RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento http://www.rbone.com.br/index.php/rbone <p>ISSN 1981-9919 versão online</p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento (RBONE)</strong> É uma publicação do <strong>Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercí­cio (IBPEFEX)</strong>, É de periodicidade bimestral, com publicação de artigos cientí­ficos, fruto de pesquisas e estudos de cientistas, professores, estudantes e profissionais que lidam com a Epidemiologia da Obesidade, da Nutrição Humana com fundamentação na fisiologia humana no âmbito da saúde, do esporte, da educação e da estética.</p> <p>&nbsp;</p> <p>The&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Obesity, Nutrition and Weightloss (RBONE)</strong>&nbsp;is published by the&nbsp;<strong>Brazilian Institute for Research and Education in Exercise Physiology (IBPEFEX)</strong>&nbsp;is a bimonthly publication with scientific articles, result of research and studies of scientists, professors, students and professionals who deal with the Epidemiology of Obesity, Human Nutrition with background in human physiology in health, sport, education and aesthetics.</p> <p>&nbsp;</p> <p>La&nbsp;<strong>Revista Brasileña de Obesidad, Nutrición y Pérdida de peso (RBONE)</strong>&nbsp;es publicada por el&nbsp;<strong>Instituto Brasileño para la Investigación y Educación en Fisiología del Ejercicio (IBPEFEX)</strong>, es una publicación bimensual con artí­culos cientí­ficos, el resultado de la investigación y los estudios de los cientí­ficos, los profesores estudiantes y profesionales que se ocupan de la epidemiología de la obesidad, la nutrición humana con base en la fisiología humana en la salud, el deporte, la educación y la estética.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/index.php/rbone/about/submissions#onlineSubmissions"><strong>Clique aqui para submeter seu artigo</strong></a></p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>RBONE</strong> é indexada nas seguintes <a href="/index.php/rbone/announcement/view/1">bases de dados</a>:</p> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC ONEFILE</a>,&nbsp;<a href="http://www.ebscohost.com/academic/academic-search-premier" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC SEARCH PREMIER</a>, <a href="http://journal-index.org/index.php/asi" target="_blank" rel="noopener">ASI</a>,&nbsp;<a href="http://www.base-search.net/" target="_blank" rel="noopener">BASE</a>, <a href="http://dialnet.unirioja.es" target="_blank" rel="noopener">DIALNET</a>, <a href="http://doaj.org/" target="_blank" rel="noopener">DOAJ</a>, <a href="http://www.drji.org/" target="_blank" rel="noopener">DRJI</a>,&nbsp;<a href="http://ebscohost.com/" target="_blank" rel="noopener">EBSCO</a>,&nbsp;<a href="http://www.who.int/hinari/" target="_blank" rel="noopener">HINARI</a>,&nbsp;<a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">INFORME ACADÊMICO</a>,&nbsp;<a href="http://oaji.net/" target="_blank" rel="noopener">OAIJ</a>, <a href="https://www.redib.org/pt-pt" target="_blank" rel="noopener">REDIB</a>,&nbsp;<a href="http://www.sherpa.ac.uk/romeo/" target="_blank" rel="noopener">SHERPA RoMEO</a>, <a href="http://www.sumarios.org" target="_blank" rel="noopener">SUMÁRIOS.ORG</a>,&nbsp;<a href="http://apps.webofknowledge.com" target="_blank" rel="noopener">WEB OF SCIENCE</a>,&nbsp;<a href="https://www.worldcat.org/" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <div>&nbsp;</div> </div> <div>nas <a href="/index.php/rbone/announcement/view/5">bases indexadoras</a>:</div> <div>&nbsp;</div> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://www.citefactor.org/" target="_blank" rel="noopener">CITEFACTOR</a>,&nbsp;<a href="http://ezb.uni-regensburg.de/" target="_blank" rel="noopener">CZ3</a>,&nbsp;<a href="http://diadorim.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">DIADORIM</a>,&nbsp;<a href="https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/index" target="_blank" rel="noopener">ERIH PLUS</a>,&nbsp;<a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">FMJ</a>, <a href="http://globalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF&nbsp;(Global Impact Factor)</a>, <a href="http://generalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF (General Impact Factor)</a>,&nbsp;<a href="http://scholar.google.com.br" target="_blank" rel="noopener">GOOGLE SCHOLAR</a>,&nbsp;<a href="http://impactfactorservice.com/" target="_blank" rel="noopener">IIFS</a>,&nbsp;<a href="http://www.journalindex.net/" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://www.jourinfo.com/index.html" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INFORMATICS</a>, <a href="http://www.journals4free.com/" target="_blank" rel="noopener">J4F</a>, <a href="http://www.journaltocs.ac.uk" target="_blank" rel="noopener">JOURNALTOCS</a>, <a href="http://www.latindex.unam.mx" target="_blank" rel="noopener">LATINDEX</a>, <a href="https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp" target="_blank" rel="noopener">LIVRE!</a>, <a href="http://miar.ub.edu/" target="_blank" rel="noopener">MIAR</a>, <a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/" target="_blank" rel="noopener">PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES</a>,&nbsp;<a href="http://seer.ibict.br/" target="_blank" rel="noopener">SEER</a>, <a href="http://sindexs.org/Default.aspx" target="_blank" rel="noopener">SIS</a>,&nbsp;<a href="http://www.sjifactor.inno-space.org/" target="_blank" rel="noopener">SJIF</a>,&nbsp;<a href="http://sjournals.net/" target="_blank" rel="noopener">SJOURNALS INDEX</a>, <a href="http://oasisbr.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">OASISBR</a>, UIF, <a href="http://qualis.capes.gov.br/webqualis/" target="_blank" rel="noopener">QUALIS PERIÓDICOS</a></li> </ul> </div> <div> <p>e nas <a href="/index.php/rbone/announcement/view/7">universidades/bibliotecas</a>:&nbsp;</p> <ul> <li class="show"><a href="https://neos.library.ualberta.ca/uhtbin/cgisirsi/x/0/0/57/5?user_id=WUAARCHIVE&amp;searchdata1=ocn876515913" target="_blank" rel="noopener">ALBERTA</a>&nbsp;(Canada),&nbsp;<a href="http://aleph-www.ub.fu-berlin.de/F/BJNPRR5F7A6N8XBPRLPE4M9UIN7LDKVAA4CN54TM5SB5QBD2SB-07562?func=find-e&amp;request=Revista+brasileira+de+obesidade%2C+nutri%C3%A7%C3%A3o+e+emagrecimento&amp;find_scan_code=FIND_WRD&amp;adjacent=N" target="_blank" rel="noopener">BERLIN</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="http://ul-newton.lib.cam.ac.uk/vwebv/search?searchCode1=ISSN&amp;searchType=2&amp;argType1=any&amp;searchArg1=1981-9919" target="_blank" rel="noopener">CAMBRIDGE</a>&nbsp;(Inglaterra),&nbsp;<a href="https://opac.ub.tum.de/search?bvnr=BV042713271" target="_blank" rel="noopener">MUNIQUE</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="https://searchworks.stanford.edu/?q=876515913" target="_blank" rel="noopener">STANFORD</a>&nbsp;(Estados Unidos), <a href="http://copac.jisc.ac.uk/" target="_blank" rel="noopener">COPAC</a>,&nbsp;<a href="https://ie.on.worldcat.org/oclc/876515913" target="_blank" rel="noopener">IE LIBRARY</a>, <a href="http://www.rebiun.org/" target="_blank" rel="noopener">REBIUN</a>,&nbsp;<a href="http://www.sudoc.abes.fr/" target="_blank" rel="noopener">SUDOC (L'ABES)</a>,&nbsp;<a href="http://www.worldcat.org/oclc/876515913" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <p>&nbsp;</p> </div> <div> <p><a href="/index.php/rbone/announcement/view/6"><strong>FATOR DE IMPACTO DA RBONE</strong></a></p> <p><strong><strong><a href="/index.php/rbone/announcement/view/10"><strong>CIRC DA RBONE</strong></a></strong></strong></p> </div> pt-BR <p>Autores que publicam neste periódico concordam com os seguintes termos:</p> <ul> <li class="show">Autores mantém os direitos autorais e concedem ao periódico o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons Attribution License BY-NC</a> que permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada neste periódico (ex.: publicar em repositório institucional ou como capí­tulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citaçao do trabalho publicado (Veja <a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li> </ul> francisco@ibpefex.com.br (Francisco Navarro) francisco@francisconunesnavarro.com.br (Francisco Nunes Navarro) ter, 29 mar 2022 00:00:00 -0700 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Perfil antropométrico e conhecimento nutricional de professores do ensino fundamental http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1711 <p>Introdução: O professor desempenha cargos e atividades que vão além do seu horário de aulas, influenciando negativamente o estilo e qualidade de vida. Objetivo: avaliar o conhecimento nutricional e a associação com o perfil antropométrico de professores do ensino fundamental. Materiais e Métodos: Este estudo transversal quantitativo avaliou no ano de 2019, 173 professores do ensino fundamental de Manhuaçu-MG por meio da aplicação da Escala de Conhecimento Nutricional (ECN), questionário do perfil sociodemográfico avaliação da Razão Cintura Estatura (RCE). Análises de regressão logística simples foram empregadas na associação das variáveis e o desfecho considerando nível de significância de 5%. Resultados e Discussão: A idade média foi de 42,6 anos e prevalência do sexo feminino. O conhecimento nutricional foi moderado e o perfil antropométrico com sobrepeso e obesidade na maioria (58,4%). O risco cardiometabólico teve associação positiva para sexo masculino, os mais velhos e os que não realizam exercício físico. A idade menor que 42 anos se destacou como fator favorável na manutenção do perfil corporal eutrófico. Estudos com professores mostraram resultados semelhantes no conhecimento nutricional e muitos com sobrepeso e obesidade. Observou-se em outro estudo que avaliou risco cardiometabólico (RCE), uma tendência de aumento nas prevalências de risco com o avançar da idade, assim como o presente estudo, porém com maiores percentuais de risco nas mulheres. Conclusão: A maioria dos professores apresentou conhecimento moderado em relação nutrição, e não foi possível verificar associação entre perfil antropométrico e o conhecimento nutricional.</p> Emiliane Rodrigues Dutra, Flávia Martão Flório, Luciane Zanin de Souza Copyright (c) 2022 Emiliane Rodrigues Dutra, Flávia Martão Flório, Luciane Zanin de Souza https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1711 ter, 29 mar 2022 06:20:57 -0700 Protocolo de terapia nutricional do paciente crítico e obeso com covid-19 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1710 <p>Introdução: O novo coronavírus (SARS-CoV-2) é um patógeno que acomete principalmente o sistema respiratório, sendo o causador da COVID-19. Esse vírus pode afetar todos os grupos populacionais, entretanto indivíduos obesos são mais suscetíveis a evoluir com um quadro mais grave da doença. A obesidade pode ocasionar alterações do sistema imunológico, aumento do risco de infecções e aumento da taxa de mortalidade por COVID-19. Diante de maiores complicações relacionadas com a obesidade e a COVID-19, é necessário o tratamento específico para esses indivíduos no ambiente hospitalar. Portanto, o objetivo do estudo foi desenvolver um protocolo de atendimento&nbsp;nutricional a pacientes obesos com diagnóstico de COVID-19. Metodologia: A busca dos trabalhos foi realizada em base de dados PubMed, MEDLINE, LILACS, SciELO e Google Scholar, utilizando os descritores coronavirus, COVID-19, SARS-CoV-2, SARS-CoV como termo principal, associados a obesity, body composition, infflamation, adipose tissue, nutrition, critical illness. Resultados: foi estabelecido um protocolo para realização da avaliação e triagem de risco nutricional, com definição da via de alimentação pela equipe médica com o auxílio da equipe multiprofissional. As estimativas das necessidades calóricas e proteicas devem ser baseadas de acordo com a avaliação nutricional. Discussão: A avaliação, triagem e terapia nutricional adequadas são fundamentais para melhor recuperação de pacientes obesos. Devido a redução da ingestão alimentar e os sintomas gastrointestinais ocasionada pela COVID-19, é fundamental monitorar os sintomas e a tolerância a dieta ofertada. Conclusão: um protocolo de atendimento nutricional com padronizações de condutas nutricionais pode garantir menores complicações e contribuir para a redução da taxa de mortalidade.</p> Barbara da Costa Borba, Fabiola Aurélio Costa, Raphaela Moiana da Costa, Amélia Cristina Stival Duarte Copyright (c) 2022 Barbara da Costa Borba, Fabiola Aurélio Costa, Raphaela Moiana da Costa, Amélia Cristina Stival Duarte https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1710 ter, 29 mar 2022 06:14:27 -0700 Prevalência de sobrepeso/obesidade e sua associação com a qualidade do sono e sonolência diurna entre os estudantes de medicina da Universidade de Vassouras, Vassouras-RJ http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1706 <p>A obesidade é uma doença crônica de proporções pandêmicas e tem sido relacionada com a privação de sono em alguns estudos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a prevalência de sobrepeso/obesidade, do aumento da circunferência do pescoço (CP) da qualidade do sono e sonolência diurna nos estudantes de medicina (EM) da Universidade de Vassouras e avaliar a associação entre os dados antropométricos e distúrbios do sono. Realizou-se um estudo transversal e observacional, sendo composto por três etapas: avaliação sociodemográfica, avaliação clínica e aplicação de questionários do sono. O estudo incluiu 92 EM do 1º ao 10º período, sendo 63% do sexo feminino. Do grupo total 26,1% apresentam sobrepeso e 6,5% apresentam obesidade, 8% apresentam medida de CP acima da normalidade, 64,1% apresentam sono ruim, 3,2% apresentam distúrbio do sono e 47,4% apresentam sonolência diurna excessiva. Não houve correlação estatisticamente significativa entre as variáveis antropométricas e as alterações do sono. A prevalência de sobrepeso/obesidade foi similar ao resultado encontrado no estudo prévio realizado na mesma Universidade, com uma amostra de 55 EM. Sendo assim, os dados do presente trabalho corroboram o estudo anterior de avaliação antropométrica nesta mesma Universidade. A ausência da associação entre as variáveis antropométricas e as distúrbios do sono tem como possível explicação o baixo número de estudantes incluídos. Estudos com maior número de envolvidos serão necessários para confirmar estes resultados.</p> Thainá Dotti de Vilhena Junqueira, Carlos Eduardo Cardoso, Vivian Carole Moema Ellinger, Cintia Marques dos Santos Silva Copyright (c) 2022 Thainá Dotti de Vilhena Junqueira, Carlos Eduardo Cardoso, Vivian Carole Moema Ellinger, Cintia Marques dos Santos Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1706 ter, 29 mar 2022 06:10:14 -0700 Hábitos alimentares e grau de satisfação de discentes usuários do restaurante universitário da universidade federal do triângulo mineiro http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1705 <p>Objetivo: Avaliar os hábitos alimentares e satisfação com relação ao cardápio de discentes usuários do Restaurante Universitário na Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Materiais e Métodos: Participaram da pesquisa 150 discentes, de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 18 anos, e usuários do Restaurante Universitário há pelo menos seis meses. Foi aplicado um questionário, no qual foram avaliadas presença de doenças, alergias e intolerâncias alimentares, e estilo da alimentação; hábitos alimentares; e grau de satisfação quanto ao cardápio. Resultados e Discussão: Constatou-se que 88,00% dos indivíduos relataram ausência de doenças, e 82,67% não possuem estilo definido de alimentação. Quanto à utilização do Restaurante Universitário, 45,33% afirmaram que frequentam de 3 a 4 vezes na semana, sendo a localização o principal motivo para frequentá-lo. De forma geral, os universitários possuem um consumo adequado de cereais, leguminosas, carnes, hortaliças folhosas e não folhosas, e frutas. Em contrapartida, houve baixa aceitação de doces, e baixo consumo de peixes e ovos. Na avaliação da qualidade do cardápio, a temperatura e a apresentação das preparações apresentaram melhor aceitação, enquanto o porcionamento da carne interferiu negativamente na satisfação. Baseados na análise e sugestões dos usuários, propôs-se melhorias quanto ao cardápio, e elaboração de papéis bandeja visando a conscientização de alimentação saudável. Conclusão: Pode-se observar que a maioria dos discentes não apresentavam problemas de saúde e estilos alimentares definidos. Os usuários utilizavam no almoço o Restaurante Universitário devido à localização, e ingeriam com frequência os principais grupos alimentares. Identificou-se também que no geral a satisfação com relação ao cardápio foi satisfatória.</p> Simone Abadia Aparecida da Costa, Fernanda Bringel de Pádua Assis, Gabriela Fornazari, Patrícia Maria Vieira, Emiliane Andrade Araújo Naves Copyright (c) 2022 Simone Abadia Aparecida da Costa, Fernanda Bringel de Pádua Assis, Gabriela Fornazari, Patrícia Maria Vieira, Emiliane Andrade Araújo Naves https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1705 ter, 29 mar 2022 06:09:30 -0700 Associação entre padrões alimentares de idosos e o surgimento de sarcopenia: uma revisão sistemática http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1704 <p>Introdução: A sarcopenia é caracterizada pela redução de força e massa muscular se apresentando como um problema de saúde pública que acomete os indivíduos ao longo dos anos. De caráter multifatorial, pode estar relacionada a doenças no funcionamento dos órgãos, à inatividade física e má alimentação. Tem-se estudado a possibilidade de haver correlação entre padrões alimentares e sarcopenia, indicando uma boa relação entre uma alimentação habitual saudável na proteção contra o desenvolvimento dessa síndrome. Objetivo: Analisar a associação entre os padrões alimentares dos idosos e o surgimento de sarcopenia. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão sistemática, que foi elaborada seguindo os itens de relatórios preferenciais para análises sistemáticas e metanálises (PRISMA), realizada por meio das bases de dados eletrônicas: PubMed, Embase e Web of Science que após uma avaliação criteriosa dos artigos, contou como amostra final de 05 estudos. Resultados: Através das análises dos estudos que variaram entre os anos de 2008 a 2020, sendo sua maioria publicadas em 2020, foi possível constatar diferentes tipos de padrões alimentares e como estes influenciam na prevenção, retardo da sarcopenia ou risco de desenvolvimento da mesma, sugerindo uma associação positiva entre padrões alimentares mais saudáveis no&nbsp;tratamento de perdas de massa e força muscular relacionadas à idade. Conclusão: Evidenciam-se o papel de uma boa nutrição no envelhecimento humano, tanto na prevenção, quanto no controle da sarcopenia, contudo, ficou claro que não existe um padrão alimentar específico, mas sim diferentes padrões alimentares saudáveis que apresentam resultados promissores quanto ao desenvolvimento da sarcopenia.</p> Raíra Kirlly Cavalcante Bezerra, Joene Vitória Rocha Santos, Francisca Patrícia Barreto de Carvalho Copyright (c) 2022 Raíra Kirlly Cavalcante Bezerra, Joene Vitória Rocha Santos, Francisca Patrícia Barreto de Carvalho https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1704 ter, 29 mar 2022 06:07:06 -0700 Prevalência de excesso de peso e fatores associados em gestantes atendidas em uma maternidade filantrópica http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1702 <p>Introdução: A inadequação do estado nutricional materno pode favorecer o desenvolvimento de intercorrências gestacionais que podem influenciar diretamente as condições de saúde do concepto e da mãe. Objetivo: Verificar a prevalência do excesso de peso e fatores associados ao estado nutricional das gestantes atendidas em uma maternidade filantrópica de São Luís-MA. Material e métodos: Tratou-se de um estudo transversal e analítico, realizado no ambulatório de ginecologia. Participaram 170 gestantes com faixa etária de 20 a 39 anos. Foi aplicado um questionário com variáveis socioeconômicas e demográficas, estilo de vida, reprodutivas e antropométricas. Foi realizada a análise multivariada pelo método de regressão de Poisson. Resultados: Das 170 gestantes avaliadas, 88,2% apresentaram excesso de peso. O excesso de peso foi associado as mulheres que viviam com o companheiro (OR: 4,13; IC 95% 1,15 – 14,8) e aquelas que se encontravam no segundo trimestre gestacional (OR: 4,03; IC 95% 1,02-15,83). Discussão: A literatura aponta que o excesso de peso pré-gestacional, o ganho excessivo de peso na gravidez e a multiparidade são fatores de risco para o desenvolvimento do excesso de peso. Conclusão: Identificar os fatores que têm associação com o excesso de peso durante a gestação é de grande relevância, visto que permite uma maior atenção a qualquer outro agravante que possa ser somado a estes e assim se realize intervenções precoces na tentativa de minimizar os riscos.</p> Mayara Rayla dos Santos Sousa, Wirla Salete Ferreira Vieira, Andressa Pestana Brito, Allanne Pereira Araújo, Gabrielle Vieira da Silva Brasil, Flor de Maria Araújo Mendonça Silva, Adriana Sousa Rêgo, Janaina Maiana Abreu Barbosa Copyright (c) 2022 Mayara Rayla dos Santos Sousa, Wirla Salete Ferreira Vieira, Andressa Pestana Brito, Allanne Pereira Araújo, Gabrielle Vieira da Silva Brasil, Flor de Maria Araújo Mendonça Silva, Adriana Sousa Rêgo, Janaina Maiana Abreu Barbosa https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1702 ter, 29 mar 2022 06:00:10 -0700 Consumo hídrico e prevalência de constipação intestinal em acadêmicas de uma instituição de ensino privada de Blumenau-SC http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1701 <p>A constipação intestinal é caracterizada por um retardo no esvaziamento intestinal de difícil definição pois para defini-la, é preciso levar em conta a frequência de evacuações, a consistência das fezes e a sensação de esvaziamento intestinal completo. O presente estudo teve como objetivo analisar a prevalência de constipação intestinal em acadêmicas do curso de nutrição em uma instituição privada de ensino superior de Blumenau, Santa Catarina. Trata-se de uma pesquisa de natureza quantitativa sistemática do tipo transversal. A coleta de dados foi realizada no período de 03/11/20 a 10/11/20 através da aplicação de um questionário virtual, elaborado de acordo com os Critérios de Roma III e avaliação do consumo hídrico. Compuseram a amostra do estudo 50 acadêmicas, cuja faixa etária variou entre 20 e 39 anos. Os resultados sugeriram que 54% das participantes apresentaram dois ou mais sintomas sugestivos de constipação intestinal. Os sintomas mais prevalentes relatado pelas participantes foram: sensação de evacuação incompleta, 54% (n=27) e fezes endurecidas/ fragmentadas 54% (n=27). No que se refere à ingestão total de água pura relatada, 14 participantes afirmaram consumir a quantidade recomendada pelo Guia Alimentar para a População Brasileira (dois litros), o que corresponde a 28 % da amostra. Desta maneira, conclui-se que este estudo representa uma contribuição para o reconhecimento da importância da constipação intestinal, uma vez que a presença de tais sintomas influencia na qualidade de vida dos indivíduos.</p> Ionara Bensberg Viscki, Laís Sabrine de Oliveira Copyright (c) 2022 Ionara Bensberg Viscki, Laís Sabrine de Oliveira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1701 ter, 29 mar 2022 05:41:06 -0700 Cirurgia bariátrica induz alterações positivas composição corporal em adultos idosos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1700 <p>O número de idosos aumentou consideravelmente nos últimos anos, assim como o número de idosos obesos também está aumentando. Objetivo: o objetivo deste estudo foi avaliar as alterações na composição corporal de idosos após 3, 6 e 12 meses de cirurgia bariátrica. Materiais e Métodos: Participou do estudo uma coorte histórica de 35 idosos (62,35 ± 1,47 anos) submetidos à cirurgia bariátrica. A composição corporal foi analisada por bioimpedância elétrica. Dados sobre atividade física e perfil alimentar também foram analisados. Resultados: Houve redução significativa do peso corporal e percentual de gordura após a cirurgia, e a massa muscular esquelética apresentou estabilização 6 meses após a cirurgia. Quarenta e oito por cento dos participantes aderiram a uma combinação de treinamento aeróbio e de resistência e a uma maior ingestão de proteínas após a cirurgia. Conclusão: Acreditamos que nosso principal achado foi a manutenção da massa muscular magra apesar da redução de peso após a cirurgia e que esta foi associada à combinação do treinamento resistido e ao aumento da ingestão proteica.</p> Carolina Boeira Vargas, Francine Picolli, Carina Rossoni, Caroline Dani, Claudio Corá Mottin, Ana Paula Machado, Rafael Reimann Baptista Copyright (c) 2022 Carolina Boeira Vargas, Francine Picolli, Carina Rossoni, Caroline Dani, Claudio Corá Mottin, Ana Paula Machado, Rafael Reimann Baptista https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1700 ter, 29 mar 2022 05:37:49 -0700 Perfil dietético antioxidante de mulheres climatéricas hipertensas do sul do brasil http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1696 <p>Introdução: O estresse oxidativo está envolvido na fisiopatologia da hipertensão arterial sistêmica (HAS) e o papel dos antioxidantes nesse contexto ainda precisa ser melhor compreendido. Objetivo: avaliar a prevalência de hipertensão e a relação com ingestão de polifenóis e capacidade antioxidante total dietética (DTAC) em mulheres climatéricas da Serra Gaúcha-RS, Brasil. Materiais e métodos: 41 mulheres participaram do estudo (CEP 2.420.632; 07/12/2017) e foram submetidas a aferições de peso, altura, circunferência da cintura e pressão arterial. Aplicaram-se diferentes questionários visando a obtenção de informações sociodemográficas e de saúde, além do Recordatório Alimentar de 24 horas. Comparações entre os grupos hipertenso e não hipertenso foram feitas através de teste t de Student ou qui-quadrado. Resultados: A prevalência de HAS na população foi de 29,27 % (IC<sub>95% </sub>14,73; 43,81) e as mulheres hipertensas apresentaram IMC estatisticamente superior ao das não hipertensas (p=0,047). Embora sem diferença estatística, observou-se que o grupo hipertenso apresentou DTAC e ingestão de polifenóis totais diminuídos (9 e 11 % de redução, respectivamente). O mineral magnésio teve sua ingestão significativamente reduzida (30 %; p=0,006) pelas mulheres hipertensas. Observou-se que elas exibiram uma ingestão abaixo do recomendado para as vitaminas A e E. Dentre os alimentos e bebidas que contribuíram para aumentar a DTAC das participantes, o café ficou em primeiro lugar em ambos os grupos. Conclusão: Esses dados demonstram a importância do monitoramento do consumo de antioxidantes visando a prevenção e/ou controle da hipertensão e de doenças relacionadas à saúde do coração, em mulheres climatéricas.</p> Priscila Boff Duarte , Natiani Gonçalves de Oliveira , Iranice Taís Teixeira , Heloísa Theodoro, Catia Santos Branco Copyright (c) 2022 Priscila Boff Duarte , Natiani Gonçalves de Oliveira , Iranice Taís Teixeira , Heloísa Theodoro, Catia Santos Branco https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1696 ter, 29 mar 2022 05:32:46 -0700 Índice de adiposidade corporal e a sua correlação com o percentual de gordura corporal avaliado por absorciometria por dupla emissão de raios x em idosas do sul do brasil http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1695 <p>Objetivo: Verificar a correlação entre o percentual de gordura corporal (%GC) avaliado pelo Índice de Adiposidade Corporal (IAC) com o %GC avaliado por absorciometria por dupla emissão de raios X (DXA) em mulheres idosas. Materiais e Métodos: Estudo transversal, com idosas submetidas à densitometria óssea em uma clínica de imagem no noroeste do Rio Grande do Sul. Os dados sociodemográficos foram avaliados por meio de questionário estruturado pelos pesquisadores. O %GC foi avaliado por DXA e pelo IAC. Para o cálculo do IAC foi aferida a estatura utilizando um estadiômetro de balança antropométrica. A circunferência do quadril (CQ) foi medida com uma fita métrica na parte mais protuberante do quadril. O IAC foi calculado por meio da equação IAC = [Quadril / (altura x √altura) – 18]. Resultados: Participaram do estudo 205 idosas, com idade média de 67,3 ± 5,8 anos. Houve maior prevalência de mulheres com companheiro (61,5%), aposentadas (90,2%) e com escolaridade entre 4 e 8 anos de estudo (47,3%). Em relação à adiposidade, a média do %GC demonstrado pelo IAC foi de 34%, e avaliado por DXA foi de 40,59%.&nbsp; A correlação de Pearson foi significativa e alta (r=0,714; p&lt;0,001) e o Coeficiente de Correlação Intraclasse foi de 0,649 (IC95%, -0,106 e 0,852, p&lt;0,001) sendo considerado forte. Conclusão: Na amostra de idosas do sul do Brasil, o IAC obteve uma alta correlação com o % de GC mensurado pela DXA, podendo ser utilizado como um índice complementar para avaliar a adiposidade desta população.</p> Tauani Landini Tonietto, Letícia Mazocco, Arielen Ferigollo, Ângela Giovana Batista, Patrícia Chagas Copyright (c) 2022 Tauani Landini Tonietto, Letícia Mazocco, Arielen Ferigollo, Ângela Giovana Batista, Patrícia Chagas https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1695 ter, 29 mar 2022 05:29:00 -0700 Indicadores antropométricos de obesidade em idosos: dados do estudo base http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1694 <p>Introdução: Ao longo do envelhecimento ocorrem mudanças fisiológicas e comportamentais, que tornam o idoso mais vulnerável ao acúmulo excessivo de gordura. Isso aumenta a probabilidade de desenvolvimento de doenças crônicas e o risco de mortalidade. Objetivo: Analisar a prevalência de obesidade por diferentes indicadores antropométricos em idosos de um município de pequena população do nordeste brasileiro. Material e Método: Estudo epidemiológico, com delineamento transversal, realizado com idosos residentes na zona urbana de Aiquara-BA. As informações sociodemográficas foram obtidas em formulário específico, em entrevistas. Foram avaliados os seguintes indicadores antropométricos: Índice de Massa Corporal (IMC), Perímetro da Cintura (PC), Relação Cintura-Quadril (RCQ), Relação Cintura-Altura (RCE) e Índice de Conicidade (IC). O Software Statistical Package for Social Sciences realizou a análise descritiva das variáveis ​​e o teste qui-quadrado de Pearson (x2) (p≤0,05). Resultados e Discussão: O estudo foi realizado com 232 idosos (58,8% mulheres), com idade entre 60 e 93 anos. A média de idade foi de 71,6 ± 7,4 (idosas: 71,2 ± 7,0; homens idosos: 72,1 ± 8,0). Destes, 29,5% apresentavam sobrepeso/obesidade, 45,2% PC elevado, 67,1% RCQ acima do recomendado, 82,4% RCQ elevado e 53,3% com IC alterado. Maior proporção de sobrepeso/obesidade (36,6%), PC elevado (64,2%), RCQ alterada (86,2%) e IC elevado (60,7%) ocorreu em mulheres; e sobrepeso/obesidade (33,7%) e RCQ elevada (85,5%) entre os idosos de 60 a 79 anos (p&lt;0,05). Conclusão: Houve alta prevalência de obesidade total e abdominal entre os idosos do município de Aiquara-BA, principalmente entre as idosas e na faixa etária de 60 a 79 anos.</p> Cloves Sales Souza Alves, Lucas dos Santos, Paulo da Fonseca Valença Neto, Cláudio Bispo de Almeida, Sabrina da Silva Caires, Cezar Augusto Casotti Copyright (c) 2022 Cloves Sales Souza Alves, Lucas dos Santos, Paulo da Fonseca Valença Neto, Cláudio Bispo de Almeida, Sabrina da Silva Caires, Cezar Augusto Casotti https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1694 ter, 29 mar 2022 04:14:17 -0700 Nutrição comportamental no cuidado á pessoa com transtornos mentais: relato de caso http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1685 <p>Introdução e objetivo: A abordagem comportamental é uma ferramenta nutricional utilizada na prática clínica que visa a promoção de mudanças e facilita a adesão ao tratamento, podendo ser utilizada em pacientes com transtornos mentais que apresentam dificuldades de adesão aos tratamentos convencionais. O objetivo deste estudo foi relatar o caso de um paciente com síndrome metabólica e transtornos mentais, usuário de um centro de atenção psicossocial. Materiais e métodos: Trata-se de um relato de caso, com delineamento descritivo, de caráter narrativo e reflexivo. O acompanhamento nutricional foi realizado durante quatro meses na forma de abordagem comportamental, utilizando-se das estratégias de entrevista motivacional e aconselhamento nutricional, visando instigar o paciente a reconhecer suas dificuldades e a promover mudanças efetivas no seu comportamento alimentar, através de metas e planos de ação para aplicabilidade delas. Discussão: As estratégias utilizadas neste caso apresentaram efetividade no atendimento. A abordagem comportamental foi capaz de produzir modificações em suas escolhas alimentares e redução gradual de peso, além de serem técnicas de fácil aplicação e adesão na prática clínica. Conclusão: A conduta nutricional aplicada neste caso foi positiva para as modificações no comportamento alimentar do usuário, demonstrando ser uma estratégia que pode ser amplamente aplicada em situações semelhantes a este estudo.</p> Leticia Ferreira Pires, Ana Leticia Vargas Barcelos, Karina Sanches Machado d'Almeida , Matheus Baneiro Cardoso Copyright (c) 2022 Leticia Ferreira Pires, Ana Leticia Vargas Barcelos, Karina Sanches Machado d'Almeida , Matheus Baneiro Cardoso https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1685 ter, 29 mar 2022 04:00:34 -0700 Programa de educação nutricional e exercício físico para escolares com excesso de peso http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1676 <p>Objetivo: avaliar os efeitos de um programa de intervenção interdisciplinar de educação nutricional e prática de exercício físico sobre a composição corporal, perfil lipídico e conhecimento nutricional de escolares. Materiais e Métodos: ensaio clínico randomizado incluindo 33 escolares com excesso de peso (60,6% do sexo feminino; 8,6±1,0 anos; 39,3±7,0 kg; 133,3±7,4 cm; 22,0±2,8 kg/m<sup>2</sup>). Os participantes foram divididos em dois grupos, intervenção (n=14) e controle (n=19). O programa de intervenção foi composto por dez sessões de educação nutricional e 30 sessões de exercícios físicos, realizados com as crianças e seus pais durante dez semanas. As medidas antropométricas, níveis lipídicos, consumo alimentar e o escore de pontos no jogo digital foram avaliadas antes e após a intervenção. Resultados: O consumo energético no grupo de intervenção mostrou uma diminuição significativa (Δ=-503,40), em relação ao controle (Δ=-123,92) após a intervenção. Ao final do programa, foi observado aumento significativo para todas as variáveis do perfil lipídico das crianças do grupo controle (CT: Δ=24,58; HDL-c: Δ=4,7; LDL-c: Δ=15,48; e TG: Δ=38,26). Contudo, para os escolares do grupo intervenção houve apenas aumento significativo da HDL-c (Δ=14,7). Também se verificou que as crianças do grupo intervenção aumentaram o nível de conhecimento sobre alimentação saudável após intervenção, o que não aconteceu no grupo controle. Conclusão: A intervenção foi positiva para aumentar a HDL-c, diminuir o consumo energético, melhorar percentual de gordura e o conhecimento sobre alimentação saudável das crianças com excesso de peso.</p> Fátima Raimunda dos Santos, Wilkslam Alves de Araújo, Thaynã Alves Bezerra, Anastácio Neco de Souza Filho, Geovani Alves dos Santos, Ferdinando Oliveira Carvalho Copyright (c) 2022 Fátima Raimunda dos Santos, Wilkslam Alves de Araújo, Thaynã Alves Bezerra, Anastácio Neco de Souza Filho, Geovani Alves dos Santos, Ferdinando Oliveira Carvalho https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1676 ter, 29 mar 2022 03:59:27 -0700 Distúrbio de imagem corporal e transtornos alimentares em universitários da área da saúde http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1672 <p>Os transtornos alimentares (TA) são caracterizados como doenças marcadas por modificações no comportamento alimentar e possuem etiologia multifatorial. Em concomitância, a imagem corporal é um importante componente do mecanismo de identidade pessoal e corresponde à satisfação e sentimentos relativos à figura mental do corpo. No cenário dos TA, a anorexia nervosa (AN) e a bulimia nervosa (BN) são as mais comuns, sendo que estudos mostram que universitários de cursos da área de saúde são mais suscetíveis ao seu desenvolvimento. Assim, o presente estudo objetivou investigar a prevalência de transtornos alimentares associado ao distúrbio de imagem corporal, em universitários da área da saúde em uma universidade comunitária da região norte do Rio Grande do Sul. Este, foi realizada através de um formulário eletrônico enviado ao e-mail institucional dos alunos, apresentando questões demográficas, socioeconômicas, antropométricas, o questionário Eating Attitudes Test - EAT-26 e a Escala de Silhuetas de Stunkard. Foram avaliados 125 universitários, 90,4% da amostra era composta por mulheres com faixa etária prevalente de 21 a 45 anos (55,2%). Em relação ao estado nutricional, 66,1% dos estudantes estavam eutróficos. Quanto ao risco para desenvolvimento de TA e insatisfação corporal, 31% dos estudantes apresentaram risco e 63,5% estão insatisfeitos, respectivamente. Foi identificado que os estudantes que possuem risco para desenvolvimento de TA, também possuem maior média de IMC, além de 43% apresentarem insatisfação corporal por excesso de peso. Dessa forma, se torna importante explorar os determinantes dos resultados encontrados, promovendo ações que possam intervir nos prejuízos nutricionais e psicológicos dos indivíduos.</p> Paula Canali, Thais Caroline Fin, Valeria Hartmann, Cintia Gris, Ana Luisa Sant'Anna Alves Copyright (c) 2022 Paula Canali, Thais Caroline Fin, Valeria Hartmann, Cintia Gris, Ana Luisa Sant'Anna Alves https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1672 ter, 29 mar 2022 03:56:51 -0700 Perfil nutricional de hipertensos antes e após a ingestão de água hiportermal enriquecida com minerais http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1669 <p>Introdução: A disponibilidade de diferentes águas minerais, algumas com indícios de propriedades terapêuticas, torna necessário investigar sua interação com os hábitos nutricionais. Objetivo: Analisar o perfil nutricional antes e após 10 dias de ingestão de água hipotérmica enriquecida com minerais em hipertensos. Materiais e Métodos: Quinze adultos hipertensos (73% mulheres), 47,9±7,7 anos, foram divididos aleatoriamente entre grupo controle (GC; n=7) e grupo experimental (GE; n=8). Durante 10 dias os indivíduos ingeriram água hipotérmica enriquecida com minerais ou água mineral placebo, com quantidade estabelecida em 75% de: 1500ml + 20ml * peso corporal. Os participantes foram instruídos a manterem seus hábitos alimentares. Macro e micronutrientes foram calculados pelo software DietPro® 5i com as informações obtidas dos recordatórios de 24h aplicados antes e após a ingestão da água mineral. Resultados: Para ambos os grupos, não houve diferenças significativas entre os macros e micronutrientes da dieta avaliados antes e após a intervenção. Quando comparados no pré e pós-intervenção, também não havia diferenças entre eles, exceto para fibra onde a quantidade consumida pelo GC no pós-intervenção era maior que aquela consumida pelo GE (p=0,034). Houve uma tendência à associação entre a ingesta calórica e o peso corporal ao início da intervenção (p=0,071). Conclusão: Não houve alteração em relação a dietética antes e após 10 dias de ingestão de água hipotermal enriquecida com minerais, sugerindo que o consumo desse tipo de água não interfere no padrão alimentar. Entretanto, estudos envolvendo maior número de participantes e maior período de consumo são necessários.</p> Isadora Lopes de Oliveira, Luiza Amaral Vilela, Marina Garcia Manochio-Pina, Daniel dos Santos, Eliane Aparecida Castro Copyright (c) 2022 Isadora Lopes de Oliveira, Luiza Amaral Vilela, Marina Garcia Manochio-Pina, Daniel dos Santos, Eliane Aparecida Castro https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1669 ter, 29 mar 2022 03:52:54 -0700 Percepção de indivíduos que experienciaram o processo de preparação para cirurgia bariátrica (bypass gástrico) http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1667 <p>Introdução: A obesidade é uma doença crônica e traz consigo uma gama de doenças, dentre elas a hipertensão arterial e o diabetes tipo 2.&nbsp; Índice de massa corpórea acima de 40 kmg/m<sup>2</sup> e 35 kmg/m<sup>2</sup> com presença de comorbidades possuem indicação para cirurgia bariátrica. A técnica mais praticada no Brasil é o bypass gástrico, devido à sua segurança e eficácia. Objetivo: Avaliar a percepção de indivíduos que experienciaram o processo de preparação para cirurgia bariátrica modelo bypass gástrico. Materiais e métodos: Estudo descritivo, exploratório e retrospectivo, realizado em um município da região Oeste do Paraná, em clínica conveniada ao SUS. A coleta de dados foi realizada por questionário enviado por WhatsApp devido à pandemia de Covid-19. Resultados e discussão: Participaram dez indivíduos, 80% mulheres. Predomínio da idade entre 35 e 55 anos, 80% possuíam filhos, apenas um mora só e 70% possuem ensino superior. Motivos de ganho de peso são variados e 60% pesavam de 110 a 139 quilogramas. Um indivíduo não possuía doença decorrente à obesidade e todos tentaram algum método de emagrecimento previamente. Todos se submeteram à cirurgia para melhorar a saúde, 80% tiveram apoio da família e 60% têm familiares que realizaram o procedimento. O processo preparatório durou de quatro meses a um ano e 20% pensaram em desistir por medo. O atendimento multiprofissional foi avaliado como fundamental para se submeterem à cirurgia. Conclusão: É importante o atendimento da equipe multiprofissional para a preparação do paciente a ser submetido à cirurgia, otimizando assim a segurança dos resultados alcançados.</p> Maycon Hoffmann Cheffer, Kerli de Meira Golfetto, Marielle Passos Silva Copyright (c) 2022 Maycon Hoffmann Cheffer, Kerli de Meira Golfetto, Marielle Passos Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1667 ter, 29 mar 2022 03:43:54 -0700 Prevalência e fatores de risco relacionados à síndrome metabólica em militares do exército brasileiro na guarnição de Santa Maria-RS http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1664 <p>Introdução: A Síndrome Metabólica (SM) é um dos principais desafios no século. Estudos evidenciam um panorama de epidemia com associação à obesidade, alertando acerca dos riscos para a saúde mundial.&nbsp; Os militares não são exceções, mesmo com treinamentos físicos regulares, padrões alimentares restritos e estilo de vida ativo, eles também estão sujeitos ao acometimento pela síndrome. Objetivo: Identificar a prevalência e os fatores de risco relacionados à Síndrome Metabólica, em militares do Exército Brasileiro (EB) na Guarnição de Santa Maria-RS. Materiais e Metodos: Estudo transversal, composto por 224 militares, em Organizações Militares do EB, composta por questionário sociodemográfico, avaliação antropométrica, aferição da pressão arterial e análise de prontuários eletrônicos para os exames bioquímicos. A SM foi classificada de acordo com os critérios do National Cholesterol Education Program Adult Treatment Panel III (NCEP-ATP III). Resultados: A prevalência da SM foi de 16,1%, indivíduos sindrômicos possuíam idades superiores e com mais tempo de carreira militar (p&lt;0,001), e apresentavam peso e IMC mais elevados, (p&lt;0,001). Os parâmetros clínicos de participantes com SM mostraram (p&lt;0,001). Militares que não praticavam atividade física tiveram RP aumentada para SM em 106,3%. Conclusão: Ainda que menos propensa à obesidade em relação à população civil, a amostra apresentou grande número de militares com sobrepeso ou obesos. Destacou-se na pesquisa, ainda, a forte associação entre a inatividade física e a Síndrome Metabólica. O presente estudo revela a necessidade de medidas de cautela na instituição visando que os índices apontados não venham a, doravante, convergir para os indicadores da população geral.</p> Alessandra Soares Ayres Fraga, Rômulo de Oliveira Fraga, Natielen Jacques Schuch Copyright (c) 2022 Alessandra Soares Ayres Fraga, Rômulo de Oliveira Fraga, Natielen Jacques Schuch https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1664 ter, 29 mar 2022 03:42:54 -0700 Avaliação do comportamento alimentar de indivíduos obesos em acompanhamento nutricional em uma unidade Ambulatorial especializada http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1662 <p>Introdução: novos recursos científicos têm sido incorporados para a melhor compreensão e abordagem terapêutica da obesidade. Dentre esses, a avaliação do comportamento alimentar demonstra possuir grande correspondência com as diversas variáveis que permeiam a obesidade. Materiais e Métodos: este estudo avaliou o comportamento alimentar, por meio do Three Factor Eating Questionnaire, de 30 indivíduos (50%) no início do tratamento e 30 (50%) que já estavam inseridos em um programa de tratamento para a obesidade por pelo menos seis meses e comparou os resultados encontrados com o perfil antropométrico, escolaridade, idade e número de consultas nutricionais e tempo de tratamento. A coleta de dados aconteceu durante o período de março a agosto de 2020. Resultados: foram encontradas relações expressivas entre restrição cognitiva (p=0,02), compulsão alimentar (p=0,02) e alimentação emocional (p=0,01) entre os grupos. Da mesma forma, houve relevância estatística entre a escolaridade e o número de consultas em cada grupo e entre eles. Discussão: Os resultados condizem com estudos que utilizaram parâmetros de tempo e populacional semelhantes, elucidando que a alteração do comportamento alimentar em indivíduos com obesidade por meio deste instrumento pode ser decisiva para o sucesso da redução ponderal e de sua manutenção no pós-tratamento. Conclusão: a avaliação do comportamento alimentar demonstrou ser uma ferramenta relevante para o tratamento da obesidade e, por isso, os instrumentos de avaliação devem ser utilizados para possibilitar a perda de peso e a manutenção desse resultado a longo prazo.