Avaliação dos edulcorantes presentes em produtos diet

Laís Ribeiro de Oliveira, Paulo Víctor de Lima Sousa, Gleyson Moura dos Santos, Nara Vanessa dos Anjos Barros

Resumo


A indústria alimentícia vem aumentando a produção de alimentos industrializados, buscando explorá-los cada vez mais, com o objetivo de proporcionar a praticidade da população.  Para melhorar as características organolépticas ou prolongar a vida útil desses alimentos, o uso de aditivos alimentares vem sendo explorado, dentre eles destaca-se o uso de edulcorantes em produtos diet. O estudo teve como objetivo verificar os edulcorantes presentes nos produtos diet e relacioná-los com possíveis efeitos à saúde. Foram analisadas 46 amostras de produtos diet coletadas de acordo com a disponibilidade nas lojas no município de Teresina-PI, por meio do registro fotográfico dos rótulos. Em seguida, foram extraídas informações relacionadas aos tipos de edulcorantes presentes nesses produtos, dividindo-os em grupos de alimentos segundo a Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO), bem como relacionou-se cada edulcorante com os possíveis efeitos à saúde, de acordo com as informações disponíveis na literatura científica. Observou-se que 55% dos edulcorantes analisados eram do tipo artificial e 45% eram naturais. A sucralose foi o edulcorante mais encontrado (29,9%), seguido pelo maltitol (19,5%), acessulfame-K (10,3%), sorbitol (9,2%) e stévia (9,2%), sendo estes também observados com elevada prevalência na maioria dos produtos analisados de acordo grupos de alimentos. Na literatura anda não há um consenso sobre os efeitos do consumo a longo prazo desses edulcorantes. Entretanto, todos os edulcorantes regulamentados pela legislação são seguros dentro do limite de consumo diário indicado para cada um, mas deve-se adotar cautela no seu consumo devido as inconsistências dos seus efeitos à saúde observados na literatura.


Palavras-chave


Aditivos alimentares; Edulcorantes; Alimento diet; Rótulos de alimentos

Texto completo:

PDF

Referências


-Abou-Donia, M.B.; El-Masry, E.M.; Abdel-Rahman, A.A.; McLendon, R.E.; Schiffman, S.S. Splenda alters gut microflora and increases intestinal p-glycoprotein and cytochrome p-450 in male rats. Journal of Toxicology and Environmental Health. Vol. 71. Num. 21. 2008. p. 1415-1429.

-Albuquerque, M.V.; Santos, S. A.; Cerqueira, N. T. V.; Silva, J. A. Educação alimentar: uma proposta de redução do consumo de aditivos alimentares. Química nova na escola. Arapiraca. Vol. 4. Num. 2. 2012. p. 51-57.

-American Dietetic Association A. Position of the American Dietetic Association: Use of Nutritive and Nonnutritive Sweeteners. Journal of the American Dietetic Association. Vol. 104. Num. 2. 2004. p. 255-275.

-Barreiros, R.C. Adoçantes nutritivos e não-nutritivos. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. Vol. 14. Num. 1. 2012. p. 5-7.

-Berry, C.; Brusick, D.; Cohen, S.M.; Hardisty, J.F.; Grotz, V.L.; Williams, G.M. Sucralose Non-Carcinogenicity: A Review of the Scientific and Regulatory Rationale. Nutrition and Cancer. Vol. 68. Num. 8. 2016. p. 1247-1261.

-Bielemann, R.M.; Motta, J.V.S.; Minten, G.C.; Horta, B.L.; Gigante, D.P. Consumo de alimentos ultraprocessados e impacto na dieta de adultos jovens. Revista de Saúde Pública. Vol. 49. Num. 28. 2015. p. 1-10.

-Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Portaria nº 540, de 27 de outubro de 1997. Aprova o Regulamento Técnico: Aditivos Alimentares - definições, classificação e emprego. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília-DF, 28/10/1997. 1997. Disponível em: . Acesso: 15/12/2018.

-Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília-DF. de 23/09/2002.

-Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução de Diretoria Colegiada - RDC nº 18, de 24 de março de 2008. Regulamento Técnico que autoriza o uso de aditivos edulcorantes em alimentos, com seus respectivos limites máximos. 2008. Disponível em:

. Acesso: 15/12/2018.

-Brown, R.J.; Walter, M.; Rother, K.I. Effects of diet soda on gut hormones in youths with diabetes. Diabetes Care. Vol. 35. Num. 5. 2012. p. 959-964.

-Chukwuma, C.I.; Ibrahim, M.A.; Islam, M.S. Maltitol inhibits small intestinal glucose absorption and increases insulin mediated muscle glucose uptake ex vivo but not in normal and type 2 diabetic rats. International Journal of Food Sciences and Nutrition. Vol. 68. Num. 1. 2017. p. 73-81.

-Chukwuma, C.I.; Islam, M.S. Sorbitol increases muscle glucose uptake ex vivo and inhibits intestinal glucose absorption ex vivo and in normal and type 2 diabetic rats. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism. Vol. 42. Num. 4. 2017. p. 377-383.

-Cong, W.; e colaboradores. Long-Term Artificial Sweetener Acesulfame Potassium Treatment Alters Neurometabolic Functions in C57BL/6J Mice. PLoS ONE. Vol. 8. Num. 8. 2013. p. 1-18.

-Corder, B.; Knobbe, A. The effects of the artificial sweetener sucralose on the gut bacteria Escherichia coli and Enterobacter aerogenes. The Journal of Experimental Microbiology & Immunology+. Vol. 4. 2018. p. 1-9.

-Ferrazzano, G.; Cantile, T.; Alcidi, B.; Coda, M.; Ingenito, A.; Zarrelli, A.; Pollio, A. Is Stevia rebaudiana Bertoni a non Cariogenic Sweetener? A Review. Molecules. Vol. 21. Num. 1. 2015.

-França, F.C.O.; Mendes, A.C.R.; Andrade, I.S.; Ribeiro, G.S.; Pinheiro, I.B. Mudanças dos hábitos alimentares provocados pela industrialização e o impacto sobre a saúde do brasileiro. Anais do I Seminário Alimentação e Cultura na Bahia. 2012 jun 13-15. Feira de Santana. Brasil. Feira de Santana. UEFS. 2012.

-Garcia, P.P.C; Carvalho, L.P.S.C. Análise da rotulagem nutricional de alimentos diet e light. Ensaios e ciência. Vol.15. Num. 4. 2011. p. 89-103.

-Gomes, C.R.; Vissotto, F.Z.; Fadini, A.L.; Faria, E.V.; Luiz, A.M. Influência de diferentes agentes de corpo nas características reológicas e sensoriais de chocolates diet em sacarose e light em calorias. Ciência e Tecnologia de Alimentos. Vol. 27. Num 3. 2007. p. 614-623.

-Moreira, S.S.P.; Cardoso, F.T.; Souza, G.G.; Silva, E.B. Avaliação da adequação da rotulagem de suplementos esportivos. Corpus el Scientia. Vol. 9. Num. 12. 2013. p. 45-55.

-Natividade, D.P. Uso de adoçantes dietéticos: orientações para profissionais de saúde e de ensino. Dissertação de Mestrado. UniFOA. Volta Redonda. 2011.

-Oliveira, F.C.R.; Hoffmann, R. Consumo de alimentos orgânicos e de produtos light ou diet no Brasil: fatores condicionantes e elasticidades-renda. Segurança Alimentar e Nutricional. Vol. 22. Num. 1. 2015. p. 541-557.

-Omran, A.; Ahearn, G.; Bowers, D.; Swenson, J.; Coughlin, C. Metabolic effects of sucralose on environmental bacteria. Journal of Toxicology. 2013.

-Pearlman, M.; Obert, J.; Casey, L. The Association Between Artificial Sweeteners and Obesity. Current Gastroenterology Reports. Vol. 19. Num. 12. 2017. p. 64.

-Polônio, M.L.T.; Peres, F. Consumo de aditivos alimentares e efeitos à saúde: desafios para a saúde pública brasileira. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 25, num. 8. 2009. p. 1653-1666.

-Prashant, G.M.; Patil, R.B.; Nagaraj, T.; Patel, V.B. The antimicrobial activity of the three commercially available intense sweeteners against common periodontal pathogens: an in vitro study. The Journal of Contemporary Dental Practice. Vol. 13. Num. 6. 2012. p. 749-752.

-Qu, Y.; Li, R.; Jiang, M.; Wang, X. Sucralose Increases Antimicrobial Resistance and Stimulates Recovery of Escherichia coli Mutants. Current Microbiology. Vol. 74. Num. 7. 2017. p. 885-888.

-Rodrigues, F.R.; Saldanha, T.; Barbosa, M.I.M.J. Avaliação da presença de edulcorantes nos rótulos de produtos alimentícios. Acta tecnológica. Vol. 7. Num. 1. 2012. p. 38-43.

-Romeiro, S.; Delgado, M. Aditivos Alimentares: Conceitos Básicos, Legislação e Controvérsias. Revista Nutrícias. Vol. 18. 2013. p. 22-26.

-Saunders, C.; Padilha, P.C.; Lima, H.T.; Oliveira, L.M.; Queiroz, J.A.; Theme, M.L.M. Revisão da literatura sobre recomendações de utilização de edulcorantes em gestantes portadoras de diabetes mellitus. Femina. Vol. 38. Num. 4. 2010. p. 1-6.

-Suez, J.; e colaboradores. Artificial sweeteners induce glucose intolerance by altering the gut microbiota. Nature. Vol. 514. Num. 7521. 2014. p. 181-186.

-TACO. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. 4ª edição. revisada e ampliada. Campinas: UNICAMP/NEPA. 2011. 161 p.

-Temizkan, S.; e colaboradores. Sucralose enhances GLP-1 release and lowers blood glucose in the presence of carbohydrate in healthy subjects but not in patients with type 2 diabetes. European Journal of Clinical Nutrition. Vol. 69. Num. 2. 2015. p. 162-166.

-Trabado, A.R.; e colaboradores A Case of Immediate Hypersensitivity Reaction to Maltitol. Case Reports in medicine. 2017. 4 p.

-Vasconcelos, S.V. Bromatologia. São Paulo. Pearson. 2016.

-Zanini, R.V. Prevalência de utilização de adoçantes dietéticos: um estudo de base populacional. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pelotas. Rio Grande do Sul. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui