Perfil nutricional de hipertensos antes e após a ingestão de água hiportermal enriquecida com minerais

  • Isadora Lopes de Oliveira Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca, Brasil.
  • Luiza Amaral Vilela Programa de Pós-Graduação em Promoção de Saúde, Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca, Brasil.
  • Marina Garcia Manochio-Pina Programa de Pós-Graduação em Promoção de Saúde, Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca, Brasil.
  • Daniel dos Santos Programa de Pós-Graduação em Promoção de Saúde, Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca, Brasil.
  • Eliane Aparecida Castro Programa de Pós-Graduação em Promoção de Saúde, Universidade de Franca (UNIFRAN), Franca, Brasil; Universidade Estadual Paulista (UNESP), Bauru, Brasil.
Palavras-chave: Hipertensão, Ingestão de Energia, Ingestão de Líquidos, Nutrientes

Resumo

Introdução: A disponibilidade de diferentes águas minerais, algumas com indícios de propriedades terapêuticas, torna necessário investigar sua interação com os hábitos nutricionais. Objetivo: Analisar o perfil nutricional antes e após 10 dias de ingestão de água hipotérmica enriquecida com minerais em hipertensos. Materiais e Métodos: Quinze adultos hipertensos (73% mulheres), 47,9±7,7 anos, foram divididos aleatoriamente entre grupo controle (GC; n=7) e grupo experimental (GE; n=8). Durante 10 dias os indivíduos ingeriram água hipotérmica enriquecida com minerais ou água mineral placebo, com quantidade estabelecida em 75% de: 1500ml + 20ml * peso corporal. Os participantes foram instruídos a manterem seus hábitos alimentares. Macro e micronutrientes foram calculados pelo software DietPro® 5i com as informações obtidas dos recordatórios de 24h aplicados antes e após a ingestão da água mineral. Resultados: Para ambos os grupos, não houve diferenças significativas entre os macros e micronutrientes da dieta avaliados antes e após a intervenção. Quando comparados no pré e pós-intervenção, também não havia diferenças entre eles, exceto para fibra onde a quantidade consumida pelo GC no pós-intervenção era maior que aquela consumida pelo GE (p=0,034). Houve uma tendência à associação entre a ingesta calórica e o peso corporal ao início da intervenção (p=0,071). Conclusão: Não houve alteração em relação a dietética antes e após 10 dias de ingestão de água hipotermal enriquecida com minerais, sugerindo que o consumo desse tipo de água não interfere no padrão alimentar. Entretanto, estudos envolvendo maior número de participantes e maior período de consumo são necessários.

Referências

-Abreu, S.; Viana, I.; Moreno, R.; Torres, E. Alimentação mundial: uma reflexão sobre a história. Revista Saúde e Sociedade. Vol. 10. Num. 2. p. 3-14. 2001.

-Benelam, B.; Wyness, L. Hydration and health: a review. Revista Nutrition Bulletin. Vol. 35. p.191. 2010.

-Bergman, R.N.; Stefanovski, D.; Buchanan, T.A.; Sumner, A.E.; Reynolds, J.C.; Sebring, N.G.; Watanabe, R.M. A better index of body adiposity. Revista Obesity. Vol. 19. p. 1083-1089. 2011.

-Candal-Vicente, I. Modelo de éxito de um data warehouse. Revista Tecnura. Vol. 17. Num. 35. p. 116-125. 2013.

-Carroll, H.A.; Templeman, I.; Chen, Y.C.; Edinburgh, R.; Burch, E.K; Jewitt, J.T.; Povey, G.; Robinson, T.D.; Dooley, W.L.; Buckley, C.; Rogers, P.J.; Gallo, W.; Melander, O.; Thompson, D.; James, L.J.; Johnson, L.; Betts, J.A. Hydration status affects thirst and salt preference but not energy intake or postprandial ghrelin in healthy adults: A randomized crossover trial. Physiology & Behavior. Vol. 212. p. 112725. 2019.

-Corney, R.A.; Horina, A.; Sunderland, C.; James, L.J. Effect of hydration status and fluid availability on ad-libitum energy intake of a semi-solid breakfast. Appetite. Vol. 91. p. 399-404. 2015.

-Deutsch, C.; Kruger, R.; Saito, K.; Yamashita, S.; Sawanoi, Y.; Beime, B.; Bramlage, P. Comparison of the Omron RS6 wrist blood pressure monitor with the positioning sensor on or off with a standard mercury sphygmomanometer. Blood Pressure Monitoring. Vol. 19. Num. 5. p. 306-313. 2014.

-Feijão, A.M.M.; Gadelha, F.V.; Bezerra, A.A.; Oliveira, A.M.D.; Silva, M.D.S.S.; Lima, J.W.D.O. Prevalência de excesso de peso e hipertensão arterial, em população urbana de baixa renda. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 84. Num. 1. p. 29-33. 2005.

-Gazan, R.; Sondey, J.; Maillot, M.; Guelinckx, I.; Llunch, A. Drinking water intake is associated with higher diet quality among French adults. Nutrients. Vol. 8. Num. 11. p. 689. 2016.

-Han, T.S.; Al-Gindan, Y.Y.; Govan, L.; Hankey, C.R.; Lean, M.E. Associations of body fat and skeletal muscle with hypertension. The Journal of Clinical Hypertension. Vol. 21. Num. 2. p. 230-238. 2019.

-Ittermann, T.; Werner, N.; Lieb, W.; Merz, B.; Nöthlings, U.; Kluttig, A.; Tiller, D.; Greiser, K.H.; Vogt, S.; Thorand, B.; Peters, A.; Völzke, H.; Dörr, M.; Schipf, S.; Markus, M.R.P. Changes in fat mass and fat-free-mass are associated with incident hypertension in four population-based studies from Germany. International Journal of Cardiology. Vol. 274. p. 372-377. 2019.

-Jackson, A.S.; Pollock, M.L. Generalized equations for predicting body density of men. British Journal of Nutrition. Vol. 40. Num. 3. p. 497-504. 1978.

-Jackson, A.S.; Pollock, M.L.; Ward, A.N.N. Generalized equations for predicting body density of women. British Journal of Nutrition. Vol. 12. Num.3. p. 175-181. 1980.

-Lavin, J.H., French, S.J.; Read, N.W. The effect of sucrose-and aspartame-sweetened drinks on energy intake, hunger and food choice of female, moderately restrained eaters. International Journal of Obesity. Vol. 21. Num. 1. p. 37-42. 1997.

-Lohman, T.G. Advances in body composition assessment: current issues in exercise science. Champaign, IL: Human Kinetics. 1992.

-Malta, D.C.; Andrade, S.S.C.D.A.; Oliveira, T.P.; Moura L.D.; Prado, R.R.D.; Souza, M.D.F.M.D. Probabilidade de morte prematura por doenças crônicas não transmissíveis, Brasil e regiões, projeções para 2025. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 22. p. e190030. 2019.

-Malta, D.C.; Bernal R.T.I.; Lima M.G.; Araújo S.S.C.D.; Silva M.M.A.D.; Freitas M.I.D.F.; Barros, M.B.D.A. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Revista Saúde Pública. Vol. 51. p. 4s. 2017.

-Mourão, D. M.; Bressan, J. Influência de alimentos líquidos e sólidos no controle do apetite. Revista de Nutrição. Vol. 22. Num.4. p. 537-547. 2009.

-Nakamura, Y.; Watanabe, H.; Tanaka, A.; Yasui, M.; Nishihira, J.; Murayama, N. Effect of increased daily water intake and hydration on health in Japanese adults. Nutrients. Vol. 12. Num. 4. p. 1191. 2020.

-Nilson, E.A.F.; Andrade, R.D.C.S.; Brito, D.A.D; Oliveira, M.L.D. Custos atribuíveis a obesidade, hipertensão e diabetes no Sistema Único de Saúde, Brasil, 2018. Revista Panamericana de Salud Pública. Vol. 44. p. e32. 2020.

-Nissensohn, M.; Sánchez-Villegas, A.; Galan, P.; Turrini, A.; Arnault, N.; Mistura, L.; Ortiz-Andrellucchi, A.; Szabo de Edelenyi, F.; D’Adezzio, L.; Serra-Majem, L. Beverage consumption habits among the European population: association with total water and energy intakes. Nutrients. Vol. 9. Num. 4. p. 383. 2017.

-Nissensohn, M.; Sánchez-Villegas, A.; Ortega, R.M.; Aranceta-Bartrina, J.; Gil, A.; González-Gross, M.; Varela-Moreiras, G.; Serra-Majem, L. Beverage consumption habits and association with total water and energy intakes in the Spanish population: finding of the ANIBES study. Nutrients. Vol. 8. Num. 4. p. 232. 2016.

-Nobre F.; Tavares A.; Brandão A.A.; Sanjuliani A.F.; Nogueira A.D.R.; Machado C.A.; Jardim, P.C.B.V. VI Diretrizes brasileiras de Hipertensão. Revista Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 95. Num. 1. p. 1-51. 2010.

