Prevalência e determinantes do aleitamento materno exclusivo e uso de fórmulas infantis em crianças de 0 a 6 meses no município de Itapejara D'Oeste-PR

Thais Maggioni Gnoatto, Indiomara Baratto

Resumo


A amamentação traz melhorias no processo digestivo e do sistema nervoso, favorece o vínculo mãe-filho facilitando o desenvolvimento emocional, favorece a imunidade, mantém o crescimento e desenvolvimento normal da criança. As fórmulas infantis são indicadas somente quando há impossibilidade do aleitamento materno, sua composição alcança grande parte dos nutrientes que compõem o leite humano, porém sua composição não se iguala às propriedades fisiológicas do leite materno. Este trabalho teve como objetivo verificar a prevalência do aleitamento materno exclusivo e seus determinantes, bem como o uso de fórmulas infantis nos primeiros seis meses de vida. Para a coleta de dados, foi aplicado um questionário aos responsáveis das crianças, contendo questões a respeito do consumo nas últimas 24 horas de leite materno, outros tipos de leite e outros alimentos, incluindo água, chás e outros líquidos, através do recordatório verificou-se que a prevalência do aleitamento materno exclusivo (AME) em crianças até seis meses foi de 44% (n=22), cerca de 40% (n=20) das crianças receberam fórmula infantil, o estudo ressalta ainda, que em média 48% (n= 24) das mães iniciaram a introdução alimentar precoce.

 

ABSTRACT

Prevalence and determinants of exclusive breastfeeding and use of infantile formulas in children from 0 to 6 months in the town of Itapejara D'Oeste-PR

Breastfeeding brings improvements in the digestive process and nervous system, favors the mother-child bond facilitating emotional development, favors immunity, maintains normal growth and development of the child. Infant formulas are indicated only when breastfeeding is impossible, its composition reaches a large part of the nutrients that make up human milk, but its composition does not match the physiological properties of breast milk. This study aimed to verify the prevalence of exclusive breastfeeding and its determinants, as well as the use of infant formulas in the first six months of life. To collect data, a questionnaire was administered to the children's parents, containing questions about the consumption of breast milk, other types of milk and other foods, including water, teas and other liquids, during the last 24 hours. (N = 22), about 40% (n = 20) of the children received infant formula, the study also emphasizes that on average 48 % (N = 24) of the mothers started the introduction of early food.


Palavras-chave


Aleitamento materno; Alimentação complementar; Lactentes

Texto completo:

PDF

Referências


-Abdalia, M. A. P. Aleitamento Materno como programa de ação de saúde preventiva no Programa de Saúde da Família. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Uberaba, 2011. 57f. Monografia (especialização em Saúde da Família).

-Gonçalvez, R. M.; Melo, C. S. Aleitamento materno versus aleitamento artificial. Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC). Goiânia. 2014.

-Gonçalves, S. A.; e colaboradores. Dor mamilar durante a amamentação: ação analgésica do laser de baixa intensidade. Revista Dor. Vol. 10. Num. 2. p. 125-129. 2009.

-Mendonça, J. S. C. Início da introdução de açúcar na dieta e presença de cárie dentária em bebês com e sem fissura labiopalatina. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2015.

-Monte, C. M. G.; Giugliani, E. R. J. Recomendações para alimentação complementar da criança em aleitamento materno. J Pediatr. Vol. 80. Num. 5. p. 131-141. 2004.

-Muniz, M. D. Benefícios do aleitamento materno para a puérpera e o neonato: A atuação da equipe de saúde da família. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Formiga, 2010.

-Nick, M. S. A importância do aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida para a promoção da saúde da criança. Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Teófilo Otoni, 2011.

-Queluz, M. C.; e colaboradores. Prevalência e determinantes do aleitamento materno exclusivo no município de Serrana, São Paulo, Brasil. Revista da Escola de Enfermagem da USP. Vol. 46. Num. 3. p. 537-543. 2012.

-Sandes, A. R.; e colaboradores. Aleitamento materno: prevalência e factores condicionantes. Acta Médica Portuguesa, 2007.

-Souza, S. N. D. H.; e colaboradores. Prevalência de aleitamento materno e fatores associados no município de Londrina-PR. Acta Paulista de Enfermagem. Vol. 25. Num. 1. p. 29-35. 2012.

-Stephan, A. M. S.; Cavada, M. N.; Vilela, C. Z. Prevalência de aleitamento materno exclusivo até a idade de seis meses e características maternas associadas, em área de abrangência de unidade de Saúde da Família no município de Pelotas, estado do Rio Grande do Sul, Brasil, 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Vol. 21. Num. 3. p. 431-438. 2012.

-Viana, K. J.; e colaboradores. Peso ao nascer de crianças brasileiras menores de dois anos. Cadernos de Saúde Pública. 2013.

-Vieira, G. O.; e colaboradores. Hábitos alimentares de crianças menores de 1 ano amamentadas e não-amamentadas. J Pediatr. Vol. 80. Num. 5. p. 411-416. 2004.

-World Health Organization. Indicators for assessing infant and young child feeding practices: conclusions of a consensus meeting held 6-8 November 2007. Washington DC. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui