Análise do consumo alimentar e prática de exercício físico em adolescentes e sua correlação com a obesidade em escola na região metropolitana do Recife

  • Antonio Maximino da Silva Júnior Graduandos em Nutrição pelo Centro Universitário Maurício de Nassau - UNINASSAU, Recife-PE, Brasil.
  • Hugo Bandeira de Souza Graduandos em Nutrição pelo Centro Universitário Maurício de Nassau - UNINASSAU, Recife-PE, Brasil.
  • Milena Maia Dantas dos Santos Mestre em Ciência e Tecnologia dos Alimentos pela Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE, Recife-PE, Brasil.
Palavras-chave: Obesidade, Consumo de alimentos, Adolescente.

Resumo

Introdução: Os índices de obesidade entre os jovens são cada vez mais crescentes no mundo. O excesso de peso dobrou durante as últimas décadas e as crianças e adolescentes tendem a manter ou aumentar o peso até a vida adulta, pois o consumo alimentar e a falta de atividade física atuam como fatores para o aumento de gordura. Objetivo: avaliar o consumo alimentar de escolares adolescentes e correlacionar aos hábitos alimentares e exercício físico, classificando o atual estado dos adolescentes e identificando a prevalência do excesso de peso. Materiais e Métodos: estudo transversal quali-quantitativo com 49 escolares, entre 10 a 14 anos em colégio da região metropolitana do Recife. Foi aplicado um questionário de consumo alimentar e exercício físico e realizada a coleta do peso e altura para IMC. Resultados e Discussão: A prevalência de obesidade foi de n=7 (14,28%), sobrepeso n=10 (20,41%), desnutrição n=2 (4,08%) e eutrofia n=30 (61,22%). O percentual de sobrepeso e obesidade juntos das meninas foi de n=10 (32,25%) e o dos meninos foi de n=7 (38,88%). A prevalência de alimentos industrializados foi de n=12 (66,66%) no sexo masculino e n=23 (74,19%) no sexo feminino. Houve maior porcentagem de prática de atividade física nos meninos, n=17 (94,44%) enquanto nas meninas foi de n=26 (83,87%). Conclusão: Os índices de obesidade e sobrepeso foram altos no estudo assim como a ingestão de alimentos inadequados. A atividade física foi observada na população estudada, mas ainda se evidencia a necessidade de intervenções e orientações nutricionais para os estudantes.

Biografia do Autor

Milena Maia Dantas dos Santos, Mestre em Ciência e Tecnologia dos Alimentos pela Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE, Recife-PE, Brasil.

Possui Graduação em Nutrição pela Faculdade Maurício de Nassau (2010), Especialização em Nutrição Clínica pela Universidade Estácio de Sá (2014) e Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela UFRPE (2014); Atualmente é docente Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU) e atende em consultório particular; experiência na área de Ciência e Tecnologia dos Alimentos, com ênfase em alimentos funcionais, probióticos. 

 

Referências

-Braz, M.; Assumpção, D.; Barros, M.B.A.; Barros, F.A.A. Consumo de açúcares de adição por adolescentes em estudo de base populacional. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro. Vol. 24. Num. 9. 2019. p, 3237-3246.

-Carneiro, C.S.; Peixoto, M.R.G.; Mendonça, K.L.; Póvoa, T.I.R.; Nascente, F.M.N.; Jardim, T.S.V.; Souza, W.K.S.B.; Sousa, A.L.L.; Jardim, P.C.B.V. Excesso de peso e fatores associados em adolescentes de uma capital brasileira. Rev bras epidemiol. Vol. 20. Num. 2. 2017. p. 260-273.

-França, S.L.; Sahade, V.; Nunes, M.; Adan, L.F. Adherence to nutritional therapy in obese adolescentes; a review. Nutr Hosp.ano. Salvador. Vol. 28. Num. 4. 2013. p. 988-998.

