Porque obesos abandonam o planejamento nutricional em uma clínica-escola de nutrição?

Amanda Hansen Soares, Caroline de Oliveira, Talita Ribeiro Rocha, Glenys Mabel Caballero Cordoba, Joseane Almeida dos Santos Nobre

Resumo


A obesidade sendo uma doença de difícil aceitação, apresenta baixa adesão ao tratamento, manutenção e acompanhamento nutricional, atualmente a maior parte dos tratamentos em saúde encontrados no país, principalmente na rede privada de saúde dificilmente atendem a todos os públicos, devido à alta demanda de custo, frente a necessidade de novos reparos dos serviços, os usuários são obrigados a procurarem por outros locais que oferecem atendimento diferenciado, de boa qualidade e baixo custo. Por esta razão, o objetivo do trabalho foi verificar os principais motivos do abandono ao tratamento nutricional proposto em uma clínica-escola de nutrição. A pesquisa foi um estudo transversal e descritivo realizado através de prontuários da clínica escola, e auxiliado com a aplicação por telefone de um questionário respondido por, 150 indivíduos obesos de ambos os sexos, de 21 a 60 anos que participaram de no mínimo duas consultas nutricionais que constituíram a amostra deste estudo. Indicaram maior prevalência do sexo feminino (78%), classificados com obesidade classe I (64%) e idade de 41 a 50 anos (29,9%), tratados por um período inferior a 30 dias (56,41%). 84,61% responderam ter seguido as recomendações nutricionais e nunca ter passado por tratamento psicológico. Os motivos de abandono mais citados foram: falta de tempo, transporte e autoconfiança. Conclui-se que o abandono ao planejamento nutricional ocorreu principalmente por questões relacionadas à falta de tempo dos pacientes e suas dificuldades financeiras e de deslocamento.

 

ABSTRACT

Why do obese people abandon nutrition planning in a nutrition clinic-school?

The obesity is a disease whose acceptance is difficult. It presents low uptake to treatment, maintenance and nutritional accompaniment. Currently, most of the health-care services in the country, especially private care, are not able to serve all patients, due to the high demand for cost. Facing the need for new services repair, users are compelled to search for other distinguished services, of high quality and low cost. Therefore, the purpose of this study was to verify the main reasons for abandonment of the nutritional treatment proposed in a nutrition clinic-school. The research was a cross-sectional descriptive study carried out through records of the clinic-school and telephone survey, answered by 150 obese people, male and female, from 21 to 60 years old, who have attended at least two nutrition appointments that constituted the sample of this study. The results indicated that the female gender prevailed (78%), classified as first degree of obesity (64%) and age from 41 to 50 years old (29,9%), treated for less than 30 days (56,41%). 84,61% declared having followed nutrition recommendations and never having gone through psychological treatment. The most cited reasons for abandonment were: lack of time, transportation and self-confidence. It is concluded thereupon that the abandonment of nutrition planning occurred mainly for issues related to the patients’ lack of time and their financial and travel difficulties. 


Palavras-chave


Obesidade; Nutrição; Adultos; Planejamento; Educação Nutricional

Texto completo:

PDF

Referências


-Albano, B. R.; Basílio, M. C.; Neves, J. B. Desafios para a inclusão dos homens nos serviços de atenção primária á saúde. Revista Enfermagem Integrada. Vol. 3. Núm. 2. 2010.

-Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos familiares 2008-2009: Antropometria, estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Brasília-DF. IBGE. 2010.

-Conde, W. L.; Borges, C. O risco de incidência e persistência da obesidade entre adultos Brasileiros segundo seu estado nutricional ao final da adolescência. Rev. bras. epidemiol. Vol. 14. Núm. 1. p.71-79. 2011.

-Correia, L. L.; e colaboradores. Prevalência e determinantes de obesidade e sobrepeso em mulheres em idade reprodutiva residentes na região semiárida do Brasil. Revista de Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 16. Núm.1. p.133-145. 2011.

-Filho, F. P. P.; Sarti, F. M. Falhas de mercado e redes em políticas públicas: desafios e possibilidades ao Sistema Único de Saúde. Ciência e saúde coletiva. Vol. 17. Núm. 11. p.2981-2990. 2012.

-França, A. P.; Aldrighi, J. M.; Marucci, M. F. N. Fatores associados à obesidade global e à obesidade abdominal em mulheres na pós-menopausa. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. Vol. 8. Núm. 1. p.65-73. 2008.

-Fuster, V. An alarming threat to secondary prevention: low compliance (lifestyle) and poor adherence (drugs). Rev. Esp Cardiol. Vol. 10. Núm. 6. 2012.

-Guedes, M. V. C.; Henriques, A. C. P. T.; Lima, M. M. N. Acolhimento em um serviço de emergência: percepção dos usuários. Revista Brasileira de Enfermagem. Vol. 66. Núm. 1. p.31-37. 2013.

