Prática de dietas e risco para transtornos alimentares: Revisando as evidências científicas

  • Nicole Biângulo de Freitas Graduanda em Nutrição, Pontifícia Universidade Católica de Goiás-PUC, Goiás, Brasil.
  • Camilla Kellen de Souza Cardoso Nutricionista, Doutora em Ciências da Saúde FM/UFG, Docente do curso de Nutrição, Pontifícia Universidade Católica de Goiás-PUC, Goiás, Brasil.
Palavras-chave: Dieta, Dieta restritiva, Transtornos alimentares

Resumo

A busca incansável pelo “corpo perfeito” gera a insatisfação corporal e a associação equivocada de magreza com saúde e sucesso, pensamento que costuma estar presente na gênese dos transtornos alimentares (TAs). Identificar na literatura científica a associação entre a prática de dietas e os TAs. Estudo de revisão sistemática da literatura científica com pesquisa nas bases de dados Scielo, Pubmed e Science Direct. O período de busca dos artigos para a revisão foi de maio a setembro de 2019, considerando publicações dos últimos 10 anos. Foi observado uma prevalência importante de alta pontuação dos questionários: Teste de atitudes alimentares-26 (EAT-26), Teste de investigação bulímica de Edimburgo (BITE), Questionário de Atitudes socioculturais em relação à aparência-3 (SATAQ-3), Questionário de comportamentos alimentares arriscados (BQREB) e Questionário de identificação da ortorexia nervosa (ORTO-15) naqueles que faziam dieta, com ou sem acompanhamento, em especial em mulheres jovens. A realização de dietas está associada com o desenvolvimento de TAs.

Publicado
2021-07-15
Como Citar
Freitas, N. B. de, & Cardoso, C. K. de S. (2021). Prática de dietas e risco para transtornos alimentares: Revisando as evidências científicas. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(88), 735-744. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1371
Seção
Artigos Científicos - Original