Indicadores antropométricos e perfil de praticante de atividade física sem supervisão realizadas em parques ecológicos

David Michel de Oliveira, Gabriel Silva Oliveira, Daniel dos Santos, Giovanna Benjamim Togashi

Resumo


Objetivo: descrever indicadores antropométricos, hábitos de vida e atividade física realizada em parques ecológicos sem orientação. Foram mensurados a circunferência abdominal e índice de massa corpórea, e identificados hábitos de saúde e atividade física por entrevista face a face.  Participaram 318 voluntários, subdivididos por faixa etárias; 60,4% mulheres e 39,6 % homens. A circunferência abdominal dos homens jovens apresentou valores adequados, entre 30 e 59 anos próximo ao limite e idosos circunferência elevada. Toda a amostra feminina expôs alta circunferência abdominal. O índice de massa corporal de todos os homens e mulheres foram classificados com sobrepeso ou obesidade. Sobre hábitos de vida, 94% dos homens não fumam, 50,7% consomem álcool e 86,2% não fazem dieta. Das mulheres, 95% não fumam, 59% consomem álcool e 58% fazem dieta. Sobre à prática de atividade física, 70% frequentam os parques há mais de um ano e optam por realizar suas atividades em parques. A maioria prática caminhada entre 4 e 5 vezes por semana com sessões perdurando uma hora ou mais. Sobre procedimentos para execução das atividades físicas, 47% aquecem, 50% alongam antes e 48% alongam ao final do esforço. O objetivo dos praticantes com estilo de vida ativo é a manutenção da saúde. A maioria utiliza os equipamentos da academia ao ar livre e afirmam a importância do profissional de Educação Física no local. Sugere-se intervenção nutricional e presença de profissional para supervisão de atividade física segura para a população, tais ações devem ser promovidas por políticas públicas de saúde.

 

ABSTRACT

Anthropometric indicators and profile of unsupervised physical activity practitioner performed in ecological parks

The objective of this study was to describe anthropometric indicators, life habits and physical activity performed in ecological parks without guidance. Abdominal circumference and body mass index were measured, and health and physical activity habits were identified by face-to-face interview. 318 volunteers participated, subdivided by age group; 60.4% women and 39.6% men. The abdominal circumference of the young men presented adequate values, between 30 and 59 years close to the border and elderly high circumference. The entire female sample exhibited high abdominal circumference. The body mass index of all men and women were classified as overweight or obese. About living habits, 94% of men do not smoke, 50.7% consume alcohol and 86.2% do not diet. Of the women, 95% do not smoke, 59% consume alcohol and 58% diet. About 70% of them attend the parks more than a year ago and choose to carry out their activities in parks. Most practice walking between 4 and 5 times a week with sessions lasting an hour or more. Regarding procedures for performing physical activities, 47% warm up, 50% elongate before and 48% elongate at the end of the effort. The goal of active lifestyle practitioners is to maintain health. Most use outdoor gym equipment and affirm the importance of the Physical Education professional on the spot. It is suggested nutritional intervention and presence of professionals to supervise safe physical activity for the population, such actions should be promoted by public health policies.


Palavras-chave


Composição corporal; Caminhada; Parques urbanos; Estilo de vida; Educação física

Texto completo:

PDF

Referências


-Alencar, T. A.M.; Di Matias; Souza, F.S. Princípios fisiológicos do aquecimento e alongamento muscular na atividade esportiva. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 16. Num. 3. 2010. p.230-234.

-Blair, S.N. Physical inactivity: the biggest public health problem of the 21st Century. Journal of Science and Medicine In Sport. South Carolina. Vol. 10. 2007. p.29-33.

-Callaway, C.W.; Lohman, T.G.; Roche, A. F.; Martorell, R. editors. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics Books. Connecticut. 1991. p. 44-45.

-Candido, I.C.; Arruda, G. O.; Martins, A. G.; Marconi, S.S. Análise dos fatores de risco cardiovascular entre homens praticantes de atividade física não supervisionada. Revista Enfermagem Uerj. Vol. 24. Num. 4. 2016. p.1-7.

-Cohen, DA.; Lapham, S.; Evenson, K.R. Williamson, S. G.D.; Ward, P.; Hillier, A.; McKenzie, T.L. Use of neighbourhood parks: does socio-economic status matter? A four-city study. Public Health, Netherlands. Vol. 127. Num. 4. 2013. p.325-332.

-Costa, B.; Freitas, C.; Silva, K. Atividade física e uso de equipamentos entre usuários de duas Academias ao Ar Livre. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 21. Num. 1. 2016. p.29-38.

-Fermino, R.C.; Reis R.S. Variáveis individuais, ambientais e sociais associadas com o uso de espaços públicos abertos para a prática de atividade física: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 18. Num. 5. 2013. p.523-535.

-Ferreira, E. O.; Oliveira, A.A.R.; Lima, D.L.F. Perfil do estilo de vida de mulheres de meia-idade participantes do Programa Esporte e Lazer da Cidade (PELC). Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 9. Num. 2. 2017. p. 103-113.

-Garcia, L. P.; Freitas, L. R. S. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde. Vol. 24. Num. 2. 2015. p. 227-237.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativa de População: População Estimada. IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Disponível em: Acesso em 16/01/2018.

-Iepsen, A.; Silva, M. Perfil dos frequentadores das academias ao ar livre da cidade de Pelotas - RS. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 20. Num. 4. 2015. p.413-423.

-Kim, H.J.; Min, J.Y.; Hyun, J.K.; Kyoung, B.K. Parks and Green Areas are associated with decreased risk for hyperlipidemia. International Journal of Environmental Research and Public Health. Seoul. Vol. 13. Num. 12. 2016. p.1-11.

-Kunzler, M.R.; Rocha, E.S.; Bombach, G.D.; Neves, D.; Santos, G.S.; Carpes, F.P. Saúde no parque: características de praticantes de caminhada em espaços públicos de lazer. Revista Saúde Debate. Vol. 38. Num. 102. 2014. p. 646-653.

-Mansur, A.P.; Souza, M.F.M.; Timermann, A.; Ramires, J.A.F. Tendência do risco de morte por doenças circulatórias, cerebrovasculares e isquêmicas do coração em treze Estados do Brasil, de 1980 a 1998. Arquivos Brasileiros de. Cardiolologia. Vol. 87. Num. 5. 2006. p. 641-648.

-Mari, F.R.; Alves, G.G.; Aerts, D.R. G. C.; Camara, S. The aging process and health: what middle-aged people think of the issue. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 19. Num. 1. 2016. p.35-44.

-Oliveira, G.F.; Bartholomeu, T.; Tinucci, T. Forjaz, C.L.M. Risco Cardiovascular de usuários ativos, insuficientemente ativos e inativos de parques públicos. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 10. Num. 2. 2008. p. 170-175.

-Panisi, P.; Pádua, P.R.; Martins, V.M.S.; Albino, J.; Brito, L.C.; Bartholomeu, T.; Tinucci, T.; Forjaz, C.L.M. Efeito da prescrição de caminhada sem supervisão da prática num parque público de São Paulo. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 17. Num. 5. 2012. p.423-433.

-Pinheiro, C.; Barros, L.; Caldas, E.; Silva, D.; Miranda, B. Araújo, M. Perfil dos praticantes de atividade física sem orientação em praças esportivas de São Luís-MA. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 11. Num. 69. Sup. 2. 2017. p.710-716. Disponível em:

-Rezende, F.A.C.; Rosado, L.E.F.P.L.; Ribeiro; R.C.L.; Vidigal, F.C.; Vasques, A.C.J.; Bonard, I.S.; Carvalho, C.R. Índice de massa corporal e circunferência abdominal: associação com fatores de risco cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 87. Num. 6. 2006. p.728-733.

-Souza, C.A.; Fermino, R.C.; Añez, C.R.R.; Reis, R.S. Perfil dos frequentadores e padrão de uso das academias ao ar livre em bairros de baixa e alta renda de Curitiba-PR. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 19. Num. 1. 2014. p.87-97.

-WHO, World Health. Organization. Waist Circumference and Waist-Hip Ratio: report of a WHO expert consultation. Geneva. 2008. p. 1-39.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui