mostrou exercer influência sobre o estado de baixo peso. Assim, outros estudos necessitam ser realizados para que novas variáveis possam ser identificadas na influência de desvios nutricionais.</p> Luana Bernardi Mario Umberto Menon Daiana Novello Copyright (c) 2020 Luana Bernardi, Mario Umberto Menon, Daiana Novello https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 560 570 Atuação da enfermagem na assistência prestada ao paciente obeso mórbido no pós-operatório de cirurgia bariátrica http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1317 <p>Introdução: É imprescindível prestar um cuidado diferenciado ao paciente obeso mórbido que é submetido à cirurgia bariátrica, devido à condição em que se encontra, fragilizado emocionalmente, e, possivelmente, com outras comorbidades. Esses aspectos reforçam a necessidade de uma equipe de enfermagem qualificada para assisti-lo no período do pós-operatório imediato, garantindo uma recuperação sem intercorrências e complicações. Objetivo: Identificar a atuação da enfermagem na assistência prestada ao paciente obeso mórbido no pós-operatório de cirurgia bariátrica, em um hospital particular da serra gaúcha. Materiais e Métodos: Tratou-se de uma pesquisa com abordagem quantitativa, caráter descritivo, cujos dados foram coletados por meio de um questionário, tendo como sujeitos participantes da pesquisa, 41 técnicos (a) de enfermagem e 7 enfermeiros (a) que exercem suas atividades na sala de recuperação do pós-anestésico e setor de internação, em um hospital particular da serra gaúcha em todos os turnos. Para a análise dos dados, foi realizada estatística descritiva. Resultados e Discussão: A pesquisa identificou que os entrevistados apresentaram dúvidas à cerca de cuidados específicos para com esse público e dificuldades relacionadas aos espaços físicos, materiais e equipamentos para abordar o paciente no momento do pós-cirúrgico da bariátrica. Notou-se, porém, que mesmo diante dessas carências, a equipe de enfermagem está capacitada para realizar assistência de enfermagem. Conclusão: A pesquisa evidenciou que se faz necessário reformas nos espaços físicos da instituição e adequação de alguns móveis e equipamentos para melhorar a assistência e o bem-estar desses pacientes, além de investir em protocolo assistencial, capacitações e treinamentos para os profissionais.</p> Fernanda Dolne Janaína Samantha Martins de Souza Juliana Matte Copyright (c) 2020 Fernanda Dolne, Janaína Samantha Martins de Souza, Juliana Matte https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 550 559 Sinais e sintomas de hipersensibilidades alimentares entre indivíduos vegetarianos vs. Onívoros http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1315 <p>Objetivo: Comparar sinais e sintomas clínicos relacionados à alimentação entre adultos onívoros e vegetarianos. Métodos: O presente trabalho foi desenvolvido com base em uma pesquisa descritiva, quantitativa e transversal. A população da pesquisa foi composta por dois grupos: onívoros e vegetarianos. A seleção da amostra foi não probabilística intencional, com um total de 100 indivíduos. Foi utilizado o questionário de rastreamento metabólico (QRM), Escala de Bristol e questionário de constipação para comparar e relacionar o tipo de dieta com os sinais e sintomas de hipersensibilidades alimentares. Resultados:&nbsp; Quando comparado o QRM entre os grupos, pôde-se observar que o percentual de indivíduos considerados saudáveis foi de 20,9% no grupo vegetarianos e 9,1% no grupo onívoros. Além disso, 16,4% dos vegetarianos apresentaram baixa hipersensibilidade, enquanto nenhum indivíduo onívoro se enquadrou nessa classificação. Outro resultado positivo encontrado a favor do vegetarianismo foi que 66,7% dos onívoros apresentaram moderada hipersensibilidade e somente 34% dos vegetarianos foram classificados como moderados. Para todas estas comparações, houve significância de p = 0,003 entre os grupos. Por outro lado, não houve diferença significativa entre os indivíduos veganos e onívoros inerente à Escala de Bristol. Conclusão: Pacientes vegetarianos, em comparação com pacientes onívoros, apresentaram respostas clínicas mais favoráveis em relação a sinais e sintomas de hipersensibilidades alimentares. Contudo, é interessante maior aprofundamento científico do vegetarianismo no cenário da saúde intestinal, cujos novos ensaios clínicos controlados são importantes especialmente na investigação de biomarcadores para complementar os achados.</p> Beatriz Dagostin Maria Luiza dos Santos Guellere David Bastista Gesuino Kristian Madeira Marco Antônio da Silva Heitor Oliveira Santos Thais Fernandes Luciano Copyright (c) 2020 Beatriz Dagostin, Maria Luiza dos Santos Guellere, David Bastista Gesuino, Kristian Madeira, Marco Antônio da Silva, Heitor Oliveira Santos, Thais Fernandes Luciano https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 540 549 Análise do consumo alimentar e prática de exercício físico em adolescentes e sua correlação com a obesidade em escola na região metropolitana do Recife http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1312 <p>Introdução: Os índices de obesidade entre os jovens são cada vez mais crescentes no mundo. O excesso de peso dobrou durante as últimas décadas e as crianças e adolescentes tendem a manter ou aumentar o peso até a vida adulta, pois o consumo alimentar e a falta de atividade física atuam como fatores para o aumento de gordura. Objetivo: avaliar o consumo alimentar de escolares adolescentes e correlacionar aos hábitos alimentares e exercício físico, classificando o atual estado dos adolescentes e identificando a prevalência do excesso de peso. Materiais e Métodos: estudo transversal quali-quantitativo com 49 escolares, entre 10 a 14 anos em colégio da região metropolitana do Recife. Foi aplicado um questionário de consumo alimentar e exercício físico e realizada a coleta do peso e altura para IMC. Resultados e Discussão: A prevalência de obesidade foi de n=7 (14,28%), sobrepeso n=10 (20,41%), desnutrição n=2 (4,08%) e eutrofia n=30 (61,22%). O percentual de sobrepeso e obesidade juntos das meninas foi de n=10 (32,25%) e o dos meninos foi de n=7 (38,88%). A prevalência de alimentos industrializados foi de n=12 (66,66%) no sexo masculino e n=23 (74,19%) no sexo feminino. Houve maior porcentagem de prática de atividade física nos meninos, n=17 (94,44%) enquanto nas meninas foi de n=26 (83,87%). Conclusão: Os índices de obesidade e sobrepeso foram altos no estudo assim como a ingestão de alimentos inadequados. A atividade física foi observada na população estudada, mas ainda se evidencia a necessidade de intervenções e orientações nutricionais para os estudantes.</p> Antonio Maximino da Silva Júnior Hugo Bandeira de Souza Milena Maia Dantas dos Santos Copyright (c) 2020 Antonio Maximino da Silva Júnior, Hugo Bandeira de Souza, Milena Maia Dantas dos Santos https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 530 539 Efeito do automonitoramento sobre perda de peso e adesão à dieta em indivíduos sobrepeso e obesos: um ensaio clínico randomizado http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1310 <p>Introdução: Dietas hipocalóricas aliadas ao automonitoramento alimentar parecem ser uma boa estratégia no processo de emagrecimento. O objetivo do estudo foi verificar o efeito do automonitoramento sobre a perda de peso e adesão à dieta em indivíduos sobrepeso e obesos. Materiais e métodos: O estudo é um ensaio clínico randomizado, com 2 grupos em paralelo. Foram avaliados 18 indivíduos (3 homens e 15 mulheres) com índice de massa corporal (IMC) 28,3 ± 2,3 kg/m², idade 27,3 ± 4,5 anos, sedentários. Os indivíduos foram randomizados em 2 grupos: Dieta (GD; n = 10) e Dieta Automonitorada (GDA; n = 8). O valor energético total do planejamento dietético teve restrição energética de 500 kcal a partir do gasto energético total calculado. Foram mensurados peso, estatura e adesão à dieta ao início (0), consulta intermediária (semana 3) e final da intervenção (semana 6), bem como perímetros, qualidade de sono e nível de atividade física ao início e final do estudo. Foi adotado um nível de significância de 5%. Discussão e resultados: Os participantes do GDA perderam ~3.2% do peso inicial em 3 semanas e ~4,5% em 6 semanas (p&lt;0,05). Não houve diferença significativa na perda de peso nos participantes do GD ao longo do estudo. Houve uma redução dos perímetros de cintura e abdominal, após 6 semanas de intervenção, em ambos os grupos (p&lt;0,05). Conclusão: Dieta hipocalórica, juntamente com o automonitoramento através de um aplicativo com fotos, pode ser uma estratégia útil para induzir perda de peso para indivíduos sobrepeso ou obesos.</p> Francieli Juliara Renz Rodrigo Cauduro Oliveira Macedo Copyright (c) 2020 Francieli Juliara Renz, Rodrigo Cauduro Oliveira Macedo https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-11-03 2020-11-03 14 87 488 497 Revisão dos efeitos do consumo da linhaça no fígado e perfil lipídico http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1285 <p>Introdução: A linhaça é um alimento funcional rico em fibras, ômega-6/ômega-3, proteínas, minerais e vitaminas, além de fitoestrógenos, como as lignanas. Possui propriedade anti-inflamatória e atividade analgésica, além de ter importantes efeitos sobre as respostas imunológicas devido aos seus oligoelementos. Materiais e Métodos: Trata-se de uma de revisão da literatura que busca compreender os efeitos do consumo da linhaça no fígado e perfil lipídico. Após a aplicação de critérios de inclusão e exclusão, foram analisados 19 estudos encontrados nas bases de dados Medline, SciELO e CINAHL. Discussão: O ácido alfa-linolênico (ALA) presente na linhaça está associado a melhora do perfil lipídico. Além do fígado, estudos observam a atividade antioxidante da linhaça em outros órgãos. A atividade antinflamatória da linhaça parece estar ligada a proteção hepática com preservação da arquitetura do fígado e supressão do aumento de enzimas hepáticas, mesmo em condições hostis. Resultados e conclusão: Foi analisado o efeito da linhaça nos seguintes parâmetros: perfil lipídico, prevenção de danos hepáticos, parâmetros morfológicos e impacto do consumo de linhaça em diferentes patologias. O consumo de linhaça melhorou o perfil lipídico, reduziu o estresse oxidativo e expressão de mediadores inflamatórios no fígado, além de preservar a arquitetura hepática e a gravidade das alterações já estabelecidas por agressões como ingestão de álcool e de dietas ricas em gordura. Além disso, a ingestão de linhaça isolada não causou qualquer alteração no fígado, respondendo ao questionamento desta revisão.</p> Poliana dos Santos Conde Marcos Roberto de Oliveira Flavia Bittencourt Brasil Copyright (c) 2020 Poliana dos Santos Conde, Marcos Roberto de Oliveira, Flavia Bittencourt Brasil https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 519 529 Efeitos do exercício físico na obesidade e depressão: uma revisão http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1280 <p>Introdução: A obesidade pode colaborar com a manifestação de transtornos psicológicos como ansiedade e depressão. Bem como, pessoas depressivas estão extremamente suscetíveis ao ganho excessivo de peso e aumento da prevalência de obesidade. Nesse contexto, o exercício físico tem papel importante na melhora da saúde física e psicológica. Objetivo: Integrar os achados científicos sobre os efeitos de programas de exercícios físicos na obesidade e depressão. Materiais e métodos: Foi realizado um levantamento dos estudos nas bases de dados eletrônicas Medline, Lilacs e PubMed, com as palavras-chave: obesity and exercise or physical activity and depression. Foram selecionados estudos de ensaio clínico, intervenção, quase-experimental e coorte, dos últimos oito anos e que estavam disponíveis na íntegra. Resultados: Os estudos avaliados apresentaram amostras com idades que variaram entre 12 e 66 anos e abrangeram ambos os sexos. Eles utilizaram diferentes programas de intervenção, com predomínio de exercícios aeróbicos. A duração dos exercícios variou de três a oito meses. A frequência semanal de aplicação variou de uma até cinco vezes por semana e a duração das sessões era em torno de 45 minutos. A maioria dos estudos mostrou efeitos positivos do exercício físico sobre a depressão, sintomas de ansiedade e perda de peso, após as intervenções. Conclusão: Os resultados apontaram que a prática de exercícios físicos influencia positivamente a saúde mental e física de pessoas obesas, pois reduziram o quadro de depressão e, na maioria das vezes, conduziram a uma diminuição do índice de massa corporal e da circunferência abdominal.</p> Thaise Dutra Soares Luiz Ricardo Peroza Mariana Cerezer Sheila Spohr Nedel Jerônimo Costa Branco Copyright (c) 2020 Thaise Dutra Soares, Luiz Ricardo Peroza; Mariana Cerezer; Sheila Spohr Nedel, Jerônimo Costa Branco https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 511 518 O papel da microbiota na etiologia das doenças inflamatórias intestinais http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1278 <p>A doença inflamatória intestinal é um processo inflamatório crônico, com etiologia ainda não bem estabelecida, de natureza multifatorial, representada principalmente por dois fenótipos, a retocolite ulcerativa (RCU) e doença de Crohn (DC). No que se refere à patogênese, acredita-se que a homeostase direta e indireta entre microbiota, epitélio intestinal e células imunológicas é interrompida por fatores genéticos e ambientais, como o uso de antibióticos, prática do tabagismo, dietas e estresse, resultando em um estado crônico de inflamação desregulada. Evidências científicas recentes demonstraram que a microbiota do intestino humano é capaz de produzir fatores antigênicos que desencadeiam a inflamação persistente da mucosa intestinal como observada na DC e RCU. Nas últimas duas décadas, com o advento das novas tecnologias “ômicas”, houve uma expansão nas possibilidades para analisar em grande proporção o perfil genético e metabólico da população microbiana intestinal, que é numericamente a mais representativa no corpo humano. Dessa maneira, aconteceu uma ampliação exponencial do entendimento da composição bem como das funções desempenhadas pelo microbioma do intestino, o que oportunizou a descoberta de novos horizontes quanto a mecanismos de ação desencadeadores dos processos inflamatórios de muitas doenças crônicas com as doenças inflamatórias intestinais, permitindo a formulação e implementação de novas intervenções terapêuticas.&nbsp;</p> Regina Márcia Soares Cavalcante Murilo Moura Lima José Miguel Luz Parente Nadir do Nascimento Nogueira Copyright (c) 2020 Regina Márcia Soares Cavalcante, Murilo Moura Lima, José Miguel Luz Parente, Nadir do Nascimento Nogueira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 498 510 Qualidade de vida dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica: revisão sistemática http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1305 <p>Introdução: A obesidade e suas comorbidades representam um problema de saúde pública, como complicações clínicas, comprometimento psicológico, social e econômico. Frente ao insucesso do tratamento conservador, a cirurgia bariátrica é indicada e está associada à perda prolongada de peso a longo prazo, como forma de reduzir a mortalidade e remissão das comorbidades, visando à qualidade de vida dos pacientes. Métodos: Os artigos são os constantes das bases: PubMed, SciELO, LILACS, Bireme, Capes, Scopus. Utilizando o Medical Subject Heading Terms (MeSH), determinados os termos de busca: [(“Patient”) and (“bariatric surgery”) and (“postoperative care” or “postoperative period” OR “Post-Operative”) and (“Quality of life”)]. Resultados e Discussão: Foram localizados 1220 artigos. Utilizando os critérios PRISMA, nove estudos atenderam os critérios de elegibilidade. Os estudos sistematizados apresentam características distintas para avaliar a qualidade de vida de paciente pós-bariátrico, resultando em desfechos positivos quanto à fisiologia e a sociabilidade destes pacientes. Conclusão: Observou-se que existem evidências científicas que tornam mensurável o impacto positivo na qualidade de vida e na sobrevida do paciente submetido à cirurgia bariátrica, decorrente da perda de peso e reversão das comorbidades. Independente da técnica cirúrgica utilizada, os estudos demonstram representativa melhora do paciente no aspecto físico, psicológico e fisiológico.