Perfil dietético antioxidante de mulheres climatéricas hipertensas do sul do brasil

  • Priscila Boff Duarte Curso de Nutrição, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul-RS, Brasil.
  • Natiani Gonçalves de Oliveira Curso de Nutrição, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul-RS, Brasil.
  • Iranice Taís Teixeira Curso de Nutrição, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul-RS, Brasil.
  • Heloísa Theodoro Docente da Área de Conhecimento de Ciências da Vida, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul-RS, Brasil.
  • Catia Santos Branco Docente da Área de Conhecimento de Ciências da Vida, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul-RS, Brasil; Laboratório de Estresse Oxidativo e Antioxidantes, Instituto de Biotecnologia, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul-RS, Brasil.
Palavras-chave: Hipertensão arterial sistêmica, Estresse oxidativo, Polifenóis, Vitaminas, Minerais

Resumo

Introdução: O estresse oxidativo está envolvido na fisiopatologia da hipertensão arterial sistêmica (HAS) e o papel dos antioxidantes nesse contexto ainda precisa ser melhor compreendido. Objetivo: avaliar a prevalência de hipertensão e a relação com ingestão de polifenóis e capacidade antioxidante total dietética (DTAC) em mulheres climatéricas da Serra Gaúcha-RS, Brasil. Materiais e métodos: 41 mulheres participaram do estudo (CEP 2.420.632; 07/12/2017) e foram submetidas a aferições de peso, altura, circunferência da cintura e pressão arterial. Aplicaram-se diferentes questionários visando a obtenção de informações sociodemográficas e de saúde, além do Recordatório Alimentar de 24 horas. Comparações entre os grupos hipertenso e não hipertenso foram feitas através de teste t de Student ou qui-quadrado. Resultados: A prevalência de HAS na população foi de 29,27 % (IC95% 14,73; 43,81) e as mulheres hipertensas apresentaram IMC estatisticamente superior ao das não hipertensas (p=0,047). Embora sem diferença estatística, observou-se que o grupo hipertenso apresentou DTAC e ingestão de polifenóis totais diminuídos (9 e 11 % de redução, respectivamente). O mineral magnésio teve sua ingestão significativamente reduzida (30 %; p=0,006) pelas mulheres hipertensas. Observou-se que elas exibiram uma ingestão abaixo do recomendado para as vitaminas A e E. Dentre os alimentos e bebidas que contribuíram para aumentar a DTAC das participantes, o café ficou em primeiro lugar em ambos os grupos. Conclusão: Esses dados demonstram a importância do monitoramento do consumo de antioxidantes visando a prevenção e/ou controle da hipertensão e de doenças relacionadas à saúde do coração, em mulheres climatéricas.

Referências

-Ahmad, K.A.; Yuan, D.Y.; Nawaz, W.; Ze H.; Zhuo, C.X.; Talal, B.; Taleb, A.; Mais, E.; Qilong, D. Antioxidant therapy for management of oxidative stress induced hypertension. Free Radical Research. Vol. 51. Num. 4. 2017. p. 428-438.

-Araya, A.X.; Urrutia, M.T.; Dois, A.; Carrasco, P. Menopause, the Beginning of Aging for Chilean Women: A Qualitative Study. Investigacion y Educacion en Enfermeria. Vol. 35. Num. 1. 2017. p. 95-99.

-Bauersachs, J.; Fleming, I.; Fraccarollo, D.; Busse, R.; Ertl, G. Prevention of endothelial dysfunction in heart failure by vitamin E: attenuation of vascular superoxide anion formation and increase in soluble guanylyl cyclase expression. Cardiovascular Research. Vol. 51. Num. 2. 2001. p. 344-350.

-Branco, C.D.S.; Lima, É.D.D.; Rodrigues, T.S.; Scheffel, T.B.; Scola, G.; Laurino, C.C.F.C.; Moura, S.; Salvador, M. Mitochondria and redox homoeostasis as chemotherapeutic targets of Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze in human larynx HEp-2 cancer cells. Chemico-Biological Interactions. Vol. 231. 2015. p. 108-118.

-Brand, E.M.; Dias, G.B.; Calvo, K.S.; Silva, M.S.; Pavim, B.O.; Duarte, E.R.M.; Teixeira, L.B. Atenção à saúde dos usuários com hipertensão arterial sistêmica, no Rio Grande do Sul e nas demais unidades federativas do Brasil, na atenção básica. Saúde em Redes. Vol. 3. Num. 2. 2017. p. 136-144.

-Brasil. Ministério da Saúde. 2020 Disponível em: https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/43123-um-em-cada-quatro-brasileiros-adultos-dizem-ter-diagnostico-medico-de-hipertensao. Acesso em: 11/09/2020.

