Avaliação da resposta glicêmica em indiví­duos saudáveis após a ingestão de mel produzido no estado do Piauí­-Brasil

  • Sara Andrade Gomes Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Ana Virgí­nia Brandão de Sousa Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Marilene Magalhães de Brito Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Gleyson Moura dos Santos Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Rayssa Gabriela Costa Lima Porto Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil. Instituto Federal do Maranhão (IFMA), São João dos Patos-MA, Brasil.
  • Regilda Saraiva dos Reis Moreira-Araújo Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil
Palavras-chave: Índice glicêmico, Carga glicêmica, Mel

Resumo

A resposta glicêmica é dependente da velocidade de digestão e absorção dos carboidratos presentes nos alimentos. Considerando a importância da aplicação do índice glicêmico como ferramenta de auxí­lio à prescrição de dietas, este estudo objetivou avaliar a resposta glicêmica do mel produzido no estado do Piauí­. Trata-se de um estudo experimental de abordagem quantitativa e analí­tica. A amostra de mel foi adquirida no mercado local de Teresina. Foram recrutados 08 voluntários e o mel foi caracterizado quanto ao í­ndice glicêmico (IG) e carga glicêmica (CG), por meio da avaliação da resposta glicêmica após a ingestão do mesmo. Observou-se uma população sedentária saudável. A ingestão do mel provocou elevação da glicemia e pico da resposta glicêmica em 30 minutos, sendo que a partir desse tempo até 60 minutos, verificou-se um acentuado declí­nio. Posteriormente aos 90 minutos ocorreu um declí­nio gradual dos ní­veis de glicemia. O resultado do cálculo sob a curva da resposta glicêmica (IUAC) obtido com a média dos valores de glicemia tanto da glicose quanto do mel demonstrou que, a IUAC da glicose foi de 158,4 e do mel de 111,6 mmol/L. A determinação da resposta glicêmica do mel mostrou resultados de IG de 70,04% podendo classificá-lo como alto IG (≥70) e elevada CG (24,5 g). Portanto, apesar de ser um produto amplamente utilizado pela população por conter inúmeros compostos benéficos à saúde deve-se ter atenção ao seu consumo, visto que o mesmo provoca um aumento rápido da glicemia pós-prandial.

Biografia do Autor

Sara Andrade Gomes, Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.

Nutricionista.

Ana Virgí­nia Brandão de Sousa, Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.

Nutricionista; Pós-graduanda em Nutrição Clí­nica e Nutrição Esportiva.

Marilene Magalhães de Brito, Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.

Nutricionista; Mestranda em Alimentos e Nutrição; Pós-graduanda em Nutrição Clí­nica e Esportiva.

Gleyson Moura dos Santos, Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil.

Nutricionista; Mestrando em Ciências e Saúde; Pós-graduando em Fitoterapia Aplicada à Nutrição.

Rayssa Gabriela Costa Lima Porto, Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Teresina-PI, Brasil. Instituto Federal do Maranhão (IFMA), São João dos Patos-MA, Brasil.

Nutricionista, Mestre e Doutoranda em Alimentos e Nutrição (UFPI), Professora Efetiva do Instituto Federal do Maranhão - IFMA.

Referências

-Arcot, J.; Brand-Miller, J. A Preliminary Assessment of the Glycemic Index of Honey. A Report for the Rural Industries Research and Development Corporation. Publication Num: 05/027. Sydney, Austria: Rural Industries Research and Development Corporation, 2005.

-Bogdanov, S.; Jurendic, T.; Sieber, R.; Gallmann, P. Honey for nutrition and health: a Review. American Journal of the College of Nutrition. Vol. 27. 2008. p. 677-689.

-Brand-Miller, J.C.; Stockmann, K.; Atkinson, F.; Petocz, P.; Denyer, G. Glycemic index, postprandial glycemia, and the shape of the curve in healthy subjects: analysis of a database of more than 1000 foods. The American Journal of Clinical Nutrition. Vol. 89. 2009. p. 97-105.

-Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Institui Regulamento Técnico de identidade e qualidade do mel. Instrução Normativa 11, de 20 de outubro de 2000. Brasília. 2000.

-Bray, G.A.; Gray, D.S. Obesity I: Phathogenesis. The Western Journal of Medicine. Num. 149. p. 429-441. 1988.

-Chepulis, L.; Francis, E. The glycemic index of Manuka honey. e-SPEN Journal. Vol. 8. 2013. p. 22-24.

-Food and Agriculture Organization/ World Health Organization (FAO/WHO). Carbohydrates in Human Nutrition: Report of a Join FAO/WHO Expert Consultation. FAO Food and Nutrition, n. 66, Rome, 1998.

-Katare, C.; Rama, S. Accettability and glycemic response of honey incorated traditional sweet preparation. Indian Journal of applied research. Vol. 3. Num. 4. 2013.

-Melo, Z.F.N.; Duarte, M.E.M.; Mata, M.E.R.M.C. Estudo das alterações do hidroximetilfurfural e da atividade diastática em méis de abelha em diferentes condições de armazenamento. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais. Vol. 5. Num. 1. 2003. p. 89-99.

