RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento https://www.rbone.com.br/index.php/rbone <p>ISSN 1981-9919 versão online</p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento (RBONE)</strong> É uma publicação do <strong>Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercí­cio (IBPEFEX)</strong>, É de periodicidade bimestral, com publicação de artigos cientí­ficos, fruto de pesquisas e estudos de cientistas, professores, estudantes e profissionais que lidam com a Epidemiologia da Obesidade, da Nutrição Humana com fundamentação na fisiologia humana no âmbito da saúde, do esporte, da educação e da estética.</p> <p>&nbsp;</p> <p>The&nbsp;<strong>Brazilian Journal of Obesity, Nutrition and Weightloss (RBONE)</strong>&nbsp;is published by the&nbsp;<strong>Brazilian Institute for Research and Education in Exercise Physiology (IBPEFEX)</strong>&nbsp;is a bimonthly publication with scientific articles, result of research and studies of scientists, professors, students and professionals who deal with the Epidemiology of Obesity, Human Nutrition with background in human physiology in health, sport, education and aesthetics.</p> <p>&nbsp;</p> <p>La&nbsp;<strong>Revista Brasileña de Obesidad, Nutrición y Pérdida de peso (RBONE)</strong>&nbsp;es publicada por el&nbsp;<strong>Instituto Brasileño para la Investigación y Educación en Fisiología del Ejercicio (IBPEFEX)</strong>, es una publicación bimensual con artí­culos cientí­ficos, el resultado de la investigación y los estudios de los cientí­ficos, los profesores estudiantes y profesionales que se ocupan de la epidemiología de la obesidad, la nutrición humana con base en la fisiología humana en la salud, el deporte, la educación y la estética.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="/index.php/rbone/about/submissions#onlineSubmissions"><strong>Clique aqui para submeter seu artigo</strong></a></p> <p>&nbsp;</p> <p>A&nbsp;<strong>RBONE</strong> é indexada nas seguintes <a href="/index.php/rbone/announcement/view/1">bases de dados</a>:</p> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC ONEFILE</a>,&nbsp;<a href="http://www.ebscohost.com/academic/academic-search-premier" target="_blank" rel="noopener">ACADEMIC SEARCH PREMIER</a>, <a href="http://journal-index.org/index.php/asi" target="_blank" rel="noopener">ASI</a>,&nbsp;<a href="http://www.base-search.net/" target="_blank" rel="noopener">BASE</a>, <a href="http://dialnet.unirioja.es" target="_blank" rel="noopener">DIALNET</a>, <a href="http://doaj.org/" target="_blank" rel="noopener">DOAJ</a>, <a href="http://www.drji.org/" target="_blank" rel="noopener">DRJI</a>,&nbsp;<a href="http://ebscohost.com/" target="_blank" rel="noopener">EBSCO</a>,&nbsp;<a href="http://www.who.int/hinari/" target="_blank" rel="noopener">HINARI</a>,&nbsp;<a href="http://infotrac.galegroup.com/itweb/aoneed" target="_blank" rel="noopener">INFORME ACADÊMICO</a>,&nbsp;<a href="http://oaji.net/" target="_blank" rel="noopener">OAIJ</a>, <a href="https://www.redib.org/pt-pt" target="_blank" rel="noopener">REDIB</a>,&nbsp;<a href="http://www.sherpa.ac.uk/romeo/" target="_blank" rel="noopener">SHERPA RoMEO</a>, <a href="http://www.sumarios.org" target="_blank" rel="noopener">SUMÁRIOS.ORG</a>,&nbsp;<a href="http://apps.webofknowledge.com" target="_blank" rel="noopener">WEB OF SCIENCE</a>,&nbsp;<a href="https://www.worldcat.org/" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <div>&nbsp;</div> </div> <div>nas <a href="/index.php/rbone/announcement/view/5">bases indexadoras</a>:</div> <div>&nbsp;</div> <div> <ul> <li class="show"><a href="http://www.citefactor.org/" target="_blank" rel="noopener">CITEFACTOR</a>,&nbsp;<a href="http://ezb.uni-regensburg.de/" target="_blank" rel="noopener">CZ3</a>,&nbsp;<a href="http://diadorim.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">DIADORIM</a>,&nbsp;<a href="https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/index" target="_blank" rel="noopener">ERIH PLUS</a>,&nbsp;<a href="http://www.freemedicaljournals.com/" target="_blank" rel="noopener">FMJ</a>, <a href="http://globalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF&nbsp;(Global Impact Factor)</a>, <a href="http://generalimpactfactor.com/" target="_blank" rel="noopener">GIF (General Impact Factor)</a>,&nbsp;<a href="http://scholar.google.com.br" target="_blank" rel="noopener">GOOGLE SCHOLAR</a>,&nbsp;<a href="http://impactfactorservice.com/" target="_blank" rel="noopener">IIFS</a>,&nbsp;<a href="http://www.journalindex.net/" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INDEX</a>,&nbsp;<a href="http://www.jourinfo.com/index.html" target="_blank" rel="noopener">JOURNAL INFORMATICS</a>, <a href="http://www.journals4free.com/" target="_blank" rel="noopener">J4F</a>, <a href="http://www.journaltocs.ac.uk" target="_blank" rel="noopener">JOURNALTOCS</a>, <a href="http://www.latindex.unam.mx" target="_blank" rel="noopener">LATINDEX</a>, <a href="https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp" target="_blank" rel="noopener">LIVRE!</a>, <a href="http://miar.ub.edu/" target="_blank" rel="noopener">MIAR</a>, <a href="http://www.periodicos.capes.gov.br/" target="_blank" rel="noopener">PORTAL DE PERIÓDICOS CAPES</a>,&nbsp;<a href="http://seer.ibict.br/" target="_blank" rel="noopener">SEER</a>, <a href="http://sindexs.org/Default.aspx" target="_blank" rel="noopener">SIS</a>,&nbsp;<a href="http://www.sjifactor.inno-space.org/" target="_blank" rel="noopener">SJIF</a>,&nbsp;<a href="http://sjournals.net/" target="_blank" rel="noopener">SJOURNALS INDEX</a>, <a href="http://oasisbr.ibict.br" target="_blank" rel="noopener">OASISBR</a>, UIF, <a href="http://qualis.capes.gov.br/webqualis/" target="_blank" rel="noopener">QUALIS PERIÓDICOS</a></li> </ul> </div> <div> <p>e nas <a href="/index.php/rbone/announcement/view/7">universidades/bibliotecas</a>:&nbsp;</p> <ul> <li class="show"><a href="https://neos.library.ualberta.ca/uhtbin/cgisirsi/x/0/0/57/5?user_id=WUAARCHIVE&amp;searchdata1=ocn876515913" target="_blank" rel="noopener">ALBERTA</a>&nbsp;(Canada),&nbsp;<a href="http://aleph-www.ub.fu-berlin.de/F/BJNPRR5F7A6N8XBPRLPE4M9UIN7LDKVAA4CN54TM5SB5QBD2SB-07562?func=find-e&amp;request=Revista+brasileira+de+obesidade%2C+nutri%C3%A7%C3%A3o+e+emagrecimento&amp;find_scan_code=FIND_WRD&amp;adjacent=N" target="_blank" rel="noopener">BERLIN</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="http://ul-newton.lib.cam.ac.uk/vwebv/search?searchCode1=ISSN&amp;searchType=2&amp;argType1=any&amp;searchArg1=1981-9919" target="_blank" rel="noopener">CAMBRIDGE</a>&nbsp;(Inglaterra),&nbsp;<a href="https://opac.ub.tum.de/search?bvnr=BV042713271" target="_blank" rel="noopener">MUNIQUE</a>&nbsp;(Alemanha),&nbsp;<a href="https://searchworks.stanford.edu/?q=876515913" target="_blank" rel="noopener">STANFORD</a>&nbsp;(Estados Unidos), <a href="http://copac.jisc.ac.uk/" target="_blank" rel="noopener">COPAC</a>,&nbsp;<a href="https://ie.on.worldcat.org/oclc/876515913" target="_blank" rel="noopener">IE LIBRARY</a>, <a href="http://www.rebiun.org/" target="_blank" rel="noopener">REBIUN</a>,&nbsp;<a href="http://www.sudoc.abes.fr/" target="_blank" rel="noopener">SUDOC (L'ABES)</a>,&nbsp;<a href="http://www.worldcat.org/oclc/876515913" target="_blank" rel="noopener">WORLDCAT</a></li> </ul> <p>&nbsp;</p> </div> <div> <p><a href="/index.php/rbone/announcement/view/6"><strong>FATOR DE IMPACTO DA RBONE</strong></a></p> <p><strong><strong><a href="/index.php/rbone/announcement/view/10"><strong>CIRC DA RBONE</strong></a></strong></strong></p> </div> IBPEFEX pt-BR RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento 1981-9919 <p>Autores que publicam neste periódico concordam com os seguintes termos:</p> <ul> <li class="show">Autores mantém os direitos autorais e concedem ao periódico o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons Attribution License BY-NC</a> que permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada neste periódico (ex.: publicar em repositório institucional ou como capí­tulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial neste periódico.</li> <li class="show">Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citaçao do trabalho publicado (Veja <a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li> </ul> Potenciais efeitos obesogênicos da gordura interesterificada presente nos alimentos industrializados https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2444 <p>Introdução: Diante do cenário atual de desuso das gorduras parcialmente hidrogenadas pela indústria, o uso de gorduras interesterificadas e o seu consumo pela população tem aumentado nos últimos anos. Porém, os efeitos metabólicos da interesterificação no organismo ainda não são completamente elucidados. Objetivo: Discutir os efeitos de gorduras interesterificadas na composição corporal por meio de uma revisão integrativa da literatura. Materiais e Métodos: Os artigos foram pesquisados nas bases de dados Pubmed/Scielo/Lilacs e selecionados de acordo com os critérios de inclusão: artigos originais que avaliassem, em roedores ou humanos, o efeito do consumo de gordura interesterificada na composição corporal. Resultados: 14% (2) dos estudos tiveram seu desenho experimental delineado em humanos e 86% (12) em roedores. As fontes de gorduras utilizadas nos protocolos experimentais foram diferentes entre si, sendo 29% (4) gorduras ricas em ácidos palmítico ou esteárico e 29% (4) via óleo de palma, além do estudo de outros tipos de fontes lipídicas (43% - 6). Conclusão: Os resultados indicam que a gordura interesterificada é capaz de promover alterações na composição corporal. Entretanto, os resultados ainda são inconclusivos e mais estudos na área, com protocolos similares e que facilitem comparações, são necessários para elucidar o efeito obesogênico do consumo das gorduras interesterificadas.</p> Bruna Alonso Martins Cristiana Araújo Gontijo Cristina Matos Boaventura Léia Cardoso de Sousa Phelipe Elias da Silva Heitor Bernardes Pereira Delfino Copyright (c) 2024 Bruna Alonso Martins, Cristiana Araújo Gontijo, Cristina Matos Boaventura, Léia Cardoso de Sousa, Phelipe Elias da Silva, Heitor Bernardes Pereira Delfino https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 661 668 A importância de Políticas Públicas em saúde e educação na prevenção e no tratamento da obesidade na adolescência https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2436 <p>Introdução: A adolescência é uma fase de maior atenção ao estado nutricional, pois os indivíduos passam por mudanças hormonais, físicas e psicológicas que podem influenciar e ser influenciados pelo desenvolvimento ou agravamento da obesidade. Objetivo: Avaliar programas e políticas públicas direcionados à prevenção e tratamento da obesidade em adolescentes. Materiais Métodos: Trata-se de uma revisão narrativa da literatura, que foi realizada por meio das bases de dados PubMed, Scielo e Google Acadêmico, com a inclusão de artigos científicos e publicados entre os anos de 2009 e 2023, bem como os mais relevantes para a temática. Resultados: Foram avaliados 39 trabalhos que abordaram a temática “Qual a importância das políticas públicas para a prevenção e tratamento da obesidade na adolescência?”, dos quais foi relatado a escassez de políticas direcionadas aos adolescentes. Conclusão: Considerando a gravidade e incidência da obesidade na adolescência, conclui-se que há a necessidade de criação de programas e de políticas públicas direcionadas à educação alimentar e nutricional para adolescentes, como forma de promover a saúde atual e na fase adulta, bem como na prevenção de outros problemas de saúde pública no Brasil e no mundo.</p> Cristiane Soares do Nascimento Cristiana Araújo Gontijo Flávia Regina Nascimento Toledo Cristina Matos Boaventura Phelipe Elias da Silva Heitor Bernardes Pereira Delfino Copyright (c) 2024 Cristiane Soares do Nascimento, Cristiana Araújo Gontijo, Flávia Regina Nascimento Toledo, Cristina Matos Boaventura, Phelipe Elias da Silva, Heitor Bernardes Pereira Delfino https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 651 660 Comportamento alimentar de indivíduos com obesidade: Relação com os mecanismos de controle homeostático e hedônico da ingestão alimentar https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2428 <p>Introdução: A obesidade é uma doença de etiologia multifatorial e está intimamente relacionada com alterações no comportamento alimentar. Em tese, o organismo possui um mecanismo homeostático complexo para a regulação da fome, saciedade e adiposidade, porém em indivíduos com obesidade esse sistema sofre disfuncionalidade. Além disso, a comida tem sido alvo de prazer, principalmente alimentos com alta densidade energética, ricos em açúcares, gorduras e/ou aditivos químicos, denominados como ultraprocessados, que possuem alta palatabilidade, motivando o comportamento hedônico e consequentemente os sistemas de recompensa. Objetivo: Descrever os mecanismos envolvidos na regulação da fome e saciedade, assim como das motivações para consumir determinados alimentos e quantidades, motivados pelo controle hedônico, e suas associações com o comportamento alimentar de indivíduos com obesidade. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão narrativa da literatura, que foi realizada por meio das bases de dados Pubmed, Google Acadêmico e Cochrane, sendo incluídos prioritariamente artigos publicados posteriormente ao ano de 2018 nos idiomas inglês e português. Resultados: Foi identificada uma forte associação do consumo de alimentos ultraprocessados com a obesidade devido a sua alta densidade energética e palatabilidade, sendo alvo em comportamentos alimentares hedônicos devido a ativação de sistemas de recompensa. Além disso, a obesidade está relacionada com distúrbios nos controles homeostáticos, como resistências à insulina e leptina, sendo assim o controle da fome, saciedade e adiposidade se tornam disfuncionais, o que dificulta ainda mais o tratamento. Conclusão: A complexidade que envolve a obesidade e o seu tratamento, mostra a necessidade de mais políticas públicas e estudos para maior conhecimento dos mecanismos envolvidos.