Impacto de um programa de educação nutricional em adultos: antropometria e mudanças alimentares

Aline Corrêa Dias Zuccolotto, Rosane Pilot Pessa

Resumo


A crescente prevalência da obesidade torna o seu tratamento um desafio, visto a necessidade primária de mudanças no estilo de vida do indivíduo. O objetivo desse estudo foi avaliar o impacto de uma estratégia multidisciplinar para adultos com excesso de peso nos indicadores antropométricos e nas mudanças de hábitos. A partir de um banco de dados do Programa de Educação Alimentar de uma universidade pública, coletou-se informações sociodemográficas e antropométricas antes e após 12 semanas (peso, altura, circunferência da cintura-CC e circunferência do quadril-CQ) de 176 adultos de ambos os sexos, com excesso de peso, entre 2007 e 2013. Ainda, foram utilizadas informações de um instrumento de avaliação final para investigar a satisfação dos usuários e as mudanças alimentares e comportamentais alcançadas. Como resultados, a maioria eram mulheres (81,3%) com 45±12 anos, casadas (61,4%) e com ensino médio completo (51,7%). O IMC passou de 33,25±5,79 para 32,13±5,72kg/m² após a intervenção (p=0,000), com perda de peso média de 3,5%. A CC reduziu significativamente, tanto nas mulheres (101,56 para 97,99cm) quanto nos homens (118,84 para 112,62cm). A maioria dos participantes (84,1%) ficou satisfeita com o protocolo apresentando, como principal mudança de hábito, verificou-se o aumento do consumo de água e alimentos mais saudáveis (63,1%). Conclui-se que o programa teve impacto positivo podendo ser considerado uma estratégia efetiva de educação alimentar e nutricional na situação de sobrepeso e obesidade.

 

ABSTRACT 

Impact of a nutritional education program for adults: anthropometric parameters and changes in eating behaviors

The increasing prevalence of obesity makes its treatment a challenge, given the primary need for changes on individual’s lifestyle. The aim of the present study was to evaluate the impact of a multidisciplinary strategy for weight loss and lifestyle changes among overweight individuals. Sociodemographic and anthropometric data were collected from the database of a Food Education Program, conducted on a public university between 2007 and 2013. Data from 176 overweight men and women about weight, height, waist circumference (WC) and hip circumference (HC) were gathered before the intervention and 12 weeks later, at the end of the strategy. Information about participants’ satisfaction regarding the Program was collected using a questionnaire. Dietary and behavioral changes achieved by participants were also evaluated. The majority of participants were women (81.3%), with mean age of 45 years old (±12), married (61.4%), who had completed the high school (51.7%). After the intervention, the mean Body Mass Index (BMI) decreased from 33.25 kg/m² (±5.79) to 32.13 kg/m² (±5.72) (p < .000), with a mean weight loss of 3.5%. WC decreased significantly in women (from 101.56 cm to 97.99 cm) and men (from 118.84 cm to 112.62 cm). The majority of participants were satisfied with the Program (84.1%). The main change on lifestyle habits was an increase in water consumption and healthier foods (63.1%). It can be concluded that the program had a positive impact on participant’s lives and may be considered an effective strategy of food and nutritional education for overweight and obese individuals.


Palavras-chave


Obesidade; Comportamento alimentar; Satisfação do usuário

Texto completo:

PDF

Referências


-Alvarez, T.S.; Zanella, M.T. Impacto de dois programas de educação nutricional sobre o risco cardiovascular em pacientes hipertensos e com excesso de peso. Revista de Nutrição. Vol. 22. Num. 1. 2009. p. 71-79.

-Ammerman, A. S.; Lindquist, C. H.; Lohr, K. N.; Hersey, J. The efficacy of behavioral interventions to modify dietary fat and fruit and vegetable intake: a review of the evidence. Preventive Medicine. Vol. 35. Num. 1. p. 25-41. 2002.

-Apolinário, R. M.; Moares, R. B.; Motta, A. R. Mastigação e dietas alimentares para redução de peso. Rev. Cefac. Vol. 10. Num. 2. p. 191-199. 2008.

-Baldasso, J.G..; Galante, A. P.; De piano ganen, A. Impact of actions of food and nutrition education program in a population of adolescents. Revista de Nutrição. Vol. 29. Num. 1. 2016. p. 65-75.