-Cunha, A.R.; Umbelino, B.; Correia, M.L.; Neves, M.F. Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. Vol. 10. Num. 3. 2011. p. 39-45.

-Dietary Reference Intakes for Sodium and Potassium. National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine. Washington, DC: The National Academies Press. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.17226/25353. Acesso em: 10/10/2020.

-Fantuzzi, G. Adipose tissue, adipokines, and inflammation. Journal of Allergy and Clinical Immunology. Vol. 115. Num. 5. 2005. p. 911-919.

-FEBRASGO. Federação Brasileira das Associações e Ginecologia e Obstetrícia. Climatério: manual de orientação. 2010. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/images/arquivos/manuais/Manuais_Novos/Manual_Climaterio.pdf. Acesso em: 27/10/2020.

-Floegel, A.; Kim, D.O.; Chung, S.J.; Song, W.O.; Fernandez, M.L.; Bruno, R.S.; Koo, S.I.; Chu, O.K. Development and validation of an algorithm to establish a total antioxidant capacity database of the US diet. International Journal of Food Sciences and Nutrition. Vol. 61. Num. 6. 2010. p. 600-623.

-Furukawa, S.; Fujita, T.; Shimabukuro, M.; Iwaki, M.; Yamada, Y.; Nakajima, Y.; Nakayama, O.; Makishima, M.; Matsuda, M.; Shimomura, I. Increased oxidative stress in obesity and its impact on metabolic syndrome. The Journal of Clinical Investigation, Vol. 114. Num. 12. 2017. p. 1752-1761.

-Godos, J.; Pluchinotta, F.R.; Marventano, S.; Buscemi, S.; Volti, G.L; Galvano, F.; Grosso, G. Coffee Components and Cardiovascular Risk: Beneficial and Detrimental Effects. International Journal Food Science Nutrition. Vol. 65. Num. 8. 2014. p. 925-936.

-Grosjean, S.; Devaux, Y.; Seguin, C.; Meistelman, C.; Zannad, F.; Mertes P.M.; Kelly R.A.; Ungureanu-Longrois, D. Retinoic acid attenuates inducible nitric oxide synthase (NOS2) activation in cultured rat cardiac myocytes and microvascular endothelial cells. Journal of Molecular Cellular Cardiology. Vol. 33. Num. 5. 2001. p. 933-45.

-Kostov, K.; Halacheva, L. Role of magnesium deficiency in promoting atherosclerosis, endothelial dysfunction, and arterial stiffening as risk factors for hypertension. International Journal of Molecular Sciences. Vol. 19. Num. 6. 2018. p.1724.

-Lin, Y.Y; Lee, S.D. Cardiovascular benefits of exercise training in postmenopausal hypertension. International Journal Molecular Sciences. Vol. 19. Num. 9. 2018. p. 2523.

-Macêdo, É.M.C.; Amorim, M.A.F.; Silva, A.C.S.; Castro, C.M.M.B. Efeitos da deficiência de cobre, zinco e magnésio sobre o sistema imune de crianças com desnutrição grave. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 28. Num. 3. 2010. p. 329-36.

-Malta, D.C.; Gonçalves, R.P.F.; Machado, I.E.; Freitas, M.I.F.; Azeredo, C.; Szwarcwald, C.L. Prevalência da hipertensão arterial segundo diferentes critérios diagnósticos, Pesquisa Nacional de Saúde. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 21. Num. 1. 2018. e180021.

-Marques, A.P.; Szwarcwald, C.L.; Pires, D.C.; Rodrigues, J.M.; Almeida, W.S.; Romero, D. Fatores associados à hipertensão arterial: uma revisão sistemática. Ciência e Saúde Coletiva. Vol. 25. Num. 6. 2020. p. 2271-2282.

-Meller, F.O.; Ciochetto, C.R.; Santos, L.P.; Duval, P.A.; Vieira, M.F.A.; Schafer, A.A. Associação entre circunferência da cintura e índice de massa corporal de mulheres brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 19. Num. 01. 2014.

-Oliveira, N.G.; Teixeira, I.T.; Theodoro, H.; Branco, C.S. Dietary total antioxidant capacity as a preventive factor against depression in climacteric women. Dementia e Neuropsychologia. Vol. 13. Num. 3. 2019. p. 305-311.

-Oliveiros, L.; Veja, V.; Anzulovich, A.C.; Ramirez, D.; Gimenez, M.S. Vitamin A deficiency modifies antioxidant defenses and essential element contents in rat heart. Nutrition Research. Vol. 20. Num. 8. 2000. p. 1139-50.

-OMS. Organização Mundial da Saúde. Report of a expert consultation about waist circumference and waist-hip ratio. Geneva. 2008. p. 40.

-Organização Pan Americana da Saúde. Organização Mundial da Saúde. 2020 Disponível em: https://www.paho.org/bireme/index.php?option=com_content&view=article&id=286:dia-mundial-da-hipertensao-2015&Itemid=183&lang=es. Acesso em: 02/09/2020.

-PAHO. Pan American Health Organization. Chronic-Degenerative Illnesses and Obesity: World-Wide Strategy on Healthful Feeding, Physical Activity and Health. Vol. 39. Num. 1. 2003. p. 58.

-Peixoto, M.R.G.; Benicio, M.H.D´A.; Latorre, M.R.D.O.; Jardim, P.C.B.V. Circunferência da cintura e massa corporal como preditores da hipertensão arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 87. Num. 4. 2006.

-Prado, W.L.; Lofrano, M.C.; Oyama, L.M.; Damaso, A.R. Obesidade e adipocinas inflamatórias: Implicações práticas para a prescrição de exercício. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Num. 5. 2009. p. 378-383.

-CBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia. 2020 Disponível em: http://www.cardiometro.com.br/anteriores.asp. Acesso em 28/09/2020.

-Souza, l.C.D.; Oliveira, A.C.; Goulart, M.O.F.; Vasconcelos, S.M.L. Ingestão e coeficiente de variabilidade na dieta de vitaminas antioxidantes por uma população de hipertensos sob estresse oxidativo. Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Vol. 34. Num. 2. 2009. p. 11-26.

-Stedile, N.; Canuto, R.C.; Dallavechia, C.; Sene, J.S.; Stolfo, A.; Wisintainer, G.N.S.; Henriques, J.A.P.; Salvador, M. Dietary total antioxidant capacity is associated with plasmatic antioxidant capacity, nutrient intake and lipid and DNA damage in healthy women. International Journal of Food Sciences and Nutrition. Vol. 67. Num. 4. 2016. p. 479-88.

-TACO. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. 4ª edição. Rev. e Ampl. Campinas: NEPA - UNICAMP. 2011. p. 161.

-Teixeira, I.T.; Oliveira, N.G.; Theodoro, H.; Branco, C.S. Consumo de lipídeos e sua contribuição nos distúrbios metabólicos em mulheres adultas e idosas da Serra Gaúcha, Sul do Brasil. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 13. Num. 78. 2019. p.299-307.

-Vasconcelos, S.M.L.; Goulart, M.O.F.; Silva, M.A.M.; Manfredini, V.; Benfato, M. S.; Rabelo, L.A.; Fontes, G. Marcadores de desequilíbrio redox em sangue de pacientes hipertensos de uma comunidade no nordeste do Brasil. Arq. Bras. Cardiol. Vol. 97. Num. 2. 2011. p. 141-147.

-Versari, D.; Daghini, E.; Rodriguez-Porcel, M.; Sattler, K.; Galili, O.; Pilarckyk, K.; Napoli, C.; Lerman, L.O.; Lerman, A. Chronic antioxidant supplementation impair coronary endothelial function and myocardial perfusion in normal pigs. Hypertension. Vol. 47. Num. 3. 2006. p. 475-481.

-Williams, B.; Giuseppe, M.; Spiering, W.; Rosei, E. A.; Azizi, M.; Burnier, M.; Clement, D. L.; Coca, A.; Simone, G.; Dominiczak, A.; Kahan, T.; Mahfoud, F.; Redon, J.; Ruilope, L.; Zanchetti, A.; Kerins, M.; Kjeldsen, S. E.; Kreutz, R.; Laurent, S.; Lip, G.Y.H.; McManus, R.; Narkiewicz, K.; Ruschitzka, F.; Schmieder, R. E.; Shlyakhto, E.; Tsioufis, C.; Aboyans, V.; Desormais, I. ESC/ESH Guidelines for themanagement of arterial hypertension. European Heart Journal. Vol. 39. 2018. p. 3021-3104.

-Xie, C.; Cui, L.; Zhu, J.; Wang, K.; Sun, N.; Sun, C. Coffee consumption and risk of hypertension: A systematic review and dose-response meta-analysis of cohort studies. Journal of Human Hypertension. 2018.

-Zuanazzi, C.; Maccari, P.A.; Beninca, S.C.; Branco, C.S.; Theodoro, H.; Vanderlinde, R.; Siviero, J.; Salvador, M. White grape juice increases high-density lipoprotein cholesterol levels and reduces body mass index and abdominal and waist circumference in women. Nutrition. Vol. 57. 2019. p. 109-114.

Publicado
2022-03-29
Como Citar
Duarte , P. B., Oliveira , N. G. de, Teixeira , I. T., Theodoro, H., & Branco, C. S. (2022). Perfil dietético antioxidante de mulheres climatéricas hipertensas do sul do brasil. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 15(93), 289-300. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1696
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original