-Guimarães, N. G..; Dutra, E. S.; Ito, M. K.; Carvalho, K. M. B. Adesão a um programa de aconselhamento nutricional para adultos com excesso de peso e comorbidades. Rev. Nutr. Vol. 23. Núm. 3. p.323-333. 2010.

-Junior, F. M. C.; Maia, A. C. B. Concepções de homens hospitalizados sobre a relação entre gênero e saúde. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Vol. 25. Núm. 1. p.55-63. 2009.

-Linhares, R. S.; e colaboradores. Distribuição de obesidade geral e abdominal em adultos de uma cidade no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. Vol. 28. Num. 3. p.438-447. 2012.

-Lopes, P. C. S.; Prado, S. R. L. A.; Colombo, P. Fatores de risco associados à obesidade e sobrepeso em crianças em idade escolar. Revista Brasileira de Enfermagem. Vol. 63. Núm. 1. p.73-78. 2010.

-Lourenço, L.; Rubiatti, A. M. M. Perfil nutricional de portadores de obesidade de uma unidade básica de saúde Ibaté-SP. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 10. Núm. 55. p.25-39. 2016. Disponível em:

-Marin, J. S.; Marchioli, M.; Moracvick, M. Y. Fortalezas e fragilidades do atendimento nas unidades básicas de saúde tradicionais e da estratégia de saúde da família pela ótica dos usuários. Texto Contexto Enfermagem. Vol. 22. Núm. 3. p.780-788. 2013.

-Moreira, P.; Romualdo, M. C. S.; Amparo, F. C.; Paiva, C.; Alves, R.; Magnoni, D.; Kovacs, C. A educação nutricional em grupos e sua efetividade no tratamento de pacientes obesos. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 6. Núm. 35. p.216-224. 2012. Disponível em:

-Moura, C. B.; e colaboradores. Caracterização da clientela pré-escolar de uma clínica-escola brasileira a partir do Child Behavior Checklist (CBCL). Contextos Clínic. Vol. 1. Núm. 1. p.1-8. 2008.

-Niquini, C.; Navarro, F.; Bessa, F. Fatores associados à adesão e não adesão do tratamento não farmacológico em usuários com obesidade assistidos pelo programa saúde da família, complexo do alemão-RJ. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 6. Núm. 31. p.46-57. 2012. Disponível em:

-Nogueira, T. F.; Zambon, M. P. Reasons for non-adherence to obesity treatment in children and adolescents. Revista paulista Pediátrica. Vol. 31. Núm. 3. p.338-343. 2013.

-Oliveira, A. P. S. V.; Silva, M. M. Fatores que dificultam a perda de peso em mulheres obesas de graus I e II. Rev. Psicol. Saúde. Vol. 6. Núm.1. p.74-82. 2014.

-Oliveira, T. R.; Pereira, C. G. Perfil de Pacientes que Procuram a Clínica de Nutrição da PUC MINAS e Satisfação quanto ao Atendimento. Percurso Acadêmico. Vol. 4. Núm. 8. 2014.

-Porto, M.C.V.; e colaboradores. Perfil de obeso classe II do ambulatório de obesidade de um hospital universitário de Salvador, Bahia. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. Vol. 46. Núm. 6. p.668-673. 2002.

-Serrano, S. Q.; Vasconcelos, M. G. L.; Silva, G. A. P.; Cerqueira, M. M. O.; Pontes, C. M. Percepção do adolescente obeso sobre as repercussões da obesidade em saúde. Rev. Esc. Enferm. USP. Vol. 44. Núm. 1. p.25-31. 2010.

-Siewert, M. C. Importância da redução de custos em operadoras privadas de plano de saúde por meio da auditoria médica prévia. Revista Especialize On-Line IPOG. Vol.1. Núm. 6. p.1-14. 2013.

-Sousa, A. E. C.; Nunes, R. M. Avaliação da adesão terapêutica nutricional e sua relação com os modelos de mudança do comportamento alimentar. HU Revista. Vol. 40. Núm. 3 e 4. p.221-229. 2014.

-Souza, F. R.; Schroeder, P. O.; Liberali, R. Obesidade e envelhecimento. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 1. Núm. 2. p.24-35. 2007. Disponível em:

-Tischler, A. B. Caracterização do perfil corporal de pacientes obesos e portadores de hipertensão arterial sistêmica admitidos em uma clínica-escola de nutrição no município de Lauro de Freitas-BA. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 7. Núm. 38. p.27-34. 2013. Disponível em:

-Toral, N.; Slater, B. Transtheoretical model approach in eating behavior. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 12. Núm. 6. p.1641-1650. 2007.

-Viudes, D. R.; e colaboradores. Perfil Nutricional e consumo alimentar de pacientes com excesso de peso atendidos por um ambulatório de nutrição. Publ. Biológicas. Vol. 20. Núm.2. p.115-124. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui