Fatores associados à obesidade em adultos quilombolas baianos

  • Aline Gomes Santos Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus XII Guanambi, Bahia, Brasil.
  • Fábio Thomaz Melo Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus XII Guanambi, Bahia, Brasil.
  • Mariana da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus XII Guanambi, Bahia, Brasil.
  • Ricardo Franklin de Freitas Mussi Programa de Pós-graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus VI, Caetité, Bahia, Brasil.
Palavras-chave: Grupo com Ancestrais do Continente Africano, Estudos Transversais, Impedância elétrica, Obesidade

Resumo

Introdução: A obesidade tem forte relação com as características sociais, elementos do estilo de vida e alterações fisiológicas. Esta enfermidade vem sendo apontada como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo por conta da associação com as doenças crônicas não-transmissíveis. Informações acerca da temática voltadas para populações negras são restritas, principalmente relacionadas aos quilombolas. Objetivo: Analisar a prevalência da obesidade e os fatores associados em adultos quilombolas baianos. Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa de base populacional, com amostra de 850 adultos quilombolas de ambos os sexos. A obesidade foi determinada pela balança de bioimpedância. A regressão de Poisson foi usada para testar as associações, considerando análise bruta e ajustada. Resultados: A prevalência da obesidade foi de 63,0% (Intervalo de Confiança de 95%: 59,7:66,3). Na análise múltipla permaneceram associados (p<0,05) sexo e situação conjugal. Discussão: Apesar da escassez de referências sobre a temática na população, é possível indicar que a prevalência de obesidade em quilombolas é maior que em outras populações. A associação com o sexo e estado civil corrobora com a literatura. Conclusão: Ser do sexo feminino e estar casado/viúvo aumentam significativamente a probabilidade para a ocorrência da obesidade.

Referências

-Adeboye, B.; Bermano, G.; Rollando, C. Obesity and its health impact in Africa: a systematic review. Cardiovascular Journal of Africa. Vol. 23. Num. 9. 2012.

-Bahia, L. R.; Araújo, D. V. Impacto econômico da obesidade no Brasil. Revista HUPE. Rio de Janeiro. Vol. 13. Num. 1. 2014. p. 13-17.

-Balasubramanian, B. A.; Garcia, M. P.; Corley, D. A.; Doubeni, C. A.; Haas, J. S.; Kamineni, A.; Quinn, V. P.; Wernli, K.; Zheng, Y.; Skinner, C.S. Racial/ethnic differences in obesity and comorbidities between safety-net-and non-safety-net integrated health systems. Medicine. Vol. 96. Num. 11. 2017.

-Baruth, M.; Sharpe, P. A.; Magwood, G.; Wilcox, S.; Schlaff, R. A. Body Size Perceptions among Overweight and Obese African American Women. Ethnicity & Disease. Vol. 25. Num. 4. 2015.

-Bezerra, V. M.; Medeiros, D. S.; Gomes, K. O.; Souzas, R.; Giatti, L.; Steffens, A. P.; Kochergin, C. N.; Souza, C. L.; Moura, C. S.; Soares, D. A.; Santos, L. R. C. S.; Cardoso, L. G. V.; Oliveira, M. V.; Martins, P. C.; Neves, O. S. C.; Guimarães M. D. C. Inquérito de Saúde em Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto Conquista): aspectos metodológicos e análise descritiva. Ciência & saúde coletiva. Vol.19. Num. 6. 2014. p.1835-1847.

-Bosy-Westphal, A.; Later, W.; Hitze, B.; Sato, T.; Kossel, E.; Glüer, C. C.; Heller, M.; Müller, M. J. Accuracy of Bioelectrica Impedance Consumer Devices for Measurement of Body Composition in Comparisonto Whole Body Magnetic Resonance Imaging and Dual X-Ray Absorptiometry. ObesFacts.Vol.1. Num.6. 2008. p.319-324.

-Brasil. Agência nacional de saúde suplementar. Vigitel Brasil 2015 Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília-DF. Rio de Janeiro. Ministério da Saúde. p.119 ANS. 2017b.

-Brasil. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Disponivelem: http://www.abeso.org.br/atitude-saudavel/mapa-obesidade. Acessado em 14/07/2019.

-Brasil. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade.ABESO-Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. 4ª edição. São Paulo. 2016.

-Brasil. Fundação Palmares. Brasília: Fundação Palmares, 2016b. acessado 24/11/2016. Disponível em: http://www.palmares.gov.br.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2017: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017. Brasília. Ministério da Saúde. 2018.

-Brasil. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (SEPPIR). Comunidades Quilombolas Brasileiras - Regularização Fundiária e Políticas Públicas. Brasília. 2010.

-Brasil. Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). VI Diretrizes de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Brás Card. Vol.17. supl.1. p.1-69. 2010b.

-Brasil. Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC). Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML): coleta e preparo da amostra biológica. Manole. 2014.

-Brasil. Agêncianacional de saúde suplementar (Brasil). Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos. Gerência-Geral de Regulação Assistencial. Gerência de Monitoramento Assistencial. Coordenadoria de Informações Assistenciais. Manual de diretrizes para o enfretamento da obesidade na saúde suplementar brasileira. Rio de Janeiro. ANS. 2017.

-Canella, D. S.; Novaes, H. M. D.; Levy, R. B.Influência do excesso de peso e da obesidade nos gastos em saúde nos domicílios brasileiros. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro. Vol. 31. Num.11. Nov. 2015. p.2331-2341.

-Elifson, K. W.; Klein, H.; Sterk, C. E. The Value of Using a Syndemics Theory Conceptual Model to Understand the Factors Associated with Obesity in a Southern, Urban Community Sample of Disadvantaged African American Adults. J Natl Black Nurses Assoc. Vol. 27. Num. 1. July. 2016. p. 1-10.

-Hales, C. M.; Carroll, M. D.; Fryar, C. D.; Ogden, C. L. Prevalence of Obesity Among Adults and Youth: United States, 2015-2016. NCHS data brief. Num. 288. Hyattsville, M.D. National Center for Health Statistics. 2017.

-Krishnamoorthy, A.; Greiner, M. A.; Bertoni, A. G.; Eapen, Z. J.; O’brien, E. C.; Curtis, L. H.; Hernandez, A. F.; Mentz, R. J. The Obesityand Heart Failure Epidemics Among African Americans: Insights Fromthe Jackson Heart Study. J CardFail. Vol. 22. Num. 8. August. 2016. p. 589-597.

-Li, K.; Wen, M.; Henry, K. A. Residential Racial Composition and Black-White Obesity Risks: Differential Effects of Neighborhood Social and Built Environment. Int. J. Environ. Res. Vol.11. Public Health. 2014. p.626-642.

-Mussi, R. F. F.; Petróski, E. L. Indicadores de obesidade: capacidade preditiva para syndrome metabolic em adultos quilombolas. Ciência & Saúde Coletiva. Vol.24. Num.7. 2019. p.2471-2480.

-Mussi, R. F. F.; Queiroz, B. M.; Petróski, E. L.Excesso de peso e fatores associados em quilomboras do médio São Francisco baiano, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 23. Num. 4. 2018. p.1193-1200.

-Okafor, C. I.; Raimi, T. H.; Gezawa, I. D.; Sabir, A. A.; Enang, O.; Puepet, F.; Fasanmade, O. A.; Ofoegbu, E. N.; Odusan, O. Performance ofwaist circumference and proposed cutofflevels for definin goverweight and obesity in Nigerians. Ann Afr Med. Vol.15. Num. 4. 2016. p.185-193.

-Okop, K. J.; Levitt, N.; Puoane, T. Factors Associated with Excessive Body Fat in Menand Women: Cross-Sectional Data from Black South Africans Living in a Rural Community and an Urban Township. PLOS ONE. 2015.

-Oliveira, S. K. M.; Pereira, M. M.; Guimarães, L. S.; Caldeira, A. P. Autopercepção de saúde em quilombolas do norte de Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 20. Num. 9. 2015. p. 2879-2890.

-Pinheiro, M. M.; Oliveira, J. S.; Leal, V. S.; Lira, P. I. C.; Souza, N. P.; Campos, F. A. C. Prevalência do excesso de peso e fatores associados em mulheres em idade reprodutiva no Nordeste do Brasil. Rev. Nutr. Vol. 29. Num.5. 2016. p.679-689.

-Rendeiro, L.; Ferreira, C. R.; Souza, A. A. R.; Oliveira, D. A.; Noce R. R.D. Consumo alimentar e adequação nutricional de adultos com obesidade. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. Vol. 12. Num. 76. Suplementar 2. 2018. p.996-1008.

-Silva, S. B.; Souto, R. Q.; Alves, F. A. P.; Morais, T. G.; Araújo, G. K. N.; Honorato, M. B. Características de mulheres obesas assistidas pelo Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev Enferm. UERJ. Rio de Janeiro. 2018.

-Soares, D. A.; Barreto, S. M. Indicadores nutricionais combinados e fatores associados em população Quilombola no Sudoeste da Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 20. Num. 3. 2015. p. 821-832.

-Soares, D. A.; Barreto, S. M. Sobrepeso e obesidade abdominal em adultos quilombolas, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. Vol. 30. Num. 2. 2014. p.341-354.

-World health organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva. WHO. 2010.

-World health organization. Global status report on non communicable diseases. Geneva. WHO. 2014.

-World health organization. No communicable Diseases Progress Monitor. Geneva. WHO. 2017.

-World health organization. Obesity and overweight. Disponivel em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/obesity-and-overweight. Acessado em 16/07/2019.

Publicado
2020-10-17
Como Citar
Santos, A. G., Melo, F. T., Santos, M. da S., & Mussi, R. F. de F. (2020). Fatores associados à obesidade em adultos quilombolas baianos. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(85), 230-240. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1251
Seção
Artigos Científicos - Original