Avaliação do consumo de gorduras saturadas e de alimentos ultraprocessados em uma população adulta de uma UBS em uma cidade da Serra Gaúcha

  • Tatiane Morandi Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul-RS, Brasil.
  • Ana Carolina Pio da Silva Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul-RS, Brasil. Programa de pós-graduação em Ciências Médicas-Nefrologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Simone Bonatto Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul-RS, Brasil. Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISIONOS), São Leopoldo-RS, Brasil.
Palavras-chave: Adultos, Alimentos industrializados, Gorduras da dieta, Consumo alimentar

Resumo

Introdução: A humanidade enfrentou grandes mudanças nos seus padrões alimentares e na sua composição corporal, o que afetou diretamente o estilo de vida das pessoas e desencadeou doenças relacionadas à nutrição. Esse cenário tem sido impulsionado, entre outros fatores, principalmente, pela substituição de hábitos alimentares tradicionais pelo consumo de alimentos ultraprocessados e gorduras. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi estimar a ingestão de gorduras saturadas e alimentos ultraprocessados em adultos de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de Flores da Cunha- RS. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, com uma amostra de 96 adultos, com idades entre 20 a 59 anos, de ambos os sexos. Para avaliação do consumo alimentar, foi aplicado o Questionário de Frequência Alimentar (QFA). Para avaliar o estado nutricional, foi utilizado o Índice de Massa Corporal (IMC) e a Circunferência da Cintura (CC). Resultados: Verificou-se um consumo calórico médio de 875,5 calorias (± DP 501,0-1183,5) provindo de ultraprocessados dos indivíduos na faixa etária entre 30-39 anos. Houve diferença estatística (p<0,026) entre os sexos, sendo maior no sexo masculino 882,0kcal (± DP 406,1-1254,0). Em relação a idade (p<0,043) pessoas mais jovens, entre 20 e 29 anos, demonstraram uma mediana maior no consumo calórico diário. Os homens consomem valores significativamente maiores de gorduras saturadas (p<0,021). Em relação ao estado nutricional, observa-se que 66,7% da amostra apresentou excesso de peso. Conclusão: Produtos ultraprocessados e gorduras saturadas apresentaram participação expressiva na dieta desta população.

Biografia do Autor

Ana Carolina Pio da Silva, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul-RS, Brasil. Programa de pós-graduação em Ciências Médicas-Nefrologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS, Brasil.

Docente do curso de nutrição da Universidade de Caxias do Sul.Coordenadora da Pós Graduação Lato Sensu em Nutrição Clínica da Universidade de 

Simone Bonatto, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul-RS, Brasil. Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISIONOS), São Leopoldo-RS, Brasil.
Docente do curso de nutrição da Universidade de Caxias do Sul.

Referências

-American Heart Association. Executive Summary of Third report of the National Cholesterol Education Program expert panel on detection, evaluation, and treatment of high blood cholesterol in adults-Adult Treatment Panel III (NCEP-ATP III). Final Report. Journal of the American Medical Association. USA. Vol. 285.2001. p. 2486-2497.

- Azevedo, E.C.C.; Diniz, A.S.; Monteiro, J.S.; Cabral, P.C. Padrão alimentar de risco para as doenças crônicas não transmissíveis e sua associação com a gordura corporal - uma revisão sistemática. Ciência & Saúde coletiva. Vol. 19. Num. 5. 2013. p.1447-1458.

-Bleil, S.I. O padrão alimentar ocidental: considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil. Cadernos de Debate. São Paulo. Vol. 6. Num. 1. 1998. p.1-25.

-Caivano, S.; Lopes, R.F.; Sawaya, A.L.; Domene, S.M.A.; Martins, P.A. Conflitos de interesses nas estratégias da indústria alimentícia para aumento do consumo de alimentos ultraprocessados e os efeitos sobre a saúde da população brasileira. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde. Vol. 12. Num. 2. 2017.p. 349-360.

-Canella, D.S.; Levy, R.B.; Martins, A.P.B.; Claro, R.M.; Moubarac, J.C.; Baraldi, L.G.; Cannon, G.; Monteiro, C.A. Ultra-processed food products and obesity in Brazilian Households (2008-2009). PloS one. Vol. 9. Num. 3. 2014. p.80.

-Claro, R.M.; Santos, M.A.S.; Pereira, C. A.; Szwarcwald, C.L.; Malta, D.C. Consumo de alimentos não saudáveis relacionados a doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. Brasília. Vol. 24. Num. 2. 2015. p.257-265.

-Crovetto, M.M.; Uauy, R.; Martins, A.P.; Moubarac, J.C.; Monteiro C. Household availability of ready-to-consume food and drink products in Chile: impact on nutritional quality of the diet. Rev. Med. Vol. 142. Num. 7. 2014. p. 850-858.

-Faludi, A.A.; Izar, M.C.O.; Saraiva, J.F.K.; Chacra, A.P.M.; Bianco, H.T.; Afiune, A. Neto. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. Vol. 109. Vol. 2. Supl 1. 2017. p.1-76.

-Hilgenberg, F.E.; Santos, A.S.A.C.; Silveira, E.A.; Cominetti C. Fatores de risco cardiovascular e consumo alimentar em cadetes da Academia da Força Aérea Brasileira. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 21. 2016. p. 1165-1174.

-Huth, PJ.; Fulgoni, V.L.; Keast, D.R.; Park, K.; Auestad, N. Major food sources of calories, added sugars, and saturated fat and their contribution to essential nutrient intakes in the US diet: data from the national health and nutrition examination survey (2003-2006). Nutrition journal. Vol. 12. Num.1. 2013. p.116.

- Luiten, C.M.; Steenhuis, I.; H.; Eyles, H.; Ni Mhurchu, C.; Waterland, W.E. Ultra-processed foods have the worst nutrient profile, yet they are the most available packaged products in a sample of New Zealand super-markets. Public health nutrition. USA. Vol. 19. Num. 3. 2016. p. 530-538.

-Malachias, M.V.B.; Souza, W.K.S.B.; Plavnik, F.L.; Rodrigues, C.I.S.; Brandão, A.A.; Neves, M.F.T. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. Vol. 107. Num. 3. 2016. p.1- 83.

-Malta, D.C.; Silva, J.R.; Barbosa, J. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil após três anos de implantação, 2011-2013. Epidemiol. Serv. Saúde. Vol 23. Num. 3. 2014.p.389-398.

-Mendonça, R.D.; Pimenta, A.M.; Gea, A.; Fuente-Arrillaga, C.; Martinez-Gonzalez, M.A.; Lopes, A.C.S.; Bes-Rastrollo, M.; Ultraprocessed food consumption and risk of overweight and obesity: the University of Navarra Follow-Up (SUN) cohort study. Am J Clin Nutr. Vol.104. Num. 5. 2016. p.8.

-Ministério da Saúde. Vigitel Brasil, 2016. Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar. Brasília. 2017.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Brasília. 2011.p.30-34.

-Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008/2009. Tabelas de Composição Nutricional dos Alimentos Consumidos no Brasil. Rio de Janeiro. IBGE. 2011. p. 351.

-Monteiro, C.A.; Levy, R.B.; Claro.; R.M. Castro, I.R.R.; Cannon, G Uma nova classificação de alimentos com base na extensão e finalidade de seu processamento. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro. Vol. 26.Num. 11. 2010.p. 2039-2049.

-Monteiro, C.A.; Cannon, G.; Levy, R.; Moubarac, J.C.; Jaime, P.; Martins, A.P.; Canella, D.; Louzada, M.; Parra, D.; Ricardo, C.C.; Calixto, G.; Machado, P.; Martins, C.; Martinez, E.; Baraldi, L.; Garzillo J.; Sattamini, I. NOVA. A estrela brilha. Classificação dos Alimentos. Saúde Pública. World Nutrition. Vol. 7. Num. 1-3. 2016. p. 28-40.

-Monteiro, C.A.; Moubarac, J.C.; Cannon, G.; NG.; Popkin, B. Ultra-processed products are becoming dominant in the global food system. Obesity Reviews. United Kingdom. Vol 2. 2013. p. 21- 28.

-Monteiro, C.A.; Louzada, M.L.C. Ultraprocessamento de alimentos e doenças crônicas não transmissíveis: implicações para políticas públicas. Brasília-DF. UnB/ObservaRH/Nesp - Fiocruz/Nethis. Observatório Internacional de Capacidades Humanas, Desenvolvimento e Políticas Públicas: estudos e análises 2. 2015. p.167-182.

-Moubarac, J.C; Batal, M.; Martins, A.P.; Claro, R.; Levy, R.B.; Cannon, G.; Monteiro C. Processed and ultra-processed food products: consumption trends in Canada from 1938 to 2011. Canadian Journal of Dietetic Practice and Research. Canada. Vol. 75. Num. 1. 2014. p. 15-21.

-Mozaffarian, D.; Micha, R.; Wallace, S. Effects on coronary heart disease of increasing polyunsaturated fat in place of saturated fat: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. PLoS medicine. Vol. 7. Num. 3. 2010. ep.9.

-Petroski, E. L. Antropometria: técnicas e padronizações. Porto Alegre. Saraiva. 2003. p.160.

-Popkin, B.M. Contemporary nutritional transition: determinants of diet and its impact on body composition. Proceedings of the Nutrition Society. USA. Vol. 70. 2011.p.82-91.

-Rombaldi, A.J.; Silva, M.C.; Neutzling, M.B.; Azevedo, M.R.; Hal lal, P.C. Fatores associados ao consumo de dietas ricas em gordura em adultos de uma cidade no sul do Brasil. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro. Vol.19. Num. 5. 2014. p.1513-1521.

-Sacks, F.M.; Lichtenstein, A.H.; Jason, H.Y. Wu.; Lawrence, J.A.; Creager, M.A.; Kris-Etherton, P.M.; Miller, M.; Rimm, E.B.; Rudell, L.L. Van Horn L.V. Dietary fats and cardiovascular disease: a presidential advisory from the American Heart Association. Circulation USA. Vol 136. Num. 3. 2017. p.1-23.

-Universidade Estadual de Campinas. Tabela brasileira de composição de alimentos - TACO. 4ª edição revisada e ampliada. Campinas: UNICAMP/NEPA. 2011. p.161.

-U.S. Department of Health and Human Services and U.S. Department of Agriculture. 2015-2020 Dietary Guidelines for Americans. 8th Edition. December 2015

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. WHO Technical Report Series 894. 2000. p.1-253.

-Woodward-Lopez, G.; Kao, J.; Ritchie, L. To what extent have sweetened beverages contributed to the obesity epidemic? Public Health Nutr. Vol. 14. Num. 3. 2010. p.499-509.

-Xavier, H. T.; Izar, M. C.; Faria Neto, J. R.; Assad, M. H.; Rocha, V. Z.; Sposito, A. C.; Fonseca, F. A. Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arquivos brasileiros de cardiologia. Rio de Janeiro. Vol. 101. Num. 4. 2013. p.1-20.

Publicado
2020-05-17
Como Citar
Morandi, T., da Silva, A. C. P., & Bonatto, S. (2020). Avaliação do consumo de gorduras saturadas e de alimentos ultraprocessados em uma população adulta de uma UBS em uma cidade da Serra Gaúcha. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(82), 922-933. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1094
Seção
Artigos Científicos - Original