</p> Andre Henrique Haddad Serejo, Fernanda Bezerra Queiroz Farias, Cássia Regina de Aguiar Nery Luz Copyright (c) 2022 Andre Henrique Haddad Serejo, Fernanda Bezerra Queiroz Farias, Cássia Regina de Aguiar Nery Luz https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1662 ter, 29 mar 2022 03:38:53 -0700 Efeitos do óleo essencial de lavandula angustifolia associado a massagem com auxílio pedras quentes na redução de ansiedade e perda de peso em mulheres obesas http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1649 <p>Introdução: A obesidade está intimamente relacionada com a qualidade de vida, além disso fatores psicológicos e comportamentais podem explicar a relação entre obesidade e ansiedade/depressão, para incentivar a promoção de saúde, a aromaterapia é um recurso com resultados satisfatórios, pouco explorado na redução de ansiedade e peso em indivíduos obesos. Objetivo: Investigar a relação do uso do óleo essencial de Lavandula angustifolia na redução do escore de ansiedade e perda de peso em mulheres obesas. Matérias e Métodos: estudo de intervenção sem grupo controle, composto por mulheres obesas, os dados foram coletados de abril a outubro de 2019, foram analisadas medidas antropométricas (peso/altura), para mensurar a ansiedade foi utilizado o Inventario de Ansiedade de Beck (BAI). A intervenção foi massagem e inalação do óleo essencial de Lavandula angustifolia à 3%, diluída no óleo vegetal de amêndoas doces, totalizou 8 sessões de massagem, as quais tiveram duração de 35 minutos, além do contato com a lavanda durante a massagem, as participantes levaram para casa um frasco com o mesmo óleo do procedimento, para pingar 1(uma) gota no travesseiro antes de dormir, diariamente, pelos 30 dias que participariam da pesquisa. Resultados: Diminuição da ansiedade (p=0,002), assim como redução do peso (p=0,022), porém sem alterar o índice de massa corporal (p=0,110). Conclusão: A aromaterapia com o óleo essencial de Lavandula angustifolia pode ser usada como um tratamento alternativo para a redução de ansiedade e consequentemente perda de peso de pessoas com obesidade.</p> Larissa Santos Nunes, Jerônimo Costa Branco, Sheila Spohr Nedel, Juliana Saibt Martins Copyright (c) 2022 Larissa Santos Nunes, Jerônimo Costa Branco, Sheila Spohr Nedel, Juliana Saibt Martins https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1649 ter, 29 mar 2022 03:30:28 -0700 Avaliação da redução da gordura corporal mediante o acompanhamento nutricional http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1642 <p>Introdução: Existem diversos fatores que podem contribuir para o aumento da gordura corporal como, aumento na ingestão de alimentos, falta de tempo para preparar as refeições, aumento na oferta de produtos, dificuldades na escolha dos alimentos saudáveis e a ausência de exercício fí­sico. Objetivo: Avaliar a variação do percentual de gordura corporal em pacientes de uma clí­nica de emagrecimento em Montes Claros-MG. Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo longitudinal e com abordagem quantitativa. Foram avaliados 60 prontuários, de ambos os sexos dos quais tinham objetivo redução de gordura corporal. Foi coletado os dados do exame de bioimpedância, para comparar as medidas iniciais e após oito semanas de acompanhamento nutricional. As análises foram apresentadas por meio de estatí­stica descritiva, sendo verificadas por teste t de student. Resultados e Discussão: Dos 60 prontuários 88,3% (n=53) eram do sexo feminino, a idade da amostra variou de 18 a 49 anos. Após intervenção nutricional houve uma perda média de 5,7 kg no peso corporal, ao compararmos o peso médio antes e após 8 semanas de acompanhamento. Ao verificar a classificação de percentual de gordura corporal para cada idade, revelou que em todas as faixas etárias houve diminuição de gordura corporal. Quando há uma redução gordura corporal pode ocorrer um declínio na classificação do IMC, assim, diminuindo o risco de obesidade. Conclusão: O acompanhamento nutricional mostrou-se importante para melhora significativa da redução da gordura corporal.</p> Laís Lisboa Carneiro, Debbye Polyane Pereira de Queiroz, Sarah Gonçalves de Souza, Mariana Mendes Pereira Copyright (c) 2022 Laís Lisboa Carneiro, Debbye Polyane Pereira de Queiroz, Sarah Gonçalves de Souza, Mariana Mendes Pereira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1642 ter, 29 mar 2022 03:27:23 -0700 Tempo de realização de cirurgia e sua relação com as atitudes alimentares de mulheres bariatrizadas http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1659 <p>Objetivo: Estudar a relação do tempo de realização da cirurgia bariátrica e hábitos alimentares associados a recidiva de peso na população feminina.&nbsp; Materiais e Métodos: Estudo transversal, observacional, desenvolvido com integrantes de grupos de plataformas sociais, sendo composto por 290 participantes que realizaram a cirurgia bariátrica com tempo de pós-operatório maior que dois anos. As variáveis analisadas foram perfil sociodemográfico de saúde, tipos de cirurgia, tempo de cirurgia, qualidade de vida com questionário (BAROS, QHCA, Escala de compulsão alimentar periódica) e perfil dietético. O estudo foi comprovado pelo comitê de ética Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP, CAAE: 33659120.8.0000.5507. Resultados: Mulheres entre 30 e 39 anos realizaram cirurgia a mais de dois anos (Χ2=11,15; p=0,004), relatando possuir alguma doença pregressa à cirurgia, principalmente, doenças cardiovasculares. A compulsão alimentar mais grave e ingestão externa aumentada aconteceu antes dos dois anos de cirurgia; e maior ganho de peso e piora da qualidade de vida aconteceu quanto maior o tempo da realização da cirurgia. Conclusão: A realização da cirurgia bariátrica, por mulheres, tem ocorrido de forma cada vez mais precoce, com a recidiva ponderal iniciando aos 2 anos pós-cirúrgico, o que reduz a percepção da qualidade de vida e promovendo a compulsão alimentar.</p> Janile Maria da Silva, Milena Cristina Prestes, Vanessa Riper, Joseane Almeida Santos Nobre, Glenys Mabel Caballero Córdoba Copyright (c) 2022 Janile Maria da Silva, Milena Cristina Prestes, Vanessa Riper, Joseane Almeida Santos Nobre, Glenys Mabel Caballero Córdoba https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1659 ter, 29 mar 2022 03:12:43 -0700 Análise do perfil lipídico e glicose em pacientes adolescentes e adultos jovens http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1656 <p>Introdução: As doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) são um problema de saúde pública importante. A cada ano, seus índices aumentam, associando-se a gastos públicos, elevadas taxas de morbidade e mortalidade. Maus hábitos, como tabagismo, falta de alimentação saudável, sedentarismo, alcoolismo, são fatores de risco para as DCNTs pois se relacionam com obesidade, dislipidemia, aumento da glicose e alta incidência de hipertensão arterial. Objetivo: avaliar o perfil lipídico e glicose em pacientes adolescentes e adultos jovens de 10 a 24 anos. Materiais e Métodos: Os dados foram obtidos de forma retrospectiva buscando-se os anos de 2016 a 2019 no banco de dados de um laboratório de Análises Clínicas do município de Arroio do Meio-RS, interior do Estado. Resultados: Foram avaliados 1143 pacientes, onde a análise dos parâmetros laboratoriais revelou que 6,9% estavam acima dos valores de referência para glicose em jejum, 40,5% para colesterol total, 26,4% para triglicerídeos, 33% para LDL e 11,3% abaixo do mínimo para HDL. Discussão: Através dos dados obtidos neste estudo foi possível apontar a existência de fatores de risco em jovens, sendo que maus hábitos podem iniciar precocemente e contribuir de forma importante para a perpetuação e aumento das DCNTs. Existe um aumento na obesidade no Brasil que deve ser freado com ações voltadas também ao público jovem. Conclusão: É importante alertar a população e ressaltar a necessidade de exames de rotina para controle e acompanhamento do estado de saúde, podendo auxiliar na prevenção e detecção precoce de problemas de saúde e fatores de risco relacionados às DCNTs.</p> Georgia Muccillo Dexheimer, Betina Kraemer Copyright (c) 2022 Georgia Muccillo Dexheimer, Betina Kraemer https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1656 ter, 29 mar 2022 03:05:29 -0700 Prevalência de obesidade grau I, grau II e grau III na população adulta residente nas capitais dos estados e distrito federal em 2019 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1653 <p>Objetivo: Descrever a prevalência de obesidade grau I, grau II e grau III em adultos residentes nas capitais dos estados e Distrito Federal em 2019, estratificada por sexo e idade. Materiais e Métodos: Estudo transversal com dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. A obesidade graus I, II e III foi classificada utilizando-se o Índice de Massa Corporal: 30,0-34,9 kg/m<sup>2</sup>, 35,0-39,9 kg/m<sup>2</sup> e ≥ 40,0 kg/m<sup>2</sup>. Foram estimadas prevalências de obesidade e população com obesidade grau I, II e III para cada capital estadual e Distrito Federal. Resultados: Maiores prevalências de obesidade graus I, II e III, tanto em homens quanto mulheres; em homens, as maiores prevalências registram-se em Campo Grande, Porto Velho e Natal; em mulheres, em Macapá, Porto Velho e Macapá. Conforme a idade, houve tendência de aumento; em homens, as maiores prevalências atingiram-se nos grupos 35-44, 45-54 e 55-64 anos, em mulheres nos grupos 45-54, 55-64 e 65 anos e mais. Em 2019, 5,2 milhões, 1.3 milhões e 634,2 mil adultos, de ambos os sexos, foram classificados como obesos graus I, II e III. São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal contribuíram com 44,2%, 46,4% e 46,8% dos adultos obesos graus I, II e III, respectivamente. Conclusão: Verifica-se, entre as capitais dos estados e DF, maiores prevalências de obesidade I, II e III, tanto em homens quanto mulheres e aumentos conforme a idade; em ambos os sexos, as maiores prevalências de obesidade corresponderam à obesidade grau I.</p> Victor Manuel Arocena Canazas, Cleidjane Gomes Faustino, Fernando Antonio de Medeiros Copyright (c) 2022 Victor Manuel Arocena Canazas, Cleidjane Gomes Faustino, Fernando Antonio de Medeiros https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1653 ter, 29 mar 2022 03:01:52 -0700 Prática consumo alimentar de indivíduos com diabetes e/ou hipertensão atendidos na atenção primária à saúde http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1648 <p>Introdução: O Diabetes Mellitus (DM) e a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) são consideradas problemas de saúde pública de importante alerta, representando um desafio para gestores e equipe de saúde que devem atuar promovendo ações educativas que estimulam o consumo alimentar e nutricional adequado. Objetivo: Avaliar o consumo alimentar de indivíduos com diabetes e/ou hipertensão atendidos na Atenção Primária à Saúde. Materiais e Métodos: Estudo transversal epidemiológico, observacional e quantitativo. Realizado na cidade de Montes Claros-MG, Brasil; os dados sobre o consumo alimentar foram coletados utilizando um questionário de frequência alimentar (QFA) e posteriormente, analisados com auxílio do software AVANUTRI<sup>®</sup> versão 3.1.1. Resultados: Participaram da pesquisa 89 pacientes adultos; sendo o público feminino de maior predominância (66,3%), com renda familiar ≤ 1 salário-mínimo (80,9%). Quanto aos aspectos clínicos, 14,6% da população apresentou DM e HAS associadas. Quanto as análises quantitativas da ingestão alimentar de macronutrientes, observou- se que o consumo de lipídeos atingiu a média de 151,86 g, o consumo de carboidratos alcançou a mediana de 256g e a ingestão proteica de 145,13g. Além destes, foram constatados elevado consumo de sódio e colesterol, que foram de 3583,45 mg e 936,00 mg, respectivamente. Conclusão: Indivíduos diabéticos e/ou hipertensos atendidos na atenção primária à saúde apresentam condutas alimentares inadequadas, o que pode estar associado ao difícil acesso aos alimentos saudáveis, que são agravados pela condição socioeconômica precária.</p> Samara Cardoso de Jesus, Solange de jesus Santana, Ronilson Ferreira Freitas Copyright (c) 2022 Samara Cardoso de Jesus, Solange de jesus Santana, Ronilson Ferreira Freitas https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1648 ter, 29 mar 2022 03:01:09 -0700 Estudo populacional do uso de práticas integrativas e complementares para o alívio da sintomatologia associada à síndrome pré-menstrual http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1637 <p>A menstruação, um sangramento ginecológico que se repete periodicamente na ausência de gravidez, está associada à Síndrome Pré-Menstrual, caracterizada por alterações físicas e emocionais como irritabilidade, cólicas, dor lombar, cefaleia e mastalgia. Devido ao impacto desses sintomas na rotina, a automedicação se torna prática frequente. Porém, os fármacos tradicionalmente utilizados para esse fim podem acarretar efeitos colaterais, tais como: alterações gastrointestinais e renais, risco cardiovascular, tromboembolismo, entre outros. Considerando a importância de se propor métodos naturais de manejo da dor à população feminina, este estudo teve o objetivo de observar as práticas integrativas e complementares mais utilizadas pelas mulheres adultas acometidas pela Síndrome Pré-Menstrual no Nordeste brasileiro e discutir as evidências na literatura sobre o benefício da adoção dessas práticas. A pesquisa foi realizada a partir de aplicação de questionário on-line. Para o resultado, foi utilizada análise de frequência e Teste Qui-Quadrado de Pearson pelo programa IBM SPSS Statistics. Os resultados mostraram alta prevalência dos sintomas associados a SPM entre as participantes do estudo e considerável impacto desses sintomas na vida social e produtividade no trabalho. Também pode-se observar que a adoção de práticas como ioga, aromaterapia, meditação e fitoterapia contribuem para o alívio dos sintomas pré-menstruais. Uma vez que a fitoterapia se mostrou bastante eficiente nesse sentido, buscou-se evidências na literatura sobre as propriedades das ervas mais utilizadas pela amostra estudada. Concluiu-se que consumo rotineiro de ervas com propriedades anti-inflamatórias e analgésicas tem muito a contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população feminina.