Efeitos de dietas isoenergéticas sobre a composição corporal e balanço nitrogenado de praticantes de treinamento funcional: um estudo piloto

  • Paulo César Trindade Costa Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Departamento de Nutrição, Cuité, Paraíba, Brasil.
  • Bruna Renata Dias Alves Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Departamento de Nutrição, Cuité, Paraíba, Brasil.
  • Mabel de Freitas Batista Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Departamento de Nutrição, Cuité, Paraíba, Brasil.
  • Raylan Batista Leite Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Departamento de Nutrição, Cuité, Paraíba, Brasil.
  • Carlos Eduardo da Silva Costa Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Departamento de Nutrição, Cuité, Paraíba, Brasil.
  • Fillipe de Oliveira Pereira Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Educação e Saúde, Departamento de Nutrição, Cuité, Paraíba, Brasil.
Palavras-chave: Metabolismo Energético, Dieta hiperlipídica, Consumo Alimentar, Estado Nutricional

Resumo

Introdução: A maioria dos praticantes de treinamento funcional tem como objetivo principal a perda de peso. No entanto, para se alcançar a perda de peso, é necessário que seja elaborada uma estratégia que exige cálculos de necessidade energética de forma individualizada, respeitando sempre as particularidades dos indivíduos. Objetivo: analisou-se, além do perfil dietético, os efeitos de dois protocolos dietéticos sobre a composição corporal e balanço nitrogenado de praticantes de exercício funcional. Materiais e Métodos: o estudo foi produzido com 8 indivíduos, de ambos os sexos. Foi realizada avaliação do consumo alimentar, intervenção dietética, avaliação antropométrica e determinação do balanço nitrogenado. Resultados: o público estudado necessita de melhorias dos hábitos alimentares, principalmente em termos de micronutrientes. Ainda, observou-se que não houve diferenças significativas, entretanto, foi observada uma diminuição na variação média de gordura corporal nos grupos D1 e D2 de -1,70 kg (-1,67%) e -0,95 kg (-1,25%), respectivamente. Assim como uma redução na variação média do peso total (kg), IMC (kg/m2), e um aumento de massa magra (kg) em ambos os grupos. Em relação ao balanço nitrogenado, houve variação média positiva (22,00) no grupo D1 e negativa (-4,46) no grupo D2. Discussão: O protocolo dietético hiperlipídico provavelmente ocasionou maior fluxo de produção de energia através dos lipídeos. Conclusão: o consumo de dietas hiperlipídica-isocalóricas parece ser um fator importante para tornar o balanço nitrogenado positivo em indivíduos praticantes de exercícios predominantemente aeróbios. Ainda, ambos os protocolos induziram resultados positivos nas respectivas variações médias em relação à antropometria.

Referências

-Abreu, E. S.; D’avila, L. S. P.; Nascimento, J. F.; Silveira, M. A. A.; Moura, F. C.; Soares, P. M. Hábitos nutricionais pré-treino de praticantes de ginástica do projeto de extensão Proginc-Uec. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 62. 2017. p. 118-125. Disponível em: http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/741.

-Albuquerque, M. M. Avaliação do consumo de suplementos alimentares nas academias de Guará-DF. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 6. Num. 32. 2012. p.112-117.

-Araújo, M. C.; Bezerra, I. N.; Barbosa, F. D. S.; Junger, W. L.; Yokoo, E. M.; Pereira, R. A.; Sichieri, R. Consumo de macronutrientes e ingestão inadequada de micronutrientes em adultos. Revista de Saúde Pública. Vol. 47. 2013. p.177s-189s.

-Becker, L.; Gonçalves, P.; Reis, R. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 21. Num. 2. 2016. p. 110-122.

-Burke, L. M. Re-Examining High-Fat Diets for Sports Performance: Did We Call the ‘Nail in the Coffin’ Too Soon?. Sports Medicine. Vol. 45. Num. 33. 2015. p. 1179-2035.

-Burke, L. M.; Ross, M. L.; Garvican-lewis, L. A.; Welvaert, M.; Heikura, I. A.; Forbes, S. G.; Mirtschin, J. G.; Cato, L. E.; Strobel, N.; Sharma, A. P.; Hawley, J. A. Low carbohydrate, high fat diet impairs exercise economy and negates the performance benefit from intensified training in elite race walkers. The Journal of physiology. Vol. 595. Num. 9. 2017. p. 2785-2807.

-Daniel, M. F.; Neiva, C. M. Avaliação da ingestão proteica e do balanço nitrogenado em universitários praticantes de musculação. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 8. Num. 1. 2009. p. 21-39.

