Índice de adiposidade corporal e a sua correlação com o percentual de gordura corporal avaliado por absorciometria por dupla emissão de raios x em idosas do sul do brasil

  • Tauani Landini Tonietto Nutricionista graduada pela Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões-RS, Brasil.
  • Letícia Mazocco Nutricionista graduada pela Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões-RS, Brasil; Mestre em Gerontologia pela Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, Brasil
  • Arielen Ferigollo Nutricionista graduada pela Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões-RS, Brasil; Mestre em Gerontologia pela Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, Brasil
  • Ângela Giovana Batista Docente Adjunta do Departamento de Alimentos e Nutrição, Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões-RS, Brasil.
  • Patrícia Chagas Departamento de Alimentos e Nutrição, Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões-RS, Brasil; Programa de Pós-graduação em Gerontologia da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, Brasil.
Palavras-chave: Índice de Adiposidade Corporal, Idosa, Composição Corporal, Adiposidade, Densitometria Óssea

Resumo

Objetivo: Verificar a correlação entre o percentual de gordura corporal (%GC) avaliado pelo Índice de Adiposidade Corporal (IAC) com o %GC avaliado por absorciometria por dupla emissão de raios X (DXA) em mulheres idosas. Materiais e Métodos: Estudo transversal, com idosas submetidas à densitometria óssea em uma clínica de imagem no noroeste do Rio Grande do Sul. Os dados sociodemográficos foram avaliados por meio de questionário estruturado pelos pesquisadores. O %GC foi avaliado por DXA e pelo IAC. Para o cálculo do IAC foi aferida a estatura utilizando um estadiômetro de balança antropométrica. A circunferência do quadril (CQ) foi medida com uma fita métrica na parte mais protuberante do quadril. O IAC foi calculado por meio da equação IAC = [Quadril / (altura x √altura) – 18]. Resultados: Participaram do estudo 205 idosas, com idade média de 67,3 ± 5,8 anos. Houve maior prevalência de mulheres com companheiro (61,5%), aposentadas (90,2%) e com escolaridade entre 4 e 8 anos de estudo (47,3%). Em relação à adiposidade, a média do %GC demonstrado pelo IAC foi de 34%, e avaliado por DXA foi de 40,59%.  A correlação de Pearson foi significativa e alta (r=0,714; p<0,001) e o Coeficiente de Correlação Intraclasse foi de 0,649 (IC95%, -0,106 e 0,852, p<0,001) sendo considerado forte. Conclusão: Na amostra de idosas do sul do Brasil, o IAC obteve uma alta correlação com o % de GC mensurado pela DXA, podendo ser utilizado como um índice complementar para avaliar a adiposidade desta população.

Referências

-Adams, P.D. Healing and Hurting: Molecular Mechanisms, Functions, and Pathologies of Cellular Senescence. Mol Cell. Vol. 36. Num.1. 2009. p. 2-14.

-Ahima, R.S. Connecting obesity, aging and diabetes. Nat Med. Vol. 15. Num. 9. 2009. p. 996-997.

-Alves, J. E. D. A transição demográfica e a janela de oportunidade. São Paulo. Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial. 2008. p. 1-13.

-Belarmino, G.; Horie, L.M.; Sala, P.C.; Torrinhas, R.S.; Heymsfield, S.B.; Waitzberg, D.L. Body adiposity index performance in estimating body fat in a sample of severely obese Brazilian patients. Nutrition Journal. Vol. 14. Num. 1. 2015. p. 130.

-Bergman, R.N.; Stefanovski, D.; Buchanan, T.A.; Summer, A.E.; Reynolds, J.C.; Sebring, N. G.; Xiang, A. H.; Watanabe, R.M. A better index of body adiposity. Obesity Journal. Vol. 19. Num. 5. 2011. p. 1083-1089.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Vigitel Brasil 2016. Brasília. p. 47-53. 2017.

-Britton, K.A.; Massaro, J.M.; Murabito, J.M.; Kreger, B.E.; Hoffmann, U.; Fox, C.S. Body fat distribution, incident cardiovascular disease, cancer, and all-cause mortality. J Am Coll Cardiol. Vol. 62. Num. 10. 2013. p. 921-925.

-Cerqueira, M.S.; Santos, C.A.D.; Silva, D.A.S.; Amorim, P.; Marins, J.C.B.; Franceschini, S. Validade do índice de adiposidade corporal na previsão da gordura corporal em adultos: uma revisão sistemática. Adv Nutr. Vol. 9. Num. 5. 2018. p. 617-624.

-Chang, H.; Simonsick, E.M.; Ferrucci, L.; Cooper, J.A. Validation study of the body adiposity index as a predictor of percent body fat in older individuals: findings from the BLSA. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. Vol. 69. Num. 9. 2014. p. 1069-1075.

-Dias, J.; Ávila, M.; Damasceno, V.O.; Gonçalves, R.; Barbosa, F.P.; Lamounier, J.A.; Vianna, J.M. Aplicabilidade do índice adiposidade corporal na estimativa do percentual de gordura de jovens mulheres brasileiras. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 20. Num. 1. 2014. p. 17-20.

