Avaliação dos efeitos de uma intervenção nutricional sob hábitos alimentares, estilo de vida e risco cardiovascular em escolares

  • Litusa da Silveira Dias Departamento de Educação Física e Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Cézane Priscila Reuter Programa de pós-graduação em Promoção de Saúde, Departamento de Educação Física e Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
  • Fabiana Assmann Poll Departamento de Educação Física e Saúde, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Santa Cruz do Sul-RS, Brasil.
Palavras-chave: Educação alimentar e nutricional, Estado nutricional, Consumo de alimentos, Doenças cardiovasculares, Adolescente

Resumo

Objetivo: Avaliar os efeitos de uma intervenção nutricional em escolares de uma escola municipal do interior do Rio Grande do Sul, em relação ao consumo alimentar, estado nutricional, estilo de vida e risco cardiovascular. Métodos: Realizou-se um ensaio clínico randomizado através de uma intervenção nutricional, com 36 escolares divididos em grupo intervenção (GI) e grupo controle (GC), matriculados no 5° e 6° ano do ensino fundamental de uma escola municipal. Aplicaram-se estratégias de educação nutricional, aferiu-se peso, estatura e circunferência da cintura, verificou-se frequência de consumo alimentar e estilo de vida em ambos os grupos, antes e após um mês de intervenção.  Resultados: No GI, 44,44% da amostra apresentou peso acima do adequado e no GC, 33,33%, não houve alteração no estado nutricional no período pós-teste. Analisando a diferença entre grupos, o GI apresentou após a intervenção aumento do consumo de alimentos in natura ou minimamente processados/protetor de risco cardiovascular, aumento do tempo de atividade física e leve diminuição das horas de tela, enquanto o GC apresentou aumento do consumo de alimentos ultraprocessados/preditores de risco cardiovascular, aumento do peso (p=0,034), CC (p=0,004) e RCE (p=0,002). A RCE e CC correlacionaram-se positivamente com IMC e CC em ambos os grupos. Conclusão: Houve efeito positivo nos hábitos alimentares pela melhora significativa do comportamento alimentar no GI, aumento da atividade física e discreta melhora nos parâmetros antropométricos, enquanto o GC apresentou piora dos hábitos alimentares e aumento das medidas antropométricas, resultados que evidenciam a necessidade e benefícios da educação nutricional.

Referências

-Amaro, S.; Viggiano, A.; Costanzo, A.D.; Madeo, I.; Viggiano, A.; Baccari, M.E.; Marchitelli, E.; Raia, M.; Viggiano, E.; Deepak, S.; Monda, M.; De Luca, B. Kalèdo, a new educational board-game, gives nutritional rudiments and encourages healthy eating in children: a pilot cluster randomized trial. Eur J Pediatr. Vol. 165. Num. 9. p.630-635. 2006.

-Ashwell, M.; Hsieh, S.D. Six reasons why the waist-to-height ratio is a rapid and effective global indicator for health risks of obesity and how its use could simplify the international public health message on obesity. Int J Food Sci Nutr. Vol. 56. p.303-307. 2005.

-Azevedo, E.C.C.; Dias, F.M.R.S.; Diniz, A.S.; Cabral, P.C. Consumo alimentar de risco e proteção para as doenças crônicas não transmissíveis e sua associação com a gordura corporal: um estudo com funcionários da área de saúde de uma universidade pública de Recife-PE, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 19. p.1613-1622. 2014.

-Brasil. Rio Grande do Sul. Lei Nº 15.216, de 30 de julho de 2018. (publicada no DOE n.º 145, de 31 de julho de 2018. Dispõe sobre a promoção da alimentação saudável e proíbe a comercialização de produtos que colaborem para a obesidade, diabetes, hipertensão, em cantinas e similares instalados em escolas públicas e privadas do Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul-RS. Julho. 2018.

-Coutinho, J.G.; Gentil, P.C.; Toral, N. A desnutrição e obesidade no Brasil: o enfrentamento com base na agenda única da nutrição. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 24. p. s332-s340. 2008.

-Enes, C.C.; Slater, B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Rev Bras Epidemiol. Vol. 13. Num. 1. p.163-171. 2010.

-Freedman, D.S.; Khan, L.K.; Serdula, M.K.; Dietz, W.H.; Srinivasan, S.R.; Bereson, G.S. Interrelationships among childhood BMI, childhood height, and adult obesity: the Bogalusa Heart Study. Int J Obes Relat Metab Disord. Vol. 28. p.10-16. 2004.

-Freedman, D.S.; Khan, L.K.; Serdula, M.K.; Dietz, W.H.; Srinivasan, S.R.; Bereson, G.S. The relation of childhood BMI to adult adiposity: the Bogalusa Heart Study. Pediatrics. Vol. 115. p.22-27. 2005.

-Friedrich, R.R.; Polet, J.P.; Schuch, I.; Wagner, M.B. Effect of intervention programs in schools to reduce screen time: a meta-analysis. J Pediatr. Vol. 90. Num. 3. p.232-241. 2014.

-Gaglianone, C.P.; Taddei, J.A.A.C.; Colugnati, F.A.B.; Magalhães, C.G.; Davanço, G.M.; Macedo, L.; Lopez, F.A. Educação nutricional no ensino público fundamental em São Paulo, Brasil: projeto Redução dos Riscos de Adoecer e Morrer na Maturidade. Rev Nutr. Vol. 19. p.309-320. 2006.