-Moura, C.M. A.; Costa, S.A.; Navarro, F. Ãndice glicêmico e carga glicêmica: aplicabilidade na prática clínica do profissional nutricionista. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 1. Num. 6. 2007. p. 1-11. Disponível em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/53/51>

-Nascimento, V.B. Emprego do índice glicêmico e carga glicêmica dos alimentos: uma alternativa na dieta de pacientes com doenças crônicas? Revista da Associação Brasileira de Nutrição. Vol. 4. Num.5. 2012. p. 48-54.

-Passos, T.U. Consumo alimentar cearense: índice glicêmico e carga glicêmica de alimentos regionais e impacto potencial no risco de doenças crônicas não transmissíveis. Dissertação de Mestrado. Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza-CE. 2012.

-Pires, R.M.C. Qualidade do mel de abelhas Apis mellifera linnaeus produzido no Piauí. Dissertação de Mestrado. Centro de ciências da saúde, Universidade Federal do Piauí. Piauí. 2011.

-Portero-McLellan, K.C.; Srebernich, S.M.; Meireles, F.; Postali, C.C.; Leandro-Merhi, V.A. Determinação do índice glicêmico e da carga glicêmica de dietas hospitalares para indivíduos com diabetes. Cadernos Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 2. 2010. p. 259-265.

-Robert, S.D.; Ismail, A.A.S. Two varieties of honey thar are available in Malaysia gave intermediate glycemic index values when tested among healthy individuals. Biomedical papers of the Medical Faculty of the University Palacký, Olomouc, Czechoslovakia. Vol. 153. Num. 2. 2009. p. 145-148.

-Salmeron, J.; Manson, J.E.; Stampfer, M.J.; Colditz, G.A.; Wing, A.L.; Willett, W.C. Dietary fiber, glycemic load, and risk of non-insulin-dependent diabetes mellitus in women. JAMA. Vol. 277. Num. 6. 1997. p. 472-477.

-Sapata, K.B.; Fayn, A.P.T.; Oliveira, A.R. Efeitos do consumo prévio de carboidratos sobre a resposta glicêmica e desempenho. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Num. 4. 2006. p. 18-194.

-Silva, C.V. Características físico-químicas de mel de capixingui e silvestre da região de Ortigueira- PR. 2013. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Londrina. 2013.

-Silva, F.M.; Mello, V.D.F. Ãndice glicêmico e carga glicêmica no manejo do diabetes melito. Revista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Vol. 26. Num. 2. 2006. p. 73-81.

-Silva, R.A.; Maia, G.A.; Sousa, P.H.M.; Costa, J.M.C. Composição e propriedades terapêuticas do mel de abelha. Alimentos e Nutrição Araraquara. Vol.17. Num. 1. 2006. p. 113-120.

-Siqueira, F.R.; Rodrigues, F.L.P.; Frutuoso, M.F.P. Ãndice Glicêmico como ferramenta de auxílio de prescrição de dietas. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. Vol. 22. Num. 1. 2007. p. 54-58.

-Tabela brasileira de composição de alimentos / NEPA-UNICAMP. 4ª edição. Campinas. 2011.

-Wolever, T.M.; Brand-Miller, J.C.; Abernethy, J.; Astrup, A.; Atkinson, F.; Axelsen, M.; Björck, I.; Brighenti, F.; Brown, R.; Brynes, A.; Casiraghi, M.C.; Cazaubiel, M.; Dahlqvist, L.; Delport, E.; Denyer, G.S.; Erba, D.; Frost, G.; Granfeldt, Y.; Hampton, S.; Hart, V.A.; Hätönen, K.A.; Henry, C.J. Hertzler, S.; Hull, S.; Jerling, J.; Johnston, K.L.; Lightowler, H.; Mann, N.; Morgan, L.; Panlasigui, L.N.; Pelkman, C.; Perry, T.; Pfeiffer, A.F.; Pieters, M.; Ramdath, D.D.; Ramsingh, R.T.; Robert, S.D.; Robinson, C.; Sarkkinen, E.; Scazzina, F.; Sison, D.C.; Sloth, B.; Staniforth, J.; Tapola, N.; Valsta, L.M. Verkooijen, I.; Weickert, M.O.; Weseler, A.R.; Wilkie, P.; Zhang, J. Measuring the glycemic index of foods: interlaboratory study. American Jornaul of Clinical Nutrition. Vol. 87. Num. 1. 2008. p. 247-257.

-Wolever, T.M.; Jenkins, D.J.; Jenkings, A.L.; Josse, R.G. The glycemic index: methodology and clinical implication. American Jornaul of Clinical Nutrition. Vol. 54. Num. 5. 1991. p. 846-854.

Publicado
2018-06-25
Como Citar
Gomes, S. A., Sousa, A. V. B. de, Brito, M. M. de, Santos, G. M. dos, Porto, R. G. C. L., & Moreira-Araújo, R. S. dos R. (2018). Avaliação da resposta glicêmica em indiví­duos saudáveis após a ingestão de mel produzido no estado do Piauí­-Brasil. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 12(71), 277-284. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/695
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original