-Farias, E.S.; Carvalho, W.R.G.; Moraes, A.M.; Santos, J.P.; Gemelli, I.F.B.; Souza, O.F. Comportamento inativo em estudantes adolescentes da Amazônia ocidental brasileira. Rev. paul. Pediatr. Vol. 37. Num. 3. 2019. p. 345-350.

-Grillo, L.P.; Conceição, M.L.; Matos, C.H.; Lacerda, L.L.V. Estado nutricional e práticas de educação nutricional em escolares. O mundo da saúde, São Paulo. Vol. 40. Num .2. 2016. p.230-238.

-Hallal, P.; Andersen, L.B.; Bull, F.C.; Guthold, R.; Haskell, W.; Ekelund, U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. Vol. 380. Num. 9838. 2012. p. 247-257.

-Institute for Health Metrics and Evaluation. Brazil. 2017. Disponível em <http://www.healthdata.org/brazil?language=129>. Acesso em 20/06/2019.

-Inmetro. Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Portaria nº 236. Brasil: Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. 1994. Disponível em <http://www.inmetro.gov.br/rtac/pdf/rtac000180.pdf>. Acesso em 10/11/2019.

-Levy, R.B.; Claro, R.M.; Bandoni, D.H.; Mondini, L.; Monteiro, C.A. Disponibilidade de "açúcares de adição" no Brasil: distribuição, fontes alimentares e tendência temporal. Rev Bras Epidemiol. Vol. 15. Num. 1. 2012. p. 3-12.

-Maciel, E.S.; Sonati, J.G.; Modeneze, D.M.; Vasconcelos, J.S.; Vilarta, R. Consumo alimentar, estado nutricional e nível de atividade física em comunidade universitária brasileira. Rev. Nutr. Vol. 25. Num. 6. 2012. p. 707-718.

-Malta, D.C.; Andrade, S.S.A.; Santos, M.A.S.; Rodrigues, G.B.A.; Mielke, G. Tendências dos indicadores de atividade física em adultos: Conjunto de capitais do Brasil 2006-2013. Rev Bras Ativ Fís Saúde. Vol. 20. Num. 2. 2015. p.141-151.

-Moreno, L.A.; Gottrand, F.; Huybrechts, I.; Ruiz, J.R.; Gonzáles-Gross, M.; Dehenauw, S. Nutrition and Lifestyle in European Adolescents: The Helena (Healthy Lifestyle in European by Nutrition in Adolescence). Study. American Society for Nutrition. Adv. Nutr. Vol. 5. 2014. p. 615S-623S.

-Ministério da Saúde. Sisvan: orientações básicas para a coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde. Brasília-DF. Ministério da Saúde, ano 2004. Série A. Normas e Manuais Técnicos.

-Mendonça, G.; Cheng, L.A.; Farias, J.J.C. Padrões de prática de atividade física em adolescentes de um município da região Nordeste do Brasil. Ciênc. saúde coletiva. Vol. 23. Num. 7. 2018. p. 2443-2451.

-Organização Mundial de Saúde - OMS. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation, Geneva, 3-5 Jun 1997. Geneva. World Health Organization. 1998.

-Organização Mundial de Saúde.Growth reference 5-19 years: BMI-for-age (5-19 years). 2007. Disponível em <https://www.who.int/ growthref/who2007_bmi_ for_age/en/>. Acesso em 25/03/2019.

-Organização Mundial de Saúde. Childhood overweight and obesity. 2016. Disponível em <https://www.who.int /dietphysicalactivity/childhood/en/#>. Acesso em 21/03/2019.

-OPAS. Organização Pan-Americana de Saúde. Brasil. Obesidade entre crianças e adolescentes aumentou dez vezes em quarto décadas, revela novo estudo do Imperial College London e da OMS. 2017. Disponível em <https://www.paho. org/bra/index.php?option=com_content& view=article&id=5527: obesidade-entre-criancas-e-adolescentes-aumentou-dez-vezes-em-quatro-decadas-revela-novo-estudo-do-imperial-college-london-e-da-oms&Itemid =820>. Acesso em 13/12/2019.