-Barbato, K.B.G.; Martins, R.C.V.; Rodrigues, M.L.G.; Braga, J.U.; Francischetti,E.A.; Genelhu, V.A. Efeitos da redução de peso superior a 5% nos perfis hemodinâmico, metabólico e neuroendócrino de obesos grau I. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 87. Num. 1. 2006. p. 12-21.

-Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília. 2017.

-Brown, T.; Avenell, A.; Edmunds, L. D.; Moore, H.; Whittaker, V.; Avery, L.; Summerbell, C. Systematic review of long-term lifestyle interventions to prevent weight gain and morbidity in adults. Obes Rev. Vol. 10. P .627-638. 2009.

-Bueno, J. M.; Leal, F. S.; Saquy, L. P. L.; Santos, C. B.; Ribeiro, P. P. R. Educação alimentar na obesidade: adesão e resultados antropométricos. Revista de Nutrição. Vol. 24. Num. 4. 2011. p. 575-584.

-Cabrera, M. A. S.; Filho, W. J. Obesidade em idosos: prevalência, distribuição e associação com hábitos e comorbidades. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. Vol. 45. Num. 5. p. 494-501. 2001.

-Cervato, A. M.; Derntl, A. M.; Latorre, M. R. D. O.; Marucci, M. F. N. Educação nutricional para adultos e idoso: uma experiência positiva m universidade aberta para terceira idade. Rev. Nutr. Vol. 18. Num. 1. p. 41-52. 2005.

-Cotta, R. M. M.; Reis, R. S.; Batista, K. Ç. S.; Dias, G.; Alfenas, R. C. G.; Castro, F. A. F. Hábitos práticas alimentares de hipertensos e diabéticos: repenando o cuidado a partir da atenção primária. Rev. Nutr. Vol. 22. Num. 6. p. 823-835. 2009.

-Costa, M. A. P.; Vasconcelos, A. G. G.; Fonseca, M. J. M. Prevalência de obesidade, excesso de peso e obesidade abdominal e associação com prática de atividade física em uma universidade federal. Rev. Bras. Epidemiol. Vol. 17. Num. 2. p. 421-436. 2014.

-Costa, B.V.L.; Mendonça, R.D.; Santos, L.C.; Peixoto, S.V.; Alves, M.; Lopes, A.C.S. Academia da Cidade: um serviço de promoção da saúde na rede assistencial do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 1. 2013. p. 95-102.

-Cunha, D. T.; Albano, R. D. Evolução antropométrica após intervenção nutricional. Nutrire. Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. Vol. 38. Num. 1. p. 15-26. 2013.

-Dansinger, M. L.; Tatsioni, A.; Wong, J.B.; Chung, M.; Balk, E.M. Meta-analysis: The effect of dietary counseling for weight loss. Annals of Internal Medice. Vol. 147. Num. 1. 2007. p. 41-50.

-Di Noia, J.; Thompson, D. Processes of change for increasing fruit and vegetable consumption among economically disadvantaged African American adolescents. Eating Behaviors. Vol. 13. Num. 1. 2012. p. 58-61.

-Dobbs, R.; Sawers, C.; Thompson, F.; Manyika, J.; Woetzel, J.; Child, P.; Overcoming obesity: An initial economic analysis. New York. McKinsey & Company. 2014.

-Ezzati, M.; Riboli, E. Can noncommunicable diseases be prevented? Lessons from studies of populations and individuals. Science. Vol. 337. Num. 6101. 2012. p. 1482-1487.

-Felippe, F.; Balestrin, L.; Silva, F. M.; Schneider, A. P.; Qualidade da dieta de indivíduos expostos e não expostos a um programa de reeducação alimentar. Rev. Nutr. Vol. 24. Num. 6. p. 833-844. 2011.

-Fermino, R.C.; Pezzini, M.R.; Reis, R.S. Motivos para prática de atividade física e imagem corporal em frequentadores de academia. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 16. Num. 1. 2010. p. 18-23.

-Guimarães, N.G.; Dutra, E.S.; Ito, M.K.; Carvalho, K.M.B. Adesão a um programa de aconselhamento nutricional para adultos com excesso de peso e comorbidades. Revista de Nutrição. Vol. 23. Num. 3. 2010. p. 323-33.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. 2009.

-Koehnlein, E. A.; Salado, G. A.; Yamada, A. N. Adesão à reeducação alimentar para perda de peso: determinantes, resultados e a percepção do paciente. Rev. Bras. Nutr. Clin. Vol. 23. Num. 1. p. 56-65. 2008.