-Duren, D.L.; Sherwood, R.J.; Czerwinski, S.A.; Miryoung, L.; Choh, A.C.; Sjervogel, R.M.; Chumlea, C. Body composition methods: comparisons and interpretation. J Diabetes Sci Technol. Vol. 2. Num. 6. 2008. p. 1139-1146.

-Gonçalves, R.; Mascarenhas, L.P.G.; Liebl, E.C.; Lima, V.A.; Souza, W.B.; Grzelczak, M.T.; Souza, W.C. Grau de concordância do IMC e do IAC com percentual de gordura corporal. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 6. Num. 1. 2014. p. 06-16.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Séries estatísticas & séries históricas. Rio de Janeiro. 2010. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/calendario-de-divulgacao.html> Acesso em: 25/12/2018.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Projeções da população: Brasil e unidades da federação. Revisão 2018. 2ª edição. Núm. 40. p.56. Rio de Janeiro. 2018.

-Johnson, W.; Chumlea, W.C.; Czerwinski, S.A.; Demerath, E.W. Concordance of the recently published body adiposity index with measured body fat percent in European-American adults. Obesity. Vol. 20. Num. 4. 2011. p. 900-903.

-Kuk, J.L.; Saunders, T.J.; Davidson, L.E.; Ross, R. Age-related changes in total and regional fat distribution. Ageing Res Rev. Vol. 8. Num. 4. 2009. p. 339-348.

-Landis, J.R.; Koch, G.G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. Vol. 33. Num.1. 1977. p.159-174.

-Lee, S.Y.; Gallagher, D. Assessment methods in human body composition. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. Vol. 11. Num. 5. 2008. p. 566-572.

-Lohman, T.G.; Roche, A.F.; Martorell, R. Anthropometric Standardization Reference Manual. Champaign, IL. Human Kinetics. 1988.

-López-Otín, C.; Blasco, M.A.; Partridge, L.; Serrano, M.; Kroemer, G. The hallmarks of aging. Cell. Vol. 153. Num. 6. 2013. p. 1194-1217.

-López, A.A.; Cespedes, M.L.; Vicente, T.; Tomas, M.; Bennasar-Veny, M.; Tauler, P.; Aguilo, A. Body Adiposity Index utilization in a Spanish Mediterranean population: comparison with the Body Mass Index. PLoS One. Vol. 7. Num. 4. 2012.

-Mau, T.; Yung, R. Adipose tissue inflammation in aging. Exp Gerontol. Vol. 105. 2018. p. 27-31.

-Mukaka, M.M. A guide to appropriate use of correlation coefficient in medical research. Malawi Med J. Vol. 24. Num. 3. 2012. p. 69-71.

-Palermo, A.; Tuccinardi, D.; Defeudis, G.; Watanabe, M.; D’Onofrio, L.; Pantano, A. L.; Napoli, N.; Pozzilli, P.; Manfrini, S. BMI and BMD: the potential interplay between obesity and bone fragility. Int J Environ Res Public Health. Vol. 13. Num. 6. 2016. p. 544.

-Ramírez-Vélez, R.; Correa-Bautista, J.E.; González-Ruíz, K..; Vivas, A.; García-Hermoso, A.; Triana-Reina, H.R. Predictive validity of the Body Adiposity Index in overweight and obese adults using Dual-Energy X-ray Absorptiometry. Nutrients. Vol. 8. Num. 12. 2016. p. 737.

-Shepherd, J.A.; Ng, B.K.; Sommer, M.J.; Heymsfield, S.B. Body composition by DXA. Bone. Vol. 104. 2017. p. 101-105.

-Souza, W.C.; Junior, D.T.; Mascarenhas, L.P.G.; Grzelczak, M.T. Índice de adiposidade corporal (IAC) como preditor de gordura corporal: um estudo de revisão. Saúde & Meio Ambiente. Vol. 4. Num. 1. 2015. p. 32-38.

-Sulino, R. M.; Touquinha, H.M.; Silva, E.; Freitas, W.Z. Correlação entre o índice de adiposidade corporal, índice de massa corporal e estimativa de adiposidade corporal por meio de dobras cutâneas em diferentes faixas etárias. FIEP Bulletin Online. Vol. 82. Num. 1. 2012.

-WHO. World Health Organization. 10 facts on ageing and health. 2017. Disponível em: <http://www.who.int/features/factfiles/ageing/en/>. Acesso em: 27/12/2018.

Publicado
2022-03-29
Como Citar
Tonietto, T. L., Mazocco, L., Ferigollo, A., Batista, Ângela G., & Chagas, P. (2022). Índice de adiposidade corporal e a sua correlação com o percentual de gordura corporal avaliado por absorciometria por dupla emissão de raios x em idosas do sul do brasil. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 15(93), 281-288. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1695
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original