-Faccim, A. G. Avaliação antropométrica e nível de ingestão dos micronutrientes, ferro, vitamina c e cálcio em atletas de handebol do instituto federal do espírito santos - campus venda nova do imigrante, espírito santo. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 9. Num. 50. 2015. p.120-128.

-Gomes, R. M.; Triani, F. S.; Silva, C. A. F. Conhecimento nutricional de praticantes de treinamento de força. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 65. 2017. p. 610-617.

-Hammond, K. A. Ingestão: análise da dieta. In: Mahan, L. K.; Escott-stump, S.; Raymond, J. L. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. Rio de Janeiro. Elsevier. 2012. cap. 4. p. 137-141.

-Hevia, V. L.; Painelli, V. S. Influência da dose e da distribuição da ingestão de proteínas, associadas ou não ao treino de força, sobre a taxa de síntese proteica muscular. Revista Brasileira De Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 11. Num. 68. 2017. p. 963-973. Disponível em: http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/939/711.

-Institute of Medicine. Food and Nutrition Board. Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids (Macronutrients). Institute of Medicine. Washington (DC). National Academy Press. 2005.

-Mahan, L. K.; Escott-stump, S.; Raymond, J. L. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. Rio de Janeiro. Elsevier. 2013. Cap. 4. p. 137-141.

-Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2ª edição. Brasília. 2014.

-Monteiro, C.A.; Louzada, M.A. Ultraprocessamento de alimentos e doenças crônicas não transmissíveis: implicações para políticas públicas. Observatório Internacional de Capacidades Humanas, Desenvolvimento e Políticas Públicas: estudos e análises 2. Brasília. UnB/ObservaRH/Nesp-Fiocruz/Nethis. Vol.3. 2015. p. 167-180.

-Moraes, C.; Sampaio, R. C. Estresse oxidativo e envelhecimento: papel do exercício físico. Motriz. Journal of Physical Education. UNESP. Vol. 16. Num. 2. 2010. p.506-515.

-Oliveira, R. A. P. F.; Navarro, A. C. Os benefícios do treinamento de força no aumento da densidade mineral óssea em mulheres menopausadas associada à dieta rica em cálcio. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. Vol. 5. Num. 25. 2011. p.25-34.

-Paschoal, V.; Naves, A. Tratado de nutrição esportiva funcional. 1ª edição. São Paulo. Roca. 2015. 730p.

-Pollock, M. L.; Jackson, A. S. Research progress in validation of clinical methods of assessing body composition. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 16. Num. 6. 1984. p. 606-615.

-Siri, W. E. Body composition from fluid spaces and density: analysis of methods. Techniques for measuring body composition. Vol. 61. 1961. p. 223-244.

-Tam, N.; Nolte, H. W.; Noakes, T. D. Changes in total body water content during running races of 21.1 km and 56 km in athletes drinking ad libitum. Clinical Journal of Sport Medicine. Vol. 21. Num. 3. 2011. p. 218-225.

-Teixeira, C. V. L. S.; Evangelista, A. L.; Novaes, J. S.; Grigoletto, M. E. S.; Behm, D. G. “You're Only as Strong as Your Weakest Linkâ€: A Current Opinion about the Concepts and Characteristics of Functional Training. Frontiers In Physiology. Vol. 8. 2017 p.1-6.

-Vitolo, M. R. Pesos e volumes de alimentos e medidas caseiras. In Vitolo, M. R. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. 2ª edição. Rio de Janeiro. Rubio. 2014. Anexo 17. p. 533-539.

-Volek, J. S.; Noakes, T.; Phinney, S. D. Rethinking fat as a fuel for endurance exercise. European Journal of Sport Science. Vol. 15. Num. 1. 2015. p. 13-20.

-Zajac, A.; Poprzecki, S.; Maszczyk, A; Czuba, M. The Effects of a Ketogenic Diet on Exercise Metabolism and Physical Performance in Off-Road Cyclists. Nutrients. Vol. 6. Num. 7. 2014. p. 2493-508.

Publicado
2021-07-15
Como Citar
Costa, P. C. T., Alves, B. R. D., Batista, M. de F., Leite, R. B., Costa, C. E. da S., & Pereira, F. de O. (2021). Efeitos de dietas isoenergéticas sobre a composição corporal e balanço nitrogenado de praticantes de treinamento funcional: um estudo piloto. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento, 14(88), 888-897. Recuperado de http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1434
Seção
Artigos Científicos - Original