Influência da composição química de bebidas energéticas na redução da absorção de macro e micronutrientes

  • Orquidea Vasconcelos dos Santos Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Pará, Brasil.
  • Douglas Marley Lopes Pinto Graduando em Nutrição pela Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Pará, Brasil.
  • Stephanie Dias Soares Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Pará, Brasil.
  • Laís Ribeiro Corrêa Lisbôa Graduando em Nutrição pela Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Pará, Brasil.
  • Adriano de Figueiredo Marçal Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém, Pará, Brasil.
  • Bárbara Elizabeth Teixeira Costa Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Amazonas-UFAM, Amazonas, Brasil.
Palavras-chave: Acidez, Erosão, Bebidas

Resumo

Nesta pesquisa objetiva-se analisar aspectos químicos in vitro do potencial erosivo para estrutura dentária de bebidas energéticas e sua influência na absorção de nutrientes. As bases metodológicas utilizadas seguiram os padrões aceitos internacionalmente para as análises de potencial hidrogeniônico, acidez total titulável, sólidos solúveis totais e de açúcares redutores. Os resultados obtidos evidenciaram uma linha de produtos com elevada acidez, com medias entre 2,89 a 3,55 em potencial hidrogeniônico. Os teores para acidez total titulável oscilaram entre 0,26 a 0,80 g de ácido cítrico, com algumas diferenças significativas entre as amostras. Os conteúdos de sólidos solúveis totais apresentaram diferenças significativas entre todas as amostras. Os teores de açúcares redutores apresentaram médias que oscilaram de 26,42 a 131,65 g/L, com diferenças significativas de acordo com o teste de Tukey para p≤0,05. Os dados apresentados são preocupantes, pois as consequentes alterações na estrutura dentária afetam a ingestão de alimentos importantes à manutenção da saúde o que acarreta inadequações das taxas de absorção de micronutrientes. A partir desses dados concluímos há necessidade de ação conjunta interprofissional, com nutricionistas, odontologistas e de órgãos de fiscalização atuantes na observância continua da composição de alimento, com destaque para as bebidas industrializadas em virtude de sua ação sobre o surgimento da desmineralização e erosão do esmalte dentário, e a consequente redução do aporte no consumo de nutrientes regulatorios essenciais a boa nutricão. 

Referências

-AOAC. Association of Official Analytical Chemists. 18nd. Métodos oficiais de análise. Revisão 3, Associação de Químicos Analíticos Oficiais. Washington DC. 2010.

-Catão, M.H.C. V.; Silva, A. D. L.; Oliveira, R. M. Propriedades físico-químicas de preparados sólidos para refrescos e sucos industrializados. Revista da Faculdade de Odontologia. Vol. 18. Num. 1. 2013. p.12-17.

-Collet, G. O.; Lopes, T.S.; Marubayashi, L.M.; Provenzano, M.G.A.; Fracasso, M.L.C.; Primo, P.P.; Santin, G.C. Systematic and critical literature review relating foods and beverages to dental erosin in children. Revista UNINGÁ. Vol. 55. Num. S3. 2018. p.12-19.

-Chaturvedi, P.; Bhat, N.; Asawa, K.; Tak, M.; Bapat, S.; Gupta, V.V. Assessment of Tooth Wear Among Glass Factory Workers: WHO 2013 Oral Health Survey. Jornal of Clinical Diagnostic Research. Vol. 9. Num. 8. 2015. p. 63-66.

-Gómez-Miranda, L.M.; Bacardi-Gascon, M.; Meza, N.Y.C.; Cruz, A.J. Consumo de bebidas energéticas, alcohólicas y azucaradas en jóvenes universitarios de la frontera México-USA. Nutr Hosp. Tijuana. Vol. 31. Num. 1. 2015. p.191-195.

-Oliveira, C.L.; Andrade, F.A.; Fernandes neto, J. A. Influência das propriedades físico-químicas dos iogurtes no desenvolvimento da erosão dental. Archives of health investigation. Vol. 6. Num. 5. 2017. p. 235-39.

-Panza, V.; Coelho, M.; Pietro, P.; Assis, M.; Vasconcelos, F. Consumo alimentar de atletas: reflexões sobre recomendações nutricionais, hábitos alimentares e métodos para avaliação do gasto e consumo energéticos. Revista de Nutrição. Vol. 20. Num. 6. 2007. p. 681-692.

-Pinto, S.C.; Bandeca, M.C.; Silva, C.N.; Cavassim, R.; Borges, A.H.; Sampaio, J.E. Erosive potential of energy drinks on the dentine surface. BMC research notes. Vol. 6. Num. 1. 2013. p. 67-72.

-Santos, O.V.; Soares, S.D.; Vieira, E.L.S.; Lisboa, L.R. C.; Pinto, D. M. L.; Maciel, A. C. C.; Nascimento, F.C A. Consumo excessivo de bebidas potencialmente erosivas: implicações a saúde pública. Brazilian jornal of health review. Vol. 2. Num.4. 2019. p. 2554-2571.

-Sovik, J.; Skudutyte-rysstad, R.; Tveit, A.; Sandvik, L; Mulic, A. Sour sweets and acidic beverage consumption are risk indicators for dental erosion. Caries Research. Vol. 49. Num. 3. 2015. p. 243-250.

-Ramada, R.; Nacif, M. Avaliação do consumo de bebidas energéticas por estudantes de uma universidade de são Paulo-SP. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 13. Num. 77. 2019. p.151-156.

-Thomson, B.M.; Campbell, B.M.; Cressey, P.; Egan, U.; HOM, B. Energy drink consumption and impact on caffeine risk. Food Additives e Contaminants: Part A. Vol. 31. Num. 9. 2014. p.1476-1488.

-Uhlen, M.M.; Mulic, A.; Holme, B.; Tveit, A.B.; Stenhagen, K.R. The susceptibility to dental erosion differs among individuals. Caries Research. Vol. 50. Num. 2. 2016. p. 117-123.

Publicado
2020-11-03
Como Citar
Santos, O. V. dos, Pinto, D. M. L., Soares, S. D., Lisbôa, L. R. C., Marçal, A. de F., & Costa, B. E. T. (2020). Influência da composição química de bebidas energéticas na redução da absorção de macro e micronutrientes. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(87), 624-631. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1334
Seção
Artigos Científicos - Original