</p> Ana Carolina de Macêdo Macário, Milena Maia Dantas dos Santos, Rafaella de Andrade Silva Cavalcanti Copyright (c) 2022 Ana Carolina de Macêdo Macário, Milena Maia Dantas dos Santos, Rafaella de Andrade Silva Cavalcanti https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1637 ter, 29 mar 2022 02:55:06 -0700 Relação entre o consumo alimentar e o risco de desenvolvimento de ansiedade e depressão entre universitários na região metropolitana do Recife-PE http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1636 <p>Introdução: Um consumo alimentar inadequado pode acarretar o desenvolvimento de depressão e ansiedade diante da possibilidade de induzir a deficiências de nutrientes essenciais para a química cerebral. Diante do contexto que estão inseridos, o público universitário pode ter propensão a hábitos alimentares com a presença de alimentos pobres em nutrientes, como os processados e ultra processados. Objetivo: analisar a relação entre o consumo alimentar e o risco de desenvolvimento da ansiedade e depressão entre universitários. Materiais e Métodos: estudo transversal, com 105 adultos, de ambos os sexos, estudantes nos cursos de graduação do núcleo de saúde, moradores da região metropolitana do Recife-PE. Foi aplicado um Questionário Frequência Alimentar (QFA), uma escala de ansiedade e depressão e um questionário que avaliou o nível de atividade física. Tais questionários foram, auto-preenchidos de forma online, sendo as análises de dados feitas pelo programa IBM SPSS Statistics, utilizando análise de frequência e Teste Qui-Quadrado de Pearson. Resultados e discussão: Uma quantidade representativa da amostra é classificada em possível risco para desenvolver depressão 40(38,1%) e 33(31,4%) para desenvolver a ansiedade e que o consumo de carnes em geral (p* 0,003) teve efeito protetor para depressão e o consumo de legumes (p*&lt;0,033) para ansiedade, os demais alimentos não obtiveram significância estatística (p*&gt;0,05). Conclusão: Os alimentos destacados, classificados como minimamente processados, são quali-quantitativamente mais nutritivos do que os alimentos processados e ultraprocessados, contribuindo, assim, com um adequado desenvolvimento e manutenção da saúde mental.</p> Livian Pereira Jacinto da Silva, Milena Maia Dantas dos Santos, Rafaella de Andrade Silva Cavalcanti Copyright (c) 2022 Livian Pereira Jacinto da Silva, Milena Maia Dantas dos Santos, Rafaella de Andrade Silva Cavalcanti https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1636 ter, 29 mar 2022 02:39:45 -0700 Avaliação do comportamento alimentar de mulheres com excesso de peso http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1632 <p>O comportamento alimentar está ligado aos aspectos psicológicos, no campo da nutrição ele é analisado com o objetivo de observar e identificar hábitos alimentares e comportamentos dos indivíduos diante o alimento. A ansiedade e estresse são alguns gatilhos para compulsão alimentar. O objetivo deste estudo foi avaliar o comportamento alimentar e presença de compulsão alimentar periódica (CAP) em mulheres com excesso de peso que utilizam as redes sociais. Trata-se de um estudo de caráter prospectivo, descritivo, corte transversal e análise qualitativa e quantitativa. A pesquisa foi realizada com 36 mulheres adultas, na qual 1 foi excluída do estudo por não apresentar excesso de peso, que utilizam e participam de grupos relacionados a dietas e alimentação saudável nas redes sociais. Para coleta de dados utilizou-se um questionário semiestruturado para avaliação de hábitos alimentares e Escala de Compulsão Alimentar Periódica (ECAP). 75,7% das participantes relataram comer em momentos de estresse e chateação, sendo que 64,9% possuem preferência pelos doces nesses momentos. De acordo com o escore obtido na ECAP, 45,7% (n=16) mulheres apresentaram compulsão alimentar. Concluiu-se que em momentos causados pelo estresse e ansiedade a maioria das mulheres tendem a aumentar a quantidade de alimentos ingeridos, muitas vezes se alimentando mesmo sem fome, como forma de suprir esse sentimento, preferindo alimentos que consiste em alto valor calórico, como os doces.</p> Poliany de Jesus Oliveira Barbosa, Gabriela Santos Cordeiro, Kássia Héllen Vieira Copyright (c) 2022 Poliany de Jesus Oliveira Barbosa, Gabriela Santos Cordeiro, Kássia Héllen Vieira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1632 ter, 29 mar 2022 02:38:49 -0700 Avaliação nutricional de pacientes com hepatite B e/ou C atendidos em centro de referência da Amazônia oriental brasileira http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1631 <p>Introdução: Para avaliação nutricional de pacientes com hepatopatias recomenda-se a combinação de diversos parâmetros nutricionais. Objetivo: Avaliar o estado nutricional de pacientes diagnosticados com hepatite B e/ou C. Materiais e métodos: Estudo transversal, descritivo e analítico, realizado no período de junho a novembro de 2017 em um Centro de Referência da Amazônia Oriental, com pacientes diagnosticados com hepatite B e/ou C. Foi realizada avaliação antropométrica (índice de massa corporal, circunferência do braço, prega cutânea tricipital, circunferência muscular do braço, área muscular do braço corrigida e prega cutânea subescapular) e do consumo alimentar (recordatório de 24 horas). Para análise dos dados, foram realizados teste t de Student ou de Mann-Whitney, além de teste G ou Qui-Quadrado, considerando significativos quando p≤0.05. Resultados: 81 pacientes avaliados. Em relação a avaliação antropométrica, não foi observada diferença estatística significativa entre as médias e as classificações dos grupos avaliados. Entretanto, a maioria dos pacientes apresentou adequação para CB (61,73%; p=0.034), CMB (66,67%; p=0.002) e PCSE (79,01%; p&lt;0.000). Quanto ao consumo alimentar, não houve diferença estatística significativa em relação aos grupos, apresentando médias semelhantes para consumo calórico e de macronutrientes. Conclusão: Ressalta-se a importância da avaliação nutricional nesses pacientes, para contribuir com a prevenção de desordens nutricionais.</p> Manuela Maria de Lima Carvalhal, Tayna Carvalho Pereira, Katy Crisley Xavier Coelho, Matheus Perini Furlaneto, Elisabeth Cristine Dias Ribeiro, Pilar Maria de Oliveira Moraes, Lizomar de Jesus Maués Pereira Móia, Juarez Antonio Simões Quaresma Copyright (c) 2022 Manuela Maria de Lima Carvalhal, Tayna Carvalho Pereira, Katy Crisley Xavier Coelho, Matheus Perini Furlaneto, Elisabeth Cristine Dias Ribeiro, Pilar Maria de Oliveira Moraes, Lizomar de Jesus Maués Pereira Móia, Juarez Antonio Simões Quaresma https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1631 ter, 29 mar 2022 02:38:03 -0700 Alimentação vegetariana e não vegetariana e o risco de doenças crônicas não transmissíveis em adultos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1630 <p>O número de pessoas adeptas ao vegetarianismo teve um crescimento significativo sendo motivadas por várias questões desde religiosas a morais. Foi demonstrada em estudos uma relação positiva da adoção de uma alimentação vegetariana na redução de risco de doenças crônicas não transmissíveis. Faz-se necessário o estudo acadêmico e clínico dos benefícios do vegetarianismo e seus riscos ao bem-estar físico e mental. O objetivo do estudo foi avaliar a qualidade de vida de vegetarianos e não vegetarianos, com relação à redução do risco de desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis. Trata-se de um estudo com corte transversal que apresenta caráter descritivo e abordagem qualitativa. Foram incluídos 10 vegetarianos e 10 onívoros, de ambos os sexos, e com faixa etária de 20 a 60 anos. O estilo de vida foi avaliado através de um questionário semiestruturado e avaliação do estado nutricional através de dados antropométricos como Índice de Massa Corporal (IMC), circunferências e pregas cutâneas. 50% dos onívoros e 40% dos vegetarianos apresentavam eutrofia, 20% dos onívoros e 50% dos vegetarianos, sobrepeso, 20% dos onívoros, Obesidade Grau I 10% dos vegetarianos, Obesidade Grau II e 10% dos onívoros, Obesidade Grau III. 60% dos onívoros e 50% dos vegetarianos apresentaram baixo risco de doenças associadas a obesidade de acordo com a circunferência da cintura. Sobre a relação cintura-quadril, 40% dos onívoros e 60% dos vegetarianos apresentaram risco cardíaco moderado. A maioria dos entrevistados tem o hábito a prática regular de atividade física. Nota-se que os vegetarianos dispõem de uma alimentação com melhor composição, no entanto, o risco de desenvolvimento de DCNTs aparentemente não foi tão diferente entre os grupos quando relacionados aos parâmetros antropométricos.</p> Hérica Moreira de Jesus, Sandra Lopes Xavier, Kássia Héllen Vieira Copyright (c) 2022 Hérica Moreira de Jesus, Sandra Lopes Xavier, Kássia Héllen Vieira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1630 ter, 29 mar 2022 02:28:46 -0700 Fatores associados à avaliação do índice de adiposidade corporal em mulheres climatéricas http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1626 <p>Introdução: A obesidade é reconhecida como doença multifatorial de caráter epidêmico e problema de saúde mundial. A estimativa da gordura corporal nos pacientes com diversas morbidades tem sido alvo de estudos durante décadas. Medidas quantitativas como o Índice de Adiposidade Corporal (IAC) podem colaborar com a quantificação da gordura corpórea. Objetivo: Analisar a prevalência do IAC relacionando-a fatores sociodemográficos, clínicos e hábitos de vida em mulheres climatéricas. Materiais e Métodos: Estudo transversal analítico, realizado com 874 mulheres entre 40 e 65 anos cadastradas em ESFs na zona urbana de Montes Claros, Minas Gerais. Adotou-se uma amostra probabilística e aleatória. Foi utilizado um instrumento validado para análise das variáveis e suas associações foram analisadas pelo teste do qui-quadrado e regressão logística. Resultados: 42,6% das mulheres analisadas apresentaram o IAC elevado. As variáveis relacionadas com o índice foram tabagismo (RP=1,00 [IC95% 0,66-0,94]) e atividade física (RP=1,00 [IC95% 1,10-1,57]). Discussão: A elevada prevalência do IAC em mulheres climatéricas foi semelhante a encontrada por outros métodos de avaliação do perfil de adiposidade corpórea. O tabagismo e a atividade física são considerados fatores de proteção para o sobrepeso. Conclusão: O IAC se mostra como uma boa ferramenta de análise da adiposidade em mulheres climatéricas. Ressalta-se a necessidade de mais estudos observacionais, com amostra representativa de mulheres climatéricas para melhor refletir as alterações corporais que as acompanham durante esse período da vida.</p> Daniella Soares Fagundes, Clara de Oliveira Costa, Gustavo Veloso Rabelo, Larissa Silveira Donato, Vívian Pereira Rodrigues Alves, Josiane Santos Brant Rocha Copyright (c) 2022 Daniella Soares Fagundes, Clara de Oliveira Costa, Gustavo Veloso Rabelo, Larissa Silveira Donato, Vívian Pereira Rodrigues Alves, Josiane Santos Brant Rocha https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1626 ter, 29 mar 2022 02:23:54 -0700 Avaliação da percepção de imagem corporal em adolescentes http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1625 <p>Introdução: A adolescência é um período de diversas transformações físicas, que devido a influência da mídia e das imagens idealizadas de corpos pode também ser um período em que os adolescentes desenvolvem diferentes transtornos alimentares. Objetivo: Avaliar a percepção de imagem corporal em adolescentes. Materiais e métodos: A amostra foi composta por 44 adolescentes da Escola Estadual Cônego Paulo Monteiro de São João da Mata-MG. Foram aferidos estatura e peso utilizando-se fita métrica e balança mecânica. Após a obtenção dos dados antropométricos foi calculado o IMC (Índice de Massa Corpórea). Para análise da imagem corporal dos adolescentes foi utilizada a Escala de Stunkard. Resultados: Entre os 44 adolescentes pesquisados houve prevalência do sexo feminino, representando 59,09%, com média de idade de 15 anos. A maioria pesava em torno de 60 kg e possuíam uma altura média de 1,65 m. Apenas um dos adolescentes participantes da pesquisa declarou fumar e 86,36% declarou praticar atividades físicas. O índice de massa corporal (IMC) obtido a partir da altura e peso aferidos dos participantes foi de 22,09 kg/m<sup>2</sup> em média. Quanto a imagem corporal a predominância de respostas foi relacionada a silhuetas de indivíduos eutróficos. Discussão: Ao correlacionarmos a autopercepção com o estado nutricional não houve distorção da realidade. Conclusão:&nbsp; A partir dos dados obtidos com a atual pesquisa, pode-se concluir que a maioria dos adolescentes participantes não apresentam distorção de imagem corporal. A amostra avaliada não demonstrou nenhum resultado significativo indicando distorção na imagem corporal e insatisfação com a mesma e, que de acordo com as hipóteses iniciais da elaboração da pesquisa, elas foram contrariadas.</p> Michelly Layana da Silva Prado, Ana Carolina Brasil e Bernardes Copyright (c) 2022 Michelly Layana da Silva Prado, Ana Carolina Brasil e Bernardes https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1625 ter, 29 mar 2022 02:16:54 -0700 Constipação intestinal em idosos institucionalizados http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1621 <p>Introdução: Devido ao aumento da população idosa no mundo, ocorre uma crescente procura por Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), que pode estar associado à constipação intestinal, devido à baixa ingestão de fibras, líquidos e sedentarismo. Objetivo: Verificar a associação da constipação intestinal com o sexo, idade, nível de atividade física, estado nutricional, ingestão hídrica e dietética dos idosos residentes em ILPIs públicas e privadas do interior do Rio Grande do Sul. Materiais e Métodos: Estudo transversal, com total de 245 idosos residentes em nove ILPIs, com dados coletados em 2019 e 2020. Os idosos responderam um questionário estruturado sobre o sexo, tipo de instituição e ingestão hídrica, além do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) e dos critérios de Roma III. Aplicou-se um recordatório alimentar de 24hs e calculou-se com software DietWin a quantidade de fibras consumidas diariamente. Os resultados foram considerados significativos a um nível de significância máximo de 5% (p£0,05). Resultados e discussão: Dentre os idosos participantes, 64,5% (n=158) eram mulheres, 21,1% (n=27) estavam desnutridos, 34,2% (n= 84) com excesso de peso, 52,2% (n=128), classificados como portadores de constipação intestinal e 92,7% (227) eram sedentários. A presença da constipação intestinal associou-se significativamente aos idosos sedentários (p=0,049) e ao sexo feminino (p=0,046). Assim como evidenciado em outros estudos, a constipação influencia na qualidade de vida dos idosos institucionalizados. Conclusão: A maioria dos idosos residentes nestas instituições eram mulheres, sedentários, apresentavam desnutrição ou excesso de peso e constipação intestinal. A constipação intestinal associou-se significativamente ao sexo feminino e aos sedentários.</p> Jéssica Carina Führ, Janine Maria Lavall, Nathascha dos Santos Trindade, Alessandra Mocellim Gerevini, Fabiani Cristina Lassen Delazzeri, Fernanda Scherer Adami Copyright (c) 2022 Jéssica Carina Führ, Janine Maria Lavall, Nathascha dos Santos Trindade, Alessandra Mocellim Gerevini, Fabiani Cristina Lassen Delazzeri, Fernanda Scherer Adami https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1621 ter, 29 mar 2022 02:10:36 -0700 Atividades no tempo de lazer entre adolescentes escolares: estudo de base populacional http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1620 <p>Objetivo: investigar as atividades no tempo de lazer entre adolescentes escolares. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo transversal, realizado com estudantes do ensino médio da rede estadual de ensino. A amostra foi do tipo probabilística por conglomerados. Foi utilizado um questionário autoaplicável com variáveis referentes ao perfil sociodemográficos e atividades no tempo de lazer. Foi utilizado o teste estatístico qui-quadrado para a comparação entre os sexos. Resultados: Participaram do estudo 2.040 adolescentes distribuídos em 21 escolas, destes 54,4% eram do sexo feminino. Quase 50% dos adolescentes relataram assistir mais de duas horas de televisão. Verificou-se que 40,7% dos adolescentes sentem entediados a maior parte do tempo, com prevalência maior no sexo feminino (63,6%). Evidenciou-se que 15,8% dos adolescentes usam álcool ou drogas para se divertir. Conclusão: A maior parte dos adolescentes apresentaram práticas sedentárias nas atividades no tempo de lazer, usam álcool ou drogas para se divertir e saem à noite sem a permissão dos pais. Considerando os resultados, sugere-se o desenvolvimento de políticas públicas que estimulem a práticas de atividades de lazer consideradas mais saudáveis.</p> Renato Gomes Pereira, Nayra Suze Souza e Silva, Mariana Mendes Pereira, Desirée Sant’Ana Haikal, Lucinéia de Pinho, Rosãngela Ramos Veloso Silva Copyright (c) 2022 Renato Gomes Pereira, Nayra Suze Souza e Silva, Mariana Mendes Pereira, Desirée Sant’Ana Haikal, Lucinéia de Pinho, Rosãngela Ramos Veloso Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1620 ter, 29 mar 2022 02:09:44 -0700 Avaliação da aceitabilidade de bolo à base de arroz integral e feijão por crianças http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1618 <p>Introdução e Objetivo: Proporcionar uma alimentação balanceada entre as crianças é essencial para suprir as demandas de energia e nutrientes além de estimular bons hábitos ao longo da vida, assim enriquecer alimentos de agrado ao paladar infantil com nutrientes presentes em outros alimentos pode ser uma alternativa viável principalmente quando se trata de alimentos que são a base da alimentação da população brasileira: arroz e&nbsp; feijão,&nbsp; que vem sendo substituídos por alimentos de alta densidade energética e pobre em nutrientes. Neste contexto o objetivo deste trabalho foi desenvolver e avaliar a aceitabilidade de um bolo à base de arroz integral e feijão por crianças. Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa experimental de corte transversal com abordagem quantitativa. Participaram da pesquisa 47 crianças de 7 a 10 anos de idade de ambos os gêneros, estudantes da 1 a 4 série do ensino fundamental de uma escola particular na cidade de Cambuí-MG. Foi desenvolvido um bolo com farinha de arroz integral e feijão cozido. Para avaliar a aceitação foi utilizada a escala hedônica de 5 pontos. A aceitabilidade observada foi de 94%. Por meio da correlação de Spearman notou-se que não houve diferença no nível de aceitação das crianças em relação ao gênero, idade e série escolar. A elevada aceitabilidade do bolo à base de arroz integral com feijão obtida revela que a alternativa de incluir esses alimentos se torna viável, pois além de ser um produto de baixo custo fornece uma refeição rica em nutrientes essenciais ao desenvolvimento infantil.</p> Bruna Batista Lambert, Elisa Liz Belli Cassa Domingues Copyright (c) 2022 Bruna Batista Lambert, Elisa Liz Belli Cassa Domingues https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1618 ter, 29 mar 2022 02:03:42 -0700 Avaliação do estado nutricional e hábitos de vida de trabalhadores da tecnologia da informação na cidade de Joinville-SC http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1616 <p>Objetivo: Avaliar o estado nutricional dos trabalhadores de uma empresa de tecnologia e conhecer seus hábitos de vida, afim promover melhorias em sua qualidade de vida.&nbsp; Materiais e métodos: Trata- se de um estudo de caráter transversal de abordagem quantitativa e amostragem não probabilística de conveniência, realizado mediante a aplicação de questionário de frequência alimentar e questionário sobre hábitos de vida. Resultados: A amostra foi composta por 31 trabalhadores de tecnologia, com idade média de 30 anos dos quais (54,8%) apresentaram excesso de peso, incluindo sobrepeso e obesidade. Em relação ao consumo alimentar, os alimentos in natura e minimamente processados mais consumidos, por pelo menos 4 a 5 vezes na semana ou todos os dias, foram, leite, carnes e/ou ovos, arroz, legumes e verduras. Apenas (32,3%) consomem Frutas, e leguminosas (45,1%) por pelo menos 4 a 5 vezes ou todos os dias na semana. Dentre o grupo de processados ou ultraprocessados, houve o maior consumo de pães, bolos (61,3%) por pelo menos 4, 5 ou mais dias na semana. Quanto aos hábitos de vida investigados, (67,7%) ingerem bebida alcoólica, (67,7%) praticam alguma atividade física durante a semana, (29%) realizam trajeto até o trabalho a pé ou de bicicleta, e (83,9%), possuem hábitos de 2, 3 ou mais horas no tempo livre, gasto com telas. Conclusão: Através do estudo foi verificado excesso de peso nessa população, assim como inadequações no consumo alimentar e hábitos de vida, que somados a atividade laboral sedentária desses trabalhadores, pode favorecer o ganho de peso. Contudo, espera-se que esse trabalho instigue mais investigações nesse cenário laboral, de forma a contribuir com a melhoria na qualidade de vida desses trabalhadores.</p> Valquiria Silva Goulart Amarante, Sônia dos Santos Toriani Copyright (c) 2022 Valquiria Silva Goulart Amarante, Sônia dos Santos Toriani https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1616 ter, 29 mar 2022 02:00:57 -0700 Será que a alimentação, durante a pandemia do covid-19, foi igual durante a semana e no final de semana? http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1614 <p>Introdução: A pandemia do Covid-19 trouxe diversas mudanças de rotina alterando padrões alimentares. A ingestão alimentar interindividual sofre alterações ao longo da semana, resultado em balanço energético positivo. Objetivo: Analisar possíveis alterações em padrões alimentares entre os dias da semana durante o período da Pandemia do Covid-19. Materiais e Métodos: Tratou-se de uma pesquisa transversal descritiva, cujos dados foram coletados de forma on-line, entre os meses de maio/2020 e julho/2020, a partir de um questionário estruturado e dois recordatórios de 24h (um referente ao consumo durante a semana, e outro, a final de semana), além da aplicação do questionário Audit para verificar o consumo de álcool, enviado para jovens, de ambos os sexos, entre 18 e 29 anos. O Índice de Alimentação Saudável 2015-2020 (USDA 2015) foi utilizado para análise qualitativa. O projeto foi aprovado pelo CEP da UNIMEP, sob o CAAE número 33081220.5.0000.5507. Resultados: A pesquisa indicou que existiu similaridade de consumo dos grupos alimentares avaliados pelo Índice de Alimentação Saudável (IAS-2015-2020), independente do dia da semana, e do sexo; exceto para o consumo de cereais integrais (p=0,046) e carnes, leguminosas e ovos (p=0,024), cujo consumo entre os homens foi significativamente maior que as mulheres. Mas, os entrevistados não apresentaram consumo de risco para a ingestão de bebidas alcoólicas. Conclusão: Não houve alteração do padrão alimentar de jovens de 18 e 29 anos, entre o final de semana e durante a semana; assim como o risco de consumo de álcool foi abstêmico ou baixo, durante a Pandemia de Covid-19.</p> Gabriela Xisto Alves de Andrade, Geovana Hijano Arana, Rafaela Gratão Leite, Joseane Almeida Santos Nobre, Glenys Mabel Caballero Cordóba Copyright (c) 2022 Gabriela Xisto Alves de Andrade, Geovana Hijano Arana, Rafaela Gratão Leite, Joseane Almeida Santos Nobre, Glenys Mabel Caballero Cordóba https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1614 ter, 29 mar 2022 01:44:44 -0700 Excesso de peso e ingestão de baixa qualidade da dieta em pacientes com hipertensão pulmonar: um perfil diferente de paciente com doença pulmonar http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1602 <p>Introdução: A Hipertensão Pulmonar (HP) é caracterizada pela elevação da pressão sanguínea na artéria pulmonar. Em relação à nutrição nesta doença a literatura ainda é escassa, porém sabe-se que a dieta de alta qualidade em nutrientes desempenha papel importante na qualidade de vida, progressão e mortalidade de pneumopatias, podendo se aplicar para HP da mesma forma. Objetivos: Avaliar o Índice de alimentação saudável (IAS) de pacientes com HP e conhecer suas comorbidades. Materiais e Métodos: Estudo transversal, realizado com 35 pacientes portadores de HP. Foram avaliados índice de massa corporal, percentual de gordura corporal, exames bioquímicos, além do índice da qualidade da dieta por meio do instrumento IAS. Resultados: A amostra foi composta por 77% indivíduos do sexo feminino e 57,1% eram sobrepesos ou obesos. Hipertensão arterial sistêmica foi a principal comorbidade apresentada (28,6%), além de que 1/3 dos indivíduos possuírem alterações glicêmicas e hipertrigliceridemia. De todos os avaliados, 82,9% apresentaram alimentação de baixa qualidade. A ingestão de fibras, cálcio e ácidos graxos monoinsaturados (AGM) estavam aquém das recomendações vigentes (p&lt;0,05), enquanto a de proteínase ácidos graxos saturados excederam estas mesmas recomendações (p&lt;0,05). Discussão e Conclusão: A amostra avaliada foram predominantemente de obesos e sobrepesos e tem baixa qualidade da dieta. A presença de doenças crônicas não-transmissíveis, alterações glicêmicas e de triglicerídeos complementam esses achados, possivelmente como consequências deles.</p> Camila Coutinho Ávila, Priscila Berti Zanella, Marcelo Basso Gazzana, Danilo Cortozi Berton, Carolina Guerini de Souza Copyright (c) 2022 Camila Coutinho Ávila, Priscila Berti Zanella, Marcelo Basso Gazzana, Danilo Cortozi Berton, Carolina Guerini de Souza https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1602 ter, 29 mar 2022 01:37:25 -0700 Uma abordagem da dor lombar crônica em obesos submetidos à cirurgia bariátrica http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1599 <p>Introdução: É comprovado que a obesidade compromete a qualidade de vida, gerando incapacidade e redução da longevidade. Entre as comorbidades mais comuns estão as alterações musculoesqueléticas, sobressaindo o diagnóstico de dor lombar crônica. Diante do insucesso do tratamento conservador da obesidade a cirurgia bariátrica se faz indicativa. Objetivo: Analisar os efeitos da cirurgia bariátrica na dor lombar crônica. Materiais e Métodos: Tratou-se de um estudo transversal descritivo analisando a dor e a qualidade de vida através da aplicação da Escala Visual Analógica (EVA) e do Questionário de Qualidade de Vida SF-36 em indivíduos, ambos os gêneros, idade acima de 18 anos, diagnóstico clínico de lombalgia crônica submetidos à cirurgia bariátrica, com tempo de pós-operatório superior a 12 meses. Resultados: Foram avaliados 32 indivíduos, 71,87% mulheres, idade média de 36,6 (±11,31) anos, média de tempo de pós-operatório de 32,4 (±12,82) meses, redução média de IMC de 46,4kg/m<sup>2</sup> para 29,1kg/m<sup>2</sup>. Na análise da dor, através da aplicação da EVA, comprovou-se uma diminuição do sintoma de 7,25 (±1,45) para 2,46 (±1,74) no pós-operatório. Os resultados do Questionário SF-36, comparando pré e pós-operatório apontaram significância nos itens capacidade funcional (36,2 - 88,5), limitação por aspecto físico (23,4 - 89,8) dor (31,5 - 91,6), estado geral de saúde (39,6 - 87,9) e vitalidade (33,2 - 85,7). Conclusão: A obesidade está fortemente relacionada aos sintomas da lombalgia crônica, sendo a cirurgia bariátrica uma alternativa eficaz para perda de peso, redução da dor, se repercutindo em considerável melhora na qualidade de vida.</p> Dora de Castro Agulhon Segura, Adriana Paula da Silva Gomes, Djeice Diane Heck, Letícia Flois Ferreira, Maria Victoria Vecchietti Copyright (c) 2022 Dora de Castro Agulhon Segura, Adriana Paula da Silva Gomes, Djeice Diane Heck, Letícia Flois Ferreira, Maria Victoria Vecchietti https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1599 ter, 29 mar 2022 01:33:52 -0700 Consumo diário de um ou dois ovos não altera o perfil lipídico de mulheres saudáveis http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1592 <p>O ovo é um alimento de baixo custo, rico em proteínas de alto valor biológico, vitaminas e minerais. Devido a sua elevada quantidade de colesterol (213,5mg/unidade) por muito tempo teve seu consumo restrito nas recomendações dietéticas. Contudo, estudos recentes indicam que a ingestão de colesterol exerce pouca influência no aumento da mortalidade por doenças cardiovasculares. Além disso, sabe-se que o colesterol dietético pouco interfere no aumento de LDL-colesterol (LDL-c), sendo a gordura saturada a principal responsável pelo aumento dos níveis de colesterol e de LDL-c. Diante disso, esse trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do consumo de ovos sobre o perfil lipídico de mulheres saudáveis. Foi realizado estudo prospectivo de intervenção, com 22 mulheres, não-diabéticas, normoglicêmicas e sem comprometimentos renais ou hepáticos. As participantes foram divididas em três grupos sendo que o grupo 1 foi orientado a consumir um ovo/dia, o grupo 2, dois ovos/dia e o grupo 3 manteve seu consumo habitual de ovos. Todas as participantes consumiram a quantidade de ovos estipulada pelo período de 30 dias e tiveram seu perfil lipídico e dados antropométricos avaliados antes e depois do estudo. O peso corporal e o IMC de todas as participantes manteve-se inalterado. A medida de circunferência abdominal aumentou significativamente apenas no grupo controle (G3). Apenas o G3 apresentou aumento significativo do LDL-colesterol. Assim, foi possível observar que o consumo de um a dois ovos/dia não alterou significativamente os níveis de colesterol plasmáticos e de suas lipoproteínas.