</p> Beatriz Mathenhauer Montai Messias Cristiana Araújo Gontijo Cristina Matos Boaventura Léia Cardoso de Sousa Phelipe Elias da Silva Heitor Bernardes Pereira Delfino Copyright (c) 2024 Beatriz Mathenhauer Montai Messias, Cristiana Araújo Gontijo, Cristina Matos Boaventura, Léia Cardoso de Sousa, Phelipe Elias da Silva, Heitor Bernardes Pereira Delfino https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 636 650 Análise crítica do ângulo de fase como ferramenta para o acompanhamento do sobrepeso e da obesidade https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2422 <p>Introdução: A avaliação da composição corporal por meio da análise de Bioimpedância Elétrica (BIA) tem aumentado na prática clínica e hospitalar, com destaque para o parâmetro do ângulo de fase (AF) com aplicação no prognóstico do desenvolvimento de diversas doenças. Objetivo: Avaliar a aplicação do ângulo de fase na evolução do tratamento de indivíduos com sobrepeso ou obesidade. Materiais e Metodos: Revisão narrativa crítica por meio de levantamento bibliográfico de materiais e artigos científicos sobre a aplicação do ângulo de fase como ferramenta nos casos que envolvam sobrepeso ou obesidade. Resultados: O AF tem relação com a integridade da membrana celular podendo indicar a evolução e gravidade de uma doença e o equilíbrio celular principalmente em indivíduos com perfil inflamatório que apresentem elevado risco de estresse oxidativo e dano celular. Fatores como etnia, sexo e idade interferem no uso do ângulo de fase como ferramenta para acompanhamento da evolução do sobrepeso e obesidade dificultando sua aplicação isolada para estes casos. A escassez de estudos para populações específicas e a falta de padronização na obtenção de dados limitam o uso na prática clínica e hospitalar quando relacionados exclusivamente no acompanhamento da evolução do sobrepeso e obesidade. Conclusão: O AF apresenta potencial como ferramenta auxiliar no prognóstico de indivíduos com sobrepeso e obesidade. A carência de valores de referência para este público é um obstáculo para sua aplicação na prática clínica e hospitalar, necessitando assim, de mais estudos específicos por grupos de etnia, sexo e idade.</p> Claudio Bomesiel Bernucci Cristiana Araújo Gontijo Cristina de Matos Boaventura Phelipe Elias da Silva Heitor Bernardes Pereira Delfino Copyright (c) 2024 Claudio Bomesiel Bernucci, Cristiana Araújo Gontijo, Cristina de Matos Boaventura, Phelipe Elias da Silva, Heitor Bernardes Pereira Delfino https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 627 635 Ansiedade e comportamento alimentar de estudantes universitárias https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2445 <p>Introdução: A ansiedade é um componente complexo que exerce influência em diversos aspectos sociais, incluindo o comportamento alimentar. No ambiente universitário, especialmente entre estudantes da área de saúde, o impacto da ansiedade nos hábitos alimentares pode levar ao desenvolvimento de padrões alimentares disfuncionais. Portanto, nosso objetivo foi avaliar os níveis de ansiedade e investigar sua relação com o comportamento alimentar em estudantes universitárias matriculadas em cursos relacionados à saúde. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo observacional com delineamento transversal, envolvendo mulheres (<u>&gt;</u>18 anos), que estavam se graduando em cursos da saúde. Os níveis de ansiedade foram mensurados utilizando o Inventário de Ansiedade-Traço (IDATE-T), enquanto o comportamento alimentar foi avaliado por meio do Questionário dos Três Fatores do Comportamento Alimentar (TFEQ-R21). Resultados: Nossa amostra foi composta por 71 estudantes universitárias, matriculadas nos cursos de Nutrição ou Enfermagem. Os resultados revelaram uma maior frequência de ansiedade-traço moderada em nossa população. Além disso, identificamos correlações positivas (p&lt;0,05) entre a ansiedade-traço e os comportamentos alimentares associados à alimentação emocional e ao comer descontrolado. No entanto, não foram encontradas correlações com significância em relação à ansiedade e restrição cognitiva. Conclusão: Os resultados do nosso estudo indicam que níveis mais elevados de ansiedade podem contribuir para o desenvolvimento de comportamentos alimentares emocionais e de comer descontrolado em estudantes universitárias. Esses achados enfatizam a importância de abordar tanto a saúde mental quanto o comportamento alimentar dentro dessa população específica.</p> Paulo Otávio da Silva Ferreira Jarson Pedro da Costa Pereira Maxsuel Pinheiro da Silva Fernanda da Fonseca Freitas Sancha Helena de Lima Vale Adenilson José Gomes Diana Quiteria Cabral Ferreira Copyright (c) 2024 Paulo Otávio da Silva Ferreira, Jarson Pedro da Costa Pereira, Maxsuel Pinheiro da Silva, Fernanda da Fonseca Freitas, Sancha Helena de Lima Vale, Adenilson José Gomes, Diana Quiteria Cabral Ferreira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 620 626 Risco de disbiose intestinal em profissionais e acadêmicos da saúde de um município do Estado de São Paulo https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2442 <p>Naturalmente, o nosso organismo é habitado pela microbiota, sendo esta essencial na maximização da utilização dos nutrientes da dieta. A disbiose é definida como distorções na composição da comunidade bacteriana presente ou homeostase prejudicada, frequentemente associadas com condições de saúde ou doenças. Os acadêmicos e profissionais da área da saúde deveriam ser considerados representantes de hábitos saudáveis e qualidade de vida. Objetivou-se avaliar o risco de disbiose intestinal dos profissionais e acadêmicos da área da saúde de Jundiai e região e identificar a relação das alterações intestinais com a alimentação. O método constitui-se em estudo quantitativo e transversal, com participação de 235 indivíduos entre 18 e 70 anos, de ambos os sexos, profissionais ou acadêmicos da saúde. Aplicou-se um questionário online, por meio de um link de acesso do Google Forms, o qual abordou: informações sociodemográficas, hábitos alimentares, conhecimento sobre microbiota intestinal, sinais/sintomas de disbiose intestinal e um questionário de Hipermeabilidade Intestinal. Foi realizada análise estatística descritiva e teste do qui-quadrado, p&lt;0,05. Nos resultados, verificou-se que 51,92% relataram sintomas que levam a um risco maior de hipermeabilidade, observou-se associação significativa em relação aos sinais e sintomas extraintestinais p&lt;0,0001 e no consumo de 2 vezes ou mais por semana do consumo de alimentos integrais como fator de proteção, enquanto as comidas prontas têm 5,36 vezes chance maior de sinais importantes do que os que não consomem. Concluiu-se que profissionais e acadêmicos da saúde demonstraram dificuldade em manter hábitos alimentares saudáveis e houve associação entre hábito saudável com sintomas de disbiose.&nbsp;</p> Cleomar Ana Souza Valentim Andre Silva Valentim Marília Jesus Batista Bruna Marcacini Azevedo Nogueira Copyright (c) 2024 Cleomar Ana Souza Valentim, Andre Silva Valentim, Marília Jesus Batista, Bruna Marcacini Azevedo Nogueira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 608 619 Avaliação da associação entre 25-hidroxivitamina D sérica e excesso de peso em escolares de áreas urbana e rural https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2440 <p>Introdução e Objetivo: Permanece controverso se insuficiência em vitamina D é inversamente proporcional ao índice de massa corporal, sendo ainda poucas as informações sobre vitamina D e sua relação com obesidade em escolares brasileiros. Objetivou-se avaliar as concentrações séricas de 25-hidroxivitamina D em escolares e identificar sua associação com estado nutricional. Materiais e Métodos: Estudo transversal com 262 escolares (idade 6-10 anos), regularmente matriculados em rede pública de ensino, sendo desfecho primário a concentração sérica de vitamina D, com coleta de dados na primavera. Aplicado questionário padronizado aos responsáveis legais e realizadas avaliação antropométrica e do estadiamento puberal, coleta de sangue e dosagem de 25-hidroxivitamina D (eletroquimioluminescência; deficiência &lt;20 ng/mL, insuficiência 20-30 ng/mL e normalidade &gt;30 ng/mL). Resultados: A média de idade foi 8,7 ±1,3 anos; 53% do sexo masculino; maioria pré-púbere (&gt;80%). A média de 25-hidroxivitamina D foi 40,4 ±10,2 ng/mL, sendo a prevalência de normalidade de 85,1%; 29,4% tinham excesso de peso, sem associação com a vitamina D sérica. Houve associação da 25-hidroxivitamina D com a localização rural da residência (p&lt;0,01) e da escola (p&lt;0,05), assim como com o hábito de exposição solar (p&lt;0,05). Conclusão: Prevalência de deficiência/insuficiência de 25-hidroxivitamina D foi inferior à de estudos nacionais e internacionais; excesso de peso foi similar ao encontrado em estudo nacional prévio, sem associação com vitamina D sérica. Crianças da zona rural apresentaram maiores concentrações séricas de 25-hidroxivitamina D quando comparadas às da zona urbana, assim como aquelas que se expunham ao sol.</p> Tania Mara Rodrigues Simões Rosangela da Silva Fernando Luiz Affonso Fonseca Dirceu Solé Roseli Oselka Saccardo Sarni Copyright (c) 2024 Tania Mara Rodrigues Simões, Rosangela da Silva, Fernando Luiz Affonso Fonseca , Dirceu Solé, Roseli Oselka Saccardo Sarni https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 599 607 Relação entre qualidade do sono, hábitos alimentares e estado nutricional de profissionais da saúde que atuam no horário noturno de uma unidade de pronto atendimento https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2439 <p>Introdução: A privação do sono devido a longas jornadas noturnas e rotinas exaustivas de trabalho afetam negativamente a alimentação e saúde humana, levando ao aumento de peso e influenciando a nutrição dos trabalhadores. Objetivo: Avaliar a relação entre qualidade do sono, hábitos alimentares e estado nutricional dos profissionais da saúde que atuavam no horário noturno em uma Unidade de Pronto Atendimento. Materiais e Métodos: Estudo de caráter transversal exploratório, com amostra de 30 profissionais de ambos os sexos. A coleta de dados foi constituída por aferição de peso e altura para classificação do estado nutricional, além de um questionário estruturado, o Questionário Holandês de Comportamento Alimentar e o Questionário de Frequência Alimentar Reduzido - Elsa-Brasil. Resultados e Discussões: Os dados foram considerados significativos a um nível de significância máximo de 5%. A maioria dos profissionais 66,6% (n=20) apresentaram excesso de peso e 60% (n=18) tiveram como o estilo alimentar mais frequentemente praticado a alimentação externa. A ingestão de frutas e verduras semanais foi insuficiente, ocorrendo 5,3 e 4,8 dias por semana, respectivamente, enquanto consumiam alimentos caracterizados como ultraprocessados, em média 7,3 vezes por semana. Observou-se maior consumo semanal de pizzas ou salgados assados entre os indivíduos classificados como obesidade grau I (p=0,047).&nbsp; Conclusão: Os profissionais atuantes no período da noite apresentam em sua maioria excesso de peso, estilo alimentar mais frequentemente praticado a ingestão externa e não apresentam hábitos alimentares adequados. O consumo de pizzas ou salgados assados semanal apresentou-se significativamente maior entre os indivíduos classificados como obesidade grau I.</p> Jardel Feldens Alana Luisa Scherer Fernanda Scherer Adami Copyright (c) 2024 Jardel Feldens, Alana Luisa Scherer, Fernanda Scherer Adami https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 588 598 Consumo de alimentos não saudáveis e sua relação com os níveis de estresse, ansiedade e qualidade do sono em acadêmicos de uma instituição de ensino superior no período da quarentena do COVID-19 https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2438 <p>Introdução: O isolamento social imposto pelas medidas sanitárias devido à pandemia de COVID-19 contribuiu para o sedentarismo e o aumento no consumo de alimentos ultraprocessados. Objetivo: Avaliar o consumo de alimentos não saudáveis e a sua relação com os níveis de estresse, ansiedade e qualidade do sono em alunos de uma Instituição de Ensino Superior durante o período da quarentena de Covid - 19. Materiais e Métodos: Estudo de delineamento transversal, com acadêmicos universitários. Foram avaliadas as variáveis: sociodemográficos e clínicos; mudanças no comportamento relacionado ao estilo de vida durante a pandemia e o consumo alimentar por meio do instrumento do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). A análise estatística foi realizada no programa SPSS<sup>®</sup> versão 21, sendo considerado estatístico significativo p&lt;0,05. Resultados e discussão: Participam 130 acadêmicos, sendo 88,7% do sexo feminino, média de idade de 25 (±7,6) anos. Entre os participantes, 43,9% referiram o aumento do peso e 18,5% a redução de peso neste período. O consumo de dois dias ou mais de frituras e salgados associaram-se com a redução da qualidade do sono e a maior prevalência do nível de estresse e ansiedade (p&lt;0,05). Conclusão: A associação encontrada entre o consumo de alimentos não saudáveis e o aumento do nível de estresse, ansiedade e redução da qualidade do sono, salientam a estreita relação existente entre os gatilhos emocionais e as escolhas alimentares. Tal constatação reforça a importância da educação nutricional com vistas ao comportamento alimentar, visando o comer intuitivo diante de situações estressoras.&nbsp;</p> Luide Hoffmann Bruna Bellincanta Nicoletto Gehrke Pâmela Antoniazzi dos Santos Josiane Siviero Verônica Bohm Karen Mello de Mattos Margutti Copyright (c) 2024 Luide Hoffmann, Bruna Bellincanta Nicoletto Gehrke, Pâmela Antoniazzi dos Santos, Josiane Siviero, Verônica Bohm, Karen Mello de Mattos Margutti https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 580 587 Trinta e seis sessões de treinamento intervalado de alta intensidade modifica a composição corporal https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2437 <p>Introdução: O futsal é uma modalidade esportiva que vem se expandindo constantemente e é praticado em mais de 120 países, seja ele no âmbito de rendimento, educacional ou de lazer. O futsal é uma modalidade de forte marcação, passes &nbsp;rápidos, frequentes situações de superioridade/ inferioridade e igualdade numérica e incessante movimentação com e sem a posse de bola. Objetivo: o objetivo do estudo foi verificar e analisar os efeitos do protocolo HIIT Tabata na composição corporal de jogadores de futsal. Materiais e Métodos: A amostra foi de 61 jogadores de futsal do sexo masculino, com idade entre 15 e 35 anos, divididos sub-20 e adultos com grupo controle (n=16) e intervenção (n=45). Foram incluídos na pesquisa os indivíduos jogadores de futsal a no mínimo 6 meses, e frequentando os treinos da equipe e que tinham idade entre 15 e 35 anos. Os indivíduos realizaram o protocolo HIIT Tabata (20:10) durante 4 minutos com frequência de três vezes semanal durante 12 semanas. Análise estatística: Dados descritivos média e desvio padrão foram utilizados, assim com teste de Shapiro-wilk foi utilizado para normalidade dos dados, ANOVA fatorial mista foi utilizada para estatística inferencial. Resultados e discussão: Os resultados nos mostram que o peso corporal teve uma redução significativa nas duas categorias, sub-20 (p&lt;0,001) e adultos (p&lt;0,001) do grupo intervenção. O percentual de gordura diminui significativamente nas duas categorias, sub-20 (p&lt;0,001) e adultos (p&lt;0,021) do grupo intervenção. A massa corporal magra teve redução nas duas categorias, sub-20 (p&lt;0,001) e adulta (p=0,06) do grupo intervenção. A massa gorda atenuou 2,05 kg para sub-20 (p&lt;0,001) e 1,44kg na categoria adulto do grupo intervenção (p=0,06). Conclusão: Os resultados indicam que as 36 sessões de treinamento intervalado de alta intensidade - HIIT Tabata, foram capazes de modificar a composição corporal de jogadores de futsal.</p> Marcio Tavares Magalhães Gyllyandeson de Araújo Delmondes Sergio Augusto Rosa de Souza Carlos Eduardo Neves Amorim Marlon Lemos de Araújo Francisco Navarro Antonio Coppi Navarro Copyright (c) 2024 Marcio Tavares Magalhães, Gyllyandeson de Araújo Delmondes, Sergio Augusto Rosa de Souza, Carlos Eduardo Neves Amorim, Marlon Lemos de Araújo, Francisco Navarro, Antonio Coppi Navarro https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 570 579 Atividade física e fatores associados no contexto da atenção primária https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2435 <p>As doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT) respondem no início do século XXI pelas mais elevadas taxas de morbidade e de mortalidade em diversos países do mundo.&nbsp;Sendo assim, o objetivo do estudo foi verificar a prevalência e analisar os fatores associados à não prática regular de atividades físicas (AF) por semana dos indivíduos cadastrados no contexto da atenção primária numa Unidade Básica de Saúde de Nova Mamoré-RO. Estudo transversal, com usuários entre 30 e 74 anos, 2019. Foram utilizados os questionários: Internacional de Atividade Física (IPAQ) em sua versão mais curta, sociodemográficos, exames bioquímicos e antropométricos. Estratificação do Risco Cardiovascular (RCV) e da síndrome metabólica. Regressão logística binária. Dos 63 usuários 68,3% autorrelataram que não praticam AF pelo menos 150 minutos semanais, 10 minutos contínuos, ou frequência mínima de três vezes por semana. Após ajuste os fatores associados não prática AF foram idade igual ou maior que 50 anos, cor da pele não branca, circunferência da cintura alterada, colesterol LDL elevado &gt;190 mg/dl, colesterol HDL baixo &lt;40 mg/dl, risco cardiovascular alto &gt;20% e presença da síndrome metabólica (p&lt;0,05). Aspectos multifatoriais devem ser considerados em estratégias de promoção da saúde direcionadas nas ações de aconselhamento para a prática regular de AF na Atenção Primária à Saúde.</p> Sintia Mara Haito Marcelo Tiago Balthazar Corrêa Josivana Pontes dos Santos Edson dos Santos Farias Copyright (c) 2024 Sintia Mara Haito, Marcelo Tiago Balthazar Corrêa, Josivana Pontes dos Santos, Edson dos Santos Farias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 560 569 Efeito do treinamento multicompetentes e educação alimentar e nutricional para mulheres de meia idade e idosas https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2434 <p>Introdução: Tanto o exercício físico quanto os hábitos alimentares saudáveis atuam na prevenção e auxílio no tratamento de diversas Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT), além melhorarem a capacidade funcional do ser humano. Objetivo: Comparar o efeito do treinamento multicomponentes e de atividades de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) em mulheres de meia idade e idosas da cidade de Ubá, Minas Gerais. Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa quase experimental, composta pela avaliação (características sociodemográficas, risco de diabetes, avaliação pressórica e antropométrica), pré e pós a 16 semanas de treinamento físico multicomponentes ou atividades EAN. Resultados: Foi observado que o grupo que participou das atividades de EAN apresentou maior grau de instrução (p&lt;0,001); além disso, apesar de não haver diferença estatística, após 16 semanas de intervenção o grupo EAN apresentou tendência de redução dos parâmetros antropométricos e do risco de diabetes (antes: 13,5±5,6; depois: 12,00 ±6,3) e pressão arterial, comparado ao grupo de treinamento multicomponentes. Conclusão: A intervenção nutricional pode apresentar resultados superiores na redução dos parâmetros antropométricos, pressóricos e risco de diabetes quando comparada ao exercício físico, evidenciando a necessidade das atividades de intervenção física ocorrerem em conjunto com as atividades de EAN.</p> Anita Vieira Gomes Luciele Meireles de Oliveira Maciel Gabriela Amorim Pereira Sol Iasmin Pires Leite Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira Copyright (c) 2024 Anita Vieira Gomes, Luciele Meireles de Oliveira Maciel, Gabriela Amorim Pereira Sol, Iasmin Pires Leite, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 548 559 Gatilhos emocionais que disparam a compulsão alimentar https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2433 <p>Introdução: O Transtorno de Compulsão Alimentar (TCA) são episódios recorrentes de compulsão alimentar (CA) que devem ocorrer, em média, ao menos uma vez por semana durante três meses. O objetivo dessa pesquisa é compreender e identificar os gatilhos emocionais que disparam a compulsão alimentar. Materiais e métodos: Pesquisa integrativa, nas bases de dados BVS, Google Acadêmico e Scielo, a partir dos seguintes descritores: “Alimentação e Emoção”, “Compulsão Alimentar”, “Obesidade”. Resultados e Discussão: Alguns gatilhos emocionais encontrados foram restrições dietéticas, sentimentos negativos relacionados ao peso corporal, a forma do corpo ao alimento, tédio, angústia, depressão, afeto negativo, raiva, privação de prazer, sentimento de culpa, desgosto, angústia acentuada, humor deprimido, ansiedade, depressão, baixa autoestima, dentre outros. Conclusão: Alguns hábitos alimentares estão ligados ao prazer, onde o alimento é um condutor de afeto que compensa sentimentos como raiva, tristeza, angústia, ansiedade entre outros, que podem ser gatilhos emocionais que disparam a compulsão alimentar e/ou da obesidade. Esse estudo poderá agregar conhecimento à prática profissional e poderá contribuir para a compreensão e a identificação prévia dos sintomas que estão ligados as emoções que afetam os hábitos e comportamentos alimentares de forma a amenizar o sofrimento físico e psíquico causados pelo TCA, CA e obesidade.</p> Renata Openheimer Maria Isabel Bordignon Ana Paula Cachola Camargo Ana Lúcia Alves Caram Copyright (c) 2024 Renata Openheimer, Maria Isabel Bordignon, Ana Paula Cachola Camargo, Ana Lúcia Alves Caram https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 540 547 Eixo intestino-pele: Disbiose intestinal, alimentação e distúrbios dermatológicos em mulheres https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2430 <p>Introdução: Atualmente, há uma grande ênfase nos procedimentos estéticos no tratamento de desordens dermatológicas. No entanto, para alcançar resultados satisfatórios, é crucial adotar uma abordagem multiprofissional, uma vez que as causas dessas desordens vão além de alterações localizadas na pele e podem envolver outras partes do corpo, como o intestino. Objetivo: Sabendo da importância da alimentação na saúde intestinal e da pele, através do eixo intestino-pele, este estudo busca relacionar a disbiose intestinal, com uma alimentação pobre em prebióticos e probióticos, com desordens dermatológicas em mulheres que procuraram atendimento estético. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, com 20 mulheres frequentadoras de uma clínica de estética em Francisco Beltrão - PR. Foi realizada anamnese estética para avaliar os hábitos de cuidados com a pele e exame visual da pele, também foi aplicado o questionário de rastreamento metabólico, escala de Bristol de forma fecal, questionário de frequência alimentar e aferição de peso e altura. Resultados: Foi possível observar que o consumo de pré e probióticos da maior parte dos alimentos elencados não foi adequado e que o consumo de leite integral e o não consumo de feijão pode estar associado com a presença de sensibilidade cutânea. Conclusão: Sugere-se mais estudos, especialmente longitudinais e de intervenção, para elucidar as questões levantadas na presente pesquisa.</p> Angélica Ribeiro Priester Gabriela Datsch Bennemann Marina Daros Massarollo Caryna Eurich Mazur Copyright (c) 2024 Angélica Ribeiro Priester, Gabriela Datsch Bennemann, Marina Daros Massarollo, Caryna Eurich Mazur https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 527 539 Efeitos agudos da estimulação transcraniana por corrente continua (etcc) combinada com exercício aeróbico no tratamento da compulsão alimentar: um ensaio randomizado controlado https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2426 <p>Objetivo: Investigar se uma sessão de estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) isolada ou combinada com exercício aeróbico (EA) poderia reduzir o consumo alimentar e a percepção de fome e saciedade em pacientes com transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP). Materiais e Métodos: Indivíduos adultos com TCAP foram recrutados em um estudo randomizado, controlado e duplo-cego. Os participantes receberam uma sessão (1) tDCS ativo, (2) placebo e EA tDCS ou (3) tDCS ativo e EA. A ETCC foi aplicada a 2mA/20 min, com o ânodo sobre o córtex pré-frontal dorsolateral direito e o cátodo sobre a região supraorbitária contralateral. O EA foi realizado em esteira após ETCC, com aquecimento inicial e intensidade de 60-65% da FCmax, repetindo as avaliações ao final. Os resultados primários incluíram medidas de ingestão de alimentos e percepções de fome, saciedade e desejo. Resultados: O grupo ETCC apresentou valores menores de massa magra e triglicerídeos em relação aos demais grupos. No entanto, em relação à ingestão alimentar, fome, saciedade ao longo do dia e desejo incontrolável de comer, a ETCC isolada ou combinada foram igualmente eficazes. Conclusões: ETCC sozinho ou combinado com EA melhorou os resultados clínicos em pacientes com TCAP. Ao nosso conhecimento, até o momento, este é o primeiro estudo mostrando que a associação de tDCS com exercícios aeróbicos para aliviar os sintomas de pacientes com EB. Registro de teste: identificador ReBEC RBR-3d8fd2.</p> Milena Artifon Gabriel Mayer Tossi Nathália Griebler Pedro Schestatsky Rodrigo Leal Samuel Munhoz Lucas Beraldo Lauren Naomi Adachi Caroline Pietta-Dias Copyright (c) 2024 Milena Artifon, Gabriel Mayer Tossi, Nathália Griebler, Pedro Schestatsky, Rodrigo Leal, Samuel Munhoz, Lucas Beraldo, Lauren Naomi Adachi, Caroline Pietta-Dias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 517 526 A dieta low FODMAP na ansiedade, depressão e qualidade de vida na síndrome do intestino irritável pelo critério Roma IV https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2425 <p>Introdução: A síndrome do intestino irritável é uma das principais desordens gastrointestinais, apresentando um impacto significativo no bem-estar físico e mental. Poucos estudos abordam os efeitos da dieta low FODMAP na ansiedade, depressão e qualidade de vida, especialmente com o atual critério de diagnóstico, o Roma IV. Objetivo: Avaliar os efeitos da dieta low FODMAP na ansiedade, depressão e na qualidade de vida utilizando o critério Roma IV em pacientes com a SII. Materiais e métodos: Trata-se de uma revisão integrativa. A busca foi realizada entre abril e junho de 2023 em quatro bases de dados: PubMed, Cochrane Library, Biblioteca de Saúde Virtual e Scopus. Utilizou-se o critério PICOS para a construção da pergunta norteadora, e o PRISMA-ScR para a seleção dos artigos. Resultados e discussão: Foram selecionados quatro estudos, com a intervenção de uma dieta low FODMAP, avaliando os sintomas psicológicos (HADS), gastrointestinais (IBS-SSS) e a qualidade de vida (IBS-QOL). Os fatores dietéticos, psicológicos e gastrointestinais estão diretamente associados à qualidade de vida. Conclusão: A interação entre o eixo cérebro-intestino-microbiota tem um impacto significativo nos sintomas da SII, incluindo alterações nos hábitos intestinais, dor abdominal e comorbidades psiquiátricas. Essas alterações podem explicar a alta prevalência de ansiedade, depressão e uma menor qualidade de vida em pacientes com SII. A dieta low FODMAP foi observada como sendo superior na redução dos sintomas gastrointestinais e psicológicos e na melhoria da qualidade de vida. A aderência e aceitabilidade da dieta low FODMAP são importantes considerações quando se está avaliando a sua aplicação clínica.</p> Davi Renan Souto Torres Ienara David Sombra de Lima Ruth Silva Galdino Victor Vincent Morais de Lima Pedro dos Santos Carlos Larissa Luna Queiroz Copyright (c) 2024 Davi Renan Souto Torres, Ienara David Sombra de Lima, Ruth Silva Galdino, Victor Vincent Morais de Lima, Pedro dos Santos Carlos, Larissa Luna Queiroz https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 509 516 Glicose salivar: Associação com parâmetros glico-lipêmicos e quantificação por FT-IR em trabalhadores rurais https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2424 <p>Um novo método baseado em Espectroscopia de Absorção Molecular no Infravermelho com transformada de Fourier (FT-IR) e quimiometria foi desenvolvido para a quantificação de glicose salivar usando amostras de saliva e sangue de 104 trabalhadores rurais de cinco municípios do Vale do Rio Pardo-RS, Brasil. O achado mais relevante do perfil glico-lipêmico foi a maior prevalência de níveis elevados de colesterol total e HDL em mulheres (p&lt;0,05). Hipertrigliceridemia também foi mais prevalente em mulheres considerando apenas os valores acima do limite máximo desejável (1,0509 mmol.L<sup>-1</sup>). Glicose salivar oscilou entre 0 e 0,7221 mmol.L<sup>-1</sup> e não apresentou correlação significativa com os parâmetros glico-lipêmicos avaliados. A análise de regressão via mínimos quadrados parciais entre os espectros salivares de 1ª derivada adquiridos pela técnica de reflectância especular (SRIFTS) e os respectivos valores de glicose salivar avaliados por método enzimático originaram um modelo quimiométrico com boa qualidade preditiva (RMSECV=0,0007; RMSEP = 0,0009, R<sup>2</sup>=0,999990, p&lt;0,0001). Portanto, conclui-se que a utilização de glicose salivar não se mostra como um biomarcador adequado para avaliar perfil glico-lipêmico em trabalhadores rurais. Por outro lado, pode ser estimada com facilidade por FT-IR usando método quimiométrico.</p> Rosileidi Pappen Umpierres Hildegard Hedwing Pohl Valeriano Antonio Corbellini Copyright (c) 2024 Rosileidi Pappen Umpierres, Hildegard Hedwing Pohl, Valeriano Antonio Corbellini https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 496 508 Fatores de risco para doenças cardiovasculares em usuários de um centro de atenção psicossocial https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2421 <p>Introdução: Evidências apontam a vulnerabilidade de indivíduos com transtornos mentais para fatores de risco associados às doenças cardiovasculares. Objetivo: Avaliar os fatores de riscos para doenças cardiovasculares em usuários atendidos em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Itaqui. Materiais e Métodos: Estudo transversal com usuários de ambos os sexos e idade ≥ 20 anos. Dados sociodemográficos, clínicos, consumo alimentar e estilo de vida foram obtidos por aplicação de um questionário e prontuário; e aferidas medidas antropométricas (peso, altura e circunferência da cintura). Para avaliação dos fatores de risco para doenças cardiovasculares considerou-se os fatores: antropométricos (excesso de peso e aumento da circunferência da cintura); clínicos (doenças e uso de medicamentos); dietéticos (consumo diário: inferior para frutas, verduras e legumes; e elevado para alimentos ricos em açúcar e gordura) e estilo de vida (inatividade física, consumo de álcool e tabaco). A análise dos dados foi realizada através de análise descritiva. Resultados: Houve predominância de usuários do sexo feminino, de maiores idades, de menor renda e escolaridade. Identificou-se muitos participantes com doenças pré-existentes e uso de medicamentos. Os fatores de risco mais prevalentes foram: excesso de peso, circunferência da cintura aumentada; presença de pelo menos uma patologia; uso de medicamentos; baixo consumo diário de feijão, frutas, verduras e legumes; consumo diário de alimentos ricos em açúcar, gorduras e sódio; e inatividade física. Conclusão: A presença de fatores de risco cardiovasculares evidenciada aponta a necessidade de ações regulares de promoção de saúde e estilo de vida saudáveis nessa população.</p> Andressa Moreira Inda Luana Fioravanti Roland Shanda de Freitas Couto Simone de Castro Giacomelli Copyright (c) 2024 Andressa Moreira Inda, Luana Fioravanti Roland, Shanda de Freitas Couto, Simone de Castro Giacomelli https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 483 495 Correlação entre variáveis antropométricas, composição corporal e consumo máximo de oxigênio em adolescentes com sobrepeso ou obesidade https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2419 <p>Introdução: A obesidade infantil, têm aumentado drasticamente, mostra-se assim, uma preocupação referente ao tratamento da obesidade na infância e adolescência. Objetivo: Correlacionar variáveis antropométricas, de composição corporal e consumo máximo de oxigênio (VO<sub>2</sub>máx) em adolescentes com sobrepeso ou obesidade. Materiais e Métodos: Estudo transversal, correlacional e comparativo com 40 adolescentes, separados por sexo: (meninos n=17 e meninas n=23), com idade=15,6 ±1,1 anos. Foram coletadas medidas de Índice de Massa Corporal (IMC); Circunferência de Cintura (CC); Circunferência de Quadril (CQ); Relação Cintura-Quadril (RCQ); Massa Gorda (MG); Massa Magra (MM); Massa Muscular Esquelética (MME); Percentual de Gordura Corporal (%G) e VO<sub>2</sub>máx. Para estimar a composição corporal utilizou-se a bioimpedância elétrica InBody520®. O VO<sub>2</sub>máx foi estimado via teste de Leger e Lambert (1988). A normalidade foi testada por meio do teste de Shapiro-Wilk. Resultados: Meninos apresentaram valores superiores para CC; RCQ; MM; MME e VO<sub>2</sub>máx (p&lt;0,01), enquanto as meninas apresentaram maiores valores para o %G (p&lt;0,01). Meninos e meninas, verificou-se correlações negativas (p&lt;0,05) entre VO<sub>2</sub>máx e MG (r=-0,37), VO<sub>2</sub>máx e %G (r=-0,63) e correlações positivas (p&lt;0,01) entre VO<sub>2</sub>máx e MM (r=0,51), VO<sub>2</sub>máx e MME (r=0,52). Nos meninos, identificou-se correlações negativas (p&lt;0,01) entre VO<sub>2</sub>máx e IMC (r=-0,68), VO<sub>2</sub>máx e CC (r=-0,64; p&lt;0,01), VO<sub>2</sub>máx e CQ (r=-0,62), VO<sub>2</sub>máx e MG (r=-0,69) e VO<sub>2</sub>máx e %G (r=-0,77). Conclusão: Observou-se diferenças nos valores de composição corporal e VO<sub>2</sub>máx entre os sexos. Diferentes variáveis antropométricas, de composição corporal e VO<sub>2</sub>máx estão correlacionadas, podendo elevar riscos cardiometabólicos em adolescentes com sobrepeso ou obesidade do sexo masculino.&nbsp;</p> Henrique Broio de Souza Fabiano Mendes de Oliveira Isabella Carolina Santos Isabela Ramos Mariano Nelson Nardo Junior Marcos Roberto Brasil Bráulio Henrique Magnani Branco Copyright (c) 2024 Henrique Broio de Souza, Fabiano Mendes de Oliveira, Isabella Carolina Santos, Isabela Ramos Mariano, Nelson Nardo Junior, Marcos Roberto Brasil, Bráulio Henrique Magnani Branco https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 470 482 Ações e estratégias da atuação profissional do nutricionista na atenção básica https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2418 <p>O objetivo deste estudo é relatar uma metodologia ativa de ensino, realizada com os graduandos do curso de Nutrição de uma Universidade Pública, visando formular uma matriz de ações junto ao cuidado nutricional. Trata-se de um relato de experiência, realizado por meio de um Painel de Discussão, a fim de levantar as possíveis ações e estratégias nutricionais voltadas ao campo da Atenção Básica à Saúde. Foi elaborada uma Matriz de atividades junto ao escopo das ações estratégicas da Atenção Nutricional, visando o fortalecimento das orientações profissionais aos nutricionistas. Conclui-se que é necessário a formação de nutricionistas com uma visão e habilidades de trabalho multiprofissional, sendo fundamental o conhecimento sobre as ações estratégicas no cuidado nutricional como referência ao planejamento profissional.</p> Luiz Felipe de Paiva Lourenção Paulo Roberto da Silva Belisa Eduarda Crabbis Pablo Henrique Maximiano Salles Vitória da Cunha Paiva Carneiro Copyright (c) 2024 Luiz Felipe de Paiva Lourenção, Paulo Roberto da Silva, Belisa Eduarda Crabbis, Pablo Henrique Maximiano Salles, Vitória da Cunha Paiva Carneiro https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 459 469 Fatores associados a saúde intestinal de pacientes bariátricos no contexto da pandemia da covid-19 no Brasil https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2235 <p>Introdução: A obesidade é uma doença crônica que vem acometendo cada vez mais pessoas pelo mundo, considerada um problema de saúde pública, o tratamento mais eficaz para casos graves é a realização da cirurgia bariátrica, onde é feita a reconstrução gástrica, proporcionando perda de peso e consequente melhora do estado nutricional e saúde do paciente. Objetivo: Analisar os fatores associados a saúde intestinal de pacientes bariátricos no contexto da pandemia da COVID-19. Materiais e Métodos: Estudo de delineamento transversal, do tipo analítico e descritivo, realizado com pacientes bariátricos maiores de 18 anos, no contexto da pandemia da COVID-19, a coleta de dados foi realizada por meio da aplicação de formulários disponibilizados remotamente. Resultados: O estudo foi realizado com 412 participantes, a partir dele, constatou-se que a maioria são do sexo feminino, com ensino médio completo e renda familiar acima de sete salários mínimos, também foi observado que o público possuía mais de três anos de cirurgia bariátrica e mesmo consumindo alimentos mais saudáveis, a presença de alimentos processados e ultra processados ainda era muito comum, no que tange a saúde intestinal, a maioria dos participantes possui fezes com consistência normal, entretanto, o não consumo de frutas frescas esteve relacionado a piora da função intestinal, bem como o tempo de cirurgia e a técnica utilizada. Conclusão: A saúde intestinal de pacientes bariátricos, a partir da caracterização do tipo de fezes, esteve associado a fatores como: o não consumo de frutas frescas, tempo de cirurgia e técnica cirúrgica utilizada.</p> Thalya Cristina Ribeiro Brasil Bruna Gusmão Gomes Weany Jacqueline Costa da Conceição Marcela de Souza Figueira Daniela Lopes Gomes Vanessa Vieira Lourenço Costa Copyright (c) 2024 Thalya Cristina Ribeiro Brasil, Bruna Gusmão Gomes, Weany Jacqueline Costa da Conceição, Marcela de Souza Figueira, Daniela Lopes Gomes, Vanessa Vieira Lourenço Costa https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-06-20 2024-06-20 18 114 448 458 Dietas experimentais hiperlipídicas e compostos bioativos com efeito hipolipêmico https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2379 <p>Introdução: Dietas experimentais hiperlipídicas são modelos úteis para avaliar os impactos fisiológicos de dietas ricas em gorduras em humanos, assim como para avaliar impacto de compostos bioativos sobre estas condições. Assim, o objetivo deste estudo é identificar os modelos de dietas experimentais hiperlipídicas apresentados pela literatura e verificar os compostos bioativos utilizados para atenuação dos efeitos promovidos por estas dietas. Materiais Métodos: Foi realizada uma revisão de literatura, onde foram utilizadas as bases de dados “Google acadêmico”, “Pubmed”, “Scielo” e “Cochrane”. As palavras-chave utilizadas na busca foram “High fat diet” e “Hyperlipidic diet”. Resultados: Os resultados mostraram que os modelos de dieta hiperlipídica apresentaram importante variação em relação aos teores de lipídios utilizados, bem como em relação aos componentes lipídicos empregados. Também se verificou grande variabilidade em relação aos compostos bioativos testados para atenuar os efeitos destas dietas, sendo que estes compostos podem ser obtidos de frutas, temperos, cogumelos e uma grande variedade de plantas. Conclusão: Portanto, os modelos de dietas experimentais hiperlipídicas não apresentam padronização o que dificulta a interpretação e comparação de diferentes resultados.</p> Bruna Camargo Walter Sóstenez Alexandre Vessaro da Silva Daniela Miotto Bernardi Copyright (c) 2024 Bruna Camargo Walter, Sóstenez Alexandre Vessaro da Silva , Daniela Miotto Bernardi https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 434 447 A influência das mídias digitais no comportamento alimentar de universitários da área de humanas https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2416 <p>Introdução: O Comportamento alimentar é formado por um conjunto de ações relacionadas ao alimento, da escolha até a ingestão, determinado por aspectos sociais, demográficos, econômicos, culturais, psicológicos, adquirido por informações recebidas do ambiente e experiências anteriores. A influência da mídia afeta o comportamento e o pensamento de modo a induzir padrões alimentares, produzindo modelos de estilos de vida que passam a serem seguidos pelas pessoas. Objetivo: Avaliar se o uso das mídias e redes sociais impacta no comportamento alimentar dos universitários de uma universidade no Rio Grande do Sul. Materiais e Métodos: Estudo transversal quantitativo, aplicado questionário através de um formulário virtual sobre o grau de confiança dos universitários nas redes sociais e o impacto nas suas escolhas alimentares. Amostra: 227 universitários matriculados em uma instituição comunitária. Dados tabulados em planilha no software Excel® e submetidos à análise estatística descritiva. Resultados: A influência sobre as escolhas alimentares foi significativamente associada à faixa etária dos 21 aos 30 anos (p=0,030) e aos cursos de Licenciaturas (p=0,000). A prevalência de usuários seguidores de perfis de influenciadores digitais foi significativamente associada à faixa etária dos 18 aos 25 anos (p=0,923). Os cursos da área de Gestão/Negócios foram significativamente mais afetados pela influência da mídia em relação à percepção e relação com o corpo em comparação com o restante da amostra (p=0,000). Conclusão: Os universitários tiveram uma percepção diversificada em relação à confiabilidade das redes sociais e foi constatado que a mídia exerceu uma influência constante nos padrões alimentares e na percepção do corpo.