Sedentarismo em trabalhadores da indústria

  • Eduardo Crispim Mendonça Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados-MS, Brasil.
  • Gustavo Levandoski Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados-MS, Brasil.
Palavras-chave: Estilo de vida, Fatores de risco, Sedentarismo

Resumo

O presente estudo teve como objetivo aferir o perfil do estilo de vida em trabalhadores de uma indústria na cidade da Grande Dourados-MS. O estudo foi realizado com 50 funcionários, sendo 32 da área de serviços gerais 13 da área administrativa e 5 líderes de setor, que componham uma faixa etária de (18-62 anos) e de ambos os sexos (32 homens e 18 mulheres). Para aferir o perfil do estilo de vida foi utilizado um instrumento denominado “Pentáculo do Bem-Estar” que permite uma demonstração gráfica ampla dos resultados obtidos em relação a (nutrição, atividade física, comportamento preventivo, relacionamento social e controle do stress). Os resultados demonstraram que 70% dos trabalhadores apresentam um perfil de vida sedentário, onde este resultado é ainda mais alarmante nos funcionários que apresentaram uma faixa etária acima dos 30 anos. A área administrativa apresentou um estilo de vida ativo após a jornada de trabalho, apresentando inatividade apenas durante o período de trabalho e no tempo livre. Os funcionários da área de serviços gerais carecem de mais cuidados nos componentes: nutrição e atividade física. Os líderes foram os que mais apresentaram resultados negativos pela maioria se apresentar ativa apenas durante a jornada de trabalho, necessitando assim de um cuidado maior nos componentes: nutrição, comportamento preventivo, e atividade física.

Biografia do Autor

Eduardo Crispim Mendonça, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados-MS, Brasil.
Graduado em Educação Física na Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD.
Gustavo Levandoski, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados-MS, Brasil.

Doutor em Educação Física. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia na Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD. Dourados, 

Referências

-Abbes, P. T.; Lavrador, M. S. F.; Escrivao, M. A. M. S.; Taddei, J. A. A. C. Sedentarismo e variáveis clínico-metabólicas associadas à obesidade em adolescentes. Rev. Nutr. Vol. 24. Núm. 4. p.529-538. 2011.

-Alvarez, B. R. Estilo de vida e hábitos de lazer de trabalhadores, após dois anos de aplicação de um programa de GL e saúde caso - intelbras. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Florianópolis-SC. Universidade Federal de Santa Catarina. 2002.

-American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 6ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2003.

-Berto, S. J. P.; Carvalhaes, M. A. B. L.; Moura E. C. Tabagismo associado a outros fatores comportamentais de risco de doenças e agravos crônicos não transmissíveis. Cad. Saúde Pública. Vol. 26. Núm. 8. p.1573-1582. 2010.

-Both, J.; Borgatto A. F.; Nascimento, J. V.; Lemos C. A. F.; Nahas, M. V. Validação da escala “perfil do estilo de vida individual”. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 13. Núm. 1. p.5-14. 2008.

-Carvalho, T.; Borges, S. F.; Rose, E. H. Posição oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: atividade física e saúde. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 2. p.79-81. 1996.

-Ceschini, F. L.; Andrade D. R.; Olivera L. C. Prevalence of physical inactivity and associated factors among high school students from state's public schools. J Pediatr (Rio J). Vol. 85. Núm. 4. p.301-6. 2009.

-Felden, E. P. G.; Filipin, D.; Barbosa D. G. Adolescentes com sonolência diurna excessiva passam mais tempo em comportamento sedentário. Rev Bras Med Esporte. Vol. 22. Núm. 3. 2016.

-Geraldes, C. F. Nível de qualidade de vida dos colaboradores da diretoria de esportes e lazer do SESI-SP. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 5. Núm. especial. 2006.

-Grande, A. J. Comportamentos relacionados à saúde entre participantes e não participantes da ginástica laboral. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. Vol. 13. Núm. 2. p.131-137. 2011.

-Hallal, P. C.; Dumith, S. C.; Bastos, J. P. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil: revisão sistemática. Rev. Saúde Pública. Vol. 41. Núm. 3. p.453-460. 2007.

-Herédia, V. Novas tecnologias nos processos de trabalho: efeitos da reestruturação produtiva. Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y cienciassociales. Vol. 170. Núm. 1. 2004.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Antropometria e análise do estado nutricional de crianças e adolescentes no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. 2006.

-Lahti, J.; Laaksonen, M.; Lahelma, E.; Rahkonen, O. The impact of physical activity on physical health functioning - A prospective study among middle-aged employees. Preventive Medicine. Vol. 50. Núm. 5-6. 246-250. 2010.

-Martins, T. G.; Assis, M. A.; Nahas, M. V. Inatividade física no lazer de adultos e fatores associados. Rev. Saúde Pública. Vol. 43. Núm. 5. p.814-824. 2009.

-Matsudo, S. M.; Matsudo, V. K. R.; Barros Neto, T. L. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Rev. Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 7. Núm. 1. p.2-13. 2001.

-Nahas, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida. 3ª edição. Londrina. Midiograf. 2003.

-Nahas, M. V. Lazer ativo: um programa de promoção de estilos de vida ativos e saudáveis para o trabalhador da indústria. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 15. Núm. 4. 2010.

-Olbrich, S. R. L. R.; Nitsche, M. J. T.; Mori, N. L. R.; Neto, J. O. Sedentarismo: prevalência e associação de fatores de risco cardiovascular. Rev. Ciênc. Ext. Vol. 5. Núm. 2. p.30-41. 2009.

-Owen, N.; Sparling, P. B.; Healy, G. N.; Dunstan, D. W.; Mattewus, C. E. Sedentary behavior: emerging evidence for a new health risk. Mayo Clin Proc. Núm. 85. Núm. 12. p.1138-41. 2010.

-Philippi, S. T. Nutrição e Técnica Dietética. São Paulo. Manole. 2003.

-Pitanga, F. J. G.; Lessa, I. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo no lazer em adultos. Cad. Saúde Pública. Vol. 21. 2005.

-Pronk, N. P.; Kottke, T. E. Physical activity promotion as a strategic corporate priority to improve worker health and business performance. Preventive Medicine. Vol. 49. Núm. 4. p. 316-32. 2009.

-Schilling, E. Estilo de vida de motoristas e cobradores do transporte coletivo da cidade de Florianópolis. TCC de Educação Física-Bacharelado. Universidade Federal De Santa Catarina. Florianópolis. 2016

-Silveira, M. G.; Da Silva, R. P.; Reis V. M. Efeitos da ginástica laboral nas variáveis morfológicas, funcionais, estilo de vida e absenteísmo dos trabalhadores da indústria farmacêutica de Montes Claros-MG. Fit Perf J. Vol. 6. Núm. 5. p.295-301. 2007.

-Spruyt, K.; Molfese, D.L.; Gozal, D. Sleep duration, sleep regularity, body weight, and metabolic homeostasis in school-aged children. Pediatrics. Vol. 127. Núm. 2. 2011.

Publicado
2020-05-16
Como Citar
Mendonça, E. C., & Levandoski, G. (2020). Sedentarismo em trabalhadores da indústria. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(81), 741-749. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1055
Seção
Artigos Científicos - Original