Inatividade física e fatores associados em idosos de uma cidade do sul do Brasil: um estudo transversal

  • Marluce de Oliveira Muhl Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Francisco Wilker Mustafa Gomes Muniz Professor de Periodontia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Paulo Roberto Grafitti Colussi Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Eliane Lucia Colussi Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil.
Palavras-chave: Atividade motora, Comportamento sedentário, Envelhecimento.

Resumo

Introdução e objetivo: O presente estudo avaliou o nível de inatividade física e fatores a ele associados em idosos. Materiais e métodos: Estudo observacional transversal de base domiciliar foi realizado em 282 idosos com ≥60 anos da cidade de Veranópolis-RS. Exame clínico e questionário estruturado foram aplicados. A atividade física foi avaliada pela aplicação da versão curta do instrumento IPAQ (Questionário Internacional de Atividade Física). Associações foram avaliadas pelos testes de qui-quadrado ou Mann-Whitney, apresentadas por intermédio da distribuição de frequências. Análises uni- e multivariadas foram realizadas, utilizando-se regressão de Poisson com variância robusta para verificar as associações entre o desfecho e as variáveis independentes. Resultados: A prevalência de idosos inativos foi de 50,4%. Na análise multivariada, a maior idade e quantidade de problemas de saúde autorreportados foram associadas à inatividade física. Idosos com ≥70 anos tiveram 60% maior Razão de Prevalência (RP) para ser inativos [1,602 (Intervalo de confiança de 95% - IC95%: 1,224 – 2,096)], quando comparados com idosos com <70 anos. Idosos que reportaram 3 ou ≥4 diferentes tipos de problemas de saúde, tiveram, respectivamente, 270% (p=0,029) e 260% (p=0,040), maior RP para ser inativos, quando comparados com idosos sem nenhum problema de saúde reportado. Discussão: Estratégias para o estímulo à atividade física devem ser reforçadas, entre os idosos, especialmente para aqueles com diversos problemas de saúde. Conclusão: Foi detectada uma alta prevalência de inatividade física nos idosos, que foi associado que a idade e a quantidade de problemas de saúde.

Referências

-Bazzanella, N.A.L.; Piccoli, J.C.J.; Quevedo, D.M. Qualidade De vida percebida e atividade física: um estudo em idosas acima de 80 anos participantes de um programa municipal de saúde da terceira idade na serra gaúcha, RS. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. Vol. 20. Num. 1. 2015. p. 249-270.

-Benedetti, T.R.B; Antunes, P.C.; Rodriguez-Añez, C.R.; Mazo, G.Z.; Petroski, E.L. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 13. Num. 1. 2007. p. 11-16.

-Bherer, L.; Erickson, K.I.; Liu-Ambrose, T. A review of the effects of physical activity and exercise on cognitive and brain functions in older adults. Journal of Aging Research. Vol. 2013. 2013.

-Brasil. DATASUS, Ministério da Saúde. Índice de gini da renda domiciliar per capita. Rio Grande do Sul. 2010. Disponível em: http://tanet.datasus.gov.br/cgi/ibge/cnv/ginirs.def. Acessado em 01/12/2017.

-Dumith, S.C.; Hallal, P.C.; Reis, R.S.; Kohl Iii, H.W. Worldwide prevalence of physical inactivity and its association with human development index in 76 countries. Preventive Medicine. Vol. 53. Num. 1-2. 2011. p. 24-28.

-Duncan, B.B.; Chor, D.; Aquino, E.M.; Bensenor, I.M.;Mill, J.G.; Schmidt, M.I. Chronic non-communicable diseases in Brazil: priorities for disease management and research. Revista de Saúde Pública. Vol. 46. Num. Suppl. 1. 2012. p. 126-134.

-FEE. Fundação de Economia e Estatística. Perfil socioeconômico dos municípios 2010. Disponível em: https://www.fee.rs.gov.br/perfilsocioeconômico/municipios/detalhe/?municipio=Veranópolis. Acessado em 19/11/2017.

-Galli, R.; Moriguchi, E.H.; Bruscato, N.M.; Horta, R.L.; Pattussi, M.P. Active aging is associated with low prevalence of depressive symptoms among Brazilian older adults. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 19. Num. 2. 2016. p. 307-316.

-Guigoz, Y.; Lauque, S.; Vellas, B.J. Identifying the elderly at risk for mal nutrition: the mini nutritional assessment. Clinics in Geriatriacs Medicine. Vol. 18. Num. 4. 2002. p. 737-757.

-Guthold, R.; Stevens, G.A.; Riley, L.M.; Bull, F.C. Worldwide trends in insufficient physical activity from2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1·9 million participants. The Lancet. Global Health. Vol. 6. Num. 10. 2018. p. e1077-e1086.

-Hallal, P.C.; Victora, C.G; Wells, J.C.K.; Lima, R.C. Physical inactivity: prevalence and associated variables in Brazilian adults. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 35. Num. 11. 2003. p. 1894-900.

-Hallal, P.C.; Dumith, S.C.; Bastos, J.P.; Reichert, F.F.; Siqueira, F.V.; Azevedo, M.R. Evolution of the epidemiological research on physical activity in Brazil: a systematic review. Revista de Saúde Pública. Vol. 41. Num. 3. 2007. p. 453-460.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Índice de Desenvolvimento Humano, 2010. Disponível em: http http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=430610&idtema=118&search=rio-grande-do-sul|veranópolis|%C3%8Dndice-de-desenvolvimento-humano-municipal-idhm. Acessado em 19/11/2017.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Relações entre as Alterações Históricas na Dinâmica Demográfica Brasileira e os Impactos Decorrentes do Processo de Envelhecimento da População, 2011A Disponível:<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/alteracoes_e_impactos/default.shtm > Acessado em 20/05/2019.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Censo Demográfico 2010: Características da população e domicílios - resultados gerais. Rio de Janeiro, Brasil, 2011B.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. População rural e urbana em: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), 2015. https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18313-populacao-rural-e-urbana.html. acessado em 12/06/2019.

-Kohl, H.W.; Craig, C.L.; Lambert, E.V.; Inoue, S.; Alkandari, J.R.; Leetongin, G.; Kahlmeier, S. The pandemic of physical inactivity: global for public health. The Lancet. Vol. 380. Num. 9838. 2012. p. 294-305.

-Malafaia, F.L.; Buglia, S. Prescrição de atividade física em idosos: nunca é tarde demais para combatermos o sedentarismo. Revista do DERC. Vol. 25. Num. 1. 2019. p. 14-18.

-Martins, R.C.; Silva, I.C.M.; Hallal, P.C. Physical activity in the rural population of Pelotas, Brazil: prevalence and associated factors. Revista de Saúde Pública. Vol. 52. Num. supl.1. 2018.

-Matsudo, S.; Araujo, T.; Matsudo, V.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, L.C.; Braggion, G. International Physical Activity Questionnaire (IPAQ): study of validity and reliability in Brazil. Atividade Física & Saúde. Vol. 6. Num. 2. 2001. p. 5-18.

-Mazo, G.Z.; Krug, R.R.; Virtuoso, J.F.; Lopes, M.A.; Tavares, A.G. Level of Physical Activity for Elderly Longevity Association Group Participants. BEPA - Boletim Epidemiológico Paulista. Vol.9. Num.106. 2012. p.4-14.

-Mcdowell, C.P.; Dishmanb, R.K.; Hallgren, M.; Macdonnchaa, C.; Herring, M.P. Associations of physical activity and depression: Results from the Irish Longitudinal Study on Ageing. Experimental Gerontology. Vol.112. 2018. p. 68-75.

-Mezari, M. C.; Avozani, T.V.; Bruscato, N.M.; Moriguchi, E.H.; Raffone, A.M. Study of the functionality, prevention the falls and health promotion in elderly people living at the Veranópolis-RS. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano. Vol. 9. Num. 1. 2012.

-Ministério da Saúde. Manual do Instrumento de Avaliação da Atenção 2017 Primária à Saúde: PCATool-Brasil. Brasília. Brasil. 2010.

-Miranda, G.M.D.; Mendes, A.C.G; Silva, A.L.A. Population aging in Brazil: current and future social challenges and consequences. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 19. Num. 3. 2016. p. 507-519.

-Ozemek, C.; Lavie, C.J.; Rognmo, Ø. Global physical activity levels - Need for intervention. Progress in cardiovascular diseases. Vol. 62. Num. 2. 2019. p. 102-107.

-Pegorari, M.S; Dias, F.A; Santos, N.M.F.S.; Tavares, D.M.S; Practice of physical activity among older of leisure in rural area: health. Revista da Educação Física/UEM. Vol. 26. Num. 2. 2015. p. 233-241.

-Puciato, D., Borysiuk, Z., Rozpara, M. Quality of life and physical activity in an older working-age population. Clinical Intervention in Aging. Vol. 4. Num. 12. 2017. p. 1627-1634.

-Puciato, D.I.; Rozpara, M.; Borysiuk, Z. Physical Activity as a Determinant of Quality of Life in Working-Age People in Wrocław. Poland. International Journal of Environmental Research and Public Health. Vol.15. Num. 623. 2018.

-Queiroz, B.M.; Coqueiro, R.S.; Leal Neto, J.S.; Borgatto, A.F.; Barbosa, A.R.; Fernandes, M.H. Physical inactivity among non-institutionalized elderly individuals: a population-based study. Ciência & Saúde Coletiva. Vol.19. Num. 8. 2014. p. 3489-3496.

-Ribeiro, A. Q.; Salgado, S.M.L.; Gomes, I.S.; Fogal, A.S.; Martinho, K.O.; Almeida, L.F.F.; Oliveira, W.C. Prevalence and factors associated with physical inactivity among the elderly: a population-based study. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 19. Num. 3. 2016. p. 483493.

-Ribeiro, A.S.; Pereira, L.C.; Silva, D.R.P.; Santos, L.D.; Schoenfeld, B.J.; Teixeira, D.C.; Cyrino, E.S.; Guedes, D.P. Physical Activity and Sitting Time Are Specifically Associated With Multiple Chronic Diseases and Medicine Intake in Brazilian Older Adults. Journal of aging and physical activity. Vol. 26. Num. 4. 2018. p. 608-613.

-Silva, R.S.; Bezerra, J.A.X.; Silva, K.V.; Silva, N.N.; Lopes, D.T. A importância da atividade física em idosos com diabetes. Revisão bibliográfica. Revista diálogos em saúde. Vol. 1. Num. 2. 2018. p. 144-158.

-World Health Organization. WHO. Physical activity. WHO. 23/02/2018. Disponível em http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/physical-activity.

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization. 1998. Technical Report Series. 894.

-Zaitune, M.P.A.; Barros, M.B.A.; César, C.L.G.; Carandina, L.; Goldbaum, M.; Alves, M.C.G.P. Factors associated with global and leisure-time physical activity in the elderly: a health survey in São Paulo (ISA-SP), Brazil. Caderno Saúde Pública. Vol. 26. Num. 8. 2010. p.1606 -1618.

Publicado
2020-10-17
Como Citar
Muhl, M. de O., Muniz, F. W. M. G., Colussi, P. R. G., & Colussi, E. L. (2020). Inatividade física e fatores associados em idosos de uma cidade do sul do Brasil: um estudo transversal. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(85), 251-262. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1255
Seção
Artigos Científicos - Original