-Padrão, P.; Teixeira, P.J.; Padez, C.; Medina, J.L. Estabelecimento de recomendações de ingestão hídrica para portugueses. Revista Científica Nacional. Vol. 655. p. 1-4. 2012.

-Pérez-Luco, C.; Díaz-Castro, F.; Jorquera, C.; Troncoso, R.; Zbinden-Foncea, H.; Johannsen, N.M.; Castro-Sepulveda, M. Fluid restriction decreases solid food consumption post-exercise. Nutrients. Vol. 11. Num. 6. p. 1209. 2019.

-Pierri, L.A.D.; Zago, J.N.; Mendes, R.D.C.D. Eficácia dos inquéritos alimentares na avaliação do consumo alimentar. Revista Brasileira Ciência da Saúde. Vol.19 Num. 2. p. 91-100. 2015.

-Pinheiro, A.R.D.O.; Freitas, S.F.T.D.; Corso, A.C.T. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Revista Nutrição Campinas. Vol. 17. Num. 4. p. 523-533. 2004.

-Pitanga, F.J.G.; Lessa, I. Sensibilidade e especificidade do índice de conicidade como discriminador do risco coronariano de adultos em Salvador, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol.7. p. 259-269. 2004.

-Popkin, B.M.; D'Anci, K.E.; Rosenberg, I.H. Water, hydration, and health. Nutrition Reviews. Vol. 68. Num. 8. p. 439-458. 2010.

-Rocha, M.S.L. Peso ósseo do brasileiro de ambos os sexos de 17 a 25 años. Arquivos de Anatomia e Antropologia. Vol.1. p. 445-451. 1975.

-Salve, M.G.C. Obesidade e peso corporal: riscos e consequências. Movimento & Percepção. Vol. 6. Num. 8. p. 29-48. 2006.

-Siri, W. E. Body composition from fluid spaces and density: analysis of methods. Techniques for Measuring Body Composition. Vol. 61. p. 223-244. 1961.

-Souza, M.H.L.; Elias, D.O. Fundamentos da Circulação Extracorpórea. Centro Editorial Alfa Rio p. 441. 2006.

-Stookey, J.J. Negative, null and beneficial effects of drinking water on energy intake, energy expenditure, fat oxidation and weight change in randomized trials: A qualitative review. Nutrients. Vol. 8. Num. 1. p. 19. 2016.

-Szabo de Edelenyi, F.; Druesne-Pecollo, N.; Arnault, N.; González, R.; Buscail, C.; Galan, P. Characteristics of beverage consumption habits among a large sample of French adults: Associations with total water and energy intakes. Nutrients. Vol. 8. Num. 10. p. 627. 2018.

-Thornton, S.N. Angiotensin inhibition and longevity: a question of hydration. Pflügers Archiv: European Journal of Physiology. Vol. 461. Num. 3. p. 317-324. 2011.

-Toxqui, L.; Vaquero, M.P. Aldosterone changes after consumption of a sodium-bicarbonated mineral water in humans. A four-way randomized controlled trial. Journal of Physiology and Biochemistry. Vol. 72. Num. 4. p. 635-641. 2016.

-Valdez, R. A simple model-based index of abdominal adiposity. Journal of Clinical Epidemiology. Vol. 44. Num. 9. p. 955. 1991.

-Vieux, F.; Maillot, M.; Rehm, C.D.; Barrios, P.; Drewnowski, A. The timing of water and beverage consumption during the day among children and adults in the United States: analyses of NHANES 2011–2016 data. Nutrients. Vol. 11. Num. 11. p. 2707. 2019.

-Weschenfelder Magrini, D.; Gue Martini, J. Hipertensión arterial: principales factores de riesgo modificables en la estrategia salud de la familia. Enfermería Global. Vol. 26. p. 354-363. 2012.

-WHO. World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO Expert Committee. WHO Technical Report Series 854. Geneva. 1995.

-Würch, A. La femme et le sport. Medicine Sport Française. Vol. 4. p. 441-445. 1974.

-Zhou, Y.; Zhu, X.; Qin, Y.; Li, Y.; Zhang, M.; Liu, W.; Huang, H.; Xu, Y. Association between total water intake and dietary intake of pregnant and breastfeeding women in China: A cross-sectional survey. BMC Pregnancy and Childbirth. Vol. 19. Num. 1. p. 172. 2019.

Publicado
2022-03-29
Como Citar
Oliveira, I. L. de, Vilela, L. A., Manochio-Pina, M. G., Santos, D. dos, & Castro, E. A. (2022). Perfil nutricional de hipertensos antes e após a ingestão de água hiportermal enriquecida com minerais. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 15(93), 233-243. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1669
Seção
Artigos Cientí­ficos - Original