</p> Laura Teixeira Fernanda Scherer Adami Patricia Fassina Simara Rufatto Conde Copyright (c) 2024 Laura Teixeira, Fernanda Scherer Adami, Patricia Fassina, Simara Rufatto Conde https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 422 433 Estado nutricional de pessoas com deficiência visual atendidas em uma escola na Região Sul do Brasil https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2412 <p>A deficiência visual é caracterizada como perda da capacidade visual que não pode ser corrigida totalmente com correção refrativa ou cirurgia, ocasionando uma limitação no desempenho de tarefas cotidianas. Objetivou-se investigar o estado nutricional de indivíduos com deficiência visual atendidos em uma escola localizada na cidade de Pelotas-RS. Tratou-se de um estudo observacional transversal, com adultos e idosos que apresentam diferentes graus de deficiência visual. Foi utilizado um questionário composto por 42 itens para obtenção de dados além das medidas antropométricas que foram realizadas para avaliar a composição corporal, estado nutricional e risco de doenças crônicas não transmissíveis. Fizeram parte do estudo 20 pessoas, predominantemente do sexo feminino, idosas e solteiras. Verificou-se que 55% dos participantes apresentaram excesso de peso. Além disso, foi constatado que 50% dos homens e 60% das mulheres tinham risco de complicações metabólicas associadas à obesidade central devido ao elevado perímetro da cintura. Portanto, os indivíduos com deficiência visual deste estudo apresentaram alta prevalência de sobrepeso e obesidade.</p> Andrew Sacilotto de Bairro Romancini Tiffany Prokopp Hautrive Anne Y Castro Marques Cristina Bossle de Castilhos Copyright (c) 2024 Andrew Sacilotto de Bairro Romancini, Tiffany Prokopp Hautrive, Anne Y Castro Marques, Cristina Bossle de Castilhos https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 414 421 Estado nutricional, hábitos alimentares e prática de exercício físico entre mulheres com síndrome do ovário policístico https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2410 <p>Introdução: A síndrome do ovário policístico é um distúrbio hormonal de causa multifatorial que pode ocasionar vários problemas metabólicos, com isso um estilo de vida saudável é importante para evitar as complicações decorrentes da síndrome. Objetivo: Avaliar o estado nutricional, hábitos alimentares e prática de exercício físico de mulheres com a síndrome. Materiais e métodos: Estudo transversal, realizado a partir de prontuários de pacientes com síndrome de ovários policísticos do Ambulatório de Nutrição Adulto da Universidade Federal de Pelotas, atendidas entre 2016 e 2022. A avaliação do estado nutricional ocorreu a partir do índice de massa corporal, circunferência de cintura e do pescoço. Quanto aos hábitos alimentares, foi analisado a frequência do consumo de frutas, hortaliças, açúcar simples, doces e alimentos integrais. Em relação ao exercício físico, observou-se o tipo, a intensidade e o tempo da prática. Resultados e discussão: Participaram do estudo 47 pacientes, das quais 23,4% tinham hipertensão e 17% diabetes ou pré-diabetes. De acordo com o estado nutricional, encontrou-se alta prevalência de obesidade a partir de todos os parâmetros avaliados. Conforme os hábitos alimentares, 56,5% e 48,9% das mulheres não consumiam frutas e hortaliças diariamente; em contrapartida, 47,8% e 33,3% consumiam açúcares e doces todos os dias. Ainda, 63,8% das mulheres não consumiam alimentos integrais. Quanto ao exercício físico, apenas 28,3% das pacientes praticavam, sendo 69,3% no tipo caminhada. Conclusão: A maior parte das pacientes apresentou obesidade, hábitos alimentares inadequados e tinha pouca adesão à prática de exercício físico.</p> Camila da Luz Pinheiro Costa Antônio Orlando Farias Martins Filho Cristina Bossle de Castilhos Renata Torres Abib Bertacco Lúcia Rota Borges Tiffany Prokopp Hautrive Anne Y Castro Marques Copyright (c) 2024 Camila da Luz Pinheiro Costa, Antônio Orlando Farias Martins Filho, Cristina Bossle de Castilhos, Renata Torres Abib Bertacco, Lúcia Rota Borges, Tiffany Prokopp Hautrive, Anne Y Castro Marques https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 404 413 Insatisfação da imagem corporal avaliada por escala de silhuetas entre acadêmicos do curso de nutrição https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2409 <p>Introdução: A imagem corporal engloba a percepção do próprio corpo, envolvendo suas partes constituintes, bem como os aspectos psicológicos relacionados a essas particularidades. Objetivo: Investigar a prevalência de insatisfação com a imagem corporal entre universitários do curso de nutrição de uma universidade privada no Sul do país. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo transversal, em que foram convidados todos os alunos matriculados no curso de graduação em nutrição da Universidade de Caxias do Sul no período de 2018. Os dados foram coletados através de questionários autoaplicáveis: Escala de Silhuetas Corporais, Body Shape Questionnarire, Eating Attitudes Test. O índice de massa corporal foi calculado a partir de peso e estatura referidos. Resultados: Foram avaliados 119 alunos, sendo 109 (91,6%) do sexo feminino, com idade mediana de 22 (20 - 26) anos. A partir da análise da escala de silhuetas corporais, verificou-se que 66 (55,46%) acadêmicos encontram-se insatisfeitos com a imagem corporal. Houve associação da insatisfação da imagem corporal com o ano de ingresso no curso e o índice de massa corporal. A prevalência de ingressantes no curso até o ano de 2014, assim como a prevalência de sobrepeso e obesidade e valores de índice de massa corporal foram maiores no grupo de alunos insatisfeitos com a imagem corporal quando comparados ao grupo satisfeitos. Não houve associação da imagem corporal com o comportamento alimentar. Conclusão: Houve prevalência de 55,46%de insatisfação corporal entre os acadêmicos avaliados. Pode-se observar que a maioria dos participantes se encontram insatisfeito com sua imagem corporal, tornando esse resultando preocupante.</p> Gabriela Fogassa Lorenna Andrade Barroso Lizot Bruna Bellincanta Nicoletto Copyright (c) 2024 Gabriela Fogassa, Lorenna Andrade Barroso Lizot, Bruna Bellincanta Nicoletto https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 395 403 O manejo medicamentoso e nutricional da obesidade: Uma análise comparativa https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2408 <p>Introdução: O manejo da obesidade deve ser conduzido prioritariamente pela modificação do estilo de vida (dieta e atividade física), entretanto se ocorrerem sucessivas falhas nessa primeira opção, pode-se partir para o uso de fármacos emagrecedores como terapia complementar a anterior. O objetivo deste estudo é comparar o tratamento nutricional e medicamentoso entre pacientes obesos em uso ou não de fármacos antiobesidade.&nbsp;Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa de campo quantitativa, exploratória e descritiva realizada no período de abril a maio de 2023. Foram avaliados pacientes obesos divididos em dois grupos, denominados: Grupo A: Intervenção dietética e Grupo B:&nbsp; uso de medicamentos antiobesidade quanto a variáveis antropométricas e qualitativas. Foram aplicados testes estatístico t pareado e estatística descritiva com significância de p &lt; 0,05.&nbsp;Resultados e discussão: &nbsp;Ao comparar os resultados antropométricos entre os grupos foi visto que B teve resultados mais expressivos em todos os parâmetros, entretanto alguns fatores interferiram na precisão desse resultado, entres eles o período de coleta de dados e a divergência no intervalo de tempo das consultas entre os grupos. Conclusão: Portanto, a eficácia dos medicamentos e da dieta foi constatada, visto que ambos os grupos perderam peso, contudo são necessários ensaios maiores e mais longos para que se tenha uma representatividade mais abrangente dos resultados encontrados. Além disso, pesquisas mais robustas, em amostra e espaço de tempo, podem averiguar com mais precisão se os benefícios compensam os riscos a longo prazo e se há reganho de peso no desmame das medicações.</p> Auxiliadora de Fatima Coelho Fonseca Thalia Carlos de Almeida Miranda Eduardo Ferreira Silva Copyright (c) 2024 Auxiliadora de Fatima Coelho Fonseca, Thalia Carlos de Almeida Miranda, Eduardo Ferreira Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 378 394 Caracterização das atividades coletivas com a população idosa no estado de Mato Grosso do Sul: Ciclo 2019 a 2022 https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2402 <p>A Política Nacional de Promoção da Saúde elenca a importância dos determinantes sociais da saúde para promoção da saúde e prevenção de doenças com intuito de atender as necessidades da população. Em 2014, a Rede de Atenção à Saúde consolidou as ações de promoção à saúde, que compõe compromissos futuros para a redução da desigualdade social e os riscos à saúde coletiva como estratégias de conduzir a integralidade do cuidado e articulação da rede, sobretudo em idosos com doenças crônicas, que representam uma parcela vulnerável da atenção primária.&nbsp; O objetivo do estudo foi determinar e caracterizar as atividades coletivas realizadas pela Atenção Primária à Saúde no Mato Grosso do Sul com o público idoso, por meio do Sistema de Informação em Saúde da Atenção Básica, entre 2019 e 2022. Trata-se de um estudo ecológico e retrospectivo, com delineamento transversal, utilizando-se dados de consulta livre e acesso público. Em relação, as atividades realizadas, a Avaliação e Procedimentos coletivos, foram as ações de promoção da saúde que mais geraram relatórios com êxito para a análise, e foi o foco desta investigação. A prática de atividades relacionadas à saúde foi mais intensa nos anos de 2019 a 2020 quando comparado aos outros anos. Entre 2019 e 2020, as práticas de saúde que se destacaram foram plantas medicinais/fitoterapia (14,3%), seguido de dependência química (13,8%), agravos negligenciados (13,7%) e envelhecimento/ climatério/ andropausa (13,6%). Faz-se relevante novas investigações que relacionem o monitoramento e a avaliação de ações da APS e as atividades coletivas com o público idoso.</p> Rodrigo Aranda Serra Adriano Menis Ferreira Jéssica Priscilla Resende Magalhães Copyright (c) 2024 Rodrigo Aranda Serra, Adriano Menis Ferreira , Jéssica Priscilla Resende Magalhães https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 370 377 Motivação para perda de peso: Protocolo de Intervenção para perda de peso em adultos baseado em Entrevista Motivacional e Modelo Transteórico da mudança de comportamento. Estudo de viabilidade para um ensaio clínico aberto de braço único https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2400 <p>Introdução e Objetivo: Determinar a viabilidade de recrutamento, retenção e adesão para um programa de entrevista motivacional para perda de peso em adultos. <strong>&nbsp;</strong>Materiais e Métodos: O estudo inclui sessões presenciais e online. Os participantes serão recrutados por meio de anúncios nas redes sociais e selecionados de acordo com os critérios de inclusão. Os participantes receberão 8 sessões de aproximadamente 30-45 minutos de entrevista motivacional de acordo com os processos de mudança na perda de peso, medidos pela escala S-Weight. Os resultados serão avaliados no início e no final do programa, que terá duração de 8 semanas. O principal resultado do estudo é a viabilidade. A intervenção será viável se a adesão às atividades propostas nas sessões for superior a 70%, conseguirmos recrutar 10 pacientes em 8 semanas, se a proporção de interessados e participantes inscritos for superior a 30% e mais de 75% dos participantes comparecer à visita final de estudo. O resultado secundário é a perda de peso, percentual de massa gorda, massa muscular, medidas de cintura e quadril e os escores de escalas comportamentais. Ética e discussão: Esta intervenção visa aumentar o nível de confiança do participante para implementar ações que levem à progressão do comportamento e, consequentemente, à ação e manutenção do peso perdido. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) sob o número 20220209 CAAE 59573622300005327.</p> Quênia de Carvalho Paola Rampelotto Ziani Adriane Ribeiro Rosa Jeferson Ferraz Goularte Copyright (c) 2024 Quênia de Carvalho, Paola Rampelotto Ziani, Adriane Ribeiro Rosa, Jeferson Ferraz Goularte https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 355 369 Sinais e sintomas de disbiose intestinal em pessoas em transição hormonal no município de Camaragibe-PE https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2396 <p>Introdução: A transexualidade pode ser entendida como a condição do indivíduo cuja identidade de gênero difere daquela designada no nascimento. Há poucos estudos sobre alimentação e nutrição deste público no Brasil. Desta forma, além da atenção e cautela na avaliação nutricional em razão das alterações metabólicas e corporais, os cuidados em nutrição são importantes no acompanhamento da saúde da pessoa trans que utiliza hormonização, para atenuação desses efeitos metabólicos e prevenção de Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs).&nbsp; Objetivo: Avaliar os sinais e sintomas de disbiose intestinal em pessoas que estão em transição hormonal no município de Camaragibe-PE. Materiais e métodos: Estudo transversal, de caráter quantitativo, realizado no município de Camaragibe-PE em 2022. A amostra foi composta por 37 participantes regularmente hormonizados, para transição hormonal seja feminina ou masculina. Dados foram coletados através da aplicação o Questionário de Rastreamento Metabólico (QRM) validado pelo Centro Brasileiro de Nutrição Funcional, havendo a construção do banco de dados no Excel e a realização de análises estatísticas. Resultados e discussão: Em torno de 83,78% (n=31) da amostra apresentou hipersensibilidade e cerca de 68% dos participantes possuíam a absoluta certeza de hipersensibilidade, demonstrando aspectos de um quadro de disbiose, a partir da interpretação do QRM. Conclusão: Faz-se importante a utilização de instrumentos diretos para avaliação da disbiose intestinal, ou seja, novas investigações sobre a temática. Além da importância de ter na equipe multiprofissional o papel do nutricionista dando suporte, orientando este público através da educação nutricional, com ênfase na saúde intestinal.</p> Ana Claudia Batista da Costa Thaynara Lays Sales Brandão Jakeline Olindina Francelino Copyright (c) 2024 Ana Claudia Batista da Costa, Thaynara Lays Sales Brandão, Jakeline Olindina Francelino https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 347 354 Associação entre o consumo alimentar e a síndrome de dumping de pacientes bariátricos no contexto da pandemia de COVID-19 no Brasil https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2392 <p>Introdução: A cirurgia bariátrica é uma das intervenções mais eficazes, seguras e indicadas para o tratamento da obesidade. Entretanto, apesar de seus benefícios, este procedimento pode ocasionar complicações indesejadas como a síndrome de Dumping. Além disso, a pandemia de covid- 19 interferiu na rotina dos indivíduos impactando a saúde e os hábitos alimentares da população, incluindo os pacientes bariátricos. Objetivo: Analisar a associação entre o consumo alimentar e a síndrome de Dumping de pacientes bariátricos no contexto da pandemia de Covid-19. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo, analítico, on-line com pacientes bariátricos maiores de 18 anos, no contexto da pandemia de Covid-19, a coleta de dados foi realizada por meio de aplicação de formulários disponibilizados de forma remota. Resultados: O estudo foi realizado com 412 participantes, sendo a maioria do sexo feminino, de escolaridade nível médio, renda familiar mensal acima de sete salários-mínimos e com mais de três anos de cirurgia. Foi observado alto consumo de alimentos in natura, no entanto, paralelamente houve um alto consumo de alimentos ultraprocessados, além da prevalência de sintomas de Dumping em alimentos ultraprocessados. Conclusão: A síndrome de dumping apresentou alta prevalência nos pacientes bariátricos, especialmente em indivíduos que consumiram alimentos ultraprocessados. Além da composição dos alimentos, os sintomas implicam nos hábitos alimentares. Por fim, fica evidente a importância do acompanhamento nutricional para esse público.</p> Samantha Cecília Vera da Cunha Cunha Bruna Gusmão Gomes Weany Jacqueline Costa da Conceição Marcela de Souza Figueira Daniela Lopes Gomes Vanessa Vieira Lourenço Costa Luiza Granitos Braga de Oliveira Copyright (c) 2024 Samantha Cecília Vera da Cunha Cunha, Bruna Gusmão Gomes, Weany Jacqueline Costa da Conceição, Marcela de Souza Figueira, Daniela Lopes Gomes, Vanessa Vieira Lourenço Costa, LuizaGranitos Braga de Oliveira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 337 346 Programa de alimentação do trabalhador: Composição nutricional e comparação com a ingestão diária recomendada em uma unidade de alimentação e nutrição https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2383 <p>Introdução: O programa do trabalhador (PAT) visa proporcionar uma alimentação nutricionalmente balanceada para os trabalhadores. Possibilitando melhor produtividade e reduzindo riscos relacionados ao trabalho. Objetivo: Verificar a adequação da composição nutricional do cardápio de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) com as recomendações do PAT e com a Ingestão Diária Recomendada (IDR). Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa com delineamento transversal e abordagem descritiva quantitativa em uma UAN, com análise de quinze dias do cardápio do estabelecimento. Foram comparados os valores médios de calorias, carboidratos, proteínas e lipídios com as recomendações do PAT e com a IDR. Resultados: Todos os valores médios de calorias e nutrientes foram significativamente maiores do que os recomendados (p&gt;0,05). Destaca-se que o valor médio de proteína está 44,24 gramas a mais do que o valor máximo recomendado, caracterizando um acréscimo de 147,5% da recomendação. Sobre a IDR, notou-se que em todos os nutrientes, os valores médios atingiram mais de 50% da IDR. Destaca-se o excesso de proteína, atingindo 98,99% da recomendação diária em uma única refeição. Conclusão: Constatou-se que o cardápio analisado não está adequado com as recomendações nutricionais, havendo desequilíbrio de nutrientes, o que pode afetar a saúde do trabalhador.</p> Alana Musolon Silveira Nancy Sayuri Uchida Luane Aparecida do Amaral Thais Biasuz Vania Schmitt Copyright (c) 2024 Alana Musolon Silveira, Nancy Sayuri Uchida, Luane Aparecida do Amaral, Thais Biasuz, Vania Schmitt https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 327 336 Predição do risco cardiovascular em mulheres adultas de uma cidade da zona da Mata de Pernamburco https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2382 <p>Introdução: As Doenças Cardiovasculares (DCV) lideram o número de óbitos entre homens e mulheres. Contudo, em mulheres os prognósticos são piores, sugerindo haver fisiopatologia diferente para doenças e risco cardiovascular entre os sexos, ainda assim, mulheres são subdiagnosticadas e sub representadas em estudos sobre DCV. Objetivo: Avaliar o risco cardiovascular em mulheres em idade adulta em uma cidade da Zona da Mata de Pernambuco. Materiais e Métodos: Estudo transversal, realizado com mulheres adultas no qual foram investigadas variáveis socioeconômicas, antropométricas e de predição do risco cardiovascular. As mulheres foram subdivididas em grupos: eutrofia, com sobrepeso e obesidade conforme o índice de massa corporal. A coleta de dados ocorreu entre abril e dezembro de 2022.&nbsp; As análises estatísticas foram realizadas, pelo programa SPSS, sendo realizados os testes: Anova one-way, Kruskal - Wallis e correlação de Pearson, para dados paramétricos, não paramétricos e correlação, respectivamente. Resultados: Foram avaliadas 54 mulheres das quais 25,9% foram classificadas como eutróficas, 31,5% com sobrepeso e 42,6% com obesidade. O perfil socioeconômico foi semelhante entre os grupos, contudo, o grupo com obesidade apresentou índices elevados de: pressão arterial sistólica e diastólica; percentual de gordura corporal e maior risco cardiovascular. Também foram encontradas correlações entre o aumento da RCQ e o Escore de Framingham. Conclusões: Nossos achados descrevem correlações entre excesso de peso e presença de fatores de risco cardiovasculares modificáveis, podendo inferir que a redução do peso corporal contribua para a diminuição das doenças cardiovasculares.</p> Debora Kathuly da Silva Oliveira Jéssica de Oliveira Campos Jéssica Gonzaga Pereira Amanda Felix de Sousa Jackson Vinicius Ferreira de Souza Maria Brenda Ellen dos Santos Pereira Ester Lourenço Marques de Oliveira Márcia José do Espírito Santo Silva Viviane de Oliveira Nogueira Souza Aiany Cibelle Simões-Alves João Henrique Costa-Silva Copyright (c) 2024 Debora Kathuly da Silva Oliveira, Jéssica de Oliveira Campos, Jéssica Gonzaga Pereira, Amanda Felix de Sousa, Jackson Vinicius Ferreira de Souza, Maria Brenda Ellen dos Santos Pereira, Ester Lourenço Marques de Oliveira, Márcia José do Espírito Santo Silva, Viviane de Oliveira Nogueira Souza, Aiany Cibelle Simões-Alves, João Henrique Costa-Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 317 326 Identificação de pacientes em risco cardiovascular elevado através do índice de conicidade em um hospital referência https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2381 <p>Introdução e Objetivo: A obesidade é considerada um dos principais fatores de risco para as doenças cardiovasculares, sendo o Índice de Conicidade um dos métodos antropométricos utilizados para a sua determinação. Desse modo, o objetivo do presente estudo foi estabelecer, a partir do Índice de Conicidade, a prevalência de risco cardiovascular elevado em pacientes cardiopatas hospitalizados. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo descritivo de caráter transversal realizado na Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, em Belém – Pará, com amostra de estudo do tipo não probabilística por conveniência de adultos e idosos de ambos os sexos, com diagnóstico de cardiopatia. Discussão: Este estudo apresentou concordância com achados clínicos na literatura, em que os pacientes com doença cardíaca tendem a apresentar o Índice de Conicidade alterado, o que acaba por enquadrar estes pacientes à condição de risco cardiovascular elevado. Resultados e Conclusão: A amostra foi composta por 182 pacientes, sendo 77,47% pertencente ao gênero masculino, com média de idade de 59,4± 13,3 anos. A maioria da população de estudo apresentou os valores do Índice de Conicidade acima dos pontos de corte, apresentando média de 1,33 ±0,08. Dos 182 pacientes avaliados, 89% (n=162) encontravam-se na situação de alto risco cardiovascular através deste Índice. Portanto, a partir dos resultados encontrados nesta pesquisa, fica nítida a importância do Índice de Conicidade no monitoramento de risco cardiovascular elevado, bem como de maiores estudos a cerca deste Índice, uma vez que ainda são poucos os que o utilizam para identificação de risco cardiovascular.</p> Késia Prestes Valente Dayanne Caroline Pinheiro Garces Mikaela Gallon Rosileide de Souza Torres Aldair da Silva Guterres Copyright (c) 2024 Késia Prestes Valente, Dayanne Caroline Pinheiro Garces, Mikaela Gallon, Rosileide de Souza Torres, Aldair da Silva Guterres https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 311 316 Influência das mídias sociais nos hábitos alimentares de praticantes de musculação https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2377 <p>Introdução: A facilidade de acesso às informações sobre alimentação e nutrição pelas mídias sociais dificulta a seleção de informações de qualidade, o que pode gerar grandes prejuízos a quem as utiliza. Objetivo: Analisar a influência das mídias sociais nos hábitos alimentares de praticantes de musculação. Materiais e métodos: Estudo transversal realizado com praticantes de musculação de uma academia situada na Zona da Mata Mineira, utilizando um questionário semiestruturado composto por 22 questões. Foram incluídos na pesquisa indivíduos adultos, praticantes de musculação e usuários da rede social. Resultados: A amostra foi composta por 92 indivíduos, sendo 54,35% do sexo feminino. Identificou-se que a maioria usava Instagram (89%) e WhatsApp (84%), entre 4 e 8 horas por dia (57,6%). A maioria (76,09%) seguia algum perfil nas redes sociais que divulgavam informações sobre alimentação. Quando questionados se há alguém que os motivam nas redes sociais, 54,35% dos entrevistados responderam que sim, mas 40% disseram não saber se tal pessoa tem formação acadêmica e 22,86% afirmaram que não tem. Por influência das redes sociais, 45,65% já consumiram suplementos, 54,35% alimentos e 41,3% dos participantes já fizeram algum tipo de dieta, principalmente as dietas low carb (47,37%) e hiperproteica (28,95%). A maioria (55,26%) não conseguiu manter o peso desejado após o término da dieta e 50% apresentaram algum sintoma devido a dieta, principalmente fraqueza (89,47%). Conclusão: A maioria dos participantes já foi influenciado pelas mídias sociais para o consumo de algum alimento e considerava irrelevante a formação acadêmica das pessoas que veiculam informação sobre alimentação.</p> Mariana de Melo Cazal Juarez Otávio Lourenço Portes Sandra Tavares da Silva Copyright (c) 2024 Mariana de Melo Cazal, Juarez Otávio Lourenço Portes, Sandra Tavares da Silva https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 300 310 Adaptação ao ambiente universitário impacta o consumo alimentar e estado nutricional dos estudantes ingressantes https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2372 <p>O ingresso à universidade pode exercer influências sobre o estilo de vida e comportamento alimentar dos jovens. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo identificar o consumo alimentar e estado nutricional de universitários e as possíveis modificações ao longo do primeiro ano de ingresso na universidade. Foi realizado estudo observacional longitudinal com 68 estudantes ingressantes da Universidade Federal de São Paulo. Foram levantados dados clínicos e sociodemográficos, hábito alimentar por meio do questionário de frequência alimentar e coleta de dados antropométricos. Aplicou-se Teste de Friedman para comparação dos dados amostrais vinculados, análise não-paramétrica de dados ordinais com medidas repetidas e medidas de tendência central e de dispersão para a análise dos dados descritivos. Os resultados identificaram redução de consumo da maior parte dos grupos alimentares presentes no inquérito alimentar, sobretudo de carnes, pescados e ovos, verduras e legumes, sucos naturais e gorduras. Houve aumento da frequência do consumo de fast foods. Verificou-se aumento da média de peso, índice de massa corporal (IMC), percentual de adequação da circunferência do braço e circunferência da cintura. A maioria dos entrevistados permaneceu sedentária ou insuficientemente ativa ao longo das avaliações, sem significância estatística entre as variações encontradas. A partir dos dados encontrados, conclui-se que apesar de serem estudantes ingressantes em universidade da área da saúde, não foi percebida preocupação com a manutenção de hábitos de vida saudáveis, com base no aumento de consumo de fast foods, na redução do consumo de frutas, vegetais e leguminosas e na manutenção do sedentarismo pela maioria dos entrevistados.</p> Ana Caroline Sinigaglia Leonardo Tyr da Silva Claudia Cristina Alves Pereira Copyright (c) 2024 Ana Caroline Sinigaglia, Leonardo Tyr da Silva, Claudia Cristina Alves Pereira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 285 299 Avaliação dos índices de desperdício de alimentos em UAN militar de médio porte https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2371 <p>O desperdício de alimentos é um problema encontrado em toda a cadeia produtiva, do plantio até a mesa dos consumidores. Neste cenário as UAN-apresentam como um dos setores que contribuem com parte desse desperdício. O presente estudo teve como objetivo a avaliação de desperdício de alimentos em uma UAN militar de médio porte e avaliar o desperdício entre os salões A, B e C, onde os militares se alimentam de acordo com sua patente. Para realização do trabalho, foi realizado uma pesquisa quantitativa através da coleta de dados durante o almoço, que ocorre no período das 11:30 às 13:45, durante 5 dias entre o mês de novembro e dezembro de 2021. A porcentagem de desperdício de sobras sujas teve média de 10% para os 05 dias avaliados, ou seja, acima de 3%, valor recomendando e aceitável para uma UAN, de acordo com a literatura. Outro resultado obtido, foi a presença de um maior desperdício de RI e de sobra per capita no salão A, composto por soldados e cabos, militares de patente e escolaridade mais baixas. Estes resultados podem estar relacionados a falta de conscientização para questão dos desperdícios. Assim, a partir das características verificadas para UAN avaliada, são necessárias medidas a fim de reduzir a SS e RI gerados e, como consequência, minimizar os custos e os impactos ambientais. Espera-se que os resultados noticiados, possam servir de base para que a unidade faça a implementação de medidas que vise uma diminuição do desperdício e consequentemente apresente melhora na produtividade.</p> Marcos Rafael Sousa Ferreira Martins Amanda Mattos Dias Martins Marco Antônio Pereira da Silva Leandro Pereira Cappato Copyright (c) 2024 Marcos Rafael Sousa Ferreira Martins, Amanda Mattos Dias Martins, Marco Antônio Pereira da Silva, Leandro Pereira Cappato https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 275 284 Estado nutricional e hábitos alimentares de pacientes bariátricos com e sem acompanhamento nutricional durante a pandemia de COVID-19 no Brasil https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2369 <p>Introdução: A pandemia de COVID- 19 é uma doença infecciosa com desenvolvimento de sintomas leves a graves e, dentre as medidas de prevenção, foi recomendado o isolamento social. Durante o confinamento, problemas emocionais e estresse, levou ao aumento do consumo de alimentos altamente calóricos e ultraprocessados. Pacientes pós-cirurgia bariátrica são especialmente vulneráveis ao sofrimento emocional e comportamentos de estilo de vida inadequados. Objetivo: Avaliar a associação entre o estado nutricional autorreferido, os hábitos alimentares e o acompanhamento nutricional de pacientes bariátricos no contexto da pandemia de COVID-19 no Brasil. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e analítico, on-line, com 412 pacientes bariátricos durante a pandemia de COVID-19 no Brasil no período de setembro de 2021 a fevereiro de 2022. Resultados e discussão: Pacientes com acompanhamento nutricional obtiveram maior IMC durante o período pré-pandemia e maior consumo de frutas frescas, enquanto pacientes sem acompanhamento nutricional obtiveram associação positiva com maior consumo de alimentos ultraprocessados e o hábito de não realizar 6 refeições por dia; adicionalmente, o não consumo de frutas frescas obteve associação positiva com elevado índice de massa corporal. Conclusão: Diante disso, fica evidente que a pandemia de COVID-19 ocasionou impactos na população estudada, com alterações nos dados antropométricos e nos hábitos alimentares.</p> Katarina Marcelino de Oliveira Vanessa Vieira Lourenço Costa Daniela Lopes Gomes Marcela de Souza Figueira Copyright (c) 2024 Katarina Marcelino de Oliveira, Vanessa Vieira Lourenço Costa, Daniela Lopes Gomes, Marcela de Souza Figueira https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 266 274 Relação da aceitação de dietas hospitalares e o estado nutricional de idosos hospitalizados https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2365 <p>Introdução e Objetivo: As dietas hospitalares visam melhorar a saúde, estado nutricional e quadro clínico do paciente hospitalizado, reduzindo o risco de complicações clínicas, o tempo de internação e a incidência de infecções. Este estudo objetivou avaliar a relação da aceitação de dietas hospitalares e o estado nutricional de idosos hospitalizados. Materiais e Métodos: Estudo transversal e descritivo com idosos hospitalizados no Hospital Escola da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul. Os critérios de inclusão do estudo: idosos e que possam relatar as informações ou que tivessem acompanhantes e ou responsáveis que pudessem responder o questionário por ele. Resultados: Sobre o estado nutricional, 44,4% da amostra foi classificada como bem nutrida, já pacientes moderadamente desnutridos e gravemente desnutridos apresentaram 22,2% e 33,3%, respectivamente. As dietas: pastosas, e hiperproteica e hipercalórica ou somente hiperproteica apresentaram menor aceitação por parte dos pacientes idosos internados. A dieta oferecida em ambiente hospitalar teve baixa aceitação no almoço e jantar comparado ao horário dos lanches e de maneira geral, temperatura, textura, sabor e frequência de oferta da refeição foram atributos classificados como bons pelos pacientes internados. Conclusão: Os resultados obtidos demonstram a importância de um acompanhamento nutricional eficaz no tratamento de idosos hospitalizados, ressaltando a importância das dietas hospitalares, para que os riscos atrelados à desnutrição sejam prevenidos e assim haja melhora do quadro clínico do paciente.</p> Myllene Espilma Pires Maria Clara Oliveira da Silva Haertel Bruna Souza do Nascimento Romina Buffarini Alessandra Doumid Borges Pretto Copyright (c) 2024 Myllene Espilma Pires, Maria Clara Oliveira da Silva Haertel, Bruna Souza do Nascimento, Romina Buffarini, Alessandra Doumid Borges Pretto https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 257 265 Associação do tempo e da qualidade de sono com índice de massa corporal em pacientes com doenças crônicas não transmissíveis https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2362 <p>Introdução: Com as mudanças no estilo de vida e exigências da sociedade moderna, a redução do tempo e da qualidade do sono têm se tornado comuns, paralelamente ao aumento da prevalência de obesidade e doenças crônicas não transmissíveis. Objetivo: Descrever a duração e qualidade do sono e relacioná-las ao índice de massa corporal, circunferência da cintura e percentual de gordura corporal em pacientes com doenças crônicas não transmissíveis. Materiais e métodos: Estudo transversal com pacientes de um ambulatório de Nutrição. A duração e a qualidade do sono foram avaliadas através de questionário. As variáveis idade, sexo, altura, índice de massa corporal e circunferência da cintura foram obtidas na anamnese padrão do serviço. O peso e o percentual de gordura corporal foram obtidos por bioimpedância elétrica. Foi testada a associação entre duração e qualidade do sono autorrelatadas com índice de massa corporal, circunferência da cintura e percentual de gordura corporal. Para as associações estatísticas, foi adotado um nível de significância de 5%. Resultados e discussão: Foram avaliados 69 pacientes, a maioria do sexo feminino (66,7%) e adultos (58%). A duração média do sono foi de 6,81 horas. A maioria (34,8%) dos pacientes relatou ter qualidade de sono sempre boa, sendo esse percentual maior entre os homens do que entre as mulheres (p=0,0077). Não houve associação entre tempo ou qualidade de sono e variáveis antropométricas. Conclusão: Apesar da baixa duração média de sono dos participantes não houve associação entre duração e qualidade do sono autorrelatadas com as variáveis antropométricas avaliadas.</p> Luísa Rocha da Silva Gabriela de Lemos Uliano Renata Torres Abid Bertacco Anne Y Castro Marques Copyright (c) 2024 Luísa Rocha da Silva, Gabriela de Lemos Uliano, Renata Torres Abid Bertacco, Anne Y Castro Marques https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 248 256 A deficiência da vitamina B12 em pacientes pós-cirurgia bariátrica: Um estudo sobre autoconhecimento nutricional https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2361 <p>Pacientes bariátricos devem realizar a reposição de vitamina B12 de forma contínua, assim como um adequado acompanhamento de profissionais de saúde no pré-operatório, no pós-imediato e ao longo da vida. O objetivo dessa pesquisa foi analisar o autoconhecimento de pacientes que realizaram cirurgia bariátrica, quanto a deficiência da vitamina B12, sua sintomatologia e a educação nutricional referente a reposição. Trata-se de uma pesquisa de abordagem quantitativa, de cunho transversal, no qual pacientes bariátricos preencheram um questionário via Google Forms, sobre questões referentes ao objetivo proposto. A partir dos dados coletados foi realizada a descrição da amostra estudada, no qual, observou-se que é majoritariamente composta por mulheres, na faixa etária de 42 a 49 anos. No pós-operatório da cirurgia bariátrica, 68% apresentaram deficiência de vitamina B12, considerando a deficiência da vitamina logo no primeiro momento. Já 24% relataram perda de memória e 22% relataram fadiga e fraqueza frequente. Quanto a reposição de vitamina B12, 42% foram orientados a repor via oral e 34% fizeram a intramuscular, porém cerca de 36% da amostra estuda, relata não seguir com a reposição recomendada. Em suma, pacientes bariátricos possuem autoconhecimento da deficiência da vitamina B12 e dos sintomas dessa ausência no organismo. Ademais, esses indivíduos iniciam o tratamento com a reposição, mas relatam não continuar com esse acompanhamento, fazendo-se necessário maiores orientações dos profissionais relacionados a cirurgia bariátrica frente a importância desse acompanhamento ser realizado periodicamente, de maneira a instruir adequadamente esses indivíduos frente a sua educação alimentar e nutricional.</p> Alessandra Aparecida de Resende Pereira Jaqueline Aparecida Resende Neves Viviane Aparecida Almeida Tamara Aparecida Reis de Freitas Thainá Richelli Oliveira Resende Samyra Giarola Cecílio Douglas Roberto Guimarães Silvia Copyright (c) 2024 Alessandra Aparecida de Resende Pereira, Jaqueline Aparecida Resende Neves, Viviane Aparecida Almeida, Tamara Aparecida Reis de Freitas, Thainá Richelli Oliveira Resende, Samyra Giarola Cecílio, Douglas Roberto Guimarães Silvia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-24 2024-02-24 18 114 241 247 Preferência por comportamentos favoráveis à prática da atividade física e a sua relação com o excesso de peso infantil https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2360 <p>Objetivo: Conhecer a preferência por comportamentos favoráveis à prática de atividade física em escolares e estimar eventual associação com o peso corporal. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal envolvendo 578 crianças em um município do sul do Brasil. As crianças foram classificadas de acordo com o escore z do IMC. As mães responderam a um questionário validado para avaliar as preferências das crianças por comportamentos favoráveis à prática de atividade física. As análises de regressão linear múltipla foram realizadas entre cada questão do instrumento e os escores z do IMC. Resultados: A prevalência de excesso de peso foi de 36,1%. Houve maior prevalência de comportamentos associados à prática de atividade física. Observou-se coeficiente de regressão positivo, estatisticamente significativo e independente entre o desinteresse em praticar esportes e excesso de peso; e coeficiente de regressão negativo, estatisticamente significativo e independente entre a questão relacionada ao desinteresse em pintar, desenhar ou ler revistas e valores inferiores de excesso de peso. Conclusão: Pode-se concluir que as crianças apresentaram diversos comportamentos favoráveis à prática de atividade física. Além disso, o desinteresse das crianças por praticar esportes e o interesse das crianças por pintar, desenhar ou ler revistas, ambos comportamentos que implicam em menor gasto calórico, mostraram estar associados ao excesso de peso.</p> Jefferson Luiz Traebert Adriano Alberti Leoberto Ricardo Grigollo Graziela Leão Eliane Traebert Copyright (c) 2024 Jefferson Luiz Traebert, Adriano Alberti, Leoberto Ricardo Grigollo, Graziela Leão, Eliane Traebert https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 233 240 Adaptação transcultural do instrumento cooking skills para idosos obesos https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2359 <p>A busca por intervenções multidisciplinares no manejo da obesidade na população idosa tem aumentado nos últimos anos. Neste cenário, o ato de cozinhar tem se apresentado como estratégia factível. Dado o exposto, o objetivo do presente estudo é disponibilizar para o Brasil, versão adaptada dosinstrumento Cooking Skills, a fim de instrumentalizar pesquisas na área de habilidades culinárias. Trata-se de uma pesquisa metodológica de tradução e adaptação transcultural do instrumento para a população idosa com obesidade. A etapa da adaptação seguiu o modelo metodológico de Beaton e colaboradores, sendo elas: tradução, síntese da tradução, retrotradução, comitê de especialistas e pré-teste. Foram analisadas as equivalências semânticas, idiomáticas, culturais e conceituais dos instrumentos, obtendo um ponto de corte igual ou superior a 80% de consenso entre o comitê de especialistas. A etapa de pré-teste foi realizada com a aplicação do instrumento para a população idosa com obesidade. Foram convidados indivíduos com idade entre 60 e 75 anos e com o IMC entre ≥ 30 kg/m<sup>2</sup> e ≤ 34,9 kg/m<sup>2</sup>, através de convite online aberto à comunidade. A aplicação dos questionários ocorreu de março a maio de 2022 em Curitiba, Paraná e contou com uma amostra de 32 indivíduos. Nenhum respondente referiu intercorrências durante o preenchimento do instrumento. Durante a etapa da adaptação, nenhum item precisou ser excluído e houve a preservação da originalidade dos instrumentos de origem. O questionário atingiu o ponto de corte para as equivalências citadas.</p> Ana Paula Garcia Fernandes dos Santos Giane Bientinez Sprada Regina Maria Vilela Copyright (c) 2024 Ana Paula Garcia Fernandes dos Santos, Giane Bientinez Sprada, Regina Maria Vilela https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 210 232 Efeitos de diferentes intervenções sobre a estabilidade lombo-pélvica, equilíbrio dinâmico, funcionalidade e mobilidade de tornozelos em mulheres com obesidade https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2358 <p>Introdução: O aumento da adiposidade abdominal provoca alterações do centro de gravidade, podendo levar a déficits de equilíbrio postural e da capacidade funcional durante a realização de tarefas cotidianas. A ativação dos músculos lombo-pélvicos, por meio do fortalecimento e conscientização postural, pode reduzir a sobrecarga mecânica aplicada sobre as estruturas passivas da coluna vertebral, melhorando a estabilidade do tronco e, consequentemente, o equilíbrio e a funcionalidade. Objetivo: Investigar os efeitos de três diferentes intervenções sobre a estabilidade lombo-pélvica, equilíbrio dinâmico, funcionalidade e mobilidade de tornozelos em mulheres adultas com obesidade. Materiais e métodos: A amostra foi composta por 60 mulheres obesas com idade de 30 a 50 anos e com IMC entre 30 e 39,9 kg/m<sup>2</sup>. As voluntárias foram randomizadas em três grupos: Grupo Exercício Físico, Grupo Interdisciplinar e Grupo Educação em Saúde. As voluntárias foram avaliadas nos momentos Basal, após 16 e 32 semanas, quanto à capacidade funcional, equilíbrio dinâmico e mobilidade dos tornozelos, IMC, perímetro de pescoço e cintura.&nbsp; Resultados: Houve redução da massa corporal e perímetro da cintura apenas no grupo interdisciplinar. Observou-se que a terapia interdisciplinar foi mais efetiva, quando comparada com o grupo Exercício ou com o grupo Educação em Saúde, para controle/prevenção de disfunções e alterações biomecânicas relacionadas ativação do músculo transverso do abdome, equilíbrio dinâmico, funcionalidade e mobilidade de tornozelos. Conclusão: Portanto, estratégias de intervenção interdisciplinares/interprofissionais devem ser estimuladas, visando a melhora de aspectos funcionais, em mulheres com obesidade.</p> Silvandro dos Santos Gil Liu Chiao Yi Danielle Arisa Caranti Ricardo da Costa Padovani Cauê Vazquez La Scala Teixeira Amanda dos Santos Moraes Vanessa Fadanelli Schoenardie Poli Ricardo José Gomes Copyright (c) 2024 Silvandro dos Santos Gil, Liu Chiao Yi, Danielle Arisa Caranti, Ricardo da Costa Padovani, Cauê Vazquez La Scala Teixeira, Amanda dos Santos Moraes, Vanessa Fadanelli Schoenardie Poli, Ricardo José Gomes https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 195 209 Composição corporal e prevalência da síndrome do obeso eutrófico em pacientes de um ambulatório de nutrição https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2357 <p>A Síndrome do Obeso Eutrófico (SOE) é caracterizada por uma condição clínica em que o indivíduo se encontra com um índice de massa corporal (IMC) adequado, porém, apresenta percentual de gordura corporal (%GC) elevado. O objetivo do trabalho foi investigar a prevalência da SOE em indivíduos adultos e idosos atendidos por um ambulatório de nutrição e as suas alterações na composição corporal.&nbsp; Tratou-se de uma pesquisa de caráter quantitativo, transversal, com análise de secundários, através das anamneses nutricionais. Os resultados indicaram que 97,3% eram adultos e 2,6% idosos, com maior prevalência do sexo feminino (78%). Dentre as patologias presentes, 3,8% possuíam diabetes mellitus, 15,1% hipertensão arterial (HAS) e 16,7% dislipidemia. O risco para doença cardiovascular (DCV) apresentou-se baixo em 84,4% da amostra. Com relação ao estado nutricional, 2,2% dos participantes apresentaram baixo peso, 35,5% eutrofia e 62,4% em excesso de peso. O %GC apresentou-se excessivo em 53,8%. A SOE foi identificada em 5,4% dos indivíduos e a prática de atividade física em 58,6%. Concluiu-se que a composição corporal dos indivíduos foi caracterizada por IMC e % de GC elevados, com baixa prevalência da SOE. Tal resultado pode ter ocorrido pela característica do público atendido pela Clínica-Escola de Nutrição, que normalmente já possui alguma condição alterada de saúde e peso, ou seja, com o IMC alterado.</p> Renata Gabrieli Camera Márcia Fernades Nishiyama Eloá Angélica Koehnlein Késia Zanuzo Larissa da Cunha Feio Costa Copyright (c) 2024 Renata Gabrieli Camera, Márcia Fernades Nishiyama, Eloá Angélica Koehnlein, Késia Zanuzo, Larissa da Cunha Feio Costa https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 185 194 Ludicidade para desmistificar o comportamento fisiológico da fome entre jovens https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2353 <p>Estimular os jovens a conhecerem o próprio corpo sob a perspectiva celular e fisiológica pode desenvolver a adoção de práticas diárias para prevenção da diabetes e da obesidade. Além disso, propiciar a superação de questões sociais que levam a estigmatização e ao preconceito. Sabendo que o estado do Mato grosso do Sul, em especial sua Capital, Campo Grande, tem altos índices dessas doenças crônicas e da importância da educação lúdica para o processo de aprendizado, o objetivo desse trabalho foi desenvolver um quebra-cabeça em espiral com conceitos relacionados à grelina, insulina, leptina e o balanço energético, e verificar se a proposta promove a compreensão sobre os mecanismos fisiológicos da fome e da saciedade, desmistificando os estereótipos presentes no ambiente escolar associados ao sobrepeso. Participaram da investigação sobre a eficiência do quebra-cabeça 14 alunos do 1º ano do ensino médio da escola estadual Prof. Emygdio Campos Widal. Os participantes foram submetidos a um questionário antes e após a intervenção didática, e os dados foram analisados quanto a evolução do conhecimento adquirido. As respostas, após a prática pedagógica, demonstraram que os alunos aprenderam novos conceitos biológicos. Conclui-se que ações lúdicas e interativas trabalhadas no ambiente escolar podem contribuir para o processo de aprendizado sobre determinantes fisiológicos da fome e da saciedade e estimular a redução da intolerância materializada em forma de bullying entre jovens, uma vez que promove sensibilização individual e coletiva para desmistificar estereótipos físicos associados ao consumo alimentar.</p> Carlos Alberto Bento Junior Raíssa de Andrade Águas Mariana Barreira Bertoluci Matheus Maresciallo Martins Zandonadi Ana Laura Abbud Chierice Ludimila Canuto Faccioni Copyright (c) 2024 Carlos Alberto Bento Junior, Raíssa de Andrade Águas, Mariana Barreira Bertoluci, Matheus Maresciallo Martins Zandonadi, Ana Laura Abbud Chierice, Ludimila Canuto Faccioni https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 174 184 Associação do movimento de 24 horas com indicadores de sobrepeso/obesidade em escolares https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2351 <p>Introdução: A adesão às recomendações de atividade física moderada a vigorosa (AFMV), o tempo de tela e a duração do sono têm sido associados a menores indicadores de adiposidade em crianças e adolescentes. Além disso, apesar das evidências sobre a relação entre sono, atividade física e comportamento sedentário como fatores importantes associados à promoção da saúde na infância, poucos estudos com o objetivo de identificar o comportamento de movimento em 24 horas como indicador de risco para a saúde cardiometabólica estão disponíveis em crianças.&nbsp; Objetivo: Descrever a proporção de crianças que atendem às recomendações das Diretrizes de Movimento das 24 horas (DM24h) e verificar associações com indicadores de sobrepeso/obesidade. Materiais e Métodos: Participaram deste estudo 129 crianças. A AFMV foi avaliada por acelerômetros, tempo de tela e de sono foram calculados por meio de relatos parentais. Foram utilizados o Índice de Massa Corporal (IMC) e Circunferência da Cintura (CC) como indicadores de sobrepeso/obesidade. O cumprimento da DM24h compreendeu ≥60min/dia de AFMV, ≤2h/dia de tempo de tela e 9-11h de sono por noite. As associações entre as DM24h e indicadores de sobrepeso/obesidade foram analisadas por meio de Modelos Lineares Generalizados ajustados para idade, sexo e nível socioeconômico. Resultados: Um total de 3,1% de todos os alunos atendeu às três recomendações sugeridas. Isoladamente, o não cumprimento das recomendações de AFMV e tempo de tela foram associados ao maior aumento dos valores médios de IMC e CC. Conclusão: O não cumprimento das recomendações das DM24h está associado ao sobrepeso e a obesidade.</p> Priscila Antunes Marques Rogério da Cunha Voser Marja Bochehin do Valle Clarice Maria de Lucena Martins Adroaldo Cezar Araujo Gaya Jorge Augusto Pinto Silva Mota Rodolfo da Silva Brum Keith Brites Juliana Oliveira Anelise Reis Gaya Copyright (c) 2024 Priscila Antunes Marques, Rogério da Cunha Voser, Marja Bochehin do Valle, Clarice Maria de Lucena Martins, Adroaldo Cezar Araujo Gaya, Jorge Augusto Pinto Silva Mota, Rodolfo da Silva Brum, Keith Brites, Juliana Oliveira, Anelise Reis Gaya https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 164 173 Educação alimentar e nutricional: uma abordagem lúdico-didática para crianças do ensino fundamental https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2349 <p>Introdução: Mediante os problemas alimentares e nutricionais atuais da população brasileira, a educação alimentar e nutricional (EAN) se consolida como uma importante estratégia de promoção de saúde. Objetivo: Criar um jogo da memória com uma abordagem lúdica como estratégia de EAN para potencialização do aprendizado sobre alimentação saudável e adequada para crianças de ensino fundamental. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo qualitativo de desenvolvimento. A pesquisa foi desenvolvida nos meses de setembro e outubro de 2020, no núcleo de estudos em alimentação e nutrição localizado no laboratório de Avaliação Nutricional do Curso de Nutrição de uma Universidade privada em São Luís-MA. A Pesquisa foi dividida em três etapas: 1ª seleção de informações: a fim de selecionar as fontes que melhor atenderem a proposta do jogo. 2ª escolha das ilustrações: foi realizada uma busca por imagens que pudessem complementar a mensagem do instrumento a ser criado, 3ª elaboração do jogo: procurou-se elaborar um jogo com linguagem adequada às crianças de ensino fundamental, colorido e atrativo. Resultados: Desenvolveu-se um jogo da memória com uma abordagem lúdica para potencializar o aprendizado sobre alimentação saudável e adequado para crianças de ensino fundamental com idade de 9 a 11 anos. Conclusão: A realização de atividades de EAN com uma abordagem lúdica para crianças de ensino fundamental, serve como ferramenta estratégica, visto que o lúdico aproxima a criança à informação sobre nutrição e alimentação saudável, como também potencializa o aprendizado, tornando-as autônomas quanto suas escolhas alimentares.</p> Jainy Silva Oliveira Adriana Sousa Rêgo Andressa Pestana Brito Gabrielle Vieira da Silva Brasil Kalina Costa Nascimento Leite Virginia Nunes Lima Eliziane Gomes da Costa Moura da Silva Janaina Maiana Abreu Barbosa Copyright (c) 2024 Jainy Silva Oliveira, Adriana Sousa Rêgo, Andressa Pestana Brito, Gabrielle Vieira da Silva Brasil, Kalina Costa Nascimento Leite, Virginia Nunes Lima, Eliziane Gomes da Costa Moura da Silva, Janaina Maiana Abreu Barbosa https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 152 163 Fatores que dificultam a adesão à terapia nutricional em indivíduos com diabetes mellitus tipo 2: uma revisão integrativa https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2348 <p>Objetivo: identificar os fatores que podem interferir na adesão de pacientes diabéticos tipo 2 ao tratamento nutricional. Materiais e Métodos: trata- se de um estudo de revisão integrativa baseada em pesquisa bibliográfica. A pesquisa foi realizada no período de fevereiro a maio de 2022 e incluiu artigos originais de estudos realizados com indivíduos adultos e/ou idosos com DM2 de ambos os sexos, indexados nas bases de dados Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e Science Direct, utilizando os descritores: adesão ao tratamento; terapia nutricional; diabetes mellitus tipo 2 e diabetes do tipo 2. Resultados: após o processo de análise, foram selecionados 4 artigos. Não ter recebido orientações sobre a alimentação adequada ou dificuldade de compreensão ou de seguir as orientações recebidas foram os principais fatores associados à não adesão ao tratamento dietético, referidos em três dos estudos analisados. Além destes, alguns dos fatores limitantes para aderir adequadamente à dieta incluem questões emocionais e problemas econômicos. Conclusão: é necessário que os profissionais de saúde tenham conhecimento do perfil dos seus pacientes, levando em consideração suas características e particularidades, e que passem orientações utilizando uma linguagem clara e acessível ao público-alvo, afim &nbsp;&nbsp;de que se haja uma melhor condução e adesão ao tratamento.</p> Emília de Sousa Rodrigues Elaynne Nunes Coelho Bezerra Lorena da Rocha Barros Sousa Izabela Cristina Pereira Zulmira Lúcia Oliveira Monte Joyce Lopes Macedo Amanda Suellenn da Silva Santos Oliveira Maria do Carmo de Carvalho e Martins Copyright (c) 2024 Emília de Sousa Rodrigues, Elaynne Nunes Coelho Bezerra, Lorena da Rocha Barros Sousa, Izabela Cristina Pereira, Zulmira Lúcia Oliveira Monte, Joyce Lopes Macedo, Amanda Suellenn da Silva Santos Oliveira, Maria do Carmo de Carvalho e Martins https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 143 151 Perfil de indivíduos que fazem uso de plantas medicinais e fitoterápicos para emagrecimento https://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/2347 <p>Introdução: A obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, atingindo pessoas de todas as faixas etárias e classes econômicas. Nesse cenário, o uso de fitoterápicos como estratégia para a perda de peso vem crescendo, principalmente pelo fácil acesso. Objetivo: avaliar o perfil dos indivíduos que já usaram fitoterápicos para emagrecimento, como ocorreu a prescrição, quais as variedades mais utilizadas, reações adversas, associação com outras estratégias e resultados alcançados. Materiais e métodos: estudo transversal com 102 voluntários, realizado por meio de questionário adaptado, disponibilizado online nas redes sociais. Discussão e resultados: predominância de 87,3% de mulheres, média de idade de 39 (±10,5) anos. No aspecto nutricional, 71,6% apresentaram excesso de peso e 95,1% estão insatisfeitos com o corpo. 77% fizeram uso de fitoterápicos por iniciativa própria, sendo o chá verde, o hibisco e a cavalinha os mais utilizados; 25,5% apresentaram reação adversa e 68,6% emagreceram durante o uso. A escolaridade (p=0,006), a prática de atividade física (p=0,035) e a adoção de dieta alimentar (p=0,0003) foram variáveis que mostraram significância quando associadas estatisticamente com a variável emagrecimento. Conclusão: a maioria dos participantes se encontra com excesso de peso, mesmo após o uso de fitoterápicos. A associação entre a atividade física e a dieta alimentar com a variável emagrecimento foi um achado que reforça a importância da mudança de hábitos para uma perda de peso sustentável, tendo fitoterápicos como coadjuvantes e sempre prescritos por profissional da saúde.</p> Adriana Pacheco Baldutti Vicentini Kelly Ribeiro Amichi Copyright (c) 2024 Adriana Pacheco Baldutti Vicentini, Kelly Ribeiro Amichi https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-21 2024-01-21 18 114 130 142