-Grundy, S.M.; Neeland, I.J.; Turer, A.T.; Vega, G.L. Waist circumference as measure of abdominal fat compartments. J Obes. Vol. 2013. Num. 454285. 2013.

-Lopes, F.M.; Davi, T.N. Inclusão de hábitos alimentares saudáveis na educação infantil. Cadernos da Fucamp. Monte Carmelo. Vol. 15. Num. 24. p. 105-126. 2016.

-Martins, G.B.; Ferreira, T.N.; Carvalho, I.Z. Estado Nutricional e o Consumo Alimentar de Adolescentes de uma Escola Privada de Maringá-PR. Saúde e Pesquisa. Vol. 7. Num. 1. 2014.

-Mccarthy, H.D.; Ashwell, M. A study of central fatness using waist-to-height ratios in UK children and adolescents over two decades supports the simple message - ‘keep your waist circumference to less than half your height’. Int J Obes Relat Metab Disord. Vol. 30. p.988-992. 2006.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. 2ª edição. 1ª reimpr. Brasília. Ministério da Saúde. 2014.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Marco de referência da vigilância alimentar e nutricional na atenção básica. Brasília. Ministério da Saúde. 2015.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília. Ministério da Saúde. 2011.

-Ministério da Saúde. Prevenção clínica de doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e renais. Brasília: Ministério da Saúde. 2006. p. 26-9. Cadernos de Atenção Básica, n. 14. Série A. Normas e Manuais Técnicos.

-Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Protocolos do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. SISVAN na assistência à saúde. Brasília. Ministério da Saúde. 2008. 55p.

-Must, A.; Hollander, S.A.; Economos, C.D. Childhood obesity: a growing public health concern. Expert Rev Endocrinol Metab. Vol. 1. p.233-254. 2006.

-Pereira, T.S.; Pereira, R.C.; Angelis-Pereira, M.C. Influência de intervenções educativas no conhecimento sobre alimentação e nutrição de adolescentes de uma escola pública. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 22. p. 427-435. 2017.

-Pinheiro, A.R.O.; Freitas, S.F.T.; Corso, A.C.T. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Rev Nutr. Vol. 17. Num. 4. p. 523-533. 2004.

-Pinho, C.P.S.; Diniz, A.S.; Arruda, I.K.G.; Lira, P.I.C.; Cabral, P.C.; Siqueira, L.A.S.; Batista Filho, M. Consumo de alimentos protetores e preditores do risco cardiovascular em adultos do estado de Pernambuco. Revista de Nutrição. Vol. 25. Num. 3. p.341-351. 2012.

-Pinto, R.P.; Nunes, A.A.; Mello, L.M. Análise dos fatores associados ao excesso de peso em escolares. Rev Paul Pediatr, São Paulo. Vol. 34. Num. 4. p. 460-468. 2016.

-Priore, S.E.; Faria, F.R.; Franceschini, S.C.C. Adolescência. In: Priore, S.E.; Oliveira, R.M.; Faria, E.R.; Franceschini, Pereira P.F. (Org.). Nutrição e Saúde na Adolescência. Editora Rubio. p.1-4. 2010.

-Rodrigues, B.; Spuldaro L.I.; Biesek S. Intervenção nutricional em atletas adolescentes praticantes de Futsal de uma Associação Atlética de Curitiba-PR. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 10. Num. 56. p. 126-135. 2016.

-Rotenberg, S.; Vargas, S. Práticas alimentares e o cuidado da saúde: da alimentação da criança à alimentação da família. Rev Bras Saúde Mater Infant. Vol. 4. Num. 1. p.85-94. 2004.

-Salvatti, A.G.; Escrivão, M.A.M.S.; Taddei, J.A.A.C.; Bracco, M.M. Padrões Alimentares de adolescentes na cidade de São Paulo. Rev Nutr. Vol. 24. Num. 5. p.703-713. 2011.

-Taveras, E.M.; Rifas-Shiman, S.L.; Sherry, B.; Oken, E.; Haines, J.; Kleinman, K.; Rich-Edwards, J.W.; Gillman, M.W. Crossing growth percentiles in infancy and risk of obesity in childhood. Arch. Pediatr. Adolesc. Med. Vol. 165. Num. 11. p.993-998. 2011.

-Taylor, R.W.; Jones, I.E.; Williams, S.M.; Goulding, A. Evaluation of waist circumference, waist-to-hip ratio, and the conicity index as screening tools for high trunk fat mass, as measured by dual-energy X-ray absorptiometry, in children 3-19y. Am J Clin Nutr. Vol. 72. p.490-495. 2000.

-Vargas, I.C.S.; Sichieri, R.; Sandre-Pereira, G.; Veiga, G.V. Avaliação de programa de prevenção de obesidade em adolescentes de escolas públicas. Rev Saúde Pública. Vol. 45. p. 59-68. 2011.

-World Health Organization (WHO). Growt reference data for 5-19 years. 2007.

-World Health Organization (WHO). (2013). Adolescent health. 2013.

-World Health Organization (WHO). Obesity and Overweight. 2013.

-World Health Organization (WHO). Global Status Report on noncommunicable diseases. 2014.

Publicado
2020-05-16
Como Citar
Dias, L. da S., Reuter, C. P., & Poll, F. A. (2020). Avaliação dos efeitos de uma intervenção nutricional sob hábitos alimentares, estilo de vida e risco cardiovascular em escolares. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 13(82), 905-916. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1089
Seção
Artigos Científicos - Original