</p> Sarah Jeanne Jorge Heitz, Ira Soraya Corrêa Arruda Copyright (c) 2022 Sarah Jeanne Jorge Heitz, Ira Soraya Corrêa Arruda https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1592 ter, 29 mar 2022 01:10:54 -0700 Autoimagem corporal e comportamento alimentar de mulheres após cirurgia bariátrica http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1589 <p>Introdução: Indivíduos submetidos à cirurgia bariátrica podem apresentar comportamentos e hábitos alimentares inadequados, especialmente em longo prazo, além da presença de transtornos psicológicos, que são fatores que podem favorecer a recidiva de peso. Objetivo: Descrever o comportamento alimentar e a percepção da autoimagem corporal em mulheres com mais de 24 meses após cirurgia bariátrica. Materiais e métodos: Foram analisados comportamento alimentar e percepção da autoimagem corporal em mulheres com mais de 24 meses de cirurgia bariátrica. Participaram 50 mulheres submetidas à cirurgia bariátrica. Aplicou-se um formulário contendo itens sobre percepção e satisfação corporal, sentimento de culpa ao comer, comportamento “beliscador”, aquisição dos alimentos e preparo das refeições. Resultados: Observou-se correlação entre o hábito de preparar as refeições e melhor percepção e satisfação com a autoimagem corporal, maior participação nas compras de alimentos e melhor percepção da relação com a comida. Houve correlação entre relação com a comida e percepção positiva e satisfação com a autoimagem, maior participação nas compras dos alimentos e ausência de comportamento “beliscador”. Observou-se ainda correlação direta do comportamento “beliscador” com o uso de medicamentos e o sentimento de culpa. Conclusão: Alguns padrões alimentares e sentimentos disfuncionais quanto à autoimagem corporal e comportamento alimentar ainda persistem mesmo após dois anos de cirurgia bariátrica.</p> Jeane Lorena Lima Dias, Manuela Maria de Lima Carvalhal, Aline Leão Reis, Daniela Lopes Gomes Copyright (c) 2022 Jeane Lorena Lima Dias, Manuela Maria de Lima Carvalhal, Aline Leão Reis, Daniela Lopes Gomes https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1589 ter, 29 mar 2022 01:05:09 -0700 Consumo Alimentar e nutricional de escolares http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1580 <p>Introdução: Pela dificuldade de tratar a obesidade na vida adulta, a prevenção da mesma deve se começar pela infância, escolares representam um grupo vulnerável, pois a fase é de crescimento rápido e ainda apresentam imaturidade fisiológica. A tendência crescente da obesidade infantil se deve a ingestão de alimentos ricos em energia e diminuição da pratica de atividade fí­sica. Objetivo: Associar o consumo alimentar e o estado nutricional de escolares. Materiais e métodos: Foi realizado estudo com delineamento transversal descritivo, com abordagem quantitativa e utilizou-se como amostra crianças na faixa etária de 8 a 10 anos, do sexo feminino e masculino, matriculados na escola de rede pública Vicentina de Aguiar Brandão, localizada no muní­cipio de Ipuiuna, Minas Gerais. O consumo alimentar das crianças foi investigado através de um QFA (questionário de frequência alimentar). Resultados: Verificou-se que em relação ao estado nutricional das crianças, 17, 39% estavam na eutrofia, 73,91% em baixo peso e 8,69% em sobrepeso contrariando os estudos similares que apontam uma média maior de crianças apresentando sobrepeso na mesma faixa etária o que fomenta a necessidade da adoção de práticas nutricionais mais adequadas em casa e no ambiente escolar. Discussão: O í­ndice de crianças com sobrepeso e obesidade é grande, por isso é necessário que se adotem polí­ticas de nutrição mais rigorosas com relação a alimentação recebida na escola e em casa por esses escolares. Conclusão: O presente estudo aponta que a maioria das crianças submetidas as análises e entrevista apresentam baixo peso, mas não podemos descartar o fato de que mesmo com baixo índice, ainda existe uma porcentagem de escolares com sobrepeso. Então, faz-se necessário que polí­ticas de controle de obesidade e medidas contra desnutrição sejam adotadas pelo municí­pio.</p> Joyce Oliveira Ramos Copyright (c) 2022 Joyce Oliveira Ramos https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1580 seg, 07 fev 2022 08:56:27 -0800 Influenciadores digitais na concepção da estética e nos hábitos alimentares de jovens e adultos http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1584 <p>É cada vez, mas comum que cada influenciador digital seja "especialista" onde terá seguidores que se interesse por esse determinado assunto, mostrando sua rotina, de alimentação. Cada influenciador demonstra interesse em um assunto e irá fazer com que seu público tenha interesse nesse determinado assunto, é o que acontece com as "blogueiras fitness". O objetivo desse estudo foi verificar a relação entre a persuasão dos influenciadores digitais e o uso de redes sociais e sua influência nos hábitos alimentares e na concepção do corpo ideal. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e transversal. A amostra foi constituí­da por 213 pessoas, ambos os sexos, com idade de 18 a 35 anos (22,4 ± 3,8). Para realização dessa pesquisa, foi utilizado como técnica para coleta de dados a aplicação de um questionário <em>online</em>. Os dados coletados foram armazenados em uma planilha do <em>Statistical Package for the Social Sciences</em>. Houve um predomí­nio do sexo feminino (63,8%), quando questionados sobre qual tipo de perfil você prefere seguir, a maioria dos pesquisados seguir artistas (46,9%) seguidos de Blogueiras (24,4%), e uma minoria (17,4%) afirmaram buscar por nutricionistas. Ao final foi possí­vel depreender que existe uma influência da mí­dia nos hábitos alimentares e na concepção do corpo ideal das pessoas avaliadas.</p> Wellington Danilo Soares, Fernanda Soares Oliveira, João Carlos Silva Almeida Júnior , Gabrielle Vilela Alcântara Copyright (c) 2022 Wellington Danilo Soares, Fernanda Soares Oliveira, João Carlos Silva Almeida Júnior , Gabrielle Vilela Alcântara https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1584 seg, 07 fev 2022 08:55:47 -0800 Conhecimento em nutrição esportiva entre praticantes de musculação http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1583 <p>Introdução: A alimentação saudável e atividade fí­sica auxiliam na qualidade de vida e são fundamentais no bem-estar do indiví­duo pois agem prevenindo e tratando diversas patologias. É crescente a busca por suplementos alimentares, visto que estes melhoram a estítica e performance, entretanto, muitas vezes essa indicação é realizada por profissionais não habilitados. A prescrição desses produtos deve ser realizada pelo nutricionista, vez que possui conhecimento quanto as necessidades e riscos. Objetivo: Averiguar o conhecimento dos praticantes de musculação em nutrição esportiva e a prevalência de indicação de suplementos alimentares por indiví­duos não capacitados. Materiais e métodos: Pesquisa de caráter descritivo, com abordagem quantitativa e corte transversal. Foi aplicado um questionário adaptado para 180 praticantes de musculação. Resultados: Os resultados mostraram que houve um predomí­nio do sexo feminino (56,1%), sendo que os entrevistados na sua maioria frequentavam academia há mais de 12 meses (63,3%) e não utilizavam suplementos (63,89%), e apenas uma minoria (27,7%) dos pesquisados utilizavam indicação de um nutricionista. Foi verificado que o conhecimento em nutrição esportiva ainda é escasso, visto que houve elevado í­ndice de erros nas questões relacionadas aos riscos do excesso de proteí­na (78,3%) e desconhecem as questões relacionadas a carboidrato (70%). Conclusão: houve muitos equí­vocos relacionados á nutrição esportiva. Apesar dos participantes correlacionarem bem a finalidade dos suplementos, os erros relacionados ao conhecimento dos macronutrientes, ainda persistem. Portanto, fica evidente a necessidade de orientação do nutricionista para prescrição e esclarecimento quanto às questões relacionadas à nutrição esportiva.</p> Wellington Danilo Soares, Cinthya Vieira Mendes, Mariana Soares Guimarães, Gabrielle Vilela Alcântara Copyright (c) 2022 Wellington Danilo Soares, , Mariana Soares Guimarães, Gabrielle Vilela Alcântara https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1583 seg, 07 fev 2022 07:58:24 -0800 Consequências das dietas da moda em frequentadores das academias de ginástica http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1582 <p>Introdução: devido às grandes preocupações relacionadas à saúde, condição fí­sica e, principalmente, estética entre frequentadores de academias, nota- se que as pessoas estão insatisfeitas com o próprio corpo, o que leva a aderir a dietas sem fundamento cientí­fico para conseguir os resultados desejados. Objetivo: avaliar as consequências da adesão de dietas da moda em frequentadores de academias de ginástica na cidade de Montes Claros-MG. Materiais e métodos: trata-se de uma pesquisa de caráter descritivo, corte transversal e análise quantitativa. Utilizou-se um questionário estruturado sobre alimentação, adesão a dietas e possí­veis sintomas durante ou após às dietas que já fizeram. Os dados foram apresentados por meio de uma planilha do<em> Excel</em> versão 2007, realizada em análise descritiva com valores em frequência real e absoluta. Resultados: os participantes tinham idade entre 18 a 57 anos (29 ± 8,7 anos), com predomí­nio do sexo feminino (56,1%) que frequentam academia há mais de 18 meses (42,7%), sendo a dieta da moda mais utilizada o jejum intermitente, seguido de dietas de revistas e <em>Lowcarb</em>. Os principais sintomas apresentados devido às dietas da moda foram fraqueza, dor de cabeça e irritabilidade. Conclusão: ao final, pode-se concluir que o corpo ideal imposto pela mí­dia faz com que pessoas busquem resultados rápidos, adotando dietas restritivas sem o auxí­lio de um profissional nutricionista.</p> Wellington Danilo Soares, Katiane Cristine Rodrigues Silva, Maria Paula Rodrigues Lopes Copyright (c) 2022 Wellington Danilo Soares, Katiane Cristine Rodrigues Silva, Maria Paula Rodrigues Lopes https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1582 seg, 07 fev 2022 07:57:46 -0800 Consumo de frutas e perda de peso: uma revisão sistemática e meta-análise http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1579 <p>A obesidade é uma doença que atinge grande parte da população e piora a qualidade de vida do indiví­duo. Estudos longitudinais e transversais associaram o consumo de frutas à perda de peso. O objetivo deste estudo foi fazer uma revisão sistemática e meta-análise sobre estudos experimentais que avaliaram os efeitos do consumo de frutas no peso corporal em humanos. Trata-se de uma revisão sistemática e meta-análise, seguindo as recomendaçães do PRISMA, na base de dados do Pubmed e Cochrane. Foram incluí­dos estudos experimentais que avaliaram os efeitos do consumo de frutas na perda de peso. Foram incluí­dos nove estudos, dos quais 89% encontraram efeitos significativos na perda de peso. Na meta-análise, houve uma perda de peso significativa de 410 gramas em comparação ao grupo controle [SMD: -0.41; 95% IC: -0.66, -0.15; p = 0.59; I2 = 0%]. &nbsp;A presente revisão sistemática e meta-análise demonstrou que consumir mais frutas pode ajudar na perda e manutenção do peso corporal. Intervençes baseadas no consumo de frutas podem ser uma última opção para ajudar a diminuir as elevadas taxas de obesidade da população mundial.</p> Felipe Delpino Copyright (c) 2022 Felipe Delpino https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1579 seg, 07 fev 2022 07:56:58 -0800 Avaliação da tolerância alimentar em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica em hospital universitário do município do Rio de Janeiro http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1577 <p>Introdução: A cirurgia bariátrica (CB) é considerada terapia eficaz no tratamento da obesidade grave. Porém, há chances de recidiva de peso corporal e mudanças na tolerância alimentar após a CB. Objetivo: Avaliar a tolerância alimentar de pacientes submetidos à CB por meio de análise do Questionário de Tolerância Alimentar (QTA) e sua relação com condições clí­nicas, sociais e emocionais. Materiais e Métodos: Realizou-se estudo transversal retrospectivo mediante análise de prontuários de 87 mulheres, de um Hospital Universitário no Rio de Janeiro. Foram analisadas as relações entre QTA com variáveis clí­nicas, sociais e emocionais. Resultados: As pacientes apresentaram média de 7 consultas com a Nutrição, a técnica cirúrgica mais utilizada foi o Bypass gástrico em Y de Roux (56,32 %), os sinais e sintomas fí­sicos e gástricos mais relatados no perí­odo pós-operatório foram queda de cabelo, edema, flatulência e constipação. Houve redução de peso corporal, aumento do percentual de perda de excesso de peso (%PEP), aumento dos escores do QTA e da tolerância alimentar conforme o aumento do tempo de pós-operatório. A satisfação alimentar foi considerada boa, os vegetais cozidos foram os alimentos mais tolerados e vômitos foram raros. Obtiveram maior pontuação do QTA pacientes que atribuí­ram classificação "excelente" à maneira de se alimentar. Conclusão: O acompanhamento contí­nuo e periódico com equipe interdisciplinar proporcionou aos pacientes sucesso na perda de peso, melhora da qualidade de vida e da tolerância alimentar conforme aumento do tempo de pós-operatório, e a qualidade de vida foi proporcional à melhora da forma de se alimentar.</p> Ligia Abreu, Fernanda Cristina Carvalho Mattos Magno, João Regis Ivar Carneiro, Eliane Lopes Rosado Copyright (c) 2022 LIGIA ABREU, Fernanda Cristina Carvalho Mattos Magno, João Regis Ivar Carneiro, Eliane Lopes Rosado https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1577 seg, 07 fev 2022 07:56:05 -0800 Infusão versus necessidades da terapia nutricional enteral de pacientes internados em um hospital universitário http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1563 <p><strong>Introdução: </strong>A Terapia Nutricional Enteral (TNE) é vista como uma estratégia para prevenir a perda de massa corporal, reduzir a gravidade da doença, diminuir complicações, diminuir o período de internação e impactar favoravelmente os resultados dos pacientes internados. Entretanto, frequentemente, os pacientes recebem valor energético e proteico inferiores Ã&nbsp;s necessidades. <strong>&nbsp;Objetivo</strong>: Avaliar a infusão versus necessidades da TNE de pacientes em um hospital universitário. <strong>Materiais e métodos</strong>: Estudo descritivo, analítico, longitudinal, com pacientes em TNE, internados no período de maio a novembro de 2017. Foram coletados dados sociodemográficos, clínicos, antropométricos, relacionados Ã&nbsp; TNE e informações da triagem nutricional segundo o <em>Nutritional Risk Screening</em> (NRS-2002). As necessidades nutricionais foram estimadas segundo as recomendações da <em>American Society for Parenteral and Enteral Nutrition.</em> Na análise estatística, utilizou-se o <em>Statistical Package for the Social Science</em>, v. 21.0, considerando p&lt;0,05. <strong>Resultados:</strong> 55 pacientes, 67,3% estavam eutróficos pelo Índice de Massa Corporal (IMC), 76,4% apresentaram grau de desnutrição pela circunferência do braço (%CB) e 96,4% estavam em risco nutricional pela NRS-2002. A prevalência de inadequação nas primeiras 72 horas de TNE foi de 44% e 62% para energia e proteína, respectivamente. Ao testar a correlação do IMC e da CB com a adequação energético-proteica da TNE, observou-se associação inversa significativa, em relação a adequação energética (r<sup>2</sup>= -0,254; p=0,045; r<sup>2</sup>= -0,362; p=0,003) e proteica (r<sup>2</sup>= -0,281; p=0,019; r<sup>2</sup>= -0,492; p&lt;0,000). <strong>Conclusão: </strong>Diante da inadequação da oferta energético-proteica, sugere-se que estratégias de educação continuada e treinamentos para equipe multiprofissional devem ser implementados para garantir um aporte nutricional adequado.</p> Maria de Nazareth de Lima Carneiro, Daniela Lopes Gomes, Manuela Maria de Lima Carvalhal, Elenise da Silva Mota, Lilian Pereira da Silva Costa Copyright (c) 2022 Maria de Nazareth de Lima Carneiro, Daniela Lopes Gomes, Manuela Maria de Lima Carvalhal, Elenise da Silva Mota, Lilian Pereira da Silva Costa https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1563 seg, 07 fev 2022 07:52:44 -0800 Tendência temporal da prevalência de obesidade grau I, grau II e grau III no Brasil, 2006-2019 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1559 <p align="justify"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">A o</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">besidade é</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">&nbsp;</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">um fator de risco e </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">uma doença cuja prevalência </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">vem aumentando n</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">o mundo</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">. Objetivo: </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">D</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">escrever </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">a</span></span> <span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">tendência </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">temporal </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">da </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">p</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">revalência de </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">obesidade </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">grau </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">I, </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">grau </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">II e </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">grau </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">III </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">em adultos </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">no Brasil </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">entre 2006 e 2019</span></span> <span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">estratificada por sexo e idade. </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Materiais e Métodos: </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Estudo </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">transversal </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">a partir de </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">dados d</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">a </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">(V</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">IGITEL</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">)</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">. </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">A obesidade graus I, II e III fo</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">i classificada utilizando-</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">se</span></span> <span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">o índice de </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">M</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">assa </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">C</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">orporal: </span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">30,0-34,9 </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">kg/m</span></span></span><span style="color: #231f20;"><sup><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">2</span></span></sup></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">, </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">35,0-39,9 </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">kg/m</span></span></span><span style="color: #231f20;"><sup><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">2</span></span></sup></span> <span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">e ≥</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">40</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">,0 </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">kg/m</span></span></span><span style="color: #231f20;"><sup><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">2</span></span></sup></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">, </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">respectivamente.</span></span></span> <span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Foram estimadas prevalências de obesidade grau</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">s</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"> I, II e III </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">estratificadas por </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">sexo e </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">grupos de </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">idade. </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Para </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">modelagem da</span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">s prevalências </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">fo</span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">i </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">utilizado </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">o </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">modelo </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">de regressão </span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">de P</span></span></span><span style="color: #242021;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">rais-Winsten. </span></span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Resultados:</span></span> <span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Entre 2006 e 2019, a prev</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">alência d</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">e</span></span> <span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">obesidade graus </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">I, II e II</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">I</span></span> <span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">aumentou, </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">respectivamente em</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"> ambos os sexos e grupos de idade, </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">sendo e</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">m homens </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">o aumento de </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">8,8% a 14,7%, de 1,7% a 3,4% e de 0,9% a 1,3%; </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">e </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">nas </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">mulheres d</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">e 8,5% a 14,5%, de 2,5% a 4,3% e de 1,3% a 2,2%. </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Conforme a idade, </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">houve aumento </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">em ambos os sexos, </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">com </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">tendência a diminuir </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">nos ú</span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">ltimos grupos. </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Em 2019, </span></span><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">5.</span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">2</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"> milhões, </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">1.3 milhões e 634,2 mil </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">pessoas, </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">foram classificad</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">a</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">s como </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">o</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">bes</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">as </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">grau</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">s</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"> I, </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">II e III, </span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">respectivamente</span></span></span><span style="color: #231f20;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">. </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">Conclusã</span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">o</span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">: </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">V</span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">erifica-se </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">aumento da </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">prevalência de </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">obesidade </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">graus </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">I, II e III</span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">, </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">segundo sexo e idade,</span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;"> particularmente </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">obesidade </span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">grau I. </span></span></span></p> Victor Manuel Arocena Canazas Copyright (c) 2022 Victor Manuel Arocena Canazas https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1559 seg, 07 fev 2022 07:35:31 -0800 Aceitação de lanches saudáveis por crianças em idade pré-escolar http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1558 <p>Objetivo: Avaliar a aceitação de lanches saudáveis para substituição de lanches industrializados usualmente consumidos por pré-escolares. Materiais e métodos: Foi realizado levantamento bibliográfico para identificar as preparações industrializadas comumente consumidas por pré-escolares, para posteriormente serem desenvolvidas versões mais saudáveis destas. Foram adaptadas e testadas seis preparações, sendo três doces e três salgadas. &nbsp;A avaliação sensorial foi conduzida com pré-escolares por meio de escala hedônica facial de cinco pontos. Resultados: A avaliação sensorial contou com a participação de 11 crianças, com média de idade de quatro anos (48 meses), sendo 66,0% (n=6) meninas, as quais estavam acompanhadas dos pais ou responsáveis para a degustação e avaliação de seis receitas: cachorro quente com pão tipo bisnaguinha de batata doce, salsicha caseira e molho tipo <em>catchup</em> caseiro, empanado de frango, mini croquete de carne, queijo tipo <em>petit suisse</em>, bolinho de cenoura com cobertura de chocolate 50% cacau e biscoito doce integral. Das seis preparações, as melhores avaliadas pelas crianças foram: bolinho de cenoura, empanado de frango, biscoito doce integral e queijo <em>petit suisse</em>, com aprovação acima de 60%. A preparação com menor aceitação foi o mini croquete de carne com apenas 9% de aprovação. Conclusão: Houve a aprovação da maioria das preparações ofertadas, mas, foi possí­vel observar que houve uma tendência à preferência de doces e que nem todas as crianças provaram as seis preparações. Assim, acredita-se ser possí­vel introduzir preparações mais saudáveis no cotidiano alimentar das crianças, mas a inserção deve ser gradual, para que contribua na formação de hábitos alimentares saudáveis.</p> Renata Carvalho de Oliveira, Daniele Cristina Fava, Andressa Radziminski, Julia Cristina Pavanati Copyright (c) 2022 Renata Carvalho de Oliveira, Daniele Cristina Fava, Andressa Radziminski, Julia Cristina Pavanati https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1558 seg, 07 fev 2022 07:35:26 -0800 Estado nutricional de pacientes com doença renal crônica em hemodiálise em um hospital de referência no sul do Brasil http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1557 <p>Introdução: A hemodiálise (HD) é uma terapia que substitui a função renal, mas traz consequências, como a piora do estado nutricional dos pacientes. Objetivo: avaliar o estado nutricional e o consumo alimentar de pacientes com doença renal crônica (DRC) submetidos à HD em um centro de diálise no sul do Brasil. Materiais e métodos: Estudo transversal realizado com pacientes de HD de um hospital público no sul do Brasil, de ambos os sexos, entre maio a junho de 2019. Foram obtidos dados sociodemográficos, antropométricos (altura (m), peso (kg), circunferências do braço (CB), da cintura (CC), do pescoço (CP) e da panturrilha (CPA) (cm), prega cutânea tricipital (PCT) (mm), porcentagem de gordura corporal (%GC) e consumo alimentar. Foi realizada a classificação do estado nutricional dos pacientes através do índice de Massa Corporal (IMC), de acordo com as diretrizes da Organização Mundial da Saúde. Discussão: A monitoração periódica do estado nutricional deve fazer parte da rotina dos pacientes em diálise, sendo fundamental para prevenir, diagnosticar e tratar a desnutrição. Resultados: Foram avaliados 44 indiví­duos com média de idade de 52,36±11,19 anos. Em relação ao estado nutricional foi verificado que 51,8% dos pacientes estavam com excesso de peso, as mulheres apresentaram maiores médias de IMC, PCT, %GC e albumina, já os homens tiveram maior CP, todavia no consumo alimentar os homens tiveram maior ingestão de carboidratos, lipí­deos e energia. Conclusão: Portanto, concluí­mos que a abordagem nutricional deve ser completamente individualizada, considerando os fatores que são alterados em cada caso e evitando complicações futuras</p> Anelize Juriatti, Bruna Becker da Silva, Aline Daiane Schlindwein Copyright (c) 2022 Anelize Juriatti, Bruna Becker da Silva, Aline Daiane Schlindwein https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1557 seg, 07 fev 2022 07:33:40 -0800