</p> Kerly Kessler Campos Suelen Bernardo Guckert Fabiane Miron Stefani Karina Mary Paiva Patricia Haas Copyright (c) 2020 Kerly Kessler Campos, Suelen Bernardo Guckert, Fabiane Miron Stefani, Karina Mary Paiva, Patricia Haas https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 477 487 Síndrome Metabólica e sua associação com fatores de risco cardiovascular em professores http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1296 <p>Introdução: As doenças cardiovasculares são as principais causas de óbitos no Brasil, sendo a síndrome metabólica definida pela presença de obesidade abdominal e pelo menos mais dois fatores de risco cardiovasculares. Objetivo: Identificar a prevalência de Síndrome Metabólica (SM), bem como sua associação com fatores de risco cardiovascular em professores. Métodos: Participaram do estudo 150 docentes, com idade média de 40±11 anos. Para classificação da SM, foram avaliadas circunferência de cintura, triglicerídeos, lipoproteína de alta densidade (HDL-C), pressão arterial e glicemia. A distribuição dos dados foi verificada através do teste Kolmogorov-Smirnov. Posteriormente os testes t independente e Mann-Whitney foram utilizados para comparar as variáveis entre os grupos sem SM e com SM. Regressão de Poisson e razão de prevalência foram utilizadas para determinar a associação, bem como a magnitude desta entre a SM e demais variáveis. Adotou-se um nível de significância de 5%. Resultados: A prevalência de SM foi de 28,7%, tendo como fator mais prevalente a circunferência de cintura elevada. Houve associação da Síndrome com o sexo masculino, idade superior a 45 anos, excesso de peso, dislipidemias, hipertensão arterial, hiperglicemia e nível de atividade física insuficiente. Conclusão: Um a cada quatro docentes foram diagnosticados com síndrome metabólica, sendo a obesidade abdominal o fator de risco mais prevalente. Além disso, sexo masculino, idade superior a 45 anos, excesso de peso, dislipidemias, hipertensão, hiperglicemia e atividade física insuficiente se associaram à SM.</p> Rômulo José Mota Júnior Renata Aparecida Rodrigues Oliveira Luciana Moreira Lima Sylvia do Carmo Castro Franceschini João Carlos Bouzas Marins Copyright (c) 2020 Rômulo José Mota Júnior, Renata Aparecida Rodrigues Oliveira, Luciana Moreira Lima, Sylvia do Carmo Castro Franceschini, João Carlos Bouzas Marins https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 467 476 A associação da pressão arterial alterada com variáveis antropométricas e perfil glicêmico já é evidenciada em adolescentes? http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1293 <p>Introdução: A presença de alterações na pressão arterial já é observada na população adolescente. Dessa forma, a identificação dos fatores associados com a elevação da pressão arterial é útil para elaboração de estratégias de saúde pública. Objetivo: Identificar se as variáveis antropométricas e o perfil glicêmico estão associados com as alterações na pressão arterial de adolescentes. Método: estudo transversal com 1007 adolescentes, de 12 a 15 anos. Foram avaliados dados antropométricos (índice de massa corporal - IMC e circunferência da cintura - CC), pressóricos (pressão arterial sistólica - PAS e diastólica - PAD) e glicemia em jejum. Os dados foram descritos em razão de prevalência (RP) e intervalo de confiança (IC) para 95%. Resultados: Observou-se elevado percentual de meninos e meninas, respectivamente, com sobrepeso/obesidade (37,0% e 33,8%), com alteração nos níveis pressóricos (23,8% e 23,5%) e glicêmicos (15,8% e 12,5%). Escolares com sobrepeso/obesidade apresentam maior prevalência de alteração na PAS (RP= 1,14; IC 95%: 1,05-1,24) entre os meninos e entre as meninas (RP= 1,17; IC 95%: 1,09-1,26) e na PAD entre os meninos (RP= 1,09; IC 95%: 1,01-1,18), em comparação aos seus pares com IMC classificado em baixo peso/normal. Além disso, meninos com obesidade abdominal apresentam prevalência superior de PAD alterada (RP= 1,11; IC 95%:1,00-1,22), comparados aos meninos com CC normal. Conclusão: A presença de sobrepeso e obesidade está associada com a PAS alterada. A CC elevada apresentou associação com alteração na PAD somente para o sexo masculino. A glicemia não apresentou associação com PA alterada.</p> Kelly Ploharski Cezane Priscila Reuter Letícia de Borba Schneiders Ana Paula Sehn Juliana Hauth Bruna Dalmer Vogt Rodrigo Muradas Copyright (c) 2020 Kelly Ploharski, Cezane Priscila Reuter, Letícia de Borba Schneiders, Ana Paula Sehn, Juliana Hauth, Bruna Dalmer Vogt, Rodrigo Muradas https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 460 466 Dieta cetogênica e sua eficácia em indivíduos obesos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1292 <p>Introdução: Com o aumento da obesidade algumas estratégias nutricionais são lançadas para tal público, como é o caso da Dieta Cetogênica (DC) que tem demonstrado eficácia, a curto e médio prazo no controle da obesidade. Objetivo: identificar a eficácia da dieta cetogênica em pacientes obesos, além de avaliar os efeitos metabólicos e nutricionais a curto e a longo prazo. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa os quais foram pesquisados artigos publicados nas bases de dados: Lilacs, Pubmed e Scielo. Resultados: foi constatado um maior número de trabalhos publicados nos anos de 2013 e 2017. Do total de artigos analisados, foram identificados a eficácia da dieta em adultos e idosos obesos, além de conseguir controlar a glicemia, diminuir os riscos cardiovasculares e a preservação da massa muscular, perda de peso e percentual de gordura. Discussão: Foi verificado que as pessoas que seguem a dieta demonstram sentir menos apetite e um menor desejo de consumir certos alimentos. Desta forma, a mesma ajuda não só na perda de peso, mas retarda o apetite. Conclusão: é notável a eficácia da dieta cetogênica a curto e a médio prazo em pessoas obesas, que além da perda peso traz melhorias em algumas doenças crônicas. Porém, requer mais estudos a longo prazo acerca da estabilidade do peso e a manutenção destas patologias, como também investigar os possíveis malefícios que a dieta pode acarretar.</p> Bárbara Raquel Cardoso do Nascimento Rayssa Cristina de Lima Athayde de Britto Joelma Araújo Barbosa Soares Luciana Tavares Toscano Copyright (c) 2020 Bárbara Raquel Cardoso do Nascimento, Rayssa Cristina de Lima Athayde de Britto, Joelma Araújo Barbosa Soares, Luciana Tavares Toscano https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 451 459 Imagem corporal e bullying entre adolescentes: Práticas docentes na sala de aula http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1291 <p>Introdução: O bullying é um dos tipos de violência interpessoal que ocorre dentro do ambiente escolar e envolve atos de humilhação, ameaça e depreciação que, na maioria das vezes, acontece entre pares e tem como vítimas mais frequentes as crianças e adolescentes. Objetivo: Analisar as práticas docentes de professores no ambiente escolar diante da temática do bullying associado à imagem corporal. Materiais e métodos: Trata-se de uma revisão integrativa realizada nas bases eletrônicas: LILACS, PubMed e SciELO. Resultados: Foram identificadas 282 publicações, das quais apenas 04 responderam à questão norteadora e todas discorreram sobre práticas docentes diferentes, evidenciando como profissionais mais frequentes, os psicólogos, junto aos professores. Discussão: Um aspecto importante na fundamentação de propostas para novas práticas docentes dentro desta temática é o reconhecimento adequado do fenômeno bullying e os distúrbios de imagem corporal. Contudo, pesquisa realizada com o professor de educação física revela a falta de compreensão quanto à problemática por parte dos professores que não conseguem identificar o problema ou o naturaliza no cotidiano escolar. Conclusão: As práticas docentes têm se mostrado efetivas na minimização das situações de conflito, principalmente quando são desenvolvidas de maneira compartilhada com outros profissionais.</p> Marianne Lira de Oliveira Delbana Pereira Rodrigues Cássio Eduardo Soares Miranda Copyright (c) 2020 Marianne Lira de Oliveira, Delbana Pereira Rodrigues, Cássio Eduardo Soares Miranda https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 443 450 Comparação da dosagem de vitamina D no pré-operatório da cirurgia bariátrica com seus níveis no primeiro ano após a cirurgia e sua relação com as principais comorbidades http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1290 <p>Introdução: Pacientes submetidos à cirurgia bariátrica apresentam deficiência de vitaminas por condições inerentes ao procedimento e por redução importante da ingesta, relacionada ao componente misto do by-pass gástrico e dieta do paciente. O déficit de vitamina D também está associado com diversas variáveis. Objetivo: Comparar níveis de vitamina D nos pacientes em pré-operatório de bypass gástrico e no pós-operatório em 6 e 12 meses após o procedimento, correlacionando com a associação entre a deficiência de vitamina D e a presença de comorbidades. Método: Estudo transversal descritivo realizado pela análise retrospectiva de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica aberta pela técnica do bypass gástrico com dosagem de vitamina D pré-operatória, após 6 e 12 meses, no HC-UFPR, entre junho de 2013 e dezembro de 2018 (n=43). Resultados: Amostra constituída predominantemente por mulheres (81,39%), idade média 34,50 anos e peso médio 100,5 kg. As principais comorbidades foram DM (32,55%), HAS (55,81%) e doenças osteoarticulares (30,23%). Houve aumento de vitamina D no pós-operatório em 6 meses (p &lt; 0,0001). Os pacientes com IMC &lt; 40 no pré-operatório apresentaram maiores níveis de vitamina D no pós-operatório em 12 meses (p=0,0142). Houve associação entre a presença doenças osteoarticulares e pacientes com menores níveis de vitamina D em 6 meses de pós-operatório (p=0,028). Conclusão: A incidência de pacientes com deficiência e insuficiência de vitamina D no pós-operatório em 6 meses reduziu em proporção significativamente estatística, tanto pela reposição vitamínica quanto pela melhora no metabolismo da glicose, assim como a presença de doenças osteoarticulares.</p> Oona Tomiê Daronch Hugo Akahane Kauê Barbosa de Carvalho Luiz Paulo Junqueira Rigolon Solange dos Anjos Cravo Bettini Copyright (c) 2020 Oona Tomiê Daronch, Hugo Akahane, Kauê Barbosa de Carvalho, Luiz Paulo Junqueira Rigolon, Solange dos Anjos Cravo Bettini https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 436 442 Perfil antropométrico, dislipidemia e consumo alimentar de mulheres praticantes de treinamento resistido de força http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1289 <p>Fatores genéticos, ambientais, alimentação inadequada, diminuição do exercício físico e mudança no estilo de vida são fatores de risco para Dislipidemias. O objetivo do estudo foi avaliar o perfil antropométrico, dislipidemia e consumo alimentar de mulheres praticantes de treinamento de força. Estudo transversal com mulheres saudáveis, entre 18 a 45 anos, praticantes de treinamento de força em Teresina-PI. Questionário validado para coleta de dados pessoais, antropométricos e perfil lipídico. O consumo alimentar foi avaliado por um Questionário de Frequência Alimentar. Os dados foram analisados por meio da média e moda. A comparação dos grupos ocorreu pelo teste de Kruskal-Wallis. Para análise das variáveis do consumo alimentar utilizou-se o coeficiente de Pearson (p&lt;0,05) e intervalo de confiança (95%). Analisou-se 141 mulheres, com valores médios de idade (29,4), peso (61,8Kg), altura (1,59m), IMC (24,3kg/m<sup>2</sup>), tempo e frequência de exercício físico (2 anos e 10h semanais). Realizou-se 111 exames bioquímicos Nos quais, 90,1% dislipidemicas, sendo 91,9% HLD-c baixo e 5,4% hipertrigliceridemia. Assim, o perfil antropométrico e lipídico adequado sofreu influência da regularidade do treinamento de força. Alimentos fontes de gorduras trans, saturadas, carboidratos simples tiveram maior influencia sobre o CT, LDL-c, TG e VLDL-c, justicando a dislipidemia. A cebola e nozes tiveram maior influencia sobre o HDL-c e, portanto recomenda-se a ingestão. Concluiu-se que o consumo alimentar saudável associado a exercício físico regular promoveu benefícios no perfil lipídico.</p> Ianne Fernandes da Silva Nathasha Maria Vieira Pessoa Saldanha Marcos Antônio da Motta Araújo Regilda Saraiva dos Reis Moreira-Araújo Copyright (c) 2020 Ianne Fernandes da Silva, Nathasha Maria Vieira Pessoa Saldanha, Marcos Antônio da Motta Araújo, Regilda Saraiva dos Reis Moreira-Araújo https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 422 435 Estado nutricional, qualidade de vida e doenças do trabalho de servidores de uma instituição pública federal do norte de Minas Gerais http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1286 <p>Introdução: A qualidade de vida de um trabalhador está ligada ao seu estilo de vida dentro e fora do ambiente de trabalho, com reflexos na saúde.&nbsp; Objetivo: Avaliar perfil nutricional, estilo de vida e saúde ocupacional dos trabalhadores de uma instituição pública.&nbsp; Métodos: Estudo transversal, quantitativo e descritivo de agosto a novembro de 2018, com aplicação do questionário da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP) 2012, avaliado com o Critério de Classificação Econômica (CCEB), e questionário com variáveis de saúde. Dados tabulados e analisados no Software Excel 2013, aplicada estatística inferencial. Resultados: 68 participantes, sendo 67,65% técnico administrativo e 32,35% docente; 53% do sexo masculino, das classes B1 e B2, de cor parda com residência própria e curso superior. Fumantes 2,94% e 1,47% ingerem bebida alcoólica. Satisfeitos com saúde, lazer, alimentação e peso. Praticam atividade física, mais de duas vezes por semana, cujo objetivo é a saúde. Consomem mais de duas refeições por dia, sendo a principal o almoço em casa. 52,94% são eutróficos, 36,77% estão acima do peso, 8,82% possuem obesidade tipo I e 1,47% obesidade tipo II. 17,65% são hipertensos e 1,47% diabéticos. Passam mais tempo sentados e a lombalgia é prevalente e piora com o trabalho.&nbsp; Doenças Musculoesqueléticas foram as mais prevalentes e as que mais se acentuaram com o tipo de trabalho. Conclusão: O grupo apresenta excesso de peso e a lombalgia se acentua com o trabalho executado, sendo necessárias medidas ergonômicas, e o incentivo a prática de atividade física e alimentação equilibrada.</p> Evaldo Luiz França Lucilene Soares de Miranda Ivy Scori Cazelli Copyright (c) 2020 Evaldo Luiz França, Lucilene Soares de Miranda, Ivy Scori Cazelli https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 411 421 Perfil nutricional e alimentar de crianças atendidas por uma clínica escola de nutrição http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1284 <p>Nos últimos anos se observa o declínio da desnutrição infantil, em contrapartida os casos de sobrepeso e obesidade nessa faixa etária estão aumentando. Assim, esse estudo tem como objetivo avaliar o perfil antropométrico e alimentar de crianças em acompanhamento nutricional. Estudo transversal retrospectivo realizado com dados obtidos em prontuários de crianças entre 5 e 10 anos idade atendidos na Clínica Escola de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste. Foram analisados 87 prontuários, os principais motivos relatados para procura de tratamento nutricional foram perda de peso e reeducação alimentar. Houve prevalência de sobrepeso e obesidade (87,3%) entre as crianças analisadas. Foi observado que não houve diferença entre o consumo energético avaliado pelo Recordatório 24 horas e a necessidade energética calculada pelo Gasto Energético Total (GET) das crianças, porém para todos os macronutrientes houve diferença significante, sendo que o consumo de carboidratos e proteínas foi menor que a necessidade (p=0,022 e p=0,032), e o consumo de gorduras foi maior que o recomendado (p&lt;0,001). A maioria das crianças relatou ter apetite durante as refeições, porém a maioria também relatou sentir fome durante os intervalos. O comparecimento para o acompanhamento nutricional foi baixo, com média de 2,76±2,1 retornos. O perfil nutricional das crianças que procuraram atendimento nutricional revelou condição antropométrica de prevalente excesso de peso, resultado de hábitos alimentares inadequados, e provável histórico de excesso de peso familiar. Destaca-se a importância do atendimento nutricional frequente para mudanças no estilo de vida, melhora no estado nutricional e prevenção de doenças decorrentes do excesso de peso.</p> Julya de Oliveira Rosa Daniele Gonçalves Vieira Angélica Rocha de Freitas Melhem Vania Schmitt Marcela Komechen Brecailo Copyright (c) 2020 Julya de Oliveira Rosa, Daniele Gonçalves Vieira, Angélica Rocha de Freitas Melhem, Vania Schmitt, Marcela Komechen Brecailo https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 401 410 Comparação do percentual de gordura, massa gorda e massa magra entre praticantes veteranos e iniciantes de Krav-Maga durante treinamento de 16 semanas http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1283 <p>Objetivo: objetivo foi comparar o percentual de gordura, massa gorda e massa magra entre praticantes veteranos e iniciantes de Krav-Maga durante treinamento de Krav-Maga de 16 semanas. Materiais e Métodos: Participaram voluntariamente, 30 praticantes de Krav-Maga, sendo: veteranos (n=15), que praticavam Krav-maga há pelos menos 3 anos e iniciantes (n=15) que estão iniciando essa prática de Krav-Maga. O programa de treinamento físico foi desenvolvido em 16 semanas de treinamento, com exercícios de mobilidade articular, alongamento, fortalecimento e técnicos específicos de Krav-Maga nível inicial, com frequência de três sessões semanais&nbsp; e duração de 60 a 90 minutos com intensidades que variaram de baixa, moderada a alta, estabelecidas pela frequência cardíaca obtida no limiar aeróbio (LA) e ponto de compensação respiratória, obtidos pelo Yo Yo teste de VO<sub>2</sub> máximo e por meio das avaliações e protocolos aplicados antes e durante o seguimento. O percentual de gordura foi estimado utilizando-se o método de Jackson e Pollock proposto para homens com sete dobras cutâneas (subescapular, tricipital, peitoral, axilar média, supra ilíaca, abdominal e femural média) com um plicômetro científico Sanny, com precisão de 1mm. Estatística descritiva. Resultados e Discussão: Ambos os grupos tiveram um aumento da massa magra e diminuição da massa gorda, bem como diminuição do percentual de gordura. Conclusão: Concluímos que, 16 semanas de treinamento de Krav-maga é capaz de reduzir aspectos da composição corporal de veteranos e de iniciantes.