Associação entre tipo de deslocamento para escola, tempo despendido com dispositivos de tela e inatividade física em escolares

  • Bárbara Cristina Grade Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Letícia de Borba Schneiders Programa de Pós-Graduação Mestrado em Promoção da Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Letícia Borfe Programa de Pós-Graduação Mestrado em Promoção da Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • João Francisco de Castro Silveira Programa de Pós-Graduação Mestrado em Promoção da Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Jane Dagmar Pollo Renner Programa de Pós-Graduação Mestrado em Promoção da Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Cezane Priscila Reuter Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
Palavras-chave: Sedentarismo, Saúde, Estilo de vida

Resumo

Introdução: A adolescência caracteriza-se por ser uma fase determinante para a qualidade de vida do indivíduo quando adulto, mas também é a fase em que os hábitos sedentários são adotados podendo levar ao desenvolvimento de patologias e problemas sociais. Objetivos: o presente estudo transversal tem como objetivo verificar se o tipo de deslocamento para a escola está associado com tempo de tela e inatividade física em escolares. Materiais e Métodos: a amostra é composta por 1396 adolescentes, de 10 a 17 anos, do sexo feminino e masculino, de escolas públicas e privadas do município de Santa Cruz do Sul-RS. Para avaliação do tipo de deslocamento para a escola, a avaliação do tempo despendido com dispositivos de tela e a frequência de inatividade física, foram utilizados questionários. Resultados e discussão: os dados foram analisados no software SPSS v. 23.0. Resultados: observa-se elevada frequência de adolescentes que se deslocam de forma sedentária para a escola (66,3%), que não praticam atividade física (49,4%) e que passam 2 horas ou mais por dia em frente às telas (61,2%). Entre os adolescentes do sexo masculino, observa-se que o deslocamento passivo para a escola está associado com inatividade física (p=0,024). Conclusão: destaca-se elevada a frequência de hábitos sedentários entre os adolescentes. Além disso, o deslocamento para a escola está associado com a inatividade física.

Referências

-Allender, S.; Cowburn, G.; Foster, C. Understanding participation in sport and physical activity among children and adults: a review of qualitative studies. Health Education Research. Vol. 21. Num. 6. p. 826-835. 2006.

-AAP. American Academy of Pediatrics. Children, adolescents, and television. Pediatrics. Vol. 107. Num. 2. p. 423-426. 2001.

-Barros, M.V.G.; Nahas, M.V. Medidas da atividade física: teoria e aplicação em diversos grupos populacionais. Londrina: Midiogra.; 2003.

-Bermejo-Cantarero, A.; Álvarez-Bueno, C.; Martinez-Viscaino, V.; García-Hermoso, A.; Torres-Costoso, A.I.; Sánchez-López, M. Association between physical activity, sedentary behavior, and fitness with health related quality of life in healthy children and adolescents: a protocol for a systematic review and meta-analysis. Medicine. Vol. 96. Num. 12. p. 1-5. 2017.

-Castro, J.A.C.; Nunes, H.E.G.; Silva, D.A.S. Prevalence of abdominal obesity in adolescents: association between sociodemographic factors and lifestyle. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 34. Num. 3. p. 343-351. 2016.

-Costa, F.F.; Assis, M.A.A. Nível de atividade física e comportamentos sedentários de escolares de sete a dez anos de Florianópolis-SC. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 16. Num. 1. p. 48-54. 2011.

-Davin, R.M.B.; Germanp, R.M.; Menezes, R.M.V.; Carlos, D.J.D. Adolescente/adolescência: revisão teórica sobre uma fase crítica da vida. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. Vol. 10. Num. 2. p. 131-140. 2009.

-Del Duca, G.F.; Barros, M.V.G.; Silva, K.S.; Garcia, L.M.T.; Bezerra, J.; Nahas, M.V. Effectiveness on physical activity indicators of an intervention delivered to high school students. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 16. p. 13-24. 2014.

-Jari, M.; Qorbani, M.; Motlagh, M.E.; Heshmat, R.; Ardalan, G.; Kelishadi, R. A nationwide survey on the daily screen time of iranian children and adolescents: The CASPIAN - IV Study. International Journal of Preventive Medicine. Vol. 5. Num. 2. p. 224-229. 2017.

-Lemos, N.; Nakamura, P.M.; Grisi, R.N.F.; Nokubun, E. Associação entre nível de atividade física de lazer dos pais com o nível de atividade física dos filhos. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 15. Num. 2. p. 95-100. 2010.

-Lucena, J.M.S.; Cheng, L.A.; Cavalcante, T.L.M.; Silva, V.A.; Farias Júnior, J.C. Prevalência de tempo excessivo de tela e fatores associados em adolescentes. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 33. Num. 4. p. 407-414. 2015.

-Pitanga, F.J.G.; Alves, C.F.A.; Pamponet, M.L.; Medina, M.G.; Aquino, R. Screen time as discriminator for overweight, obesity and abdominal obesity in adolescents. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 18. Num. 5. p. 539-547. 2016.

-Ramírez-Vélez, R.; Beltrán, C.A.; Correa-Bautista, J.E.; Vivas, A.; Prieto-Benavidez, D.H.; Martínez-Torres, J. Factors associated with active commuting to school by bicycle from Bogotá, Colombia: The FUPRECOL study. Italian Journal of Pediatrics. Vol. 42. Num. 1. p. 97. 2017.

-Reuter, C.P.; Burgos, M.S.; Pritsch, C.V.; Silva, P.T.; Marques, K.C.; Souza, S. Obesidade, aptidão cardiorrespiratória, atividade física e tempo de tela em escolares da zona urbana e rural de Santa Cruz do Sul-RS. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul / Unisc. Vol. 16. Num. 1. p. 2177-4005. 2015.

-Sigmundová, D.; Sigmund, E.; Bucksch, J.; Baďura, P.; Kalman, M.; Hamřík, Z. Trends in screen time behaviours in czech schoolchildren between 2002 and 2014: HBSC Study. Central European Journal of Public Health. Vol. 25. Num. 1. p. 15-20. 2017.

-Tenório, M.C.M.; Barros, M.V.G.; Tassitano, R.M.; Bezerra, J.; Tenório, J.M.; Hallal, P.C. Atividade física e comportamento sedentário em adolescentes estudantes do ensino médio. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 13. Num. 1. p. 105-17. 2010.

-Tremblay, M.S.; Aubert, S.; Barnes, J.D.; Saunders, T.J.; Carson, V.; Latimer-Cheung, A.E. Sedentary Behavior Research Network (SBRN) - Terminology Consensus Project process and outcome. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity. Vol. 14. Num. 1. p. 75. 2017.

-Tremblay, M.S.; LeBlanc, A.G.; Kho, M.E.; Saunders, T.J.; Larouche, R.; Colley, R.C. Systematic review of sedentary behavior and health indicators in school-aged children and youth. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity. Vol. 8. Num. 1. p. 98. 2011.

-Vasconcellos, M.B.; Anjos, L.A.; Vasconcellos, M.T.L. Estado nutricional e tempo de tela de escolares da rede pública de ensino fundamental de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro. Vol. 29. Num. 4. p. 713-722. 2013.

-WHO. Global recommendations on physical activity for health Geneva: World Health Organization, 2010.

Publicado
2020-05-16
Como Citar
Grade, B. C., Schneiders, L. de B., Borfe, L., Silveira, J. F. de C., Renner, J. D. P., & Reuter, C. P. (2020). Associação entre tipo de deslocamento para escola, tempo despendido com dispositivos de tela e inatividade física em escolares. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(81), 708-713. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1045
Seção
Artigos Científicos - Original