-Oliosa, P.R.; Zaniqueli, D.A.; Barbosa, M.C.R.; Mill, J.G. Relação entre composição corporal e dislipidemias em crianças e adolescentes. Ciênc. saúde coletiva. Vol. 24. Num. 10. 2019. p.3743-3752.

-Oliveira, M.M.; Campos, M.O.; Andreazzi, M.A.; Malta, D.C. Characteristics of the National Adolescent School-based Health Survey - PeNSE, Brazil. Epidemiol Serv Saúde. Vol. 26. Num. 3. 2017. p. 605-616.

-Prado, T.G.; Costa, J.C.; Buena, M.R.O.; Batista, M.B.; Romanzini, M.; Ronque, V.E.R. Tracking of nutritional status between childhood and adolescence in schoolchilden. Rev Bras Med Esporte. Vol. 24. Num.6. 2018. p. 446-449.

-Palmeiro, E.S.; Valeiro, M.A.G.; Villarino, M.F. Overweight in schoolchildren and association with physical activity and parental habits. Rev Bras Med Esporte. Vol. 25. Num. 4. 2019. p. 290-294.

-Rossi, C.E.; Albernaz, D.O.; Vasconcelos, F.A.G.; Assis, M.A.A.; Di Pietro P.F. Influência da televisão no consumo alimentar e na obesidade em crianças e adolescentes: uma revisão sistemática. Rev. Nutr. Vol. 23. Num. 4. 2010. p.607-620.

-Simões, C.F.; Lopes, W.A.; Remor, J.M.; Locateli, J.C.; Lima, F.B.; Santos, T.L.C.; Nardo Junior, N. Prevalence of weight excess in Brazilian children and adolescents: a systematic review. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. Vol. 20. Num.4. 2018. p. 517-531.

-Shook, R.P.; Hand, G.A.; Blair, S.N. Top 10 research questions related to energy balance. Res Q Exerc Sport. Vol. 85. Num. 1. 2014. p. 49-58.

-Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Formulário de Marcadores de Consumo Alimentar. 2015. Disponível em <http://sisaps.saude.gov.br /sisvan /documentos/index>. Acesso em 11/12/2019.

-Spinelli, M.G.N.; Morimoto, J.M.; Freitas, A.P.G.; Barros, C.M.; Dias, D.H.S.; Pioltine, M.B.; Gonçalvez, P.P.O.; Navarro, R.B. Estado nutricional e consumo alimentar de pré-escolares e escolares de escola privada. Rev Ciência e Saúde. Vol. 6. Num. 2. 2013. p. 94-101.

-Sociedade Brasileira de Pediatria. Pediatria para famílias: Crescimento. Departamento Científico de Endocrinologia. 2019. Disponível em . Acesso em 9/11/2019.

-Steele, E.M.; Baraldi, L.G.; Louzada, M.L.C.; Moubarac, J.C.; Mozaffarian, D.; Monteiro, C.A. Ultra-processed foods and added sugars in the US diet: evidence from a nationally representative cross-sectional study. BMJ Open. Vol. 6. Num. 3. 2016. p. e009892.

-Triches, R.M.; Giugliani, E.R.J. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Ver Saúde Pública. Vol. 39. Num.4. 2005. p. 541-547.

-Vásquez, B.A.A.; Zelaya, P.C.; García, A.J. Análisis de sobrepeso y obesidad, niveles de actividad física y autoestima en escolares de San Pedro Sula, Honduras. MHSalud. Vol. 16. Num. 2. 2019. p. 58-71.

Publicado
2020-11-03
Como Citar
Silva Júnior, A. M. da, Souza, H. B. de, & Santos, M. M. D. dos. (2020). Análise do consumo alimentar e prática de exercício físico em adolescentes e sua correlação com a obesidade em escola na região metropolitana do Recife. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(87), 530-539. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1312
Seção
Artigos Científicos - Original