-Klack, K.; Carvalho, J. F. A importância da intervenção nutricional na redução do peso corpóreo em pacientes com síndrome do anticorpo antifosfolípide. Rev. Bras. Reumatol. Vol. 48. Num. 3. p. 134-140. 2008.

-Lage, A. Mulheres com mais de 40 anos têm dificuldade para emagrecer. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 set. 2007. Caderno Equilíbrio e Saúde.

-Leal, F. S. Tratamento da obesidade: investigando o abandono e seus aspectos motivacionais. 2012. 116f. Dissertação (Mestrado), Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2012.

-Lima, L. P.; Sampaio, H. A. C. Caracterização socioeconômica, antropométrica e alimentar de obesos graves. Ciênc. Saúde Coletiva. Vol. 12. Num. 4. p. 1011-1020. 2007.

-Ministério da Saúde. Consulta Pública n° 14, de 24 de setembro de 2012. Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do excesso de peso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas e dá outras providências. Brasília. 2012.

-Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: obesidade. Brasília. 2006.

-Ministério da Saúde. Guia alimentar para população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília. 2008.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, SISVAN, Brasília. 2011.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília. 2017.

-Nahas, F. M. A.; Castro, V.; Ribeiro, R. P. P. Excesso de peso e hipertensão: perda ponderal melhora risco cardiovascular. Rev. Soc. Cardiol. Estado de São Paulo. Vol. 25. Num. 1. p. 23-27. 2015.

-Pereira, J. M.; Helene, L. M. F. Reeducação alimentar e um grupo de pessoas com sobrepeso e obesidade: relato de experiência. Rev. Esp. Saúde. Vol. 7. Num. 2. p. 32-38. 2006.

-Philippi, S.T.; Latterza, A.R.; Cruz, A.T.R.; Ribeiro, L.C. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Revista de Nutrição. Campinas. Vol. 12. 1999. p. 65-80.

-Prochaska, J.O.; Wayne, V. F. The transtheoretical model of health behavior change. American Journal of Health Promotion. Vol. 12. Num. 1. p. 38-48.1997.

-Ritchie, L.D.; Whaley, S.E.; Spector, P.; Gomez, J. Crawford PB. Favorable impact of nutrition education on California WIC Families. Journal of Nutricion Education and Behavior. Vol. 42. Supl. S2-S10. 2010.

-Rodrigues, E. M.; Piza, F.P.T.; Boog, M. C.F. Resgate do conceito de aconselhamento no contexto do atendimento nutricional. Revista de Nutrição. Vol. 18. Num. 1. 2005. p. 119-128.

-Santiago, J. C. S.; Moreira, T. M. M.; Florencio, R. S. Associação entre excesso de peso e características de adultos jovens escolares: subsídio ao cuidado de enfermagem. Rev. Latino Am. Enfermagem. Vol. 23. Num. 2 p. 250-258. 2015.

-Te Morenga, L.; Mallard, S.; Mann, J.; Dietary sugars and body weight: Systematic review and metaanalyses of randomized controlled trials and cohort studies. The BMJ. 2012. p. 346.

-Teixeira, P. D. S.; Reis, B. Z.; Vieira, D. A. S.; Costa, D.; Costa, J. O.; Raposo, O. F. F.; Wartha, E. R. S. A.; Netto, R. S. M. Intervenção nutricional educativa como ferramenta eficaz para mudança de hábitos alimentares e peso corporal entre praticantes de atividade física. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 18. Num. 2. 2013. p. 347-356.

-Torres, H.C.; Hortale, V.A.; Schall, V. A experiência de jogos em grupos operativos na educação em saúde para diabéticos. Caderno de Saúde Pública. Vol. 19. Num. 4. 2003. p. 1039-1047.

-Varela, A. L.; Quintans, C. C.; Tranqueira, A. P.M.; Gasparotto, R.; Isaac, I. A. S.; Estrela, R.A.M.; Costa, F. M. C. B.; Campos, A. A. M. S. Programa de emagrecimento para mulheres obesas envolvendo variáveis nutricionais, psicológicas e exercício físico. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. Vol. 1. Num. 6. 2007. p. 12-27.

-WHO. BMI classification. Disponível em: . Acesso em: 08 jul, 2006.

-WHO. Obesity: preventing and managing the global epidemic: report of a WHO consultation. Geneva: World Health Organization, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato:aqui