</p> João Batista de Andrade Neto Antonio Coppi Navarro Gabriel Moreira Pereira Rayssa Marques Ferreira Francisco Navarro Natalino Salgado Filho Copyright (c) 2020 João Batista de Andrade Neto, Antonio Coppi Navarro, Gabriel Moreira Pereira, Rayssa Marques Ferreira, Francisco Navarro, Natalino Salgado Filho https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 395 400 Ingestão de isoflavonas e biomarcadores de doenças cardiovasculares em mulheres pós-menopáusicas http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1282 <p>Introdução: Mulheres pós-menopáusicas têm o risco aumentado aos eventos coronarianos e a ingestão de isoflavonas tem sido sugerida como amenizadora desse risco. Objetivos: Realizar revisão de literatura sobre os efeitos da ingestão de isoflavonas nos biomarcadores da doença cardiovascular em mulheres pós-menopáusicas. Materiais e Métodos: Realizou-se busca de artigos científicos, publicados no período de 2009 a 2019, nas bases de dados Portal Periódicos Capes, Science Direct, Portal BVS e Pubmed, utilizando-se os seguintes descritores: isoflavones, cardiovascular disease, biomarkers e Postmenopause. Resultados e Discussão: Para esta revisão, foram utilizados 13 artigos científicos originais, na língua inglesa. A maior parte dos estudos encontrou efeitos favoráveis nos biomarcadores para doenças cardiovasculares em mulheres pós-menopáusicas por meio da suplementação com isoflavonas, especialmente em mulheres produtoras do metabólito equol. Conclusão: É importante a realização de mais estudos experimentais a fim de verificar o efeito isolado das isoflavonas na redução do risco cardiovascular em mulheres pós-menopáusicas, de forma a estabelecer os tipos de isoflavonas, a dose e o tempo de suplementação que promoveriam tais benefícios à saúde cardiovascular.</p> Layonne de Sousa Carvalho Vanessa Passos Oliveira Layanne Cristina de Carvalho Lavôr Claudiane Batista de Sousa Láisa Rebecca Sousa Carvalho Karoline de Macedo Gonçalves Frota Marize Melo dos Santos Copyright (c) 2020 Layonne de Sousa Carvalho, Vanessa Passos Oliveira, Layanne Cristina de Carvalho Lavôr, Claudiane Batista de Sousa, Láisa Rebecca Sousa Carvalho, Karoline de Macedo Gonçalves Frota, Marize Melo dos Santos https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 382 394 Eficácia de um programa de intervenção nutricional como estratégia para controle da obesidade e comorbidade http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1281 <p>A transição nutricional resultante do processo de urbanização e industrialização causa grande preocupação devido relação direta ao estilo de vida da população brasileira que marca com aumento da obesidade e doenças crônicas não transmissíveis. Diante disso, o objetivo desse estudo foi avaliar as mudanças nos hábitos alimentares e no perfil antropométrico após intervenção nutricional em servidores da Secretaria Municipal de Saúde de Vila Velha. Trata-se de uma pesquisa de campo, longitudinal, exploratória, intervencional, descritiva, do tipo antes e depois que apresenta uma amostra com 30 indivíduos, com idade entre 18 e 70 anos. O estado nutricional foi analisado por meio de coleta de dados sobre hábitos alimentares, estilo de vida, antecedentes familiares, presença de comorbidades e avaliação antropométrica. A fim de avaliar os hábitos alimentares dos pacientes foi preenchido um questionário de frequência de consumo alimentar para orientação e intervenção nutricional. Os voluntários assinaram o Termo de Consentimento Livre Esclarecido e trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética (CAAE 17241819.0.0000.5068). Os dados foram apresentados a partir de estatística descritiva. Os participantes acompanhados individualmente apresentaram resultados satisfatórios pela redução de peso (-2,17 ± 0,08), consequentemente índice de massa corporal (-0,83 ± 0,59) e circunferência de cintura (- 6,09 ± 3,91). Ambos os grupos apresentaram melhora no estilo de vida com a inserção da prática de atividade física e escolhas alimentares acertadas. Os resultados do estudo ressaltam a relevância do acompanhamento nutricional individual para estes profissionais, visto que o perfil nutricional deles incide diretamente na saúde e no desempenho profissional.</p> Tathielly Pereira Polezes Juliana Couto Gava Mírian Patrícia Castro Pereira Paixão Copyright (c) 2020 Tathielly Pereira Polezes, Juliana Couto Gava, Mírian Patrícia Castro Pereira Paixão https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 370 381 Comparação da composição corporal entre praticantes de academia que fazem ou não uso de suplementos alimentares http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1279 <p>Introdução e objetivo: Os suplementos alimentares vêm sendo utilizados por praticantes de academias como uma estratégia para alcançar mais rápidos seus objetivos e promover modificações na composição corporal. Portanto, objetivou-se avaliar e comparar a composição corporal entre praticantes de academia que fazem ou não o uso de suplementos alimentares. Materiais e métodos: Estudo transversal, realizado com praticantes de academias, que responderam um questionário on-line sobre suplementação alimentar e a composição corporal dos praticantes de academia foi avaliada utilizando uma balança de bioimpedância elétrica. Utilizando-se o teste qui-quadrado de Pearson ou o teste exato de Fischer para as associações entre as variáveis com nível de significância de p&lt;0,05. Resultados: Participaram da pesquisa, 464 praticantes de academias, sendo que 34,1% (n=158) faziam uso de suplementos alimentares. Os suplementos mais consumidos foram os alimentos esportivos (84,8%) e o principal objetivo do uso foi o ganho de massa muscular (72,1 %). Ao avaliar a composição corporal, verificou-se uma associação significativa entre o consumo de suplementos alimentares apenas com a massa muscular (p=0,038). Conclusão: Os praticantes de academia avaliados apresentaram baixo consumo de suplementos alimentares comparado a literatura, sendo estes, na sua maioria, adeptos aos alimentos esportivos com o principal objetivo de uso para ganho de massa muscular. Ademais, dentre os parâmetros antropométricos avaliados, somente massa muscular associou-se a suplementação alimentar, mostrando que os indivíduos que faziam o uso de suplemento alimentar, apresentaram maior prevalência de massa muscular normal, quando comparado aos praticantes de academia que não faziam o uso de suplementos.</p> Thalia Gama da Silva Patrícia Molz Diene da Silva Schlickmann Gabriela Moura Soares Silvia Isabel Rech Franke Copyright (c) 2020 Thalia Gama da Silva, Patrícia Molz, Diene da Silva Schlickmann, Gabriela Moura Soares, Silvia Isabel Rech Franke https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 362 369 Centesimal composition and effects of the intake of solanum americanum on satiety and metabolism of rats http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1274 <p>Dentro da diversidade de frutos da Amazônia com potencial atividade funcional, Solanum americanum, que contém compostos bioativos com potencial para reduzir o ganho de peso, modula o metabolismo, processos inflamatórios e oxidativos. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar a composição centesimal desse fruto e os efeitos da ingestão de Solanum americanum em ratos. A composição centesimal foi determinada e dois grupos foram constituídos recebendo intubação (gavagem), grupo controle de água (CO n = 5) ou 0,3214 ml da fruta por 100 g de peso corporal - grupo experimental (MP n=10). A ingestão de ração e o ganho de peso foram medidos (g) diariamente e no final do estudo, o sangue foi coletado para determinações bioquímicas (mg dl-1). Solanum americanum apresentou 81,36 ± 0,77 g de umidade, 3,58 ± 0,43 g de cinzas, 0,24 ± 0,003 g de proteína, 0,13 g ± 0,01 de lipídios, 14,70 g de carboidratos totais, com pH 4,39 ± 0,02 e acidez titulável de 0,69 ± 0,02 g ácido cítrico 100 g-1. O grupo MP consumiu menos ração (25,05 ± 3,72) do que o grupo CO (28,34 ± 2,93) (p=0,018), sugerindo que o consumo de frutas pode ter proporcionado uma maior saciedade que pode ter refletido na tendência de redução do ganho de peso no grupo MP (p=0,21). Houve uma tendência à redução da glicemia (90,90 ± 22,09) (p 0,47) e colesterol (107,60 ± 16,58) (p=0,54) no grupo MP Os efeitos mencionados acima podem ser atribuídos à presença de compostos bioativos, o que torna o consumo desse fruto amadurecido é uma opção sustentável para o manejo de doenças degenerativas crônicas.</p> Uilma Rodrigues Xavier Robcharles Rodrigues de Oliveira Fernanda Rosan Fortunato Seixas Bruna Kempfer Bassoli Copyright (c) 2020 Uilma Rodrigues Xavier, Robcharles Rodrigues de Oliveira, Fernanda Rosan Fortunato Seixas, Bruna Kempfer Bassoli https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 355 361 Sobrepeso e obesidade em colaboradores técnicos de uma Instituição de Ensino Superior http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1273 <p>Objetivo: analisar a associação do sobrepeso com variáveis sociodemográficas, condições de saúde e indicadores do estilo de vida de colaboradores técnicos de uma instituição de ensino superior privada. Materiais e Métodos: Estudo transversal analítico, realizado em uma instituição particular do norte de Minas Gerais. Adotou-se uma amostra probabilística aleatória, constituída por 101 colaboradores técnicos. A coleta de dados foi realizada atraves da avaliação antropométrica e por meio de questionários (sóciodemográficas, condições de saúde e estilo de vida fantástico). Para análise estatística foi estimada a frequência absoluta e relativa. A associação entre as variáveis foi analisada pelo teste do qui-quadrado e as variáveis associadas até o nível de 20% foram analisadas em conjunto por meio de Regressão Logística, sendo assumidas no modelo final apenas as variáveis associadas até o nível de 5%. Resultados: A prevalência sobrepeso/obesidade foi de 64,4%. Entre os colaboradores técnicos o sobrepeso/obesidade foi associado ao estado civil (OR=1,30 p=&lt;0,021), estar acima do peso (OR=0,783; p=&lt;0,001) e raramente dormir (OR= 1,127; p= 0,023).&nbsp; Conclusão: Conclui-se que o sobrepeso/obesidade é um problema de saúde na instituição de ensino estudado, necessitando de elaborações de medidas preventivas para minimização de fatores que afetam as condições de saúde de cada trabalhador.</p> Ana Luísa Caetano Alvarenga Bruna Alves dos Santos João Guilherme Camelo Gonzaga Larissa Danielle Reis Rocha Rodrigo Fernando Torres Melo Sotero Ronilson Ferreira Freitas Josiane Santos Brant Rocha Copyright (c) 2020 Ana Luísa Caetano Alvarenga, Bruna Alves dos Santos, João Guilherme Camelo Gonzaga, Larissa Danielle Reis Rocha, Rodrigo Fernando Torres Melo Sotero, Ronilson Ferreira Freitas, Josiane Santos Brant Rocha https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 347 354 Perfil corporal de crianças e adolescentes do município de Votuporanga-SP http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1271 <p>Introdução: A composição corporal é um componente primordial do perfil e aptidão física do indivíduo, importante para identificar fatores de risco à saúde associados com baixos ou altos depósitos de gordura corporal. Objetivo: Avaliar e analisar a composição corporal de crianças e adolescentes, comparando os resultados entre os sexos, classificando de acordo com referenciais do PROESP-2016, para IMC, e de Deurenberg e colaboradores (1990) para % de gordura. Materiais e Métodos: Participaram, 363 escolares de ambos os sexos, 9 a 17 anos da rede pública de ensino do município de Votuporanga-SP. O IMC foi calculado através das medidas antropométricas de peso e estatura. O % de gordura foi calculado segundo as equações propostas por Slaughter e colaboradores. Inicialmente, aplicou-se o teste Kolmogorov-Smirnov para a confirmação de normalidade. Após foram efetuadas análises descritivas (média, desvio padrão, frequência). O teste t de Student verificou possíveis diferenças intersexuais nas variáveis estudadas. Resultados: Para IMC a maioria indivíduos (73%, meninas e 78%, meninos) de ambos os sexos apresentaram valores compatíveis com a zona saudável. Já em relação ao % de gordura, notou-se que as meninas possuíam valores mais elevados que os meninos. A amostra geral apresentou similaridade entre os níveis adequados e inadequados, segundo o referencial proposto. Conclusão: Meninos e meninas nessa faixa etária possuem valores aproximados de IMC, pois o peso corporal e estatura são próximos em ambos os sexos. Porém, quando se comparado o % de gordura, as meninas apresentam valores superiores ao dos meninos.</p> Jean Cesar Andrade de Souza Arthur Trombini Francischette Amanda Cunha dos Santos Valter Mariano dos Santos Junior Caciane Dalemolle Souza Copyright (c) 2020 Jean Cesar Andrade de Souza, Arthur Trombini Francischette, Amanda Cunha dos Santos, Valter Mariano dos Santos Junior, Caciane Dalemolle Souza https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-18 2020-10-18 14 87 340 346 Fatores associados ao estresse percebido em universitários http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1270 <p>Introdução: Estudantes universitários lidam diariamente com vários fatores estressores que podem impactar negativamente sua saúde física e mental. Objetivos: Avaliar o estresse percebido em universitários e analisar a relação entre este e estado nutricional, variáveis socioeconômicas e demográficas. Métodos: Trata-se de um estudo observacional do tipo transversal. Participaram 537 estudantes universitários (25,27±7,84 anos) matriculados na Faculdade Barretos, entre os meses de maio de 2015 a junho de 2017. Foram coletadas informações socioeconômicas e demográficas dos participantes. Para a avaliação do estresse percebido foi utilizada a escala Perceived Stress Scale/PSS14. O estado nutricional foi avaliado pelo índice de massa corporal (IMC). As associações de interesse foram estimadas utilizando o teste de Qui-quadrado, considerando-se um nível de significância de 5%. Resultados: A maioria era mulher (62,7%), solteiros (78,4%), com nível econômico B (45,4%), residentes com os pais (72,5%), trabalhadores (80,7%). A prevalência foi de estudantes com excesso de peso (pré-obesidade e obesidade) (48,8%). Dos participantes que apresentaram variação ponderal, 62,2% ganharam peso durante o curso de graduação. Os fatores associados ao estresse percebido em estudantes universitários foram sexo, nível econômico, uso de medicações antidepressivas e/ou ansiolíticas, performance no curso e variação de peso. Conclusão: A maioria dos participantes encontra-se com excesso de peso (pré-obesidade e obesidade) e pertence ao grupo de maior estresse, mas neste estudo não encontramos relação entre o estresse percebido em estudantes e o estado nutricional dos mesmos. O estresse percebido foi associado com as variáveis sexo, nível econômico, uso de medicações, performance no curso e variação ponderal.</p> Ulysses Alahmar Mariana dos Santos Murra Bruna Menegassi Maria Claudia Bernardes Spexoto Copyright (c) 2020 Ulysses Alahmar, Mariana dos Santos Murra, Bruna Menegassi, Maria Claudia Bernardes Spexoto https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 330 339 Garcinia Cambogia evidências científicas da eficácia na perda de peso http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1265 <p>Face à crescente introdução no mercado de suplementos alimentares para perda de peso, é fundamental verificar qual a evidência da eficácia destes produtos na redução de peso. De entre os diversos princípios ativos de origem natural utilizados como adjuvantes na perda de peso encontra-se o Ácido Hidroxicítrico (HCA), extraído da casca de Garcinia Cambogia (GC). Efetuou-se uma revisão da literatura publicada até 2019 sobre este tema, com o objetivo de verificar qual a evidência científica disponível. Seguiu-se o método PRISMA. Foram encontrados 531 artigos, 498 dos quais na base de dados Pubmed, 17 na Lilacs e 16 na Scielo. Destes, apenas 36 artigos foram incluídos na revisão, 20 dos quais realizados em animais, 5 in vitro e 11 ensaios clínicos em humanos. A grande maioria dos estudos em animais reportou diferenças estatisticamente significativas no peso, ingestão energética e massa gorda. Na maioria dos estudos in vitro, o efeito antiadipogénico de GC foi comprovado. Por sua vez, a grande maioria dos ensaios clínicos em humanos falharam em comprovar a eficácia de GC na perda de peso, redução de massa gorda, ingestão energética, entre outros indicadores. Estes resultados atestam a importância de se realizarem mais estudos em humanos por forma a esclarecer a associação de GC com o controlo do peso.</p> Ana Raquel Fernandes Sónia Jornalo Vera Ferro-Lebres Copyright (c) 2020 Ana Raquel Fernandes, Sónia Jornalo, Vera Ferro-Lebres https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 310 329 Excesso de peso e fatores associados entre pacientes atendidos no ambulatório de nutrição de um hospital universitário em Belém-Pa http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1263 <p>O excesso de peso é o desequilíbrio entre o consumo calórico e o gasto energético, tendo a obesidade como caso mais grave, e nas últimas décadas passou a ser um dos maiores problemas de saúde, por estar associada as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) e outras patologias. O objetivo desse estudo foi caracterizar a ocorrência do excesso de peso e os fatores associados entre pacientes atendidos no ambulatório de nutrição de um hospital universitário. Trata-se de um estudo descritivo com caráter exploratório, observacional, quantitativo e transversal, com dados coletados do prontuário eletrônico dos pacientes atendidos no ambulatório de nutrição do Hospital Universitário João de Barros Barreto de Belém (PA), abril de 2018 a abril de 2019.&nbsp; Durante esse período foram selecionados 87 pacientes que preencheram os critérios de inclusão, de ambos os sexos, das quais as mulheres eram a maioria (65,52%), com média de idade 49,4±10,8 anos. Cerca de 82,76% encontravam-se com excesso de peso, em relação aos exames laboratoriais, 70,11% apresentavam glicemia elevada, 57,47% tinham o colesterol total elevado, apenas 50,57% com triglicerídeos elevados, 59,77% estavam com o HDL abaixo da normalidade e 43,68% com LDL elevado, existindo uma correlação positiva leve entre glicemia e trigliceridemia e uma correlação negativa leve entre trigliceridemia e HDL-colesterol. Conclui-se que o excesso de peso foi significativamente frequente na amostra estudada, e a hiperglicemia foi a alteração bioquímica mais prevalente neste estudo.</p> Saymon Mateus da Sillva Oliveira Fernando Vinicius Faro Reis Copyright (c) 2020 Saymon Mateus da Sillva Oliveira, Fernando Vinicius Faro Reis https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 302 309 Indicadores antropométricos de risco cardiovascular em adultos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1261 <p>Introdução: As doenças crônicas não transmissíveis são um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, com ênfase especial nas doenças cardiovasculares, que estão entre as principais causas de morbimortalidade. Nesse contexto, os indicadores antropométricos são ferramentas úteis para identificação precoce de fatores de risco cardiovascular. Objetivo: Este estudo teve como objetivo estimar o risco cardiovascular utilizando diferentes indicadores antropométricos e verificar a associação com o risco nutricional. Material e Métodos: Estudo retrospectivo, analítico descritivo, realizado a partir dos registros de anamnese nutricional de indivíduos atendidos em uma clínica escola. Os indicadores antropométricos de risco cardiovascular foram:&nbsp; Circunferência da Cintura, Relação Cintura-Quadril, Índice de Conicidade, Razão Circunferência Cintura-Estatura e o Índice de massa corporal. Resultados: Foram incluídos 91 participantes, dos quais 87,9% eram do sexo feminino. Segundo o Índice de Massa Corporal, 76,9% estão acima do peso. A maioria da população apresentou risco cardiovascular, sendo a maior prevalência obtida na Circunferência da Cintura e Índice de conicidade (71,4%). Todos os indicadores antropométricos avaliados foram associados entre si. Conclusão: A prevalência de excesso de peso entre os pacientes atendidos no ambulatório da clínica escola é alta, assim como o risco cardiovascular. Os indicadores que melhor identificaram esse risco foram a Circunferência da Cintura e o Índice de Conicidade. Esses resultados destacam a necessidade de políticas públicas locais voltadas para a prevenção das doenças cardiovasculares.</p> Victória Oliveira Dórea Maria Luíza Amorim Sena Pereira Adna Luciana de Souza Copyright (c) 2020 Victória Oliveira Dórea, Maria Luíza Amorim Sena Pereira, Adna Luciana de Souza https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 293 301 Nível de atividade física e qualidade de vida em obesos mórbidos pré-cirurgia bariátrica http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1259 <p>Introdução: A obesidade é uma doença de causas multifatoriais e vem crescendo de maneira alarmante no Brasil e no mundo. Indivíduos obesos, normalmente, tem maior prevalência de menores escores dos domínios da qualidade de vida (QV). Objetivo: Investigar a associação do nível de atividade física (NAF) com QV de obesos mórbidos, antes de realizar a cirurgia bariátrica. Materiais e Métodos: Estudo transversal de amostra composta por 30 participantes do projeto de cirurgia bariátrica do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ. Questionários validados foram aplicados para avaliar o NAF e domínios da QV. Realizou-se análise descritiva dos dados e aplicou-se correlação de Spearman para avaliar correlação entre o tempo total de AF e domínios da QV. Para comparação dos escores dos referidos domínios em relação ao NAF utilizou-se o teste de Wilcoxon (p&lt;0,05). Resultados: Os participantes apresentaram mediana de idade de 41,5 anos e de índice de massa corporal de 47,3 Kg/m². A classificação do NAF apontou que 66,6% desses indivíduos eram ativos. Verificou-se que a mediana do escore de ‘capacidade funcional’ foi significantemente superior entre os participantes ativos. Observou-se correlação positiva entre o tempo de AF e os domínios ‘capacidade funcional’ (r=0,571, p=0,001) e ‘vitalidade’ (r=0,454, p=0,011). Discussão: Estudos apontam que a AF auxilia na melhora da qualidade de vida, inclusive de indivíduos obesos, corroborando com nossos resultados. Conclusão: Conclui-se que o tempo envolvido em AF entre obesos mórbidos está positivamente associado à percepção da qualidade de vida nos domínios capacidade funcional e vitalidade.</p> Carolyna Porto Duarte Silva Alexander Fellipe Lins Moraes Thaís Rangel Bousquet Carrilho Juliene Afonso de Mattos Paula Guedes Cocate Copyright (c) 2020 Carolyna Porto Duarte Silva, Alexander Fellipe Lins Moraes, Thaís Rangel Bousquet Carrilho, Juliene Afonso de Mattos, Paula Guedes Cocate https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 282 292 Consumo alimentar e hábitos de vida de hipertensos atendidos em um ambulatório de nutrição de Pelotas-RS http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1257 <p>Introdução e objetivo: O consumo regular de determinados alimentos, a redução do consumo de sódio, gorduras e açúcares, a prática regular de atividade física e os bons hábitos de vida são essenciais para prevenir e/ou normalizar a hipertensão arterial. O artigo objetivou avaliar o consumo alimentar e os hábitos de hipertensos atendidos em um ambulatório de nutrição no município de Pelotas-RS. Materiais e métodos: Análise de dados secundários provindos dos prontuários. As variáveis analisadas foram: índice de massa corporal, circunferência da cintura, circunferência do pescoço, índice de conicidade, consumo alimentar, variação de peso, percentual de perda de peso, hábitos de vida (tabagismo, etilismo, sedentarismo) e patologias associadas. As análises estatísticas foram realizadas no Stata<sup>®</sup> 12, com nível de significância de 5%. Discussão: Os resultados encontrados são semelhantes a estudos com hipertensos. Resultados:&nbsp; A maioria dos pacientes apresentou excesso de peso, sedentarismo e valores acima do recomendado das medidas antropométricas, mas houve aumento no consumo de frutas, verduras e legumes, leite e derivados, integrais, água, e redução de alimentos ricos em sódio. Conclusão: Bons hábitos de vida e um adequado consumo alimentar são fundamentais no tratamento de pacientes hipertensos, visando a melhoria dos sintomas e na prevenção de comorbidades.</p> Wanderléia Ortiz Martins Alessandra Doumid Borges Pretto Fabiana Barbosa Pacheco Angela Nunes Moreira Copyright (c) 2020 Wanderléia Ortiz Martins, Alessandra Doumid Borges Pretto, Fabiana Barbosa Pacheco, Angela Nunes Moreira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 273 281 Estratégias de promoção da alimentação saudável para escolares da rede municipal da cidade de picos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1256 <p>A alimentação está diretamente ligada ao crescimento e desenvolvimento infantil, portanto, a infância é um período que necessita de bastante atenção quando se fala de alimentação, pois é nessa fase que estão sendo formados os hábitos alimentares. Assim, objetivou-se desenvolver estratégias de promoção da alimentação saudável com escolares da rede municipal da cidade de Picos-Piauí, com a finalidade de despertar o interesse e sensibilizar a comunidade escolar da importância de uma alimentação saudável. Tratou-se de um estudo descritivo, analítico, transversal e interventivo realizado com 186 escolares. Inicialmente, foi aplicado um questionário estruturado (QE) para a realização do diagnóstico situacional. A intervenção educativa foi realizada com duração de três semanas em dois momentos: o primeiro, a explicação da pirâmide através de uma apresentação teatral e dinâmica; e o segundo momento foi reaplicado o QE para a avaliação da efetividade da intervenção. A média de idade foi de 8,5 anos, com maior percentagem do sexo feminino (53,2%). Como diagnóstico situacional, observou-se que os escolares já tinham um conhecimento prévio sobre o tema que seria abordado e com a realização da intervenção, pode-se observar que houve uma melhora desse conhecimento, e quanto ao material utilizado na ação educativa, houve aceitação pela grande maioria. Com a realização da ação educativa pode-se verificar que os escolares avaliados já possuíam um conhecimento prévio sobre a temática de alimentação saudável, bem como a intervenção educativa realizada promoveu um aumento deste conhecimento. Além disso, elucidaram-se dúvidas sobre as recomendações nutricionais diárias voltadas para a faixa etária trabalhada.</p> Vanessa Holanda Lima Vitalina Alves Cavalcante Bruna Barbosa de Abreu Regina Márcia Soares Cavalcante Natália Quaresma Costa Melo Nara Vanessa dos Anjos Barros Copyright (c) 2020 Vanessa Holanda Lima, Vitalina Alves Cavalcante, Bruna Barbosa de Abreu, Regina Márcia Soares Cavalcante, Natália Quaresma Costa Melo, Nara Vanessa dos Anjos Barros https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 263 272 Inatividade física e fatores associados em idosos de uma cidade do sul do Brasil: um estudo transversal http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1255 <p>Introdução e objetivo: O presente estudo avaliou o nível de inatividade física e fatores a ele associados em idosos. Materiais e métodos: Estudo observacional transversal de base domiciliar foi realizado em 282 idosos com ≥60 anos da cidade de Veranópolis-RS. Exame clínico e questionário estruturado foram aplicados. A atividade física foi avaliada pela aplicação da versão curta do instrumento IPAQ (Questionário Internacional de Atividade Física). Associações foram avaliadas pelos testes de qui-quadrado ou Mann-Whitney, apresentadas por intermédio da distribuição de frequências. Análises uni- e multivariadas foram realizadas, utilizando-se regressão de Poisson com variância robusta para verificar as associações entre o desfecho e as variáveis independentes. Resultados: A prevalência de idosos inativos foi de 50,4%. Na análise multivariada, a maior idade e quantidade de problemas de saúde autorreportados foram associadas à inatividade física. Idosos com ≥70 anos tiveram 60% maior Razão de Prevalência (RP) para ser inativos [1,602 (Intervalo de confiança de 95% - IC95%: 1,224 – 2,096)], quando comparados com idosos com &lt;70 anos. Idosos que reportaram 3 ou ≥4 diferentes tipos de problemas de saúde, tiveram, respectivamente, 270% (p=0,029) e 260% (p=0,040), maior RP para ser inativos, quando comparados com idosos sem nenhum problema de saúde reportado. Discussão: Estratégias para o estímulo à atividade física devem ser reforçadas, entre os idosos, especialmente para aqueles com diversos problemas de saúde. Conclusão: Foi detectada uma alta prevalência de inatividade física nos idosos, que foi associado que a idade e a quantidade de problemas de saúde.</p> Marluce de Oliveira Muhl Francisco Wilker Mustafa Gomes Muniz Paulo Roberto Grafitti Colussi Eliane Lucia Colussi Copyright (c) 2020 Marluce de Oliveira Muhl, Francisco Wilker Mustafa Gomes Muniz, Paulo Roberto Grafitti Colussi, Eliane Lucia Colussi https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 251 262 Qualidade de vida relacionada à saúde de adolescentes com excesso de peso http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1254 <p>A obesidade infanto-juvenil é considerada um grande desafio da saúde pública devido seu rápido crescimento mundial. Por ser uma doença crônica, de causa multifatorial, envolve aspectos genéticos, fisiológicos, ambientais e psicológicos, com possíveis implicações na saúde mental, interferindo, diretamente, na qualidade de vida dos indivíduos acometidos. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar a associação da qualidade de vida relacionada à saúde em adolescentes com excesso de peso com aspectos demográficos e econômicos, de estilo de vida e do estado nutricional. Foi realizado um estudo transversal com 100 adolescentes de idade entre 10 e 16 anos, 11 meses e 29 dias de duas escolas públicas municipais de ensino fundamental, localizadas na cidade de Campina Grande-PB. Analisaram-se a qualidade de vida, por meio do Kidscreen-52, variáveis demográficas e econômicas (idade, sexo, cor da pele e classe econômica), o nível de atividade física, tempo de tela e estado nutricional. Foi possível observar que as meninas apresentaram piores condições de qualidade de vida geral e em vários domínios. A cor da pele não branca esteve associada à provocação/bullying (p=0,002). Adolescentes com sobrepeso e irregularmente ativos/sedentários apresentaram maiores frequências de baixa qualidade de vida para os domínios ambiente familiar (p=0,039) e saúde/atividade física (p=0,012), respectivamente. Diante do exposto, conclui-se que o gênero, a cor da pele, IMC e nível de atividade física influenciam na QVRS do adolescente com excesso de peso.</p> Jaqueline Costa Dantas Danielle Franklin de Carvalho Dixis Figueroa Pedraza Carla Campos Muniz Medeiros Copyright (c) 2020 Jaqueline Costa Dantas, Danielle Franklin de Carvalho, Dixis Figueroa Pedraza, Carla Campos Muniz Medeiros https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 241 250 Fatores associados à obesidade em adultos quilombolas baianos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1251 <p>Introdução: A obesidade tem forte relação com as características sociais, elementos do estilo de vida e alterações fisiológicas. Esta enfermidade vem sendo apontada como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo por conta da associação com as doenças crônicas não-transmissíveis. Informações acerca da temática voltadas para populações negras são restritas, principalmente relacionadas aos quilombolas. Objetivo: Analisar a prevalência da obesidade e os fatores associados em adultos quilombolas baianos. Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa de base populacional, com amostra de 850 adultos quilombolas de ambos os sexos. A obesidade foi determinada pela balança de bioimpedância. A regressão de Poisson foi usada para testar as associações, considerando análise bruta e ajustada. Resultados: A prevalência da obesidade foi de 63,0% (Intervalo de Confiança de 95%: 59,7:66,3). Na análise múltipla permaneceram associados (p&lt;0,05) sexo e situação conjugal. Discussão: Apesar da escassez de referências sobre a temática na população, é possível indicar que a prevalência de obesidade em quilombolas é maior que em outras populações. A associação com o sexo e estado civil corrobora com a literatura. Conclusão: Ser do sexo feminino e estar casado/viúvo aumentam significativamente a probabilidade para a ocorrência da obesidade.</p> Aline Gomes Santos Fábio Thomaz Melo Mariana da Silva Santos Ricardo Franklin de Freitas Mussi Copyright (c) 2020 Aline Gomes Santos, Fábio Thomaz Melo, Mariana da Silva Santos, Ricardo Franklin de Freitas Mussi https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2020-10-17 